quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Uma chicotada na cara

Oliveira da Figueira 

Há uma história das vésperas da II Grande Guerra, de quando o Nazismo estava a dar os primeiros passos na Alemanha, que nunca esqueci. Um menino judeu, pobrezinho, viu um rico senhor alemão, a cavalo, e ficou fascinado. Aproximou-se, para admirar o animal, fez uma pergunta sobre o mesmo, e teve como resposta uma violenta chicotada na face.

Esta história deixa uma pessoa gelada por dentro. Uma humilhação assim dispensa considerações. Mas repete-se, todos os dias.


Lembrei-me disto quando soube o que se passou com a jovem Shachar Rabinovitch, [foto] uma menina israelita de 13 anos, e Marsha Levine, ex-docente da Universidade de Cambridge e activista do grupo anti-semita BDS.

Shachar Rabinovitch contactou  Marsha Levine (renomada especialista em domesticação cavalos) via Internet, por causa de um trabalho escolar. Marsha Levine recusou-se a responder, por a menina ser israelita, incluiu anexos com as habituais versões facciosas da História de Israel e acrescentou: "Não responderei às suas perguntas enquanto não houver paz para os palestinos".

A atitude da senhora Levine seria inaceitável, mesmo que Israel não tivesse razão. Mas Israel tem razão, e a distinta doutora faz dos terroristas vítimas, e vice-versa. E chapa-o na cara de uma criança.

Não falamos aqui de todos e de cada um dos ataques e humilhações anti-semitas que voltam a proliferar em toda a Europa e no Mundo. Raramente os referimos, até para não darmos ideias aos neo-nazis. Mas são muitos. E aumentam.
[]
Continue lendo no blogue “Amigo de Israel

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-