sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Cultos profanos em rituais ausentes

Aparecido Raimundo de Souza

AMO A SUA PRESENÇA marcante que massageia meu sorriso. Amo o seu olhar profundo de menina mulher. De fêmea criança, fundida num ser único, inimitável, o coração a espocar alegrias numa manifestação alardeante de regozijos indescritíveis.

Como se voasse ao infinito pervagueio vórtices e torvelinhos vorazes e me aquieto letárgico em seus remansos. Sou como aquela ave arribada que achou o ninho procurado. 

É por isso que amo. Amo a sua meiguice ímpar, a sua maneira de me agraciar mixada com gestos suaves cheios de mesuras e reverências. Amo o seu gostar de palavras balbuciadas em meus ouvidos, recordando nossos encontros às escondidas.

Nessas horas de ocultismo, me desmantelo no gargalo das suas curvas pecaminosas. E me deixo ser levado, sem amarras, como se buscasse a promissão.

De repente, você parece uma divinizada que me surgiu do nada, a cantar o indizível que há de melhor dentro de si. Meu mundo que parecia acabado, eis que num piscar de olhos, se transforma, e, nessa louca ilusão amigável, me faz enteiado, novelado em seus ternos labirintos.

Nessa complexidade intrincada de corredores e passagens, passagens e corredores, me sinto como um bebê carente tateando no escuro para encontrar um ponto de apoio. Meu ponto de apoio é você.

Insidiado na irmandade que brota da sua alma, a sua alquimia se expande, se propaga em nós, em mim principalmente. Vira num espocar de desvarios atração diante de meus olhos famintos dos seus desejos ainda não realizados. Seus caprichos e afoitezas são piores que o labirinto.

Você, na verdade, é uma teia de enigmas que não desvendo. Você me devora. Nesse engolir, me afogo na língua dos seus clamores bebendo a saliva da miopia apaixonada que brota as lufadas, de dentro de meu ser profligado.

Como das outras vezes, lembro que você chegou com tudo. Realejo para encantar o meu universo até então sombrio e coberto por negras nuvens de uma solidão carrancuda que não sei em que circunstância ou por qual empenho resolveu se azarar perto de mim.

Passo igual, nesse ofício de louco, posto que amar é ser alienado e estólido, passei a viver cotidianamente numa impressão fantasticamente imutável. 

Delirado e prisioneiro dos seus queixumes, eu amo. Não desisto. Amo, pois, quando você me entrelaça entre meus medos, como se quisesse me reter do tempo agora. Amo quando você me pega pelo braço e sai a passear comigo, mãos dadas, esquecida das coisas aborrecíveis e deploráveis que se aventuram a me deixar para baixo.

Amo a sua voz serena que fortalece meus vazios, as suas palavras de carinho e conforto, a sua ternura bucólica que inebria o meu recôndito secreto acendendo uma chama que parece ficar eterna e não querer mais se extinguir.

Da mesma forma inexorável, amo a felicidade que emana do seu calor, dessa vivacidade sua, que me transporta para um lugar além daqui desconhecido e diferente. No complexo, um chão de vertigem onde tudo fala e transpira paz e tranquilidade.

Amo seus gestos e sinais, seus propósitos sutis, seus trejeitos faciais e hospedeiros, seus galanteios delicados e sociáveis, seu andar de garota do Rio, das calçadas de Copacabana. Amo seu gostar despretensioso, penetrante e engenhoso.

Amo seu mirar comprido, esse avistar que, no fundo, bem sei, abala, palpita, perturba e desassossega com minha cabeça... e pior, me deixa a ver navios, completamente fora de órbita. Algo que não evanesce.

Amo o seu descuido, seu esquecimento, seu desleixo, quando brigamos por motivos corriqueiros. Amo a sua indelicadeza matreira, astuta e sabida, quando finge estar zangada, chateada, de humor abespinhado. Amo seu silêncio, seu âmago que se descompassa quando digo que não lhe quero mais ao meu lado, e pretendo partir.

Você tem consciência, sabe de cor e salteado, que o meu partir, o meu ir embora não passa um palmo acolá da porta que encerra as quatro paredes das intimidades da nossa cama. 

Quando lhe pego sob o lençol, e rolamos no macio gostoso do colchão me embriago no meio de suas pernas. Ao meu apetite, foge uma calcinha às carreiras. Num passe de mágica, ao bater do condão, uma gruta de loucuras me prende numa passagem sem volta.

Fora de mim, como um vassalo, amo mais ainda. Amo quando você diz, em contrapartida, que também criará asas e dará no pé. Sumirá da minha vida. “Desta vez não haverá retorno”. Amo, sobretudo, quando faço carinha de choro e você larga as bolsas no chão e corre, apressada e temerosa, a me abraçar.

De novo, adusto e abrasado, impetuoso e injungido, me volto a me esquecer no estreito da serventia que você me mostra, escancarada e me prende com chaves e grilhões macios no cárcere eloquente da sua cegueira.  Viajamos.

Amo esses momentos, amo de verdade porque no fundo, você, sem saber, me põe de quatro, os pneus furados, os faróis acesos, a bateria a abrolhar num amplexo que não sei como fugir como escapar, tampouco resistir.

Amo, igualmente no instante desse envolver, a emoção, o alvoroço, a agitação que faz com que me aperte contra seu peito, como se eu fosse um bichinho de estimação. Um brinquedo adorado que você acabou de achar e não lembrava aonde havia guardado. Você me torce me morde, me espedaça.

Desmilindrosa com a fissura de um anjo encouraçado derrama o perfume de todas as palavras retidas numa prosa em versos metrificados que nos põe no topo do IBOPE da mais ousada das alucinações.

Por isso que amo o seu gostar, o seu não gostar. O seu meio termo. Amo o seu desdém, a sua rebeldia de mentirinha, só para me fazer raiva. E faz. Amo o seu interior que me espelha como se eu fosse parte de você – como se eu e você –, num só entrelaçamento explodíssemos em nós mesmos, levados por uma feitiçaria diferentemente desigual, incoerente, anormal e dissonante.

Amo o magnetismo, o arroubo do amor ergástulo, percorrendo de uma forma nova, consistente, inexorável e puro intocável, o virginal de nossos corpos sobre a bandeira do prazer. Amo perdidamente sem meios termos, sem recear ou me inquietar com o amanhã.

O futuro que nos rodeia, é um istmo Amo sem duvidar, sequer, do futuro. Ou se ele, de fato, algum dia existirá para nós. A meu ver, o que conta é o agora. O porvir a Deus pertence.

Amo, meu Deus! Eu amo... venero, cultuo, obstino, essa sua paixão sangriada pelo inédito, pelo impreciso, pelo apocalítico ambíguo, dúbio e cabalístico.   Nesse pensar, de contraponto com a poesia de Ecila Yleus, sigo adiante:

“Quero a emoção de Java, a beleza da flor que nasce entre as pedras, a palavra de adeus, mas, me espera. O vocabulário em latim falando de Vinícius... a flor de cactos no sertão de laços”. 

Amo, finalmente, finalmente amo, amo, amo, amo, quando parte, ainda que em ilusões quiméricas, num investigar incansável para nós dois, ideando, perseguindo sendas e atalhos, carreadouros e veredas que nunca foram... que jamais, em tempo algum, foram pisados.
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. Da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. 15-12-2017      

Colunas anteriores:

2 comentários:

  1. Quisera eu ser amada dessa maneira!É o que toda mulher gostaria.

    ResponderExcluir
  2. APARECIDO, gosto quando seu texto não usa eufemismos, e palavras inovadas ou chulas.
    Eu pessoalmente sou adepto que todo o sentimento é uma reação dos nossos 5 sentidos.
    Não acredito no AMOR.
    O coração é apenas a fonte de nosso cérebro, o qual envia impulsos elétricos para que o bobo coração continue batendo.
    Sei que alguns algozes me criticarão.
    O cego ama.
    O surdo ama.
    O mudo ama.
    Sim eles amam porque os dois sentidos restantes são os principais de nossas vidas.
    Sem TATO não haveria ORGASMO.
    Sem OLFATO não seria sentido os FEROMÔNIOS.
    Às vezes você vê aquela mulher linda e maravilhosa com aquele sujeito disforme e horroroso, ou vice versa, que não é por causa do que se vê ou do que se ouve, é a cheiro, o perfume do sexo.
    Aquele toque das mãos, do beijo, da carícia e do abraço que eriça os pelos do corpo, que entumece mamilos e provoca o desejo e a ereção.
    Esse dois sentidos são os que levam o bebê ao mamilo, quando enxerga apenas névoas, e ouve apenas ruídos desconhecidos.
    Por isso não acredito em almas gêmeas.
    Esse amor que tanto falam, aquele doentio, que apequenam as mentes, eu nunca possuí.
    Acredito que existam milhões de pessoas que possam ser a sua, a minha ou as delas combinações de feromônios que nos excitam.
    Sexo jamais mantém um relacionamento por longos anos.
    Amizade e tolerância sem sofrimentos são basilares na vida a dois.
    Quem se une por sexo, fatalmente viverá caminhando essa vida pulando de galho em galho.
    Tenho 35 anos de relacionamento com a esposa que me escolheu, acolheu, do qual cuido com imenso prazer.
    Dar e receber são vitórias.
    fui...

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-