sexta-feira, 21 de abril de 2017

[Aparecido rasga o verbo] De Herói descabeçado a Mártir decapitado

Aparecido Raimundo de Souza

Essa história da inconfidência mineira nunca me cheirou bem. Quando ainda era pequeno e frequentava o grupo escolar, até que dava para engolir: o professor contava que um menino muito pobre e que atendia pelo nome de Joaquim José da Silva Xavier havia nascido na fazenda do Pombal, em 1746, perto de São João del Rei, em Minas Gerais. Que aos nove anos perdeu a mãe e, desde então, ficara aos cuidados de seu padrinho, Juarez, um especialista em fabricar dentaduras postiças para madames ricas e bem cotadas na corte.

Foi com esse homem, Juarez, seu padrinho, que Xavier aprendeu o ofício que mais tarde lhe daria o apelido pelo qual ficaria conhecido em todo o planeta. Assim cresceu o garoto Joaquim, como dentista prático. Antes foi mascate, mas não teve muito sucesso porque vendia precatórios fiados, do governo português, a gente que não o pagava. Diziam, à boca miúda, que nem o diabo conseguiu ver a cor do dinheiro desses precatórios. Todavia, pela habilidade de extrair dentes ganhou dinheiro, até porque além de muito jeitoso sabia tratar de seus clientes com remédios feitos de plantas. Algum tempo depois ingressou na carreira militar e passou a servir como alferes no Regimento Real da Cavalaria.

Por essa época, conheceu José Álvares Maciel, que tinha acabado de chegar de Portugal onde terminou seus estudos. Foi a partir daí que Joaquim tomou os primeiros contatos com as ideias de liberdade que Maciel trouxera da Europa. Envolvido por elas, Xavier passou a fazer parte de um grupo que defendia a libertação do Brasil das garras de Portugal. Muito bonitinha a historinha do professor dos meus tempos de guri. Contudo, uma trama mentirosamente ordinária. Ainda hoje me questiono: quem eram os outros?!

Os livros que passei a ler depois de ter saído do grupo escolar citam os poetas Cláudio Manuel da Costa, Inácio José de Alvarenga Peixoto e Tomás Antonio Gonzaga. Mencionam os padres Carlos Correia de Toledo e Melo, José de Oliveira Rolim e Manoel Rodrigues da Costa. Autores os mais variados apontam, nas entrelinhas, alguns nomes de militares de carreira, com destaques para o tenente-coronel Francisco de Paula Freire de Andrade, os coronéis Domingos de Abreu e Joaquim Silvério dos Reis e o Zé Mané (antigo alferes) Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, que é o homem que nos interessa.

Noto que os autores e pesquisadores (a maioria deles) usam o termo “alguns militares”, omitindo o primordial: os nomes de batismo pelos quais essas pessoas eram ou ficaram conhecidas. Isso deixou no ar um mistério indecifrável.

Desta cambada toda, como se depreende dos compêndios existentes, só o Tiradentes (quando a bomba estourou e as paradas estranhas que eles faziam na moita vieram à tona), recebeu a pena máxima: morrer enforcado. Tudo aconteceu no fatídico 21 de abril de 1792, quando o pacato cidadão Joaquim José gozava o albor dos 50 anos.

É importante lembrar que um dos companheiros dele, de luta, o poeta Cláudio Manuel da Costa, igualmente apareceu enforcado na Casa dos Contos, em Vila Rica. Não se sabe, todavia, se com a mesma corda. Vamos fazer uma pequena parada e aproveitar a oportunidade para abrir um parêntese: qual o dia exato que o Cláudio pôs fim à vida? E por que sua morte não teve a mesma repercussão que a do mentor intelectual, Tiradentes?  Cláudio também era famoso, talvez até mais que Tiradentes. Tenho para mim que o Cláudio passou desta para melhor nas mãos do mesmo carrasco que estuprou o pescoço de Tiradentes, o Capitania. 

Bem, e os demais? Cadê o Inácio, o Tomás, os padres e até os militares? O que realmente aconteceu a todos eles?! E olhem que naquela época não existia a polícia pacificadora dos morros, que tempos atrás desapareceu com o Amarildo.  Tudo bem, que a rainha de Portugal comutou a pena de alguns e que esses “alguns” foram condenados ao degredo perpétuo. Pelo amor de Deus, minha gente, para onde esses elementos foram degredados? E por que só o Tiradentes teve a pena mantida?

Vejamos alguns pontos importantes e falhos nessa confusão toda:

1) A rainha não gostava de Tiradentes porque o aprendiz de dentista ao lhe obturar um canal cobrou muito caro pelo serviço;

2) A rainha namorava um dos poetas e, Tiradentes, de olho na rainha fez queixa dela ao Joaquim Silvério dos Reis;

3) Joaquim Silvério dos Reis era homossexual assumido e queria dar o caneco para Tiradentes, mas o bom moço, por não ser chegado em Silvério, recusou a oferta e preferiu traçar um dos padres; 
  
4) Cláudio Manoel da Costa, antes de morrer enforcado jurou que mataria o Visconde de Barbacena e jogaria a culpa em Tomás Antonio Gonzaga;

5) Rolim queria só para si o Quinto do ouro e a Derrama. Pretendia sequestrar a rainha só para ficar famoso e proclamar sozinho, a independência, deixando os demais colegas da inconfidência, como nós brasileiros, a ver navios;

6) O coronel Francisco de Paula deu uma banana bem grande para todo mundo, xingou a rainha de Hebe Camargo, fez careta para o governador e rasgou em pedacinhos a bandeira símbolo dos inconfidentes, cujo lema era: “LIBERTAS QUAE SERA TAMEN”, que traduzido do latim para o português seria: “LIBERDADE, AINDA QUE TODOS SEJAM MANDADOS PARA O QUINTO DOS INFERNOS”.


Todavia, de acordo com as velhas cartilhas escolares, o traidor, o vilão, o filho da puta, nessa encrenca toda, foi de fato e de direito, o Joaquim Silvério dos Reis. O cara entregou um por um, os seus amigos, se livrou de uma dívida maior que a do Brasil com o FMI (que dívida seria essa?), ganhou um pequeno patrimônio perto de São João del Rei, desposou a filha mais velha do Visconde de Barbacena, a Lucrécia de Barbacena e ainda foi assistir o Tiradentes faturar o pescoço com direito a esquartejamento etc., etc. e tal.

Precisavam, claro, de um pato, perdão, de um herói. Aliás, só faltava um herói para virar mártir e ser coroado como tal. Escolheram, então, o Tiradentes, porque era o mais humilde. Não nos esqueçamos que os outros eram pessoas bastante ricas e de elevada posição social. A história não faz alusão, mas, um dos inconfidentes, tinha parentesco com Fernando Henrique Cardoso e um dos padres havia fundado recentemente o PCC – Primeiro Comando da Corte, cujo chefão era conhecido como Jader Barbalho.

Assim, Tiradentes morreu como mártir. Sua cabeça se viu de repente separada do tronco. As partes de seu esqueleto (inclusive aquelas proibidas) que foram igualmente esquartejadas e previamente salgadas (para evitar a aproximação dos urubus) restaram fincadas em estacas e expostas nas cidades onde a criatura havia feito propaganda do movimento. Seu crânio, com um boné do MST colocado numa gaiola e enviada para Vila Rica. No trajeto até essa cidade (contam os policiais incumbidos de seu traslado), mesmo presa na gaiola, a tal cabeça arregalou uns dentes brancos e bem cuidados e cantou, com voz meio rouca, devido a corda, com toda certeza, o Hino Nacional de ponta a ponta, sem errar uma estrofe.

Interessante, hoje, tantos anos depois de finalizado o drama da inconfidência, se olharmos ao nosso redor, ou para o mundo que nos cerca, chegaremos à conclusão, entre espantados e aflitos, entre boquiabertos e pasmos, que não temos um Joaquim José da Silva Xavier. Em contrapartida, dispomos de um leque enorme de Joaquins Silvérios dos Reis espalhados pelos quatro cantos. Não temos, repetindo, nenhum Tiradentes, podem estar certos. Mas, com certeza acharemos muitos Joaquins Silvérios pelas esquinas, ou pelos botecos da vida... Ou mesmo no Senado, na Câmara, nos Palácios...

Apesar dos pesares, dispomos dos nossos melhores representantes no Congresso, na Câmara, no Senado, figuras que todo dia procuram um jeito (o famoso jeitinho brasileiro) de passar uma corda em torno do nosso pescoço, ou melhor, dos Manés e Otários que se vendem por uma cesta básica.

Só falta, agora, para completar o grande circo, alguém lá da Capital do País (quem sabe o Temer) arranjar um sujeito macho, com a cara do tal Capitania, igual ou pior que o da história dos meus tempos de grupo escolar. Todavia, para que eu realmente acredite na lorota do boçal do Tiradentes e da porra da historinha mentirosa da Inconfidência, o sujeito precisa ser carrasco e exibir diante de meus olhos as cabeças de Fernandinho Beira Mar, do Lalau, do Renan Galheiros, Eduardo Campos, o pessoal do Comando Vermelho, do PCC, e, de contrapeso, de alguns menores infratores (e, junto com essas cabeças, alguns padres pedófilos disfarçados de santos do pau oco). Se eu conseguir enxergar com estes olhos que a terra um dia comerá, a carteira de trabalho do Capitania devidamente assinada pelo Ministro do Trabalho, ou qualquer outro manda chuva, por exemplo, talvez eu dê o braço a torcer e engula a balela de 21 de abril. Assim como toda essa cambulhada de imbecis estão engolindo agora o Temer e um possível retorno de Lula, em 2018, figuras renascidas do inferno, como aquela ave esquisita que surgiu do meio das cinzas, e como não tinha nada o que fazer, peidou de Fênix e entrou para o seleto grupinho dos imortais, perdão, imorais.

Ah!... Quase esquecia: ISTO AQUI É BRASIL, UM PAÍS DE TOLOS! 
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. De Vila Velha no Espírito Santo. 21 de abril. 

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-