quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Imagem (de Portugal)

Imagine que uma qualquer potência internacional tinha como propósito destruir a imagem portuguesa no exterior. Dificilmente poderia ter melhores resultados nesse sinistro propósito do que os que o nosso Governo conseguiu nos últimos meses.
Na sua subida sabedoria, o executivo erigiu há meses como finalidade suprema evitar recorrer ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira. Das duas uma: ou Portugal não está em dificuldades financeiras, caso em que esse objectivo faz todo o sentido, ou esse Fundo é um meio perverso de ataque aos países, não se entendendo então o voto positivo dado pelo Governo português à sua criação em Maio passado.
Mais estranho ainda, todas as esperanças do executivo português estão numa eventual proposta de reforço e flexibilização do mesmo Fundo, ideia que anda a saltitar nos meios europeus, mas que os países endinheirados têm compreensível relu-tância em aceitar.
Ou seja o Governo português, que afirma a pés juntos não haver qualquer necessidade de o país recorrer ao FEEF, está ansioso por aceder a uma versão aliviada. Mas não serão as medidas do Fundo convenientes ao país? Isso torna claro que a questão, afinal, não é financeira. É mediática. O que está em causa é o impacto que a ajuda terá na imagem do país. Ou será na imagem pessoal dos ministros e política do Governo?
Entretanto a imagem nacional vai-se degradando nos mercados, precisamente porque fica claro que o desequilíbrio financeiro é a última prioridade do nosso executivo, apostado como sempre num jogo de espelhos.
João César das Neves, Destak, 23-02-2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-