sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

[Aparecido rasga o verbo] Do verme ao escopo do ecstasy

Aparecido Raimundo de Souza

LULA, O METIDO A MACHO, está com medo. Mas medo de quem? Ou do quê?!  Com certeza, de ser preso. Afinal de contas, foram nove anos e seis meses, em primeira instância, que viraram doze anos e um mês, aumentados e confirmados depois, em segundo piso. O inocente bravateou tanto, fez alardes, ameaças, falou de Sergio Moro, gastou uma grana violenta (dos nossos bolsos) para levar uma pá de desocupados e cachaceiros para Porto Alegre, só para fazer ceninhas e aumentar as cabeças vazias num circo armado diante de outro picadeiro igualmente montado que, sem dúvida alguma, não deixou de ser o julgamento do seu recurso perante a TRF-4.

Vamos abrir parêntese para explicar o que significa TRF-4. TRF-4 se traduz por “Trabalho Rendoso e Fascinante”. Trabalho rendoso e fascinante para quem nele labuta sobre sol e chuva, ganhando, todavia, uma merreca que mal dá para pagar a cesta básica mensal. Fechamos parêntese. Elucidado esse mistério, retornemos ao Lula. Lula falou pelos cotovelos, tirou fotos com “simpatizantes”, se deixou ser filmado pelos cheira colhões, comentou seu processo, tocou no número 164-A, número que considera encrenqueiro e azarado, apesar de lembrar tempos “Solaris” de sua vida passada, fez piadas com o sítio de Atibaia, e agora, simplesmente depois do caso “meio que acamado”, tenta se libertar dos seus fantasmas de mortos presentes e vivos ausentes.

A fobia situacional pela prisão fez com que metesse o rabinho entre as pernas e o deixasse lá. O ser vivente é o único animal imbecilizado que amontoa seus espíritos de porcos dentro da alma e os condicionam num eterno rosário de agruras e dissabores. Depois carrega essas desgraças pela vida inteira. Não é à toa, pois, Lula estar cismado, desconfiado, temeroso, imaginando que pode, de uma hora para outra, ser impedido de ir e vir com suas caravanas país afora, de canto a canto, engambelando mais trouxas e idiotas. Para não ser pego de surpresa, em decorrência de seus jugos de falsos ornamentos, impetrou um HC - Habeas Corpus preventivo, para se livrar das gaiolas aconchegantes do Complexo Penitenciário de Curitiba (se nega a ser vizinho de Sergio Moro), ou dos aposentos reais e confortáveis da cálida e bucólica Papuda. Tomou ferro. Suas intenções foram sumariamente negadas. Os doze anos e um mês se transformaram em seu pior pesadelo.

Por conta dessa opressão tormentosa, o receio falou mais alto para o homem dos dezenove dedos. Afinal de contas, ficar engaiolado, numa celinha imunda, não é coisa para um “deus” que se preza, para um ser lesto e sério, íntegro e incorruptível, que só diz a verdade, nada mais que a mentira e, em nome dela, é capaz de dar até a última gota do sangue da Dilma ou do seu amigo Créo Dinheiro, da OAS (Onde Amansa a Solidão) para não ver a própria estupidez diante do espelho rindo dele de modo destrambelhado.

Mesmo tapa na fuça, ficar contemplando o sol radioso e belo nascer quadrado, não é coisa para um ex-presidente da república. Ainda mais, senhoras e senhores, por crimes que não cometeu. O alcácer tríplexciano de Guarujá, não é seu, o sítio de Atibaia não é seu. O apartamento de São Bernardo do Campo não é seu, o Instituto Lula não é seu. A comida que come não é sua.  O PT (ou Partido dos Trambiqueiros), idem.  Lula não tem nada. Nem a si mesmo, se duvidar. Seus sonhos d’oiros viraram rupestres rabiscados em paredes sisudas.

Todas essas calúnias e aleivosias, essas injurias hipócritas, essas difamações maledicentes, sem dúvida alguma foram obras do Capeta, vagabundo sem vergonha que não tendo o que fazer, resolveu botar as unhinhas de fora e colocá-lo, imaginem só, logo ele, Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do brasil (brasil assim mesmo, em letras minúsculas), em lençóis e colchões recheados de propinas. Coitado! Se fosse a Dilma, o Collor, o Fernando Henrique, o Palocci, o Eduardo Pupunha, o Rocha Mala Loures, ainda vá lá. Apesar de todas essas patacoadas e marrecadas, continuamos nos perguntando, e o fazemos incansavelmente: por que será que as pessoas fazem isso? Com que direito sujam no prato que comem, cagam e urinam sem dar maiores explicações? 

Foi o caso do Belzebu chifrudo. Sujeito sem modos, vadio, desalmado, sem Deus. Fazer uma desgraceira dessas logo com quem? O Lula?  Essa figura diabólica o Coisa Ruim, bem sabemos não se trata de um bosta qualquer. Estamos falando do inoxidável obreptício. Tudo bem, que seja ele o cara. Depois de Roberto Carlos... porém, ficamos todos a ver navios, navios e barquinhos: o que teria levado - insistimos veementemente nesta tecla de uma nota só -, o que teria dado na porra da cabeça do compadre Lúcifer, para colocar nosso correto, inocente, impecável e íntegro Lula em uma saia justa (perdão, calça justa), num par de sapatos apertados lhe futricando os calos de estimação que só dona Marisa sabia curar? 

Por causa dessas infâmias, nosso querido e amado ex-presidente Lula, se viu de pés e mãos amarradas diante de seus pares, adeptos, admiradores, asseclas, correligionários e entusiastas. Coitado do Lula! Doze anos e um mês. Como fica, em face disso, a sua morral (desculpem, a sua moral?).   Observem, amados leitores, no vídeo abaixo, ele, nosso ex-presidente, declara, em alto e bom som, que não existe ninguém mais “onesto” que ELE.


Nem na polícia federal. Depois, então, que o atual diretor dessa instituição, Fernando Segóvia se encontrou, às escondidas, com Michel Jackson Temer, no Palácio da Alvorada, e pior, três dias antes que Michelzinho respondesse às cinquenta perguntinhas da PF, a situação se agravou de forma mais “encucadora”, perdão, de forma mais robusta e contumaz.

Lula, o macho, na cadeia. Doze anos e um mês. Que louca ilusão, caros leitores! O rosto pálido de negro, as vistas tatuadas com flores defuntais, a alma espiralada...  bem sabemos, isso jamais ocorrerá. Existe uma máquina trabalhando dia e noite por baixo dos panos, uma engenhoca gigantesca, cujas engrenagens (uma corja de pilantras - se alguém duvidar - é capaz de dar a própria vida, para que nada saia errado) nunca deixam de funcionar. Estamos cansados de dizer e o fazemos com graça superna. Enquanto houver um cachorro vivo na face da terra, poste nenhum ficará sem fazer xixi e latir juras de amor eterno para o transformador que o abraça.

Se Lula for eleito, esse que agora temer (ou melhor, esse que agora teme) ser encarcerado, mudará o brasilzinho que ele chamou de cocô.  Da água para o vinho. Acabará com a bandidagem, porá ordem nos galinheiros, pacificando as favelas e colocando todos os bandidos e facínoras atrás das grades. A população terá paz e sossego, os aposentados terão rendimentos dignos, as crianças desfrutarão de escolas modelos, nossas polícias serão banidas da megera e ofuscativa sucateação em que se encontram. Teremos um país que não viverá mais às margens das balas perdidas, e dos tiroteios infindos em vias públicas, onde os PCCs da vida, espalhados e desordenados, ditam ordens à população e se escangalham de bazofiar das autoridades constituídas.

Lula fará mais. Arrancará a máscara da justiça. Reformará a previdência, a educação, a saúde, a constituição federal, jubilará o senado, a câmara, o STJ, os palácios, dentre eles o suntuoso Janucú. Botará no xilindró os responsáveis pelas duzentas e quarenta e duas mortes da boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, mudará o código penal, fará da justiça do trabalho uma feira livre e ágil, onde os reclamantes, ao procurá-la, verão seus processos voarem pelas varas e cartórios a que forem sorteados, a largos passos de tartaruga. Ninguém do povo morrerá por conta de balas perdidas. Lula achará seus familiares e as devolverá a eles, sãs e salvas.       

No mesmo fluxo, fará a redistribuição de renda igualitária, acabará com a pobreza, com os sem teto, com os “sem noção”. Reestruturará a democracia e minimizará as mazelas que abundam rincão a fora e devastam a tez desta republiqueta de cafundós. Definitivamente não haverá mais rebeliões em presídios, tampouco os apenados dominarão a ralé desprotegida mandando ordens de dentro dessas casas de detenção.  Lula fará mais. Se livrará dos doze anos e um mês, mandará Sergio Moro e a operação lava jato, jatinhos e jatões para a casa do carvalho, junto com seus amigos do TRF-4, os ilustres Leandro Paulsen, João Pedro Gebran Neto e Vitor Laus. Afinal, esses senhores o “condenaram sem provas”. Malvados!

No mais, Lula assumirá definitivamente o tríplex, o sítio de Guarujá, voltará a jogar na loteria no antigo 164 e transformará o “A do Solaris”, num imenso e frutuoso parque de diversões. Sem contar, evidentemente, que subverterá seu querido e amado brasil (o que ele chamou de excremento), numa imensa e majestosa mina de ouro. Sectários, caudatários, e outros ários, caros leitores e amigos, certamente não faltarão. Por fim, pedirá ao Papa Francisco que excomungue o Enganador e que o mande lamber sabão, torrando a paciência do coreano nortista Kim Jong-um.  
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de São Paulo, Capital. 2-2-2018

Relacionado:

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-