quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Ideia legislativa pedindo fim da Rouanet bate recorde e chega a 85 mil apoiadores; quem mandou a Globo atacar o povo?

mrk

Como vemos no ILISP, a Ideia Legislativa inserida no site do Senado Federal que visa revogar a Lei Rouanet atingiu a marca de 78 mil apoiadores e se tornou a segunda mais votada na história do site do Senado Federal. Aliás, o ILISP também foi o responsável pelo lançamento da ideia legislativa.

Agora a iniciativa aguarda envio à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal como Sugestão Legislativa para ser debatida, analisada e possivelmente tramitar no Congresso Nacional.

Os apoios à proposta continuam abertos e podem ser feitos por meio deste link.

Creio que não foi um bom momento para a Rede Globo lançar campanha de ódio contra o povo brasileiro, como fez no último domingo no programa Fantástico.

Aqueles que foram vítimas de estigmatização e discriminação pelas mãos da Globo – que chamou de intolerantes os críticos da Lei Rouanet e do uso de crianças para tocar homens nus em exposições – estão mais indignados do que o habitual.

O volume de apoio ao fim da Lei Rouanet vai aumentar ainda mais.
Título, Imagem e Texto: mrk, Ceticismo Político, 10-10-2017

Relacionados:

8 comentários:

  1. Eu apoio tem coisa mais importantes e urgentes no Brasil para investir do que patrocinar arte imoral da Globo Lixo e seus artistas lixos.

    ResponderExcluir
  2. Faltam nove mil para chegar a 100 mil...

    ResponderExcluir
  3. Abaixo a Lei Rouanet a mamata dos parasitas socialistas!

    ResponderExcluir
  4. Na minha opinião a lei Rouanet não deve acabar!
    Melhor seria se disciplinada.
    Somente deveria ser usada em casos de espetáculos gratuitos e prioritariamente de livre acesso a pessoas de baixa renda.
    Não é o que ocorre hoje!
    Existem centenas de empresas especializadas ,criadas e isentas com a única finalidade de arrecadar os benefícios patrocinados pela lei Rouanet.
    E beneficiam essencialmente as elites pseudo intelectualizadas.
    No Brasil ,pobre não vai ao teatro ou exposições ,concertos,etc...
    As empresas que quisessem patrocinar (não entendo como pode ser este patrocínio, se os organizadores e as empresas que estes representam auferem milionários lucros!), deveriam propor publicamente ,ao contrário do que hoje fazem. Conseguem amigos políticos que possas intervir junto à secretaria de governo que "administra" a cultura na presidência da república.
    A lei devia apenas custear as despesas do espetáculo ou exposição, levado ao público gratuitamente, e com sentido claramente cultural, que não pudesse ser questionado
    Teria que ter uns propósitos culturais, que não deixassem dúvidas.
    Pois, por mais que não se tenha preconceito de gênero, como justificar que que as passeatas chamadas "orgulho Gay" arrecadem verbas para se apresentarem.
    O valor previsto na arrecadação de 2017 foi de Hum milhão e quinhentos mil.
    Existem no mundo inteiro patrocínios para a cultura, sejam dos governos ou de mecenas, mas no Brasil ( como de regra!) desvirtuou-se uma ideia bem concebida, em prol de benefícios pessoais.
    O tal jeitinho brasileiro de cumprir a lei!

    Paizote

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-