sábado, 25 de junho de 2011

Cenas obscenas de estalinismo explícito

Aconteceu na primeira metade de junho em Brasília. “Blogueiros” autoproclamados “progressistas”, mas cuja independência cessa à porta de seu próprio encontro, foram mais uma vez patrocinados pela Petrobrás, pela Fundação Banco do Brasil, pela Itaipu binacional e pelo governo do Distrito Federal para mais uma vez discutir um “novo marco regulatório” e o “controle social” da mídia brasileira. Além dos “blogueiros progressistas”, o destaque foi para dirigentes do PT, esse partido igualmente “progressista” e “independente”.

Dois pontos se realçaram. Em primeiro lugar, a fala de Lula, o Grande, clamando contra os “falsos formadores de opinião”. À primeira vista trata-se de “formadores de opinião” não-verdadeiros, logo, de pretensões irreais e irrealizadas. Mas, se o são, quem perderia tempo com eles? Deve-se então, como é inevitável, interpretar o pobre português e as ideias empobrecidas do ex-presidente, vazadas em linguagem ao mesmo tempo panfletária, imatura e popularesca. “Falsos formadores de opinião”, na verdade, quer dizer “formadores de opiniões falsas”. E como ele se referia à “grande mídia”, além de ela ser, então, responsável por formar opiniões falsas, há quem possa formar as opiniões verdadeiras.

Não é surpresa que quem detém tal capacidade, na opinião dos presentes, sejam os autoproclamados “progressistas” – em oposição, portanto, aos “reacionários”. Para quem não sabe, progressistas era como se autointitulavam em público as “forças de esquerda” no tempo da Guerra Fria. Trata-se de um eufemismo: como ser “de esquerda” era então “incompreendido” por muitos (por exemplo, a classe média), além de perigoso, sejamos “progressistas”. Não bastasse um eufemismo, é também jargão dos velhos grupelhos “de esquerda”.

Conclui-se, em todo caso, que aqueles capazes de garantir as opiniões verdadeiras, logo, a verdade, são esses mesmos “progressistas”. É compreensível. Lula sonha, no fundo (mas não tão no fundo assim), em ser ungido o “pai do povo brasileiro”. Não só ele acredita em seu próprio caráter messiânico, como quem se crê um messias não pode encarar a crítica como algo natural e, no caso da política, inevitável. O Messias, por definição, traz a verdade. Logo, seus antagonistas (termo que Lula tem adotado para se referir aos seus adversários) só podem ser falsos profetas, falsos formadores da opinião popular.

Os seguidores do Grande Líder, do Salvador do Povo, comungam de sua verdade. Companheiros do Grande Líder, são então os iluminados representantes do Povo, a quem cabe combater as ações deletérias dos falsos profetas, que enganam e desviam esse mesmo Povo. Daí sua defesa do “controle social” sobre os “falsos formadores de opinião”. Pois, naturalmente, o controle social não será feito pela sociedade em si, que é amorfa e passiva, mas por seus salvadores, que são “conscientes” e ativos.


O presidente do PT-SP, Edinho Silva, conclamou os colegas a apoiar o "controle social" da imprensa. "Temos de fazer o debate" (Márcio Falcão, “Lula ataca mídia e pede regulamentação”, Folha de S. Paulo).

Mas apesar das ótimas intenções, o estilo é para lá de duvidoso. “Fazer o debate” é, mais uma vez, um tão velho quanto feio clichê “vanguardista”, dos antigos “aparelhos”, os grupelhos clandestinos que combatiam a ditadura militar visando substituí-la pela “ditadura do proletariado” (Dilma Doucheff, José Dirceu – presente ao encontro “progressista” – e Franklin Martins – o “muso” do encontro – fizeram, não por acaso, parte de tais grupelhos). Como se trata, assim, de tortas mentes estalinistas (que uma vez entortadas, muito dificilmente desentortam, até porque defendem ativamente sua verdade), useiras de uma espécie de novilíngua vermelha (apesar de hoje tão velha), “fazer o debate” não significa fazer um debate, pôr em discussão, mas sim colocar no alto da lista uma decisão já tomada e, agora, vista como prioritária. 

De fato, não se imagina que essa gente, neste caso, vá “fazer o debate” de modo a concluir, por exemplo, que talvez não se deva instituir nenhum “controle social” da mídia. Portanto, o “debate” já está feito, e “fazê-lo” é, na verdade, determinar que o grupo proclame a decisão “iluminada” dos “progressistas”. Para, em seguida, tentar impô-la à sociedade. Afinal, tudo isso resulta em uma tremenda vontade de rir. Mas há uma sombra nesse riso. Essa gente já demonstrou do que é capaz quando detém um poder não mitigado pelos mecanismos de controle e equilíbrio da “democracia burguesa” – entre eles, não por acaso, a liberdade de imprensa e a transparência da informação, marcas e marcos da sociedade aberta (enquanto ocorria o encontro “progressista”, Dilma Doucheff envolveu-se com a defesa do sigilo perpétuo de documentos oficiais e também dos orçamentos da Copa e das Olimpíadas; os que acreditam ter isso a ver com o “jogo político”, ou seja, com o “jogo político” apenas, sem qualquer ressonância no DNA ideológico da “presidenta”, logo, que não passa de uma coincidência, talvez mereçam viver num país em que a mídia é “socialmente controlada”, pois para esses não fará afinal muita diferença).
Título e Texto: Luís Dolhnikoff
Publicado por José Gonsalo no blogue "Fiel Inimigo", 24-06-2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-