terça-feira, 15 de setembro de 2020

[Aparecido rasga o verbo] Bipolaridade

Aparecido Raimundo de Souza

O CHINFRETA SE ABRE com o doutor Sartório, seu amigo e advogado. Ambos tomam café no escritório do profissional enquanto papeiam:
— Não podemos mais viver juntos. Eu tenho defeitos terríveis e Carol qualidades insuportáveis. Daí eu querer me separar dela.
— Fale de seus defeitos — pede o doutor Sartório:
— São tantos...
— Sou todo ouvidos, Chinfreta...
— Eu gosto de soltar bufões na frente de todo mundo. Principalmente das amigas dela.
— E dona Carol, por certo, acha suas ideias absurdas?
— Se não as ideias, pelo menos os traques, com toda certeza.
— Costuma dar bronca?
— Às vezes reza um terço. Doutras diz na minha lata que eu sou um verme.

— Verme, Chinfreta?
— Sim, Sartório. Desses bem peçonhentos. Imagine!
— O que mais você faz que deixa a sua querida esposa irritada?
— Nossa, a lista é imensa!
— Como disse, sou todo ouvidos:
— Gosto de ir ao banheiro de porta aberta.
— De porta aberta?
— É.
— E Carol, só de me ver indo em direção ao banheiro, aos trancos e barrancos —, pense —, só de me ver... Começa a falar. E fala, fala, fala...
— E você?
— To nem ai! Assovio. As palavras dela entram por um ouvido e...

— Voam pelo outro?
— Não exatamente...
— Como assim, não exatamente?
— Um de meus ouvidos, Sartório, é completamente surdo. Se não me engano, surdo do tímpano:
— Como é que é?
— Um dos meus ouvidos não escuta.
— Então você é obsoleto de um lado?
— Sou.
— Qual deles?
— Acho que o esquerdo. Não, o direito. Não faz diferença. Sei que um e completamente alérgico à barulhos e sons.

— E do que a sua esposa tanto reclama?
— No geral, que eu preciso ter modos. Criar vergonha. Parar de andar pelado pela casa. A Soraia não é obrigada a me ver com os países baixos balançando. Ainda mais em estado de extrema sonolência...
— Calma lá. Quem é a Soraia?
— A nossa empregada.
— Ah! Continue...
— Fala também que eu preciso respeitar dona Risoleta, a mamãe...
— A sua mãe?
— Não, Sartório. A dela:
— Sua sogra?
— Em carne e presença. A velha mora com a gente. Está cansada de me pilhar entrando e saindo de um armário enorme, de doze portas, que a gente tem lá em casa. Mentalize a cena...

— Como é que é?
— Eu disse que a velha mãe dela, dona Risoleta  está cansada de me ver entrando e saindo de um armário de doze portas. Tal atitude deixa a sessentona com a pulga atrás da orelha.
— Meu amigo, uma pergunta um tanto quanto idiota: você não tem mulher?
— Tenho.
— E por que precisa partir para dentro do armário?
— Sartório, não ajuíze nenhuma besteira. Não é nada do que você está alinhando nesta sua mente suja. Gosto de ficar lá dentro, no escurinho, geralmente jogando dominó ou paciência pelo celular. Para mim, uma terapia, ou válvula de escape que arrumei para me livrar dos estresses do dia a dia.
— E onde fica este armário que a sua sogra o vê entrando e saindo?
— Ora, Sartório, no nosso quarto de casal. A velha mãe dela assim que eu me acomodo, vem quietinha, entra, pé ante pé... E encosta o ouvido...
— Entendo. E a sua esposa?

— Como você sabe, a Carol dá aulas. Fica o dia inteiro fora. Como a jararaca da mãe dela não trabalha, não têm amigas, nem marido... E como eu chego do serviço por volta de três horas, tomo banho, faço um lanche, vou pro meu quarto e aproveito para jogar partidas com meus amigos virtuais. Em resumo, a Carol não tem conhecimento das minhas loucuras.
— E a sua sogra, como ela descobriu a sua paixão pelos fundilhos do suntuoso armário?
— Como falei, a peste da velha fica me espionando, assim que piso no quarto. Então ela se achega e coloca o ouvido encostado na peça. Pior de tudo...
— Continue... O que é pior de tudo?
— A Soraia também vem lá da cozinha, só para tentar descobrir o que, de fato, eu ando fazendo entre as minhas roupas dependuradas e as de minha esposa.

— Não acredito no que estou ouvindo...
— Pode acreditar. É a mais pura verdade.
— Acho que você é louco.
— Eu tenho certeza...
— E ai, com as duas mulheres bisbilhotando, que atitude você toma?
— Nenhuma. Continuo na minha, jogando sem maiores problemas.
— Realmente cheguei à conclusão que você não bate bem da bola.
— Qual o quê! Você me chama de louco e diz que não regulo bem da cachola. Piradona, diante desta história toda é a minha sogra.
— Por quê?

— Porque a velhota acima de qualquer coisa, me odeia. Dona Risoleta anda querendo pegar alguma coisa errada a meu respeito. Por assim, nas suas divagações, me persegue. E pasme, Sartório. A infeliz, costuma logo que se aproxima do armário, a emitir uns gritinhos estranhos, e a empregada endossa, indo na pilha dela, como se imaginassem que eu esteja fazendo alguma coisa indevida, sei lá. Cansei de ver. Por uma espécie de respiradouro redondinho do móvel, capturo as duas e dou com as engraçadinhas alvoroçadas. Jogar dominó com plateia é outra coisa. Você por acaso, como advogado, já pensou em uma cliente aqui nesta sala, falando mal do marido e, em vista da sua posição, você tentar consolar a dita dando carinhos e jogando palavras melosas no escutador de novela dela?
— Não interessa Chinfreta. Tal fato não vem ao caso. Não vou responder...
— Pela sua reação abrupta, percebo que é chegado...
— Olha o respeito. A Soraia... Você disse que ela também espia?
— Sim.

— E você nunca teve coragem de inverter a situação saindo do armário na hora agá e dando um chega pra lá nas duas? De certa forma vejo a sua situação como invasão de privacidade.
— Sartório, até o momento não havia pensando em nada. Pelo menos até sábado passado, quando tudo aconteceu...
— E o que aconteceu sábado passado?
— De novo? É a centésima vez que lhe conto a droga da história.
— Conte uma vez mais. Preciso saber dos mínimos detalhes para defender você, caso dona Carol realmente tome conhecimento pela mãe, ou pela serviçal, da sua imbecilidade e queira se separar.
— Ta legal. Eu liguei o aparelho celular e dois minutos depois a velhota pintou na área:
— Prossiga...

— A Soraia, como sempre, veio logo no vácuo. Ambas, acredito, se agarraram ao armário, como se quisessem abraçá-lo. Em outras palavras, como se o troço fosse um homem. É o que penso das duas, em razão de acharem que eu faço algo abominável. O fato é que a geringonça começou a balançar, apesar de abarrotado de bugigangas. Minha sogra, a certa altura, passou a balbuciar: ‘Fernandinho, Fernandinho, ai, ui, ai, ui...’.
— Fernandinho? Quem é Fernandinho?
— Sei lá, Sartório! Não faço a menor ideia.
— Vá em frente.
— Só que desta vez, a Soraia vendo a velha Risoleta, se excedeu. Não aguentou. Meteu as mãos no puxador e escancarou a porta do armário de canto a canto. Dona Risoleta, minha sogra, ficou pálida, se abriu em berros estridentes, ferozes, e a empregada não deixou por menos...
— Sim e depois?
— Quando as duas fuxiqueiras toparam comigo, Sartório, eu estava suando em bicas e meu Deus, eu literalmente beijava, na boca, o Pimpão.
— Maldição, Chinfreta! Que diabo venha ser o Pimpão?
— Meu ursinho cor de rosa, que até então eu guardava a sete chaves...

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Vila Velha, no Espírito Santo, 15-9-2020

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-