terça-feira, 25 de abril de 2017

A austeridade, afinal, resultou!

José António Saraiva

O sucesso económico dos governos de Cavaco Silva só foi possível porque Mário Soares e Ernâni Lopes tinham aplicado, entre 1983 e 85, duras medidas de austeridade, que permitiram restabelecer o equilíbrio financeiro.

mbora Soares tenha perdido bastante popularidade com essa política, todos reconhecem hoje a importância do seu esforço - com o contributo decisivo do ministro das Finanças, Ernâni Lopes.

Nessa época difícil, Soares fez muitas afirmações incómodas que, 30 anos mais tarde, seriam repetidas por outro primeiro-ministro: Pedro Passos Coelho.

«Portugal habituou-se a viver, demasiado tempo, acima dos seus meios e recursos». Quem disse isto: Soares ou Passos?

«Os problemas económicos em Portugal são fáceis de explicar e a única coisa a fazer é apertar o cinto». Quem disse isto: Soares ou Passos?

Ambas as frases são de Mário Soares, datadas de 1984, mas poderiam ser de Passos Coelho, em 2011 ou 2012.

Ora, tal como Cavaco beneficiou do esforço de Mário Soares, também António Costa está a beneficiar do esforço de Passos Coelho.

A economia é como a agricultura: é preciso semear para colher.

Assim, o sucesso económico que Costa diz estar a ter constitui, só por si, a prova de que as políticas de austeridade valeram a pena.

Mostra que as medidas implementadas entre 2011 e 15 estavam certas, e começam agora a dar frutos.

Aliás, o fenómeno não é de agora, pois a inversão do ciclo económico começou no fim de 2013.

A partir daí todos os índices começaram a melhorar - a economia recomeçou a crescer, o desemprego começou a cair, as exportações dispararam.

Direi até que, se não tivesse havido eleições e mudança de Governo, a situação hoje seria bastante melhor do que é.

Por que digo isto?

Porque o crescimento abrandou no último semestre de 2015, por causa das eleições e da incerteza delas resultante, e essa tendência manteve-se durante o primeiro semestre de 2016, enquanto persistiam as dúvidas sobre a estabilidade da ‘geringonça’.

Só a partir do segundo semestre do ano passado a economia voltou a dar sinais positivos.

Por isso, se não tivesse havido a interrupção do percurso em consequência das eleições e da mudança de Governo, hoje estaríamos provavelmente com um crescimento acima de 2%.

Um economista afeto à maioria - Paulo Trigo Pereira -, rebatendo as críticas dos que dizem que a política deste Governo não difere muito da do anterior, pois a austeridade continua embora sob outras roupagens, afirmou perentoriamente que António Costa está a fazer «o oposto do que fez Passos Coelho».

Enquanto este Governo - disse ele - devolve recursos às famílias para estimular o crescimento e o consumo, Passos retirou rendimentos às famílias.

Ora, se for mesmo assim, é caso para termos medo.

Se este Governo estiver a fazer tudo diferente, corremos o risco de ir pagar caro amanhã as medidas que estamos a implementar hoje.

Esperemos que não. Esperemos que, embora por outros caminhos, esta política não difira muito da anterior, resumindo-se a dar com uma mão e tirar com a outra.

Estudos recentes apontam, aliás, nesse sentido: apesar de todo o foguetório à volta da melhoria das condições de vida dos portugueses, os rendimentos das pessoas apenas melhoraram 0,2% desde a posse do Executivo PS, isto é, nada.

Uma família que tivesse uma poupança mensal de 100 euros, hoje terá os mesmos 100 euros mais 20 cêntimos.

Além disso, acredito que o Governo vai querer continuar a cumprir o défice, a reduzir a despesa pública e a basear o crescimento nas exportações.

Esta é a receita certa - e não a tentativa fantasiosa de crescer apoiado no consumo, que nos levaria a aumentar as importações, a desequilibrar a balança e a aumentar a dívida externa.

Por muito que isso custe à esquerda, António Costa já percebeu que o caminho certo é o que foi traçado por Pedro Passos Coelho, Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque.

Mas há dois problemas para os quais ainda não vi resposta.

Primeiro: se o défice do ano passado só foi conseguido à custa de medidas extraordinárias - corte quase total do investimento público, cativação de despesas e perdão fiscal - como será possível reduzi-lo ainda mais com medidas correntes? Recordo que só o corte do investimento público representou menos de 1% no PIB.

Segundo: se as exportações cresceram muito em consequência do boom turístico e da venda de F-16 à Roménia, como será possível continuarem a crescer ao mesmo ritmo tendo em conta que o turismo deve abrandar e que não há mais aviões (nem outros bens semelhantes) para vender?

Dir-se-á que estas dúvidas serão esclarecidas no próximo Orçamento.

Só que o Orçamento para 2016 estava completamente errado - e só foi possível atingir as metas com as tais medidas extraordinárias.

Apesar das ‘boas intenções’ de António Costa, não prevejo que vá ter tempos fáceis.
Título e Texto: José António Saraiva, SOL, 24-4-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-