domingo, 1 de outubro de 2017

TAP. Fernando Pinto à beira de passar testemunho

Há 17 anos na administração da transportadora portuguesa, completou este mês 68 anos. E já tem sucessor.

Sofia Martins Santos 
Fernando Pinto entrou para a TAP em outubro de 2000. Objetivo? Preparar a empresa para a privatização. Depois disso, foram necessários dez anos para o presidente da companhia aérea nacional fazer saber que tinha informado o Governo de que pretendia deixar a liderança da transportadora. No entanto, ainda não tinha, afinal, chegado a hora. E manteve-se.

Agora, são cada vez mais os sinais na companhia nacional de que desta vez é que é: Fernando Pinto estará finalmente de saída. O próprio CEO da empresa fez saber, em junho deste ano, que cumpriu «a missão» que o trouxe a Portugal. Quando questionado sobre o seu futuro na nova administração, Fernando Pinto deixou claro que o cargo de CEO «depende totalmente dos acionistas». Recorde-se que Miguel Frasquilho, ex-presidente do AICEP, foi anunciado como novo presidente do Conselho de Administração e como vogais ficaram Lacerda Machado e Ana Pinho. Mas, entretanto, entrou também para o conselho de administração o ex-CEO da Azul Antonoalvo Neves, que todos apontam como preferido dos acionistas (é homem de confiança de Neeleman) para suceder a Pinto como presidente executivo. 

Aumento de 30% 
A privatização da TAP foi concluída em novembro de 2015 e, além das várias alterações operacionais que implicou na companhia aérea, trouxe também aumentos nos ordenados da administração. Só Fernando Pinto viu o vencimento-base subir em mais de 30%, fora prémios e regalias.  O salário do presidente passou de 30 mil euros mensais para cerca de 40 mil, numa altura em que os trabalhadores ainda aguardavam a reposição de vencimentos. 

Mas a verdade é que o salário do presidente do conselho de administração da TAP é motivo de polémica há já vários anos. Em 2009, quando apresentou no Tribunal Constitucional a declaração de rendimentos, Fernando Pinto indicava ter recebido, em 2008, mais de 816 mil euros - na altura, o CM noticiava que este valor representava quase o dobro do estipulado pelo estatuto remuneratório do grupo.

Prémios investigados 
A investigação que levou a buscas na TAP, no ano passado, prossegue. Em maio de 2016, na mira do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e da PJ estavam os prémios que foram pagos a Fernando Pinto e a outros administradores. Um dos focos da investigação são os prémios de 2006 (Fernando Pinto recebeu cerca de 315 mil euros, o que representava cerca de 75% do que recebia anualmente, 420 mil). Também o negócio da VEM está a ser investigado.
Título e Texto: Sofia Martins Santos, SOL, 1-10-2017

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-