terça-feira, 29 de março de 2016

Lula, o amoral, difama Lava Jato e Moro mundo afora para tentar barrar impeachment

O Planalto, em consonância com o presidente “de facto”, decidiu, como afirmei nesta manhã, optar pelo leilão: está distribuindo fatias do governo a quem quiser votar contra o impeachment

Reinaldo Azevedo

Ai, ai…
Lula, ora vejam, não é ministro de coisa nenhuma. Hoje, ele é apenas um ex-presidente investigado. Mas está concedendo entrevistas a veículos estrangeiros. Não! Não é para tratar da crise política, de seus desdobramentos, do eventual fim da era petista. Isso até faria sentido.

Não! Ele está é tratando de miudezas mesmo. Acha, por exemplo, que o Planalto pode segurar parte do PMDB e, como diz, construir a governabilidade.

E, para não variar, dá a si mesmo como exemplo: “Quando eu ganhei as eleições, em 2003, em um primeiro momento o PMDB não me apoiou, mas uma parte do PMDB na Câmara me apoiava, uma parte do PMDB do Senado me apoiava, e nós conseguimos governar”.

Bem, cumpriria lembrar aqui que as circunstâncias eram outras, mas me parece ocioso a esta altura.

O Planalto, em consonância com o presidente “de facto”, decidiu, como afirmei nesta manhã, optar pelo leilão: está distribuindo fatias do governo a quem quiser votar contra o impeachment.

E tenta ainda esvaziar a reunião do Diretório Nacional do PMDB, marcada para esta terça, que deve votar pelo desembarque. O governo tenta arrancar dos ministros peemedebistas o não comparecimento ao encontro e o compromisso de trabalhar em suas respectivas bases contra o impeachment.

Críticas a Moro
Na entrevista coletiva, Lula fez críticas ao juiz Sergio Moro. Segundo ele, é competente e inteligente, mas foi picado pela mosca azul.

Disse isso, claro!, naquele seu tom piedoso: “O juiz, por mais que seja juiz, não foi correto ao fazer divulgação de coisas privadas. Não contribui com a democracia. Deus coloque a mão na cabeça dele”.

Seria bom Lula deixar Deus longe dessas histórias do capeta. Afirmou ainda que o juiz não pode ter lado.

A entrevista do petista é parte de uma estratégia de difamação da Operação Lava Jato mundo afora para tentar caracterizar o impeachment de Dilma como um golpe. NOTA: A DENÚNCIA QUE TRAMITA NA CÂMARA TRATA ESSENCIALMENTE DAS PEDALADAS FISCAIS.

E não faltou, ora vejam, críticas à imprensa, que estaria tentando criar um clima parecido com aquele que levou à rápida deposição de Hugo Chávez em 2002. O golpe militar durou 47 horas.

A comparação é um despropósito absoluto. Embora o delinquente venezuelano já caminhasse para a ditadura aberta, o que se viu lá foi uma quartelada. No Brasil, as instituições funcionam plenamente, e os militares estão longe da política.

Lula e Dilma, eles sim, estão tentando transformar o impeachment numa batalha campal. Lula e Dilma, eles sim, querem simular um clima de guerra civil. Lula e Dilma, eles sim, pretendem empurrar o país para o impasse institucional. Lula e Dilma, eles sim, perderam os limites de seu papel político: ela, formalmente, investida do cargo; ele, ocupando a Presidência “de facto”, de forma ilegal. É, em todo caso, uma liderança que arregimenta seguidores.

Isso é prenúncio de que haverá dificuldades pela frente. O PT não se conforma com o triunfo do aparato legal pelo qual se elegeu. Esse é o partido que pediu o impeachment de Collor, de Itamar e de FHC. Como se nota, dada a lista, não era necessário que o adversário cometesse crime para que o partido tentasse derrubá-lo. Bastava ser…  adversário.

Quando eles estão no poder, no entanto, nem o crime escancarado justificaria o impedimento.

E é por isso que há muitos anos cravei algumas máximas sobre os petistas: “Seus adversários são sempre culpados, mesmo quando são inocentes; eles próprios são sempre inocentes, mesmo quando culpados”.

Ou mais: “A divisa de um petista é ‘aos amigos, tudo, menos a lei; aos inimigos, nada, nem a lei’”.
Assim, o único norte moral do petismo é a… amoralidade! 
Título e Texto: Reinaldo Azevedo, VEJA, 28-3-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-