sábado, 24 de fevereiro de 2018

[Pernoitar, visitar, comer e beber fora] Nazaré

Saímos de Aveiro rumo a Nazaré.


 

As ondas enormes estavam descansando, não as vimos.


Santuário de Nossa Senhora da Nazaré, foto: JP
Conta a Lenda da Nazaré que ao nascer do dia 14 de setembro de 1182, D. Fuas Roupinho, alcaide do castelo de Porto de Mós, caçava junto ao litoral, envolto por um denso nevoeiro, perto das suas terras, quando avistou um veado que de imediato começou a perseguir. O veado dirigiu-se para o cimo de uma falésia. D. Fuas, no meio do nevoeiro, isolou-se dos seus companheiros. Quando se deu conta de estar no topo da falésia, à beira do precipício, em perigo de morte, reconheceu o local. Estava mesmo ao lado de uma gruta onde se venerava uma imagem de Nossa Senhora com o Menino. Rogou então, em voz alta: Senhora, Valei-me! De imediato, miraculosamente o cavalo estacou, fincando as patas no penedo rochoso suspenso sobre o vazio, o Bico do Milagre, salvando-se assim o cavaleiro e a sua montada da morte certa que adviria de uma queda de mais de cem metros.

Foto: JP
D. Fuas desmontou e desceu à gruta para rezar e agradecer o milagre. De seguida mandou os seus companheiros chamar pedreiros para construírem uma capela sobre a gruta, em memória do milagre, a Ermida da Memória, para aí ser exposta à veneração dos fiéis a milagrosa imagem. Antes de entaipar a gruta os pedreiros desfizeram o altar ali existente e entre as pedras, inesperadamente, encontraram um cofre em marfim contendo algumas relíquias e um pergaminho, no qual se identificavam as relíquias como sendo de São Brás e São Bartolomeu e se relatava a história da pequena imagem esculpida em madeira, policromada, representando a Santíssima Virgem Maria sentada num banco baixo a amamentar o Menino Jesus.

Representação do milagre de Nossa Senhora da Nazaré a D. Fuas Roupinho. Foto: André Luís 

Foto:JP
A peça (acima) serve para homenagear os surfistas e Nossa Senhora da Nazaré. Consiste na estátua de um surfista, com “cabeça de veado”, fazendo a alusão ao milagre de Nossa Senhora da Nazaré, que, segundo a lenda, terá salvo D. Fuas Roupinho quando este caçava um veado e desapareceu no precipício, no meio do nevoeiro, a 14 de setembro de 1182, valendo-lhe o pedido de auxílio à Virgem para parar o cavalo.
Esta obra, que motivou surpresa e até alguma contestação, foi inaugurada em dezembro de 2016.

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-