domingo, 27 de março de 2016

A CONSPIRAÇÃO PORTUGUESA DOS ASNOS: “golpistas” se reúnem em Lisboa para derrubar Dilma com crachá, hora marcada e anúncio público!!! É piada de brasileiro!

A suposição de que um seminário de direito — o quarto da jornada — faz parte de uma tramoia pró-impeachment é de um ridículo ímpar. Mas indica o estado de ânimo da companheirada
Reinaldo Azevedo

A coisa é de tal sorte absurda que havia me destinado a nem tratar do assunto. Há momentos em que a única coisa salubre a fazer é ficar longe do berreiro das esquerdas. Mas a coisa saltou o muro da loucura e foi parar na grande imprensa. Refiro-me ao IV Seminário Luso-Brasileiro de Direito, que ocorre em Portugal. Antes que avance, algumas considerações.

A delinquência intelectual que grassa no campo da esquerda no Brasil não tem paralelo em nossa história. Faz sentido. Os “companheiros” e “camaradas” nunca viveram situação semelhante, qual seja: chegaram ao poder pelas vias institucionais — que, no fundo, desprezam — e tentaram solapar as bases do regime democrático para se eternizar no poder, o que é uma constante dessas correntes de pensamento na América Latina.

Vencidos pelos fatos, flagrados assaltando o estado e o estado de direito, serão apeados pelas mesmas regras que os elegeram. Aí, então, é a hora de gritar “golpe”. Sintetizo: reconheceram a validade do aparato legal que lhes deu o governo, mas não a reconhecem agora, quando esse mesmo aparato vai destituí-los. Não fosse assim, esquerdistas não seriam. Para tentar pespegar a pecha de “golpe” no triunfo da Constituição e das leis, vale tudo — muito especialmente anunciar conspirações.

O seminário
Vamos ao caso. A Escola de Direito de Brasília do Instituto Brasiliense de Direito Público (EDB/IDP) e a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDUL) promoverão o IV Seminário Luso-Brasileiro de Direito no auditório da universidade portuguesa entre os dias 29 e 31. Como se observa desde o título, trata-se do QUARTO seminário.

O encontro reunirá juristas e especialistas em direito do Brasil e de Portugal e também políticos dos dois países. Como deve supor qualquer pessoa razoável, a quarta jornada de um encontro dessa natureza começou a ser organizada ainda enquanto se realizava a terceira.

Entre os brasileiros, comparecerão ao seminário os senadores José Serra (PSDB-SP), Aécio Neves (PSDB-MG) e Jorge Viana (PT-AC). Também Luís Inácio Adams, ex-titular da Advocacia-Geral da União, estará presente. Quando se organizou o seminário, o professor de direito constitucional Michel Temer, vice-presidente da República, foi convidado. Integram ainda a lista Dias Toffoli, ministro do STF; Carlos Blanco de Morais, professor catedrático da FDUL; Jorge Miranda, presidente do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas (ICPJ), e Maria Lúcia Amaral, vice-presidente do Tribunal Constitucional Português.

Gilmar Mendes, ministro do Supremo, que não está entre os preferidos dos petistas por seu apego à Constituição, é um dos sócios do IDP e seu coordenador acadêmico.

Muito bem! Quando os promotores convidaram o sr. Adams para participar do seminário e quando este aceitou o convite, ele era ministro da presidente Dilma. Embora fosse relativamente antiga a sua disposição para deixar a AGU, só o fez agora, na reta final do governo, porque a presidente precisava acomodar José Eduardo Cardozo, demitido da Justiça pela cúpula petista, o que todo mundo sabe.

Quando Temer foi convidado, no ano passado, mal as jornadas de março haviam ganhado as ruas com a pauta do impeachment, o que a muitos parecia improvável, a começar dos líderes de oposição, que se mantiveram distantes daquela mobilização.

Tanto não havia e não há conspiração que um quadro do PT, como Jorge Viana, se dispôs a participar. E nem se trata aqui de usar o seu nome e o de Adams como testemunhos do Satanás a justificar as Santas Escrituras. É que, definitivamente, o IV seminário não tem relação com a crise política brasileira, a menos que os organizadores do Brasil e de Portugal fossem pitonisas.

Vai ver o terrível Mendes adivinhava, há quase um ano, que a força-tarefa fosse chegar às contas de João Santana; que o senador Delcídio do Amaral faria delação premiada; que Dilma tentaria nomear Lula ministro para livrá-lo de Sergio Moro; que o PMDB, diante da confusão criada pela presidente, que conduz o país à ingovernabilidade, iria romper com o Planalto…

Suposição ridícula
É ridícula, coisa de mentes perturbadas do Brasil e de Portugal, a suposição de que o seminário é parte de uma conspiração para depor Dilma Rousseff. Desde logo, cabem duas perguntas:
1: se Gilmar quer conspirar com Aécio, Serra e Temer, por que precisa ir para Portugal?;
2: na hipótese de ser uma conspiração, por que fazer, então, um seminário público?

Brasileiros se divertem, e os portugueses sabem disso, com a suposta falta de inteligência de nossos antigos colonizadores. É uma das expressões bem-humoradas do ressentimento. Todo povo tem seus preconceitos vertidos em bom humor. Há uma vertente do humor no Brasil em que o povo luso oscila da tautologia à parvoíce.

Aproveito um pouco desse humor ressentido para fazer uma ironia: a “Conspiração de Lisboa” para derrubar Dilma é mesmo digna, então, de uma tramoia portuguesa. Só que os portugueses da piada, desta feita, são brasileiros, não é mesmo?

É patético! Gilmar, Toffoli, Serra e Aécio têm casa em Brasília. Por que não poderiam conspirar no conforto de seus  lares. Mais: em que um seminário colaboraria para a causa? Ora, houvesse uma, como se nota, ele mais atrapalha do que ajuda.

Não vai mais
Michel Temer cancelou a sua participação. De fato, urgências internas parecem indicar que é melhor que fique no Brasil. Neste terça, por exemplo, o PMDB, que ele preside, vai bater o martelo: é possível que o partido decida romper formalmente com o governo Dilma.

É claro que o cancelamento foi visto como uma espécie de recuo estratégico, dada a gritaria da esquerda. Não sei se tal fator pesou de forma definitiva. Que o esperneio por aqui tenha sido levado em conta, não duvido.

A esquerda portuguesa, que não é intelectualmente melhor do que a brasileira, também deu espaço para as teorias conspiratórias. Também em Portugal há quem ache que uma conspiração se dá com agendamento prévio, hora marcada, local definido e participação do público.

Os petistas agora pressionam para que Jorge Viana e Adams cancelem suas participações. Ou por outra: os companheiros e camaradas querem criar um factoide para provar a sua teoria cretina.

No ano que vem, haverá V Seminário Luso-Brasileiro de Direito. Os esquerdistas já podem começar a berrar: será para comemorar o “golpe”, aquele que se dará com a aplicação dos Artigos 85 e 86 da Câmara e da Lei 1.079.

Vigaristas! Vão ter de engolir o triunfo do estado de direito ou, então, de vomitar em praça pública o seu inconformismo com a democracia, que lhes dará o remédio adequado: mais democracia. 
Título e Texto: Reinaldo Azevedo, VEJA, 27-3-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-