domingo, 20 de setembro de 2015

Impotentes? Talvez! Mas, lutadores incansáveis... Velhinhos e velhinhas do Aerus...

Valdemar Habitzreuter
Quando nos dedicamos a uma causa, que implica, por exemplo, em suplantar alguma injustiça que nos persegue, parece que nos tornamos mais fortes e destemidos, face aos obstáculos que surgem pela frente. Notamos brotar em nosso íntimo um sentimento bem forte de não conformação pelo que nos angustia e, com isso, valoramos ações que nos possibilitam vencer o que nos obscurece o espírito.

Vejo isso muito na atitude de inúmeros colegas aposentados do aerus, incansáveis na insistência de elaborar planos e alternativas para pôr um fim ao tormento que se abateu sobre a classe, com a perda dos salários. Mas, as coisas parecem não acontecer como se espera, embora fique patente a Justiça do nosso lado. Impotência desses incansáveis lutadores? Talvez, mas insistem na vitória. E ela virá... A esperança os alimenta.

O que ocorre, por ora? Ocorre que somos vítimas do esquecimento, do desprezo e de má vontade política daqueles a quem delegamos poder de governar para o povo e protegê-lo de eventuais assaltos a sua dignidade de cidadãos. Não lhes passa pela cabeça que o povo é o soberano e eles os servidores. Invertem o papel e exercem o poder na contramão da democracia: locupletar-se com o poder e que o cidadão se lixe e se vire como puder para sobreviver.

Assim, a causa Aerus, que já se arrasta por tantos anos, não é mais só por garantia de salário, passou também a ser um símbolo, nossa bandeira de luta, unindo milhares de aposentados clamando por justiça. Este clamor, no entanto, não deve se dispersar num vazio inerte, mas tem de ser canalizado e aproveitado; e neste sentido a APRUS, segundo a sugestão de José Manuel e o blog Cão que fuma, deve gerenciar as ações que irão nortear as estratégias de luta.

Quem sabe um dia poderá ser inscrito em nossa bandeira Aerus algo análogo à bandeira das Minas Gerais: victoria justitiae quae sera tamen, quando a vitória da justiça nos tiver dado o ar de sua graça, embora tardia...  


Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 19-9-2015

Relacionados:

Um comentário:

  1. Heitor Rudolfo Volkart20 de setembro de 2015 17:18

    Caro Habitz, Parabéns, sim, mas à nós, que temos o privilégio, de desfrutar deste Belíssimo Texto.
    Obrigado.

    Volkart

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-