quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Roberto Setúbal, processe-me!

José Manuel
Sou cliente do seu banco, o Itaú, desde janeiro de 1971. Isso está escrito nos talões de cheques que você me manda, ou melhor, me mandava, porque agora que o dinheiro minguou eu não mereço mais receber.

Essa data significa que sou cliente da família Setúbal há exatamente 44 anos, ou melhor, vocês usam o meu dinheiro desde essa data.

Sabe, quando depositei o meu primeiro salário no seu banco, lá na agência aeroporto/SDU, você tinha apenas 17 anos, o seu pai Olavo era o presidente e você estudava, provavelmente ajudado pelo dinheiro que eu lá depositava.
 
Roberto Setubal, presidente do Itaú Unibanco, foto: Lailson Santos/VEJA
De 1971 a 2006, portanto, em 35 anos, nunca lhe pedi um centavo sequer, só depositei.

Em 2006, após os seus amigos do Planalto levarem a Varig, onde trabalhei por 32 anos, à falência e o meu fundo de pensão Aerus ter sido inadvertidamente colocado sob intervenção, passamos eu e minha esposa a ter sérios problemas e para resolvê-los abrimos uma empresa, acreditando na marolinha do seu amigo Lula da Silva. Por que os chamo de seus amigos?
Por uma sua declaração recente, à Folha de São Paulo em que você diz claramente "de que nada do que viu até agora justificaria um processo de impeachment".

Provavelmente até eu acharia a mesma coisa, se estivesse no seu lugar e os últimos balanços do seu banco demonstrando a pujança econômica que mostram frente a um país despedaçado.

Voltando à nossa empresa, que era cliente do Unibanco, vorazmente engolido pelo seu, tínhamos um empréstimo, que a partir de 2014 se tornou impossível de ser pago graças aos juros escorchantes praticados pela sua instituição, que em um país decente seriam fora da lei, e a ladeira abaixo pela qual o país começou a rolar.

A partir de 2014 e na segunda tentativa de nos assassinar, fomos obrigados a fechar as portas, igualzinho ao que os seus amigos estão fazendo com o Brasil. Ele também irá fechar as portas, contrariando as suas previsões ufanistas e unilaterais.

Este introdutório, serve para lhe dizer que não negamos o nosso débito, mas os seus amigos que dirigem a nossa Nação, cada vez pior, e que nos devem, já sacramentado pela justiça, perto de três milhões, podem lhe responder melhor.

E note bem, eu venho levando ao conhecimento dos seus funcionários, isto inclusive por carta entregue no banco da conta em débito. Portanto, pode nos acusar de tudo, menos de que não tenhamos avisado e comprovado com documentos.

Se não os recebeu aí é uma outra coisa. Pode resgatar as minhas palavras também em ligações telefônicas à minha residência. Está lá tudo confirmado.

Você pode nos processar judicialmente, mas o que não pode é mandar fazer bullying em telefonemas à nossa residência. Se antes eram conversas técnicas mas amenas, a partir de ontem, 16 de setembro de 2015, tornaram-se ameaçadoras ao que resta do nosso patrimônio, e mesmo com insinuações até em mexer em nossas contas-salário, o que você sabe ser proibido por lei. Eu não preciso ter isso gravado porque sei que vocês gravaram, então, posso requerê-las a qualquer instante.

Pode me processar, porque também estamos tomando as nossas providências.

Tenha a certeza de uma coisa, Roberto, vamos pagar a você, quando os seus amigos lá do Planalto resolverem nos pagar. Digo mais, se quiser ver a veracidade do que estamos aqui relatando, dirija-se ao TRF-1 ou ao Congresso Nacional e procure saber o que é o PL-02-2015 tudo em nome do nossoFundo de Pensão Aerus, que se já tivesse sido pago desde o ano passado, você não estaria mandando ligar para a nossa residência.

Prossiga com as suas intenções, e no recesso dos togados iremos esclarecer tudo e em tempo de internet e mídias sociais, tudo será devidamente contado para que todos conheçam o que estamos vivenciando. 
José Manuel da Rocha da Costa e Maria Irene Nunes da Costa, Niterói, 17-9-2015

10 comentários:

  1. Caro amigo José Manuel tudo ser resolverá porque Deus está ao seu lado. Vamos sair desta situação tão dificil que estes canalhas que estão no poder nos colocaram desde 2006. Tenha calma e acredite em DEUS ( Isto eu sei que vc acredita ). Estou a seu lado para lhe ajudar com orações e preces ao bom Deus e a seu filho amado Jesus. O dia desta gente canalha e corrupta irá chegar e eles pagarão bem caro ao prestarem contas no Juiz Final. Fique na PAZ DO SENHOR JESUS CRISTO. Boa noite. Abraços fraternos.

    ResponderExcluir
  2. Estive na mesma situação em 2006.
    Não consegui pagar um empréstimo pessoal com os cortes do AERUS.
    No código do consumidor a lei é muito clara quanto aos telefonemas de cobrança.
    Eu mandava tomar no CU em voz alta e bom tom, porque já tinha dados explicações documentadas ao credor.
    Em 2010 me mandaram um DOC de 990 reais e eu quitei a tal operação financeira num empréstimo pessoal de 20.000 reais, que com juros e correção me cobravam cerca de quase 60000 reais.
    Quando telefonarem não seja educado, desabafe...

    ResponderExcluir
  3. Heitor Rudolfo Volkart18 de setembro de 2015 09:41

    Caro J P de Resende, hoje lembrei me de Vc, revendo algumas coisas sobre Niterói, caramba até que enfim um comentário seu, venha para o Blog estamos num debate importante para nós todos, venha para a Aprus. Bom revê-lo. Um abraço.

    Volkart

    ResponderExcluir
  4. Agradeço de coração os comentários condoídos por uma situação que aflige não só mim, como a maioria dos brasileiros.
    Mas, sinceramente não é por aí. Ao deixar de lado a hipocrisia que reina neste país,onde ninguém se expõe, sofre calado, e se acovarda contra atitudes de por exemplo um banqueiro que faz o que quer com o povo que deixa o seu próprio dinheiro nestas casas bancárias.
    Outra, a inépcia e o contrato negociado nos porões sombrios entre esses banqueiros e os políticos, e o exemplo mais gritante é o do atual ministro da fazenda, faz com que eu, você ao invés de pagar seus impostos em coletorias em que o dinheiro arrecadado iria direto ao governo,ou seja para o retorno em obras públicas, pague um " pedágio "aos bancos, unicamente em benefício deles, sem que revertam um centavo à sociedade.
    Está mais do que na hora de acordarmos, e dar um basta tanto ao governo , com a suspensão dos pagamentos, bem como a estes senhores tipo Roberto Setúbal a quem eu enfrento de cara limpa e sem medo algum.
    Que ele faça o que deseja, pois comigo vais se dar mal , muito mal, ele e outros sejam de que organização ou governo forem, pois vou escancarar tudo doa a quem doer.
    Este silêncio que já perdura mais do que 120 horas , dos participantes do Aerus, é a ponta de um iceberg ao contrário, quando mostra a " porrada " na grande massa à superfície e esconde a fragilidade possível de ser derrubada ao fundo.
    Lamento muito por isso, pois isto é o silêncio do cadafalso onde se aguarda a mensagem do Rei, ou o corredor da morte onde o governador pode dar um telefonema.
    As possibilidades são mostradas a todo o momento, e poucos empurram para cima toneladas de omissão e covardia, mas a mensagem não chega
    É lamentável que continuem esperando a mensagem ou o telefonema

    José Manuel, Se eu não conseguir acompanhado, vou fazer sozinho, pois quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

    ResponderExcluir
  5. A classe política brasileira está toda comprometida entre sí. Ao que tudo indica, a presidente está por um fio. Mas são 30 cães a um osso . Os mais interessados em derruba-la são aqueles que querem "mamar" também nas tetas da nação. E o povo acaba levando tudo na base da sacanagem. Os considerados mais esclarecidos , não só do ponto-de -vista político, sentem-se em número reduzido em relação à grande massa votante , que depende , na maioria dos casos, das "bolsas-migalha" para ter o que comer.
    Em tempos de crise, ao invés de o governo cortar seus próprios gastos e cumprir a promessa de reduzir ministérios, segue na contramão impondo aumento de imposto
    aos "comuns" , mas aumentando , como no exemplo abaixo (acessem e leiam a reportagem na "string") a cota de combustível para os gastos pessoais deles.

    http://colunaesplanada.blogosfera.uol.com.br/2015/09/10/camara-aumenta-cota-de-gastos-com-combustiveis/

    E sempre se chega à conclusão que quem vota não são os que leem jornal, mas os que limpam o traseiro com ele.
    Entretanto, lá vem o dia em que o Grande Arquiteto, o Criador do Universo, decide por o dedo e mudar o curso da história.
    Um bom dia a todos e um abração especial para o Paulo Resende, que anda sumido da roda de amigos. Apareça e escreva, homem !

    Sidnei Oliveira
    Assistido Aerus

    ResponderExcluir
  6. O que aconteceu com o AERUS é uma amostra do que está acontecendo com o povo brasileiro, cujo voto, computado hermeticamente no TSE, em apuração absolutamente secreta,justifica a existência de uma democracia que, na realidade, não existe no Brasil. Vivemos em um regime anárquico configurado para beneficiar os banqueiros e o políticos corruptos. Que se dane o povo, é a palavra de ordem desses safados.

    ResponderExcluir
  7. Só tenho a lamentar a situação dos funcionários da VARIG. O engraçado que as trasações comandadas pelo Jose Dirceu não saíram ainda em nehuma das investigações. Ele praticamente foi o mentor de toda a derrocada da VARIG. mas tenham fé que tudo irá se resolver.

    ResponderExcluir
  8. Prezada Lilicarabina, Vc está certíssima, pois ele, Palocci e Rolim eram compadres por suas filhas e vizinhos de fronteira em suas fazendas, a Tam tinha espaço, mas não tinha competência, para concorrer com a Varig, e como esta devia a Infraero, Petrobras, INSS, tiveram a "faca e o queijo" na mão, e a solução seria tirar a Varig do cenário. Vejam Ministro da Casa Civil, Ministro da Fazenda, e um Empresário, ficou fácil, com a ajuda do "Sapo". Foi o que aconteceu. "Eu vi" ... Um abraço,
    Volkart.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há muito tempo atrás, correram rumores de que a esposa ( 1ª ou 2ª...) do personagem da obra de Tomaz Antonio Gonzaga seria acionista majoritária dos Transportes Aéreos de Marília . Os principais figurantes se encaixam;
      e não é que faz sentido?

      Sidnei Oliveira

      Excluir
  9. Artigo 42 – Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto à ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.

    Não se está aqui dizendo que a empresa não possa realizar a cobrança das dívidas, claro que pode, porém devem evitar se valer da famosa "tortura psicológica", realizada pelas empresas de cobranças terceirizadas, que passam a ligar diversas vezes ao dia, em telefones fixos, celulares e até mesmo vizinhos, passando as informações sobre a dívida a terceiros, colocando os devedores em situações extremamente embaraçosas, inclusive passando informações inverídicas com o intuito de intimidar e amedrontar o devedor.
    O que o Código de Defesa do Consumidor protege é a exposição do cliente ao ridículo, mesmo que o ato de cobrar e ser cobrado cause vexame, porém isso não deve ser a arma usada a compelir o cliente ao pagamento da dívida.

    Portanto, não se deve expor o cliente, fazendo com que tal dívida e cobrança cheguem ao conhecimento de terceiros, seja de qualquer maneira, pois com isso, são inúmeras as formas de expor o cliente ao ridículo, dependendo até mesmo da “criatividade” que se possa chegar à cobrança com o intuito de compelir o pagamento da dívida por intermédio de uma situação vergonhosa.

    Quanto aos locais de cobrança, não quer dizer que o legislador proibiu determinados locais como trabalho, descanso ou lazer, porém não pode tal conduta
    (a cobrança) interferir no trabalho do devedor, seu descanso ou lazer, e esse grau de interferência é que será avaliado caso a caso.

    Assim, o consumidor deve conhecer e exigir seus direitos ao passar por uma situação em que se sinta exposto ao ridículo, constrangido ou ameaçado.


    Ana Flavia Forgioni é advogada do escritório Pires & Gonçalves - Advogados Associados.

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-