segunda-feira, 13 de março de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Rebordo do chapeuzinho

Aparecido Raimundo de Souza

1
EU NÃO ME CHAMO TOB. Foi, todavia, esse nome que me dei, por conta própria, de mentirinha. Sou um gato. Um gato de verdade. Um pequeno felino com pelos bonitos, bem cuidados e bem tratados. Apesar disso, não gosto desse meu nome. Nem um pouco. Acho que Tob não pega bem para um doméstico da minha envergadura.

2
Se eu pudesse mudar, escolheria um patronímico mais simpático, mais atraente, mais chamativo, mais condizente com a minha raça. Embora viva dentro de casa, e tenha uma vida maravilhosa, de rei, não sou desses bichanos gorduchos e preguiçosos. Nem durmo no saco. Não caço ratos. Minha comida é de primeira e meus donos (principalmente a Luaninha, no albor dos quinze anos, com aquele adorno na cabeça, em forma de barrete, cobrindo os longos cabelos em cachos, única filha de dona Rita e seu Moisés) me tratam como se eu pertencesse à família.

3
Outro dia comentei com meu amigo que mora na praça aqui perto. Ele é um gato sujo, sarnento, cheio de pulgas, carroceria corrida, anda todo torto e descadeirado. Não tem nome de batismo, eu o chamo de Chico.  Chico, coitado, um dia come, outro passa fome. Um dia bebe outro não. Anda miando de deu em deu, o infeliz, jogado à sorte, ao deus dará. 

4
Quando falei em trocar de nome, ele se virou para mim e argumentou com a sapiência dos animais que, embora sem um pingo de sorte nos costados, tem uma larga experiência de vida, pelos maus momentos que traz grudado pelos escaldados horríveis da vida.

5
- Que nome gostaria de ter?
- Pensei em Salem...
- Isso lá é nome de gato? O que me diz de Tom?
- Já existe um montão, Chico. Sem contar que temos um simpático muito famoso. Lembra-se do Jerry da televisão. O que me diz de Tim?
- Tim? Kikiki... você acabaria virando alvo de piadinhas de mau gosto...
- Como assim?
- Seus amigos, menos eu, claro, lhe alcunhariam de fim, mim, sim, quim, vim... Imagine, “e ai, amigo Pim! Tudo bem?”.
- Restaria, então, Bob!
- Bob, meu chapa, é nome de gato preguiçoso. E você não me parece um gato molenga. Pelo menos na aparência. Você é gato de “madame”, de família abastada. De boa família, por sinal. E o mais importante: tem pedigree.


6
- Mesmo assim eu queria mudar de nome. O que eu mesmo me dei, por conta, Tob, está me deixando incomodado...
- Deixa de bobeira, Tob. Tira isso da cabeça. Procure se espelhar em mim, como exemplo.
- Como exemplo? Estou voando. Desenha!
- Filtra de novo!
- Como disse?
- Esquece Tob. Veja minha situação. Nem nome tenho. Você que me arranjou esse tal de Chico. Pois bem, sem falar, mas já falando, não tenho um lar. Vivo ao relento, jogado, em busca de restos de comida e camundongos. Na moral, colega. Preferiria mil vezes ser chamado de Tob e desfrutar de um cantinho só meu, que ser esse Chico aqui que você tão bem conhece e vive assim, como eu vivo, aliás, como vegeto. Pobre, maltratado, precisando, como se diz aí no mundo dos humanos, “matar um leão a cada dia para sobreviver”. Desculpe o que vou dizer Tob. Você chora de barriga cheia. Deus, meu prezado, não dá asas a cobra.

7
- Tudo bem. Estou de acordo com o que disse. Mas quero mudar de nome.
- Tob!...
- Falo sério, Chico. Nunca falei tão sério em minha vida. Me ajuda aí, vai!...
- Calma.
- Estou calmo.
- Relaxa.
- Estou relaxado.
- Um... ah... sim... claro...
- Desembucha, Chico.
- O que me diz de Stuart Little?
- Stuart Little?
- Sim, meu amigo. Era aquele pequeno gato... ou era rato...?... não me recordo...! no filme “O pequeno Stuart”, dublado pelo grande Rodrigo Santoro.
- Stuart Little? Acho meio americanizado.
- Como disse?
- Filtra de novo!
- Aprendeu, hein malandro? Estou gostando de ver.

8
- Não tem outro, Chico?
- Sim, me veio à mente agora. Como não pensei nisso antes? Burro, como sou burro!
- Deixa de se mimosear, cara. Fala. No que pensou?
- No gato Snowbell!
- Sei... sei... e... quem dublou esse gato? Rodrigo Santoro?
- Não, Snowbell quem dublou foi o Miguel Falabella. Como ele tem cinco gatos, ou pelo menos, na época possuía cinco persas, Flora, Nicoleta, Scarlet, Zípora e Farac...
- Chico, como sabe de tudo isso?
- Velha história meu chapa. Nem gosto de lembrar...
- Fala aí, mano velho. Se abre comigo.
- Tá legal. Namorei Scarlet. Meu Pai amado, que gata!...
- E por que não ficou com ela?
- Caco Antibes foi mais esperto.
- Quem, Gato Antibes?

9
- Caco, seu besta. Caco. Caco Antibes. Era um personagem do Falabella em “Sai de baixo”.  Mas deixa pra lá. Vamos focar no nome. Stuart Little ou Snowbell?
- Stuart Little cai melhor...
- Não simpatizou com Snowbell?
- Stuart Little foi dublado como você disse aí, por Rodrigo Santoro, o grande.
- Certo, meu camarada. Só não recordo se Stuart era um gato ou um rato...
- Pois é... bem... acho que vou ficar com esse Stuart mesmo. Mesmo sendo bastante americanizado.
- Papagaios, mano. Não gostou do Snowbell?

10
- Não é isso, Chico. É que estou me recordando agora. Snowbell era meio... meio abichado. Não iria pegar bem. De mais a mais, na minha idade, entrar no armário, sair do armário... dar uma desmunhecada... fora de cogitação. Como Luaninha me veria? Decidido! Ficarei com o Rodrigo Santoro, o grande.
- Você quer dizer, adotará o Stuart Little?
- Com certeza!
- Mas Little é um rato. Sinceramente não me recordo com precisão. Rato, gato, gato, rato? Faz tempo! Ainda estava nos braços de Scarlet. Ah... bons tempos, aquele... não fosse o Miguel Falabella... Alto lá... quem é Luaninha?
- Uma gata, Chico. E que gata!
- Você nunca me falou dela...
- Chico, esquece. A partir de hoje, deixo de ser o Tob para ser o grande Stuart Little.
- Grande foi o Rodrigo Santoro que dublou o bicho, mano. Não confunda.
- Foi mal. Não confundirei. Pode estar certo. Snowbell, Luaninha, nem morta, nem morta...
- Como disse, Tob... digo, como foi que disse Stuart?
- Filtra de novo. Filtra de novo!

AVISO AOS NAVEGANTES:
PARA LER E PENSAR, SE O FACEBOOK, CÃO QUE FUMA OU OUTRO SITE QUE REPUBLICA MEUS TEXTOS, POR QUALQUER MOTIVO QUE SEJA VIEREM A SER RETIRADOS DO AR, OU OS MEUS ESCRITOS APAGADOS E CENSURADOS PELAS REDES SOCIAIS, O PRESENTE ARTIGO SERÁ PANFLETADO E DISTRIBUÍDO NAS SINALEIRAS, ALÉM DE INCLUÍ-LO EM MEU PRÓXIMO LIVRO “LINHAS MALDITAS” VOLUME 3.
Título e texto: Aparecido Raimundo de Souzajornalista. Do Sítio ”Shangri-La” – Um lugar perdido no meio do nada. 13-3-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-