sexta-feira, 18 de setembro de 2020

As três razões de Bolsonaro para acabar com o Renda Brasil. E o que ele ganha com isso

Rodolfo Costa

O presidente Jair Bolsonaro respira mais aliviado após abortar o programa social Renda Brasil, que ia substituir o auxílio emergencial e o Bolsa Família. O que era para ser uma proposta positiva se transformou em dor de cabeça, com potencial para derrubar seus índices de popularidade, desagradar a base mais fiel do bolsonarismo e causar atritos com o mercado. Com uma única decisão, Bolsonaro eliminou esses três riscos.

Foto: Marcos Correa/PR

Os estudos do Ministério da Economia para cortar ou congelar outros programas sociais como forma de financiar o Renda Brasil foram mal vistos em amplos setores da população – que haviam impulsionado o recente crescimento dos índices de aprovação de Bolsonaro. Já a proposta do governo de constitucionalizar o novo programa também pegou mal no seu eleitorado mais fiel e no mercado. 

Agora, o presidente pretende ter mais tranquilidade para manter os índices de aprovação, pois não irá tomar medidas impopulares para criar o Renda Brasil. Também acalmou seus eleitores mais fiéis (e ativos nas redes sociais), bem como o setor produtivo e financeiro. 

Além disso, Bolsonaro deu mais uma cartada: jogou para o Congresso a responsabilidade por "ressuscitar" o programa. Com isso, o presidente também repassou ao Legislativo o desgaste pela eventual adoção de medidas impopulares para financiar o programa. E, na mesma jogada, evita daqui em diante atritos que venham a desgastá-lo. 

Outro elemento nessa decisão de Bolsonaro é que ele mantém a possibilidade de colher os frutos do Renda Brasil caso o programa venha a ser criado pelos parlamentares. Isso já ocorreu com a ampliação do valor do auxílio emergencial pelo Congresso em março, no início da pandemia de coronavírus. A ideia original do Ministério da Economia era de que o valor do auxílio fosse de apenas R$ 200 mensais, mas os parlamentares elevaram para R$ 600. 

O peso da popularidade na decisão

A Gazeta do Povo ouviu membros da liderança do governo no Legislativo, interlocutores palacianos e de ministérios que participaram das conversas do programa. Todos reconhecem que a decisão do presidente da República em escantear o programa e manter de pé o Bolsa Família foi uma decisão correta. 

A aposta entre aliados bolsonaristas e no Palácio do Planalto é de que o fim das discussões no governo sobre o Renda Brasil dá mais tranquilidade a Bolsonaro.

Bolsonaro chegou à conclusão que não poderia se dar ao luxo de chancelar algo tão impopular como o sugerido pela equipe econômica – a exemplo do congelamento de aposentadorias e pensões por dois anos e da restrição do Benefício de Prestação Continuada (BPC), destinado a idosos e deficientes. 

Ainda na terça-feira (15), antes de publicar em suas redes sociais o vídeo em que confirmou o encerramento das discussões do Renda Brasil, o presidente conversou com alguns de seus ministros e conselheiros mais próximos. O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, foi um deles. 

O aconselhamento dado a Bolsonaro pelos ministros palacianos foi enterrar de vez as discussões internas sobre o Renda Brasil sob pretexto de causar desgaste na imagem do governo. Bolsonaro gostou da popularidade em alta e não quer voltar a ser visto como um gestor de nicho, que depende da polarização para manter os índices de aprovação. 

A mais recente pesquisa PoderData, divulgada na quarta (16), mostra que 49% dos brasileiros aprovam o governo, índice superior aos 44% de desaprovação. 

Por que o bolsonarismo e o mercado não gostavam do Renda Brasil

Mas a popularidade não foi o único fator que pesou na decisão de enterrar as discussões internas sobre o Renda Brasil. A ideia de incluir o programa na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 188/2019, que trata sobre o Pacto Federativo, pegou muito mal nos eleitores bolsonaristas mais fiéis. 

Parlamentares bolsonaristas sentiram a reação deles nas redes sociais. Constitucionalizar um programa assistencialista foi recebido como uma política socialista na "raiz" do bolsonarismo. 

O mercado, que também tem sido um pilar de sustentação do governo, igualmente não reagiu bem à possibilidade de constitucionalizar o Renda Brasil. Isso foi outro motivo a pesar na escolha de abandonar o programa. “Precisamos, hoje, do auxílio emergencial e de um programa assistencialista. Mas... e se amanhã o Brasil 'decolar' e criar muitos empregos? Quando falamos de tornar políticas assistencialistas de ajuda ao mais pobre alguma coisa constitucional, vamos dizer que o Brasil é um país socialista. E um governo liberal não pode aprovar isso”, afirma esse aliado. 

Renda Brasil pode ser "ressuscitado" pelo Congresso; e governo avalia outro programa

Auxiliares e aliados de Bolsonaro ouvidos pela reportagem admitem, no entanto, que alguma proposta social voltará a entrar em pauta em breve. 

Uma das possibilidades é o Congresso "ressuscitar" o Renda Brasil. O senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator do projeto de lei orçamentária de 2021, adiantou na quarta-feira (16) que Bolsonaro o autorizou a incluir em seu parecer a criação de um programa social que possa atender “milhões de brasileiros identificados ao longo da pandemia e que estavam fora de qualquer programa social”. 

A descrição lembra o Renda Brasil. Mas o Planalto não admite que será o mesmo programa. “O presidente não voltará a se dar a esse desgaste. Sem o Renda Brasil, ele ganha tranquilidade, e é disso que precisa para trabalhar”, afirma um interlocutor do Planalto. 

Paralelamente, haverá discussões dentro do próprio governo para propor um novo programa social. Técnicos da Esplanada dos Ministérios sugerem que a alternativa será fortalecer e unificar ações já em vigor. “O caminho é pegar ferramentas para melhorar o que tem, que é o Bolsa Família, o programa Progredir, que é uma ideia brilhante”, resume um técnico do Ministério da Cidadania. 

“Vamos montar, deixar do jeito que está hoje, corrigir o que for preciso, e estudar até que ponto é possível melhorar alguma coisa ou não. E faz tudo com o que temos hoje. Roda as coisas com o que tem hoje e lá na frente junta. Mas já tudo amarrado e com condição política e orçamentária”, pondera outro interlocutor governista. 

Mas disputa pelas verbas do orçamento e a briga interna no governo por protagonismo vão ser os principais entraves para propor um novo programa social ou a evolução dos que já existem. 

É certo que a equipe econômica ainda vai insistir em ditar as regras do jogo. Mas, após o que ocorreu no Renda Brasil, técnicos do governo acreditam que o Ministério da Cidadania está respaldado a comandar o processo. Alguns se lembram que, quando ainda era ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, atualmente na Cidadania, já tinha uma queda de braço com Paulo Guedes (Economia). A previsão, agora, é de mais embates. “Tem muitas ações sociais que a equipe econômica não vê como importante”, desabafa um interlocutor. 

Título e Texto: Rodolfo Costa, Gazetado Povo, 17-9-2020, 12h13

Relacionados:
Oposição a Bolsonaro torce pelo quanto pior, melhor
Com aval de Bolsonaro, relator do Orçamento vai propor programa social
Bolsonaro proíbe Renda Brasil e ameaça ‘cartão vermelho’ na equipe econômica
Presidente Bolsonaro: “Até 2022, no meu governo, está proibido de falar a palavra Renda Brasil, vamos continuar com Bolsa-Família e ponto final!”
Para fazer Renda Brasil, governo estuda congelar aposentadorias
Guedes cancela agenda para se encontrar com Bolsonaro
Declaração de Bolsonaro sobre Renda Brasil não atinge Paulo Guedes
‘O cartão vermelho não foi para mim’, diz Guedes após Bolsonaro barrar Renda Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-