sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Novamente a extrema-esquerda sádica quer proibir armas para inocentes depois do massacre na Flórida

Luciano Ayan


Após outro caso envolvendo um atirador e vítimas lá nos EUA, a extrema-esquerda brasileira já começou sua campanha desarmamentista, uma campanha na qual repetem mantras já conhecidos e já refutados. Coincidência ou não, o portal UOL tratou, um pouco antes disso, de um caso em que uma jovem foi baleada por bandidos no Paraná, como uma “briga de trânsito que terminou em tiroteio”.

O lobby desarmamentista é muito pesado, é constante e tem o envolvimento de gente rica e poderosa, gente que tem a possibilidade de contratar segurança privada, inclusive andar por aí com guarda costas armados e carro blindado. Claro que este não é o caso para os mais pobres.
O jornalista Kennedy Alencar escreveu um longo texto no qual não se envergonha de usar a tragédia alheia como ferramenta política e ideológica. Nele, Kennedy escreveu o seguinte:

“As ideias da bancada da bala sobre o combate à violência são regressivas, desrespeitam os direitos humanos e só têm a oferecer ao Brasil o caminho do embrutecimento. Flexibilizar o Estatuto do Desarmamento seria um retrocesso civilizatório, um estímulo à barbárie.”

Pois bem… Diferente dos americanos, que eventualmente enfrentam a violência, os brasileiros já vivem em barbárie há muito tempo. Os direitos humanos, no Brasil, já são desrespeitados todo dia. Que o digam as famílias de João Hélio, de Liana Friedenbach, de Felipe Caffé, e de muitos outros que sofreram o extremo auge da violência nas mãos de facínoras protegidos pelo Estado.

Kennedy também disse:

“Casos como o da Florida mostram que o Brasil precisa ser mais duro no controle de armas. Quanto menos armas em circulação menores as chances de chacinas e mortes por violência e acidentes domésticos. Também diminuiriam mortes por brigas fúteis no trânsito e nos bares.”

Ironicamente, a Florida é justamente um dos estados americanos com maior regulamentação para se ter armas, e é a segunda vez em dois anos que um atentado desta magnitude ocorre por lá. Claro que isso tudo é retórica barata, uma vez que aqui mesmo, no Brasil, a bandidagem não tem qualquer dificuldade para se armar. Só o cidadão é que não consegue.

Novamente caímos no mesmo lugar comum de todas as discussões sobre desarmamento. Alguém tem que lembrar, como se não fosse óbvio, que não importa quanto proíbam as armas, os bandidos continuarão a tê-las porque simplesmente não seguem a lei. Temos uma das maiores taxas de homicídio do mundo e não é à toa.

O fato é que a extrema-esquerda não tem vergonha de defender a desgraça para os mais pobres. O que essa gente quer é deliberadamente deixar o cidadão com menos acesso em uma situação de dependência. Chega a ser cruel! 
Título e Texto: Luciano Ayan, Ceticismo Político, 15-2-2018

Relacionados:

2 comentários:

  1. Já li na Exame, na TIME (claro!) a mentira inventada por um dirigente de uma organização de extrema-esquerda, rapidamente apropriada pela Associated Press, que o terrorista Cruz era um... supremacista branco (!?)
    https://www.dailywire.com/news/27211/law-enforcement-has-found-no-connection-between-ryan-saavedra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seguia grupos de resistência sírios
      http://dailycaller.com/2018/02/14/florida-shooter-syrian-groups/

      Excluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-