quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Macroscópio – Já foi ver o novo Guerra das Estrelas? Então leia isto antes (ou depois)

José Manuel Fernandes

A saga da Guerra das Estrelas passa de geração em geração, e cada geração parece vivê-la com uma intensidade própria. Não surpreende por isso que a estreia do sétimo Star Wars seja mais do que o acontecimento cinematográfico desta semana – será o do mês, talvez o da temporada, porventura o do ano. Pelo menos pela expectativa que suscitou e pelos rios de palavras que justificou. Agora que o filme estreou – e até pré-estreou, pois esta madrugada já foi possível vê-lo –, é altura de olhar para o que dizem os críticos. Os portugueses e os de todo o mundo. É nisso que se centrará este Macroscópio, evitando dispersar-se por muitos dos textos que procuraram abordar todos os ângulos possíveis e imaginários de uma saga que se iniciou há quase quatro décadas.

Como vamos andar por vários países, olhando para o que escreveram críticos de diferentes sensibilidades, deixo-vos uma adivinha: onde foi que os cinéfilos receberam o filme como menos estrelas? E onde foi que mostraram mais entusiasmo? Pois, é possível que já estejam a suspeitar antes mesmo de começar a ler. Mas vamos a isto, não sem deixar um aviso: tentei evitar ao máximo os spoilers, mas há sempre qualquer coisa que passa.

Portugal
Acordar a meio gás, de Eurico de Barros, Observador, 2 estrelas: “Antes de mais, deixem-me dizer em meu abono que vi o “Guerra das Estrelas” original nas primeiras filas do cinema Monumental, em 1977, e voltei lá para o rever uma boa meia-dúzia de vezes; que “Guerra das Estrelas” e “O Império Contra-Ataca” estão na minha lista de filmes favoritos de sempre; que já apertei a mão a George Lucas e disse-lhe o quão agradecido estava por ele ter criado esta saga, e o que ela significava para a minha geração (…). Por isso, não venham cá respigar comigo e fazer pose de fãs de babar na gravata quando eu lhes disser que “Star Wars: O Despertar da Força” não me entusiasmou por aí além.”

Há, outra vez, gente neste universo, não apenas bonecos, de Jorge Mourinha, Público, 3 estrelas: “Por muito que O Despertar da Força mostre respeito, afeição, compreensão e gosto pelo universo original criado por George Lucas, fica também a sensação de que Abrams cumpre essa agenda com desenvoltura mas sem especial distinção nem invenção. Este é um blockbuster “autoral”, com a “mão” de um realizador que sabe imprimir a sua marca mesmo em “encomendas”. Mas é também um filme que recicla e actualiza o original de 1977, tanto narrativa como conceptualmente.”

Um catálogo de relíquias e aquela sequência final, de Vasco Baptista Marques, Expresso, sem classificação: “Percebe-se a necessidade de fazer a vénia, mas a verdade é que ela acaba por cristalizar “O Despertar da Força” numa pose de rígida homenagem formal. Aqui, tudo é, por assim dizer, demasiadamente reconhecível: desde os efeitos de ligação que encadeiam os planos, passando pelos décors e pelo desenho das sequências de ação (…). No entanto, se a herança deixada pela trilogia original se faz sentir nos aspetos formais do filme, ela sufoca uma narrativa que – há que dizê-lo – constitui um best of: são as mesmas canções, cantadas por novos intérpretes.”

Despertar em força, de Inês Lourenço, Diário de Notícias, 4 estrelas: “O sétimo episódio de Star Wars é, assim, um objeto curioso pela sua capacidade de reunir novas sensações - diretamente relacionadas com os recursos tecnológicos - e deixar entrar os valores originais dos filmes de 1977, 1980 e 1983. A saber, a amizade, a coragem, e mesmo o sentido genuíno da aventura, envolvida num humor simples mas cativante.”

Espanha
Y los fans seguirán amándola, yo menos, de Carlos Boyero, El Pais, sem classificação: “Me he entretenido moderadamente con este circo anfetamínico. Deseando que durara un poquito menos. Son mis gustos. Pero entiendo que para infinidad de espectadores esta película les regale el éxtasis. Y es fantástico que el cine, en la gran pantalla, a oscuras, en tres dimensiones espectaculares, siga disfrutando de un público masivo y entusiasmado en épocas que auguran su definitiva agonía.”

Buscando a Luke desesperadamente, de José Manuel Cuéllar, ABC, 3 estrelas: “Esta «Star Wars» se te pega a la adrenalina y apenas te deja un calmante en la recámara. Como chico listo, Abrams no solo tira de ideas, sino de nombres, el que más, el de Harrison Ford, que parece haberse tomado un recauchutado de segunda vida para hacer uno de los mejores Han Solo de los últimos años.”

El placer de lo igual, de Luis Martínez, El Mundo, sem classificação: “De esto se trata, de recuperar intacto un terreno mítico al que regresar para, precisamente, huir de todo lo demás. Toda la película está lanzada a la velocidad de curvatura (con perdón) contra los mejores sueños del espectador. Y es ahí, en la gracia se verse de nuevo en la sala de mandos del Halcón Milenario, donde reside la gracia del reencuentro. Vuelta a casa. El resultado es una pieza de entretenimiento limpia, perfecta y descomunal de la que, decididamente, es imposible escapar.”






Reino Unido
'The magic is back', de Robbie Collin, The Telegraph, 5 estrelas: “I’ll confess to crying three times during the film: once during Rey and Finn's escape from Jakku, when I realised that Star Wars was in safe hands, again during one particular Kylo Ren scene which I’ve gone out of my way not to describe above, and also during the climactic lightsaber duel, framed by frozen trees and illuminated by flares of red and blue electricity – which I suspect, on an initial watch, might be the most thrilling battle of its kind to date.”

A new hope for the Star Wars saga, de Prospero, The Economist, sem classificação: “At some points the old “Star Wars” blueprint may feel overly familiar for some fans, an issue that Han Solo confronts directly for some good laughs. But for the most part Rey, Finn and Kylo Ren are allowed to play with old tropes in inventive new ways, in an intriguing story that entertains, surprises, and, in an evocative final shot, fires the imagination for what is to come. It is the opening chapter of a space opera in the grand tradition that George Lucas invented, even if this is not the opera he had envisaged (as he himself has made clear).”

‘A spectacular homecoming', de Peter Bradshaw, The Guardian, 5 estrelas: “The Force Awakens re-awoke my love of the first movie and turned my inner fanboy into my outer fanboy. There are very few films which leave me facially exhausted after grinning for 135 minutes, but this is one. And when Han Solo and Chewie come on, I had a feeling in the cinema I haven’t had since I was 16: not knowing whether to burst into tears or into applause.”

The Force Awakens is the sequel you're looking for, de Christopher Hooton, no The Independent, 4 estrelas: “Star Wars: The Force Awakens is very probably the best Star Warsyet, and would be held up as untouchable had it come first. So let's not let ourselves get too bloody internet-y about it and start it tearing to pieces, and enjoy what is a fun, well-executed and thoroughly corrective sequel.”

França
Certainement le meilleur "Star Wars", de Boris Manenti, Le Nouvel Observateur, sem classificação: “"Le Réveil de la force" a tout le potentiel pour s'imposer comme le meilleur "Star Wars" de la saga dans le cœur des fans "historiques" comme des plus récents. Il se présente comme un mélange parfait entre le rythme de "La Revanche des Sith" et la découverte de "Un Nouvel espoir". Un mix capable de dépasser la réussite qu'était "L'Empire contre-attaque". Les fans, comme ceux qui découvrent l'univers, apprécieront le long-métrage et n'auront qu'une hâte : voir le prochain.”

Dans la force de l'âge, de Didier Péron , Clément Ghys et Clémentine Gallot, Libération, sem classificação: “Le film, s’il est une méditation sur la vieillesse (les héros sont fatigués, la Force obscure radote dans son nihilisme radical), est aussi un pur produit calibré de son époque, emblème de cinéma «méta» des années 2000 avec son scénario passé à la moulinette des «cultural studies», prenant à rebours les stéréotypes pour coller à une exigence de diversité (féminisme et acteur noir). Le film entier se conçoit comme un manuel, un mode d’emploi à l’usage des jeunes générations.”

Un shoot de plaisir régressif, de Isabelle Regnier, Le Monde, classificação “a não perder”, texto com paywall: “C’est un divertissement de toute beauté, un grand shoot de plaisir, largement régressif, dont il serait dommage de se priver en cette période de fêtes, mais qu’un scénario d’un simplisme navrant (comme toujours dans cette saga) empêche de prétendre au titre d’indépassable chef-d’œuvre.”


Estados Unidos
‘Star Wars: The Force Awakens’ Delivers the Thrills, With a Touch of Humanity, de Manohla Dargis, New York Times, sem classificação: “The big news about is — spoiler alert — that it’s good! (…) It seamlessly balances cozy favorites — Harrison Ford, ladies and gentlemen — and new kinetic wows, along with some of the niceties that went missing as the series grew into a phenomenon, most crucially a scale and a sensibility that are rooted in the human. It has the usual toy-store-ready gizmos and critters, but it also has appealingly imperfect men and women whose blunders and victories, decency and goofiness remind you that a pop mythology like “Star Wars” needs more than old gods to sustain it.”

A New Hope With the Old Force, de Joe Morgenstern, Wall Street Journal, sem classificação: “If I’ve left anything out, it’s only the character, actor, question and central plot point that everyone who cares about “Star Wars” presently cares about most: Mark Hamill’s Luke Skywalker, a search for whom provides the movie’s dramatic engine. Is Luke dead or alive? Has he gone to the Dark Side? Whatever has become of him? (…) Everything you need to know about the movie is precisely where it belongs, in the movie. Just see it. You’ll love it.”

‘The work of a very capable student’, de Todd McCarthy, no The Hollywood Reporter, sem classificação: “The Force is back. Big time. As the best Star Wars anything — film, TV show, video game, spinoff, what-have-you — in at least 32 years,Star Wars: The Force Awakens pumps new energy and life into a hallowed franchise in a way that both resurrects old pleasures and points in promising new directions. But whereas the fundamental touchstones of George Lucas' original creation remain, in director J.J. Abrams' hands there is a shift in tone that brings the material closer to the feel of a Steven Spielberg film.”

‘A compromise solution’, de Justin Chang, Variety, sem classificação: “Star Wars: The Force Awakens” suggests the work of a filmmaker who faced the exciting yet unenviable task of partially reassembling one of the most beloved ensembles in movie history, furthering their characters’ adventures in a meaningful fashion, and helping them pass the baton from one generation of action figures to the next — and emerged, in the end, with a compromise solution that, even when it’s not firing on all cylinders, has been put across with sufficient style, momentum, love and care to prove irresistible to any who have ever considered themselves fans.”

The movie event of the year’, de Peter Travers, RollingStone, 3,5 estrelas (num máximo de 4): “It's everything the kid in us goes to the movies for — marvelous adventure that leaves us surprised, scared and euphoric. So let out a Wookiee roar for director J.J. Abrams who sweeps us out of the black hole of George's Lucas' trilogy of paralyzingly dull Star Wars prequels and into a brave new world.”

Como vêem, muita variedade, mas um consenso quase geral de que é um filme a não perder. Lendo tudo, talvez a crítica mais reservada acabe por ser a que saiu aqui no Observador. Suspeito que muitos não concordarão com ela (eu incluído), mas não faz mal: desta vez, mais do que recomendar-lhe boas leituras, sugiro que, indo ao cinema, descubra se se diverte tanto como se divertiram alguns destes críticos. O tempo também está para isso, para duas horas e meia numa sala escura capaz de nos transportar, literalmente, para outras dimensões. 
Título, Imagens e Texto: José Manuel Fernandes, 17-12-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-