sábado, 18 de fevereiro de 2017

Erros de percepção mútuos

Vitor Cunha

A transição progressiva do meio primordial de entretenimento, da televisão para as redes sociais, acarretou mudanças que, só agora, com a consolidação decorrente da massificação, começamos a observar com clareza. E que começamos então a perceber? Fake News.

Na era anterior, a do consumo unilateral de conteúdos, a premissa básica era a construção de ficções que pretendiam preencher as necessidades do consumidor. Tal como com o Evangelho — a linguagem que unifica o grupo de crentes —, um produto televisivo produz adendas à linguagem comum — isto quando não a altera — para os telespectadores (e, consequentemente, para a sua rede de relações humanas) através da solidificação da cultura pop, da sua terminologia e da sua moral inerente, no caso em que esta existe. A comunidade, englobando o lastro e não necessariamente obstante da sua tradição, foi sendo dotada de conceitos e léxicos comuns: desde a especulação sobre a morte e regresso de Bobby Ewing ao mundo dos vivos, ao colapso do romantismo associado ao programa espacial norte-americano após a explosão do vaivém Challenger, em 1986. “J.R.” tornou-se sinédoque de impiedoso magnata do petróleo1; “soup nazi” trouxe para o léxico comum a contração de nacional-socialismo em nova acepção designativa de excêntricos intransigentes2. Da mesma forma, ao nível semântico, é perfeitamente legítimo especular que a americanização consistente em necessidade de explicação para factos não correlacionados decorre de programas como o The Oprah Winfrey Show3 — matou o filho porque foi violada pelo tio há mais de vinte e cinco anos; roubou o banco porque a mãe negou-lhe um gelado em 1982.


Independentemente do efeito que a televisão teve (e ainda tem) na comunidade, ver televisão — assistir — sempre foi um ato individual: não é de espantar que, ainda hoje, o maior número de horas em frente ao aparelho seja oriundo de pessoas envoltas numa mística (e, muitas vezes, na sua realidade) de solidão — reformados, pessoas em habitação arrendada há décadas, pais e avós com filhos e netos que dispensam a labuta diária da preparação para o dia escolar, donas de casa, desempregados, solteiros sem filhos e pessoas institucionalizadas ou em internamento. Não vemos televisão para estar com os outros, vemos, precisamente, para que possamos ver os outros sem sermos vistos4. Porém, tornou-se paradigmático que o solitário em frente à televisão assistisse à vida dos outros através da barreira adicional à realidade: não é a vida dos outros que passa num episódio televisivo, é uma iteração possível da vida de outro interpretada por um ator. Da vida ficcional — portanto, falsa — interpretada por um ator, chega-se às notícias fictícias — portanto, falsas — interpretadas pelo filtro crítico e intrinsecamente dotado de ideologia, preconceito e agenda do pivô e sua redação.

Com o advento das redes sociais, o paradigma passou do sentido único, o de espectador de conteúdos alheios, para o de re-publicador com visão crítica — se bem que igualmente dotada de ideologia, preconceito e agenda — do conteúdo original. Esta multiplicação de interpretações condicionou não só a forma como as pessoas consomem notícias e entretenimento como a forma de apresentação desse conteúdo. Donald Trump percebeu o potencial ao seu dispor para usar o descontentamento contemporâneo pela difusão previamente digerida de factos, já interpretados ao bel-prazer da figura sinistra com poder para os transmitir televisivamente, como forma de alcançar a eleição presidencial. Num registo oposto, o da conquista de simpatia pela interpretação fofinha dos factos, indo de encontro à opinião mais favorável sem grande comprometimento com a verdade e o rigor, Marcelo Rebelo de Sousa usou exatamente a mesma ferramenta para alcançar a presidência em Portugal.

Que se tente abafar o caso Caixa Geral de Depósitos, fingindo que “já passou”, não é de surpreender. Que se ache, com o esmorecer pretendido, que António Costa sai sem mácula na percepção pública é me parece demasiado despropositado, em particular para quem “ganhou” as eleições recorrendo a um expediente com custos elevados, quer pela dependência governamental da sinistra extrema-esquerda, quer pela forma com que as notícias são interpretadas na era atual, pela desconstrução das suas intenções. É curioso que, após décadas de Derrida a reinventar géneros, identidades sexuais e multiplicações de aplicações para “é tudo uma construção social”, sejam, precisamente, os progressistas as vítimas do escrutínio decorrente do pós-estruturalismo aplicado à comunicação social.
Título e Texto: Vitor Cunha, Blasfémias, 17-2-2017



1 Personagem da série Dallas (1978)
2 Termo cunhado na série Seinfeld (1989)
3 Talk show que esteve 25 anos no ar. The Oprah Winfrey Show (1986). O termo americanização surge, precisamente, porque a tradição europeia nas artes (e, consequentemente, no entretenimento) é a de dispensa de explicações. Como exemplo, o cinema de Michael Haneke ou a literatura de Franz Kafka.
4 Sobre o tema, recomendo a leitura do artigo “Eunibus pluram: television and U.S. fiction” de David Foster Wallace, publicado em junho de 1993 na revista The Review of Contemporary Fiction.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-