sexta-feira, 20 de maio de 2016

O Pavilhão Púrpura

Lançamento Nacional
Sábado, 21 de Maio, 17 horas

Sociedade de Geografia de Lisboa
Rua das Portas de Santo Antão, 100, Lisboa (ao lado do Coliseu dos Recreios)
Apresentação de Jorge Rangel

A realidade como só a grande ficção pode revelar!
A história e os seus protagonistas num período crucial do mundo e do país.

O segundo livro de uma saga única na literatura portuguesa. Um escritor singular, considerado por quem, de facto, o leu o maior escritor português da actualidade.

Assente numa pesquisa de uma ambição, um rigor e um labor tão exemplares quanto raros na ficção portuguesa, José Rodrigues dos Santos transporta o leitor a uma época dramática e matricial da História do mundo e do país: a década de 1930.

Com o empenho na clareza narrativa que cultiva nos seus livros, e que neste leva ainda mais longe, o autor constrói uma obra (que não se consegue parar de ler) que nos traz as palavras, os actos, o pensamento e a acção, de figuras históricas como Salazar, Chiang Kai-shek e muitas outras, retratadas ou recriadas com uma fidelidade que só a melhor ficção permite.

Depois de, em Nova Iorque, a bolsa entrar em colapso, um pouco por todo o mundo instalou-se a crise. Este novo grande romance retrata esse período da história, ilustrando, designadamente, a forma como Salazar governou com a Grande Depressão, a aventura militarista que incendiaria o Oriente e estigmatizaria o Japão, as consequências da invasão japonesa da Manchúria, a intensificação das colectivizações e da crueldade no país de Estaline, as convulsões que dilaceraram a China e seriam, afinal, as origens da sua história futura, que marcaria o nosso tempo. Histórias e figuras, muitas trazidas de novo à vida pela magia da ficção, actores desse tempo e desse espaço que foi planetário. 
Pode uma ideia mudar o mundo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-