quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Graças e milagres

Aparecido Raimundo de Souza

DEPOIS DE UMA PELADA DE MAIS DE noventa minutos, os meninos se reuniram no vestiário do clube para tomarem banho, trocarem de roupas e jogarem conversas fora.
— Samuca Banguela, termina aquele papo de ontem — gritou André Cabeludo. — Se não me engano, do seu avô que botou a mão na cabeça do seu pai e blá-blá-blá...
— Ah. Tá. Lá em casa, vovô botou a mão em cima da cabeça do meu pai e ele virou médico ginecologista.
— Isso significa dizer que o tio Aurélio trabalha naquele lugar onde os nossos se divertem quando resolvem pegar as suas respectivas esposas de jeito? — Observou picante, o Eurico Topetudo. — Acertei?
— Grande coisa, Samuca Banguela. — vociferou Eduardo Linguiça. — O meu avô botou a mão em cima da cabeça de meu pai e ele virou arquiteto. Tipo o Oscar Niemeyer. Hoje projeta prédios, casas, shoppings, supermercados, os cambaus...

— Como vocês são idiotas. — enfezou, o Maninho Beiçudo. — Meu tio botou a mão em cima da cabeça de meu pai e ele virou jornalista. Viaja o mundo inteiro, conhece gente nova, come comidas diferentes, vê quase todos os dias costumes diversos, fala um montão de idiomas...
— Vocês são mesmo uns babacas. — obtemperou Jorginho da Mandioca Fina. — Meu padrinho botou a mão em cima da cabeça de meu pai e ele virou pastor. Já comprou duas mansões num bairro nobre aqui de São Paulo, acho que no Morumbi, tem fazendas, sítios, chácaras, um barco igual ao de Roberto Carlos e recente adquiriu um jatinho executivo...

— Quer saber de uma coisa? — Acho vocês uns “bunda mole” — remendou “Lucas Tinhoso”. Meu avô foi mais esperto do que todos os seus parentes juntos. Botou a mão na cabeça de meu pai e ele virou homem casado. Como é do conhecimento geral, ele é um excelente pai de família, tem a sua vida certinha, emprego garantido, e amanhã faz uma semana que mudamos para um condomínio de alto padrão em Alphaville. Agora moramos ao lado da mansão de Fábio Jr. Tá ligado, véi?

Nesse momento, a galera, em peso, deu conta da presença de um guri franzinamente raquítico e que, cabisbaixo, mirava o chão, em silêncio.
— E você, Serginho Zoiudo, qual o motivo de estar calado feito cachorro magro que acabou de cair do caminhão de mudanças? Perdeu a língua —, inquiriu Samuca Banguela?
— Nada não!
— Como, nada não?... conta aí... — pediu André Cabeludo.
— Esquece...
Eurico Topetudo se adiantou e fez a sua observação maldosa:
— Vai ver ele não tem avô, nem tio, nem irmão...
— É mesmo — Não tem família — arrematou Eduardo Linguiça caindo numa baita gargalhada — Serginho Zoiudo é “desfamiliarizado”.
— Pior. É “despaiado”. — acrescentou Maninho Beiçudo.

— Que merda é essa, Maninho Beiçudo? — Quis saber, curioso, o Jorginho da Mandioca Fina. 
— “Despaiado?” — Sem pai, ora bolas completou Maninho Beiçudo metido a literato sabichão!
Serginho Zoiudo, contudo, se levantou furioso e colérico. Grunhiu, irado:
— Tenho sim...
— Tem nada... — desafiou Lucas tinhoso,
— Tenho...
— Tem o quê...? — afervorou Samuel Banguela.
—Tenho meu avô, tia e até um primo, o Ricardinho, por parte de mamãe, que veio lá do estrangeiro e passou a morar lá em casa...
— E daí? — Arrostou André Cabeludo.
— Então... assim... ele botou a mão em cima da cabeça de meu pai e ele...
— Ele... ele quem?! — Apimentou Eurico Topetudo.

— Meu primo Ricardinho.
— O que tem seu primo Ricardinho? — insistiu Eduardo Linguiça. — Ele botou a mão na cabeça de seu pai. E ai?!
— Aí o quê?
— O que aconteceu quando o dito cujo colocou a mão na cabeça do seu pai? – encarou Maninho Beiçudo
— Pois então...
— Fala logo, cara. Não enrola — esbravejou Jorginho da Mandioca Fina.  — Seu pai virou bicha?
— Não.
— Ganhou na loteca? — desesperou, enraivecido, o Lucas Tinhoso?
— Longe disso...
— Manda à parada, merda.
— Tenho vergonha de falar.
A turma começou a perder a esportiva.
— Desembucha — implorou Samuel Banguela fora de controle.
— Papai virou corno — apregoou choroso o desditoso Serginho Zoiudo. — Corno! Papai é um tremendo de um corno...
E saiu o infeliz correndo feito um tresloucado em direção ao campo.
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. De São Paulo Capital. 26-12-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-