sexta-feira, 2 de março de 2018

[Aparecido rasga o verbo] Caderno de segredos


Aparecido Raimundo de Souza

SAUDADE: dor muito grande e intensa que alimenta sempre as raias da insensatez.

LEMBRANÇA: coisa complicada que deixa no coração um vazio imensurável.

ANGÚSTIA: sabermos que a nossa mãezinha querida, ainda ontem sorridente e alegre, não mais retornará ao convívio do seio familiar.

PREOCUPAÇÃO: pensarmos nos filhos que estão fora de casa e ainda não chegaram para nos dar um beijo de boa-noite antes de se deitarem.

INDECISÃO: não sabermos discernir o momento exato de entregarmos o coração a alguém com medo de sofrermos um bocadinho depois.

CERTEZA: saber que a morte é traiçoeira e um dia baterá às nossas portas, não usando a campainha para anunciar sua chegada.

INTUIÇÃO: acreditarmos que o dia seguinte será repleto de momentos de pura felicidade.

PRESSENTIMENTO: abortarmos uma viagem em cima da hora, antes de colocarmos os pés fora de casa; desfazermos as malas e tomarmos uma taça de champanha para comemorar a vitória de continuarmos com vida.

VERGONHA: não termos coragem suficiente de, ao olharmos no espelho, nos flagrarmos com os olhos cheios de lágrimas sendo derramadas por alguém que amávamos do fundo do coração.

ANSIEDADE: pensarmos no amanhã como se fosse hoje, e no hoje como se representasse o último dia de nossas vidas e tivéssemos, por causa disso, de realizar correndo, em minutos, alguns planos guardados durante muito tempo.

INTERESSE: verificarmos os boletins escolares de nossas crianças, embora sabendo, de antemão, que não virão recheados de notas boas como seria o ideal para acabar com as nossas insatisfações.

SENTIMENTO: olharmos para um mendigo na calçada e nos compadecermos do seu estado de miserabilidade. Não nos sentirmos pequenos, iguais ou piores que ele, e não nos compadecermos de nós mesmos por continuarmos a ser tão mesquinhos e hipócritas.

RAIVA: descobrirmos que uma criança morreu abandonada logo ali na esquina, com fome, com sede, e pior ainda, sem guarida, sem a mão amiga, quando alguma coisa poderia ter sido feita em seu benefício.

TRISTEZA: olharmos para dentro de nossa alma e não encontrarmos absolutamente nada, além de um vazio negro e sinistro profanando a aura do anjo de guarda ou o brilho mágico de nossa estrela maior.

FELICIDADE: estarmos em paz com todas as criaturas e abraçarmos nossos semelhantes no momento exato em que precisarem de uma palavra amiga e de conforto espiritual.

AMIZADE: mantermos um elo profundo com as pessoas e acreditarmos que nada, nem ninguém, poderá romper esse cordão, ainda que os reveses mais fortes da vida se sobreponham às nossas vontades.

CULPA: discernirmos, com sabedoria, o momento exato em que erramos e magoamos profundamente alguém; com humildade, pedirmos perdão a essa criatura e depois seguirmos adiante, de cabeça erguida, e não nos sentirmos menosprezados nem pequenos demais pela grandeza do gesto.

LUCIDEZ: ao defrontarmos com uma estrada longa e escura, sabermos exatamente onde estamos pisando, sem receio do que poderá vir logo adiante, ao virarmos a primeira curva do caminho.

RAZÃO: sentimento que às vezes causa um curto-circuito total deixando a gente com cara de otário e mais perdido do que cego em tiroteio.

VONTADE: querermos vencer todos os medos que nos aprisionam, saltando, um após outro, os obstáculos, sem precisarmos derrubar quem está vindo logo atrás.

PAIXÃO: doarmos o coração de maneira intensa, sem receio de entregar o espírito; voarmos alto até nos sentirmos perdidos em espaços jamais visitados; contudo, sabendo o momento exato de abrirmos os olhos e regressarmos à realidade.

AMOR: vivermos constantemente uma vida de ilusões sem deixar que os sonhos escapem por entre nossos dedos, ou simplesmente termine com final previsível; fazermos de cada dia uma espécie de porta secreta da alma, cuja chave de acesso à entrada principal somente nós sabemos onde está.
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, do sítio “Shangri-la”, um lugar perdido no meio do nada. 2-3-2018

Colunas anteriores:

Um comentário:

  1. E sobre a MORTE? Poderia ser assim? MORTE: Quando se esvai o último sopro de vida, quando para "sempre" os olhos se fecham, as mãos ficam sobrepostas sob o corpo gelado, coberto de flores para tentar "mesclar" a tristeza de quem fica. (tentei).

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-