domingo, 12 de março de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Pulp’s

Aparecido Raimundo de Souza

“O pior cego é aquele que nunca se enxergou - primeiramente a si mesmo -, no espelho interno da sua alma”.
Tompson de Panasco

A BURRICE ou o despautério das pessoas, não se arregimenta em fazer o que elas querem, de livre vontade e, sim, no que os outros escolhem e perpetram, geralmente contra seus princípios morais.  De certa forma, esse particular quase insignificante as deixam e as tornam submissas. Num quadro geral, escravas de desonrosa e desprezível estupidez.

Em cada um de nós (seres humanos) existe uma pequena parcela de imbecilidade, como também de idealismo. Ambos funcionam como uma balança de precisão imprecisa. Com o passar do tempo, ou a extravagância prevalece, aflorando, ou a futilidade toma conta fazendo da personalidade do infeliz, um joguete a seu bel-prazer.

O “ideal” de toda alma vivente (ou a sua congeminação) deve ser como a árvore plantada no meio de uma floresta enorme. Ter suas raízes sedimentadas em terra firme, cravadas de modo duradouro e eterno. Ao contrário da boçalidade. Seus embriões precisam navegar continuamente em águas correntes.

Aconteça o que acontecer, meus caros amigos, nunca percam a esperança de serem felizes. Estejam alegres, saltitantes, haja o que houver. Seja o que for que esperem, não importa. Dias melhores, horas mais benfazejas, momentos mais agradáveis, surgirão em oportunos instantes, para que realizem seus propósitos e intentos de acordo com as necessidades consideradas mais prementes.

Lembrem que as criaturas de corações tidos como excelentes, exigem tudo de bom de si mesmas, principalmente em relação aos demais da sua estirpe. Os medíocres, ao contrário, esperam tudo de belo e majestoso, mas vindo dos outros semelhantes à sua volta.

“De onde menos se espera – dizia o Barão de Itararé – é que não sai nada mesmo”. Existem controvérsias quanto a esse pensamento. Dessa forma, procurem incansavelmente os seus “de onde menos se espera”. De repente, contrariando literalmente o famoso jornalista Apparício Torelly (1895-1971) as senhoras e os senhores deem de cara com algo suntuoso que não estava previsto e esse simples gesto virá fazer ou fará toda a diferença em suas vidinhas de merda.

Mas atenção, amigos. Cuidado com as contraindicações. Leiam, antes, a bula. “Enquanto há vida, há esperança”, lecionava o filósofo romano Cícero (106-43 a. C). Do mesmo modo, onde há esperança, aí estará e se presenciará a vida. De modo algum deixem que se esvaia a esperança pela vida. Tampouco a vida pela esperança. Não chovam -, dito de outra maneira -, no molhado, nem façam sombras onde a escuridão impera duradoura e determinante.

A melhor parte das nossas vidas, passamos em aguardar o que, talvez, nunca aconteça. Todavia, às vezes, o destino interfere, arrebatador, dando uma forcinha e nos brindando com aquilo que almejamos num abrir e piscar de olhos. A sorte às vezes, aparece, surge do nada, quando menos esperamos pela sua visita.

“Um raio de sol é suficiente para afastar muitas sombras”, no entendimento do religioso italiano e depois canonizado santo, Francisco de Assis. Porém, jamais se olvidem de um detalhe importantíssimo. A esperança é como a vida plena.  Se ocupem dela sonhando com os olhos bem abertos, de preferencia quando estiverem dormindo.

Em tempo algum deixem de ser otimistas. O entusiasmo, o positivismo, alegra a alma, clareia o espírito, ajuda na reestruturação do corpo cansado, além de espalhar, para longe, as contrariedades e as tristezas do dia a dia.

Esperançosos e confiantes são aquelas pessoas que acreditam, que creem piamente que o que está para acontecer (seja de agradável, ou de temeroso, por alguma forma inexplicável), será sumariamente adiado.

“A crença positivista – na concepção da escritora americana Helen Keller, autora de “A história da minha vida” é a FÉ em constante AÇÃO”. Em resumo, se vocês perderem a AÇÃO, a FÉ irá, de mala e cuia, para a casa do caralho. E vice-versa.

Como um todo, não devemos nunca, senhoras e senhores, deixar que se percam as ilusões. Sejam elas quais forem. Ilusões perdidas seriam (grosso modo), como mandarmos para o espaço, de uma vez para nunca mais, a realidade pujante e viçosa em que vivemos.

Necessitamos constantemente massagear nosso ego, alimentando-o todos os dias (ainda que construindo castelos no ar), embora tenhamos pleno conhecimento que nos será cruel e doloroso a sua destruição, logo adiante.

“A capacidade de nos iludirmos nessa vida de altos e baixos (ensinava, com muita propriedade, Jane Wagner, escritora e humorista) pode ser uma importante ferramenta de sobrevivência”.  

Tenham esse conceito aparentemente bobo, meus queridos leitores, ao alcance das mãos. Usem como uma espécie de sentença, ou acórdão. “Pode ser uma importante ferramenta de SOBREVIVÊNCIA”. De fato, se forem pesquisar a fundo, NÃO DEIXA DE SER. OU MELHOR, É.

AVISO AOS NAVEGANTES:
PARA LER E PENSAR, SE O FACEBOOK, CÃO QUE FUMA OU OUTRO SITE QUE REPUBLICA MEUS TEXTOS, POR QUALQUER MOTIVO QUE SEJA VIEREM A SER RETIRADOS DO AR, OU OS MEUS ESCRITOS APAGADOS E CENSURADOS PELAS REDES SOCIAIS, O PRESENTE ARTIGO SERÁ PANFLETADO E DISTRIBUÍDO NAS SINALEIRAS, ALÉM DE INCLUÍ-LO EM MEU PRÓXIMO LIVRO “LINHAS MALDITAS” VOLUME 3.
Título e texto: Aparecido Raimundo de Souzajornalista. Do Sítio ”Shangri-La” – Um lugar perdido no meio do nada. 12-3-2017

Colunas anteriores:

4 comentários:



  1. A PIOR CEGUEIRA, SURDEZ E MUDEZ DO MUNDO É O FINGIMENTO.
    Finge-se de cego, surdo e mudo.
    Postulando a si próprio a mentira.
    A pior das mentiras é a ESPERANÇA, quem espera nunca alcança nada.
    Alguns massageiam seus egos com as mensagens de auto-ajuda, outros com enganações religiosas.
    A esperança ficou trancada na caixa de Pandora.
    A sociedade necessita de homens com atitudes, somos dependentes um do outro.
    Não tenho ilusões perdidas.
    Não sou Lucien de Balzac, é absolutamente deslumbrante como um livro de 1830 consegue detalhar as relações humanas e sociais de hoje.
    Talvez possamos dizer de sempre.
    Meu valor deve ser pelo que sou, não pelo que aparento ser.
    O SER não possui valores, se fosse preciso valorar seria 15 reais de elementos vários e o resto de água suja.
    fui...

    ResponderExcluir
  2. Sinceramente, blá-blá-blá… tanto texto como comentário!
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir
  3. Heitor, não seja rancoroso comigo. A tendência dos esperançosos é o sofrimento.
    Onde está deus quando que tem fé precisam dele?
    Podem tentar me dar milhões de explicações que não me convenceriam.
    Como posso amar que precisa ser amado?
    Quero amar quem me ama.
    E infelizmente deus não nos ama.
    O fato real é que merecemos receber pelo que pagamos.
    Nós podemos ser imperfeitos, mas podemos fazer nossas mentes maravilhosas.
    Sofremos e dói.
    Quanto mais dói, mais sofremos.
    O ciclo torna-se contínuo e um grande vício.
    Não podemos sofrer quando as coisas acontecem diferente do que planejamos.
    Nos tornamos vítimas dos acontecimentos.
    Embora possamos nos considerar vítimas do governo, da VARIG e seus gestores, Do AERUS e seus diretores, não podemos nos considerar vítimas de nós mesmos.
    Sentir-se vítima de tudo o que acontece é convencer-se de que não há de fazer-se nada, tudo perdido, que não adianta esforçar-se.
    Tudo pode mudar num determinado momento, mas não será por atividades divinas e esperançosas.
    Somos tão dependentes um do outro, que as decisões humanas interferem em nossas vidas.
    Citei Balzac, porque não podemos ser prisioneiros de nossas ilusões.
    Prefiro devolver a vida lutando, do que morrer sofrendo.
    O pior descalabro da justiça é ganhar e não levar.
    No Brasil há milhares de pessoas que ganharam na justiça e não levaram.
    Eu sou feliz com a tutela, serei feliz lutando por ela.
    Querem ver, olhem meu nome na vara de falências.
    O ex diretor do AERUS, bloqueou minha verba trabalhista juridicamente.
    Não pode, então vamos lutar de novo.
    fui...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok! Tá bom!
      Mas saiba que a Esperança é a última que morre!
      Abs,
      Heitor Volkart

      Excluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-