quinta-feira, 20 de junho de 2013

Felizes com a Dilma


Rui A.
O que se tem passado, nos últimos dias, nas principais cidades brasileiras tem certamente um conjunto de motivos explicativos, mas aquele que é, de longe, mais importante é a sensação, que se instalou no país, de que o governo Dilma está a fraquejar na economia e que vêm aí novos tempos de pobreza e de elevada inflacção. Isso mesmo é sensatamente referido no Economist, e pode ser testemunhado em qualquer parte do país, em conversas com as pessoas, na leitura dos jornais, nas notícias e opiniões transmitidas pelas estações televisivas. Quem veio para a rua foram essencialmente dois grupos: um, maioritário e gigantesco, de pessoas pacíficas que querem protestar contra o rumo da política e da economia, e outro, minoritário mas muito mais impressivo, de bandidos e agitadores violentos, que aproveitam a onda para pilhar, roubar, assaltar e provocar distúrbios. Estes últimos são aqueles a quem se presta mais atenção, dada a violência dos seus actos e a cobertura que deles é feita na comunicação social. Mas que ninguém duvide que o sentido do descontentamento expresso nas manifestações nada tem a ver com essa violência oportunista, mas com a insatisfação do rumo que a política federal tem tomado ultimamente e o medo das consequências que poderá ter na vida das pessoas. De resto, o PT já compreendeu isso mesmo, e a “presidenta” e o ex–presidente têm promovido reuniões com os principais dirigentes do partido, para encontrarem novas bandeiras que os reaproximem da população. O choradinho do monopólio petista da retirada de milhões de pessoas da pobreza extrema foi considerado já gasto, e o partido procura agora um novo discurso. João Santana, o mago do marketing do PT, não tem faltado a nenhuma dessas reuniões.
Título e Texto: Rui A., Blasfémias, 19-06-2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-