sexta-feira, 28 de abril de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Os nossos Peppa Pig têm carne e osso sim senhor!

Aparecido Raimundo de Souza

HOJE, SEXTA-FEIRA, 28, o Brasil vai parar. As senhoras e os senhores saberiam explicar como se para uma merda, desculpem, como se para uma nação inteira que já está estancada, arregaçada, há tempo, mais até que bunda de puta?

Vamos rir. Não há outra forma de expressar a nossa agonia, a nossa aflição indignada, diante de mais essa imbecilidade coletiva. Ainda que mal perguntemos: vai parar. Tudo bem! Vai parar por ordem de quem? Do babaca do nosso querido (vamos colocar falecido, fica mais simpático) Michel Jackson Temer?  Como? Vocês não sabem? Não fazem ideia?

Meu Deus, amados, se o país inteiro vai parar (mais do que está) por ordem senão desse crápula, quem mais teria interesse em atravancar os passos do pobre e desditoso Brasil? Seria por ordem de meia dúzia de paus mandados sem vergonhas e pilantras (que vestindo aquela velha e surrada farda da engambelação do povo idiota), esperam conseguir mudar alguma coisa? Continuemos a gargalhar, por favor. Mudar exatamente o quê? A reforma da previdência? Da providência ou seria da presidência?!

A título de curiosidade, meus caros leitores, se fôssemos reformar a presidência, quem seria a desgraça que colocaríamos para cuidar (kikikiki) de nosso naufragado Brasil? Lula, Temer, Geraldo Alckmin, Marina Silva, Aécio Neves, Fernando Henrique Cardoso, Tiririca, Bolsonaro, Roberto Carlos, Jerry Adriane, Bin Laden, ou qualquer outra infâmia fugida da Cochinchina que por lapso esquecemos de citar?

Sentiríamos firmeza, senhoras e senhores, se o Brasil PARASSE por vontade própria, ou seja, se interrompesse seu cotidiano medíocre, seu dia a dia mediano, trivial, ordinário, insignificante, pela força régia de seu povo, por apetite, por afoiteza, por deliberação de sua SOCIEDADE, sistematicamente organizada, preparada, metódica, em prol de dias melhores. Em vislumbre de mandar para os quintos do inferno todos os ladrões que moram em Brasília, em palácios luxuosos, em apartamentos funcionais com todas as mordomias, cheios de seguranças, motoristas a tempo e a hora, sem mencionarmos o bando infindável de cheira colhões que se vendem a esses salafrários por um prato de comida.

Partindo daquele princípio básico “que “todo poder emana da casa do caralho e em seu nome é exercido”, saborearíamos com total e ilimitado dinamismo, atrelado a hombridade, a coragem ímpar, se toda essa galera sem eira nem beira desse um basta nessa canalhice, nessa degradação, nessa velhacaria que vemos o ano inteiro, e PARASSE realmente o Brasil titanizado, afundado, sem rumo, sem direção, sem fadário e sem chefia.

Nos brindaríamos de um orgulho incomensurável se os Descamisados e Desabrigados, bem ainda os Sem Tetos, os Sem Comidas, embargassem tudo, e só voltassem às suas atividades normais, quando tivessem sido expulsos lá do Epicentro a enxurrada dos párias, estancada a enchente de vermes, enfim, encurralados os ratos famintos, que fazem de nós, humildes e desprotegidos, seus lacraias e meros capachos. 

Contemplaríamos com orgulho, se os Zés Sofridos e as Marias de Barrigas Vazias, se dessem as mãos e ficassem em suas casas, curtindo um bom filme na televisão, ou cuidando de seus maridos e filhos. Ai sim, amadas e amados, talvez, o país brasil -, republiqueta de bosta, se visse livre desse buraco negro no qual se acha metido até a raiz dos cabelos.

Porém, a coisa não funciona assim. Quem manda o Brasil parar, quem comanda a anarquia generalizada, são uns Sem Rostos que habitam um universo paralelo. Esses espertalhões vivem no admirável mundo criado por Aldous Huxley. De rabos e pregas colados com outros aproveitadores e patifes, criminosos e malvados, esses siameses modernos são como espectros ressuscitados.

Eles surgem do nada, ditam as ordens, falam de peito aberto, latem palavras bonitas e aconchegantes (as famosas “palavras de ordem”), e fim de conversa. Tudo em nome de uma Salvação imperfeita, obscura e irreal. Como se tivessem cu para ir até o céu e trazer Jesus, o Libertador de todos os males.

Entre as maravilhas a se perderem de vista, vem à re(forma) trabalhista, a re(forma) da Previdência, a luta para acabar com as cargas tributárias em cima dos costados dos simplórios e inexperientes, não deixar que se percam os programas sociais, secar os gastos públicos, cortar as mordomias, lutar pelos direitos das mulheres, dos idosos, dos menores carentes, acabar com o “foro privilegiado”, reestruturar a segurança pública, findar com a linha da pobreza, e outras baboseiras. 

Devemos deixar claro, que tudo o que está ligado à reforma, como o nome claramente sinaliza, a “RÉ”, reforma ou retorna àquela marcha (na prática) que nos leva a voltar para trás a andar às apalpadelas. Pintou a ré, regressamos, regredimos, retornamos, revertemos.    

A título de ilustração, caros amigos, a CLT (Consolidação das Leis dos Trouxas), foi aprovada em 1º de maio de mil novecentos e lá vão trocentas bordoadas, por agasalho do Decreto-lei 5.452, sancionado pelo presidente Bagulho Vargas, durante o imperioso ESTADO NOVO. 

Esse Estado Novo é tão ostentoso e imponente, tão fulgurante e deslumbrante, que remonta aos idos de 1943.  Percebam que estão mantendo o sujeito de rostinho bonito, há exatos setenta e quatro anos. Pela idade, e pela reforma da porra da previdência, quem sabe esse infeliz do Estado Novo não se aposente junto com as bandalheiras e trapaças do camalioso e assobrerjético doutor Temer?     

Vamos parar o Brasil? Sim ou não? O que ganhamos de bom, de aproveitável, para agradarmos um bando de veados e prostitutos encarcerando o diário de nossas vidas, deixando de cumprir o nosso habitual? Qual será a nossa recompensa para, ao acaso, podarmos a nossa rotina, em regozijo de um punhado de filhos da puta que resolveram e agora nos obrigam, em nome de uma PROMESSA INEXISTENTE, a nos colocarmos ao lado deles? E quem são eles?

Sinceramente, a verdade é uma só. Quando a raia miúda dá a Temer os créditos para ter um Jucá em seu meio, um Moreira Franco, um Alexandre de Moraes (esse na pocilga conhecida como STF Supremo Tribunal das Falcatruas), evidentemente, sem sombras de dúvidas, alimentamos ferozmente o lado ruim e podre do nosso cérebro. Estamos de pés e mãos atados, anestesiados intelectualmente por um bando de tarados que nos querem arrombar o lado ainda virgem da inocência que restou cativa em nossos secretos mais escondidos.

Por assim (e não poderia ser diferente), acreditamos piamente que o POVO BRASILEIRO é um tremendo Sem razão, Sem noção, sem visão de futuro. O segredo é um só. Obedecer. Vamos parar hoje, amanhã ou depois.

E fim de papo. Mandou parar, é pra parar. Que se foda, ou que se dane o resto. Quem se sublevar, quem disser “SIM” ao extermínio dos opositores, quem for contra aqueles figuraços que querem manter o poder pela censura, pelo controle das informações e, sobretudo, pela centralização da verdade, como versão única, continuará do mesmo modo, chafurdando, enlameado, nos excrementos desses Poderosos do Grande Avião Pousado no Imenso Aeroporto Central, a nossa vergonhosa e ignominiosa safada, a rameira SENHORA DONA BRASÍLIA.
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. Do sitio “Shangri-Lá”. 28-4-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-