sexta-feira, 22 de julho de 2016

Que temas terão destaque na campanha municipal da cidade do Rio de Janeiro?

Cesar Maia

1. Uma questão tem intrigado os estrategistas e marqueteiros dos candidatos a prefeito do Rio. Que tema ou temas serão destacados pelas candidaturas? Não é tarefa simples, especialmente numa conjuntura de enorme desgaste dos políticos e crise abissal.
     
2. A segurança pública, que ficou fora de foco nas 5 últimas eleições municipais, volta com força, seja pelo aumento da criminalidade, seja pelo terror externo que cria uma sensação de insegurança interna, seja pela sensação de insegurança existente.
     
3. A saúde pública, destacada nas pesquisas pelos eleitores como o maior problema de todos, abre a eleição sem vocalizador. A privatização da saúde pública através das OSs não mudaram esse quadro e a crise estadual na saúde não permite o cidadão diferenciar responsáveis, apesar das tentativas municipais.
  
4. A educação pública que, em geral, tem interlocutores pela esquerda, não deve ter, pois os problemas do magistério ganham prioridade na comunicação dos candidatos em relação à política educacional.
   
5. A mobilidade urbana (transportes), apesar dos grandes investimentos realizados, enfrenta uma situação paradoxal. A prioridade dada aos BRTs objetivando a reestruturação do transporte radial de massa, em curto prazo, produziu um enorme desconforto nos passageiros em relação ao transporte porta a porta de ônibus e vans. A linha 4 do metrô será inaugurada parcialmente e só após as eleições poderá servir de fato como alternativa. Ou seja, um imenso investimento sem capitalização eleitoral para este ano.

6. Mais uma vez - vide 2008 - a concentração de gastos e atenção exigidos pela Olimpíada produzirá uma sensível queda de qualidade na conservação nas regiões Norte e Oeste, que concentram 75% da população, e que reagirão como ocorreu em 2008 a este desconforto.
   
7. A capacidade administrativa, que é uma prioridade num momento de crise, não combina com os perfis dos candidatos apresentados. A insegurança do servidor público em relação ao alcance das medidas que estão sendo analisadas nacional e estadualmente vem amplificada com a crise que chegou à previdência municipal.
   
8. Os valores da família e da vida inevitavelmente terão destaque pelo perfil do candidato que lidera todas as pesquisas, e a força do discurso dos que vêm a seguir dele. As fragilidades de candidatos em relação a esse tema serão aproveitadas nos debates.
   
9. A questão social, que em várias eleições anteriores destacava as políticas de inclusão social, nesta eleição traz como carro chefe a taxa de desemprego, especialmente dos mais jovens e a dificuldade de propostas municipais surgirem como alternativa, num momento pós Olimpíada.
   
10. A corrupção, destaque nacional com a Lava-Jato, pousará na eleição municipal em função dos grandes investimentos e sua qualidade com os exemplos que a imprensa vem sublinhando.
   
11. Finalmente, uma eleição apresentada como re-reeleição, coloca uma difícil disjuntiva, seja pelo natural "desgaste de material" depois de 8 anos, seja pela referência estadual do mesmo partido, seja pelo declínio de avaliação. Numa eleição com TV 35 dias e sem a concentração de tempo de TV das 2 eleições anteriores e o desvio de foco provocado pela Olimpíada, a tarefa dos estrategistas e marqueteiros será complexa, pelo menos complexa. 
Título e Texto: Cesar Maia, 22-7-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-