sábado, 26 de setembro de 2020

Vacina contra ditadura

Na ONU, Trump fez o que todo mundo com juízo deveria ter feito — e não fez, sabe-se lá por que mistério das escrituras empáticas 


Guilherme Fiuza 

Donald Trump levantou suspeita contra a China na ONU. O presidente norte-americano aproveitou a Assembleia-Geral das Nações Unidas para reivindicar a responsabilização do governo chinês pelos danos planetários decorrentes da pandemia. Isso é um absurdo. 

É um absurdo que só Trump tenha feito isso. O que houve com as democracias verdadeiras? Quem as amordaçou? Quem comprou o seu silêncio? 

A ditadura chinesa é hoje o maior caso de sucesso da história do marketing mundial. Países e cidadãos supostamente livres — comprometidos cultural e institucionalmente com o valor da liberdade — paparicam o regime brutal da China. Seu capitalismo pirata, que não dá satisfação a ninguém sobre as regras básicas de direitos humanos e condições de produção, é saudado como locomotiva da modernidade do século 21. Contando ninguém acredita. 

O presidente dos Estados Unidos da América está implicando com um regime comunista para criar uma batalha ideológica? Não. Ele está denunciando um regime ditatorial que escondeu a propagação de um vírus altamente contagioso nascido e criado em seu território. Um regime que só admitiu a existência desse vírus e a sua transmissão entre humanos quando o contágio já tinha ultrapassado as suas fronteiras — o que transformou um surto em pandemia. Um regime que censurou os que ousaram alertar a sociedade sobre o coronavírus — e assim transformou o mundo inteiro em vítima desse flagelo. 

Fique em casa. Por quê? Porque a Lady Gaga mandou, depois de combinar um show com o Tedros Adhanom 

A China é o único dos grandes países com crescimento econômico em 2020. Impressionante. A China manda na Organização Mundial da Saúde. Vamos repetir: a ditadura chinesa, essa que escondeu um vírus novo e assim gerou uma pandemia, manda na Organização Mundial da Saúde. Da Saúde! E veio dessa magnífica referência a diretriz inédita e assombrosa de mandar a humanidade inteira se trancar em casa para fugir do vírus. O vírus ignorou o delírio totalitário e seguiu sua carreira normalmente.

Mas a principal arma das ditaduras não é a força. É a mentira. E os tarados do PCC e da OMS seguiram dizendo que a humanidade, ao renunciar à vida em sociedade, estava evitando o colapso hospitalar. Quando Nova Iorque explodiu como foco principal da pandemia e os dados mostraram que a maioria dos internados vinha do confinamento — “Estou chocado”, disse o governador Andrew Cuomo, adepto do lockdown —, esse debate sumiu, com a mesma sutileza com que sumiu a médica chinesa de Wuhan responsável pela denúncia do primeiro surto de coronavírus. Ninguém sabe, ninguém viu. Na dúvida, fique em casa. Se puder, fique em casa.

Por quê? Porque a Lady Gaga mandou, depois de combinar um show com o Tedros Adhanom. Isto é ciência, como se diz nas seitas obscurantistas. 

A Seita da Terra Parada checa e embarga qualquer informação que exponha a falta de critérios do lockdown 

O perfil da campanha de Trump foi censurado nas redes sociais porque falou sobre a ocorrência quase nula da covid na infância. A Seita da Terra Parada checa e embarga qualquer informação que exponha a falta de critérios do lockdown. E ainda carimba como “desinformação”. Os Senhores da Verdade não admitem gracinhas fora da cartilha redentora. E dizem estar defendendo a democracia contra o fascismo. 

Caro leitor: você tem certeza de que quer continuar brincando disso? 

O presidente dos Estados Unidos não quer. Foi à Assembleia-Geral da ONU e botou o dedo na cara dos impostores. Não interessa quem é Trump ou qual é a cor da sua camisa. Interessa que ele fez o que todo mundo com juízo deveria ter feito — e não fez, sabe-se lá por que mistério das escrituras empáticas. A China propagou um vírus para o mundo, vendeu a paranoia de que a humanidade tem que viver entocada que nem rato e agora aparece vendendo vacina em tempo recorde com aval da OMS? 

Embarca nesse enredo quem quer. Por enquanto. Porque eles querem tornar o embarque obrigatório. 

Título e Texto: Guilherme Fiuza, revista Oeste, 25-9-2020, 8h23

Relacionados:
Papa fala em ‘perigosa situação da Amazônia’ e vira piada na ‘web’
Resumo da semana: A inveja dos argentinos, Bolsonaro pop e vendo lenços
Cristofobia é um problema sério no mundo. Ponto para Bolsonaro
Pingos nos Is – Análise: Discurso de Bolsonaro na ONU
Alexandre Garcia analisa fala de Bolsonaro na ONU
Íntegra do pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU, 22 de setembro de 2020
Brasil adere a aliança para aceleração da vacina contra a covid-19
Engajamento contra pandemia depende de dados confiáveis, diz OCDE
Quem será o 59º presidente dos EUA?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-