quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

[Versos de través] Carnaval

Haroldo P. Barboza

Demanda
Salão apinhado na madrugada
Na porta do clube
Quem canta é a pancada.

Fantasia
Vestiu-se de mulher
Pelo bebum foi abraçado
E quase deflorado.

Dançou
 Se rotulava de bamba!
Com duas cervejas
Atravessou o samba.

Camaleoa
Mendiga de roupa rasgada
No cenário do Carnaval
Parece estar fantasiada.

Democracia
Após a folia nas praias
Rica e pobre quedaram
Sem nada sob as saias.

Aviso
Quando emudece o tamborim
Com certeza o Carnaval
Chegou ao fim.

Consequência
Depois de esvaziar as latas
O alcoólatra descontrolado
Perdeu as mulatas.

Fiel
A turma se dispersou
Quando parou o trio elétrico
Sobrou um bêbado patético.

Cinderelo
O Mestre-sala
Com sapato novo
Sentiu-se rei do povo.

Distraído
O povo vestido de palhaço
Não percebe o político
Na cueca levando um maço.

Anestesia
Terminado os festejos
Dissolveu-se a rica ilusão
Sobrou a pobreza da nação.

Ciclo
Mal desfilaram os enredos
Os passistas retornam à vida
Cheios de medos. 
Título e Texto: Haroldo P. Barboza – Vila Isabel/RJ, autor do livro ”Brinque e cresça feliz”. 5-2-2018

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-