terça-feira, 16 de outubro de 2018

[Ferreti Ferrado suspeita...] Legado

Haroldo P. Barboza


Título, Arte e Texto: Haroldo P. Barboza, 16-10-2018

Anteriores:

[Aparecido rasga o verbo] Isto não é um poema

Aparecido Raimundo de Souza

DE LINGUAJAR IDÊNTICO ao tagalo, o cagalhão de odores horríveis até dizer chega continua boiando na sanita da Polícia Federal, em Curitiba. Apesar da antiga vidinha regalada, regrada, agora, ao sádico balé de acasalamento em face da forçada “tranca”, que delimita seus passos, sem poder sair em caravana dando tirinhos em seus apaniguados do PT, em vista disto, e de outros empecilhozinhos, parece que a Úlcera de Caetés desistiu de ser presidente. Assumiu, de vez, o posto mor de “PRESODENTRO DO BRASIL”, além, claro, de estar pertinho de seu amigo do peito, o ilustre figurão, sua Excelência o juiz federal Sérgio Moro, os Dezenove Dedos está eufórico às avessas. Para este canalha, estar eufórico às avessas é não poder armar arapucas para seu opositor e ter que engolir as patacoadas do “substituto arranjado às pressas”, embora esse maxinglório “substituto” já tenha mamado por algum tempo às nossas expensas quando ocupava a pasta longe das pistas da educação. 

Este sujeito catapléstico por natureza (até de tocarmos no nome nos causa ojeriza, cria uma espécie de fobia e repulsa, além de urticariadas coceiras nas partes baixas), queria o PODER e, com ele às costas, roubar de novo. Surrupiar. Gatunar, rapinhar, sugar como um bebê desvairado e anômalo nas tetas gordas da vaquinha República e continuar deitado como um Rei em berço esplêndido, belo e formoso, fagueiro e aprazível por cima da carne seca. Tomou na tarraqueta. Reparem que preparou um cirolho (tipo aqueles bondrios portentos de pele quase basané) pior para ficar em seu lugar, todavia, apesar de esperto e vivaldino como uma capivara assustada, o tiro saiu pelo cu, perdão, pela culatra. A cloaca arranjada, não deslanchou. Tudo nos leva a crer que o povinho está deixando de ser fordelhado, pacóvio e imbecil. A ralé parece acordada da incoerência repugnante e criado vergonha na cara. Será? Esperamos que sim! O segundo turno ai está às portas.

Falta, contudo, para fecharmos tudo a contento e as engrenagens voltarem a se mover como manda o figurino, alguém puxar a descarga. Descarga? Que descarga?  A do banheiro do triplex do Petista de São Bernardo do Campo na PF. Comentaram e ainda o fazem, a boca miúda, que tentaram, porém, imaginem! -, desistiram em face de faltar trocar a cordinha do cagatório. Sem o barbantinho que libera a água, o esterco permanece intocável no bojo da privadeira. Coitado dos agentes que trabalham na Polícia Federal à escolta do viúvo de dona Mariza! Pelo quadro indescritível que estamos vendo de camarote, dependurado no muro de Berlim a frente de nossos focinhos, com cordinha ou sem, necessitamos mandar este amontoado de feze (como são duas, optamos pelo plural, fezes), necessitamos mandar este amontoado de bosta para a fossa, de uma vez por todas. Limpar os cagadouros da PF no Paraná. Falando em cagadouros, lembramos de merda. Merda, em Brazzília, é o que não falta. Há de sobra. Existe em todos os cantos e recantos, principalmente nos esconsos pitorescos e tidos como cartões postais da Capital do país.

Fernando Haddad, foto: Ricardo Stucker/PT, 7-8-2018
Como pujança vingativa, essas borras (além de exalarem mau cheiro), se alastram como tiriricas e carrapichos. Temos merdas catingosas no Congresso, no Senado, no Itamarati, no TSE, no STJ, ou melhor, no famoso e operante “Tribunal da Cidadania”, como é conhecido (aliás, para quem não sabe esse Tribunal ou “Tribundal” defende os cidadãos de unhas e dentes mordendo seus traseiros e arrancando às tapas e sopapos, suas esperanças).  Merecemos? Com certeza! A esta carência, demandemos urgentemente e sem mais delongas esvaziarmos a fossa. A fossa é espaçosa, ampla, avultada e grandiosa. Apesar de dilatada, está pra lá de abarrotadamente cheia, quase esburrando pelo ladrão. Dizem, transbordando até o pescoço. Vala com cangote submerso não tem como respirar. Imaginem se esse toutiço afunda!... recordam Mariana e a lama da Samarco?

Não parar

Nelson Teixeira

Quem nunca mudou com o tempo? Aos poucos vamos deixando de escutar certas músicas, de usar certas roupas, de falar certas coisas e conviver com certas pessoas…

Mudar faz parte do ciclo da vida, embora a essência permaneça a mesma. Quando encontrarmos um obstáculo grande na vida, não desanimemos para enfrentá-lo, pois com o tempo ele se tornará solucionável. Não porque o diminuímos, mas porque crescemos.

Viver é uma evolução diária, e o tempo é nosso aliado e não rival, basta fazermos as escolhas certas. E mesmo errando não desistamos, sigamos em frente, avancemos, pois o tempo, a vida… não param.
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 16-10-2019

Charada (641)

Quantas
luas
tem
o terceiro
planeta
do sistema
solar?

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

[O cão tabagista conversou com...] Vitor Grando: “Estamos perante uma oportunidade ímpar de sepultar de vez o projeto bolivariano"

Olá, Vitor!
Vamos começar o nosso terceiro bate-papo...
Religião e Política podem conviver harmoniosamente?
A política é representação da vontade da sociedade. Assim, é natural que os valores religiosos da sociedade tenham sua expressão política. É justamente pelo fato de o Estado ser laico que ele deve respeitar a manifestação de vontade da sociedade e isso inclui sua religião. Vale observar que a própria Constituição, no seu preâmbulo, se diz promulgada "sob a proteção de Deus". Se Deus tem seu papel até na promulgação do texto constitucional, qualquer conceito de laicidade que usurpe a possibilidade da expressão religiosa na política é falso.

Sabe?, cheguei aos quase setenta anos achando muito bem que o Estado Português ou Brasileiro fossem ‘laicos’, sim, independentes do clero e das confissões, e garantidores da liberdade de expressão religiosa...  mas, nem por isso, deixarem de ser países cristãos. Daí a prática corrente dos crucifixos em repartições públicas, no Brasil, em Portugal, nos EUA, na França...

Aliás, no Brasil, teve um ex-presidente que, quando deixou o palácio presidencial, “levou” com ele o belíssimo crucifixo que ornamentava o gabinete presidencial...

Bom, então, por séculos os Estados foram laicos até que a esquerda resolveu apoiar outras religiões que odeiam o Ocidente, e assim hostilizar qualquer manifestação judaico-cristã... para isso, seres do sexo feminino (de gênero asqueroso) não hesitam em urinar/defecar em altares, simularem orgasmos utilizando crucifixos...
O crucifixo está lá não por uma imposição do Estado, mas por manifestação natural da vontade da sociedade. A retirada do crucifixo ou a substituição do "Merry Christmas" por "Happy Holidays" representam, isso sim, uma intromissão arbitrária do Leviatã no sentimento nacional. Como tudo o que a esquerda toca, a noção de "laicidade" tem sido apropriada por eles como instrumento de ataque à religião que eles tanto odeiam.

Isso explica os editoriais dos marxistas, trotskistas, leninistas encastelados nas redações dos jornais atacando a parte do clero católico que se insurge contra o esquerdismo terreno do atual papa... são ateus, odeiam a religião católica, aliás, o cristianismo em geral, mas querem defecar análises sobre uma religião tolerante só porque o ocupante da cadeira de São Pedro é parceiro de ´progressismo’.

Você já os viu escrever sobre o Islã?
Não, eles não falam contra o Islã porque não é coerente com a narrativa dogmática previamente definida. Na ótima do materialismo histórico, a tese cara aos marxistas, todo fenômeno da consciência é resultado das relações dos meios de produção. Assim, não existe nada na esfera dos valores, o que inclui a moral e a religião, que seja verdadeiro ou bom por si mesmo.

Charges & Ilustrações

É o título de uma das seções da barra lateral direita. Como o próprio título revela, vamos postando diariamente as últimas charges e ilustrações dos “colaboradores” que elegemos: Sponholz, Dr. Pepper, [Brasil] DéLiRiUs [França], Henrique Monteiro [Portugal], Randy Glasbergen, BRANCO e Ben Garrison [EUA]. E outras colaborações ocasionais.

Pois bem, resolvemos fazer esta postagem, de modo a criar um local para eventuais comentários, elogios e críticas às charges e ilustrações do dia. Facilitando assim a interação entre os nossos leitores e elas, as charges, os cartoon e as ilustrações.

Obrigado!

15-10-2018

João Doria: 'A polícia vai atirar para colocar no cemitério'


A entrevista completa:

Segundo programa eleitoral do PSL/Bolsonaro

Jair Bolsonaro visita o BOPE

REDE RECORD: o início da segunda semana de Bolsonaro no segundo turno


21 de outubro, domingo, 16h, no Terreiro do Paço, Lisboa!

O PCC no atentado a Bolsonaro


o antagonista

Fontes da PF disseram para O Globo que o relatório sobre o atentado a Jair Bolsonaro “faz menção a um eventual envolvimento do PCC no crime”.

O assunto já havia sido levantado pela Crusoé (leia aqui).

Se isso for divulgado antes do segundo turno, Jair Bolsonaro ganha com 80% dos votos, e não apenas com 60%.
Título, Imagem e Texto: o antagonista, 15-10-2018

Relacionados:

Em São Paulo: Bolsonaro 59,1% X Haddad 25,5%


o antagonista 

O Instituto Paraná fez pesquisa presidencial em São Paulo.

Jair Bolsonaro tem 59,1% das intenções de voto; Fernando Haddad, 25,5%.

Nos votos válidos, Bolsonaro vai a 69,9% e Haddad a 30,1%.

É um massacre eleitoral.
Título, Imagem e Texto: o antagonista, 15-10-2018

Relacionados:

A porta da impunidade

o antagonista

Fernando Haddad, em entrevista ao El País, repetiu mais uma vez que Lula foi condenado sem provas.


Se a Lava Jato atropelou as leis para condenar um inocente, é claro que ela tem de ser desmantelada.

Essa foi a porta que o petista abriu para FHC e o resto dos tucanos: a porta da impunidade.
Título, Imagem e Texto: o antagonista, 15-10-2018

O “fardo do homem branco” já não é o que era

Rui A.

Tenho lido toneladas de artigos publicados em Portugal e ouvido inúmeras opiniões sobre o resultado da primeira volta das eleições brasileiras, e o que será a provável vitória de Bolsonaro na segunda. Em nenhuma delas vi uma tentativa útil e séria de procurar as razões que levaram a que um político menor, completamente desbocado, que anda no ativo há vinte e sete anos tenha obtido cinquenta milhões, repito, cinquenta milhões de votos na primeira volta das eleições.


Uma eleição onde ele não foi um último recurso, porque nela figuraram treze candidatos. Desses, muitos são de direita ou do centro-direita e são pessoas com competência política demonstrada, como o Senador Álvaro Dias, o Governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin e o ex-ministro da Fazenda Henrique Meireles. Por mim, se fosse brasileiro, Alckmin teria o meu voto: é razoavelmente honesto (até hoje, só se viu envolvido em suspeições de financiamento partidário ilegal, o que é o “pai-nosso de cada dia” no Brasil) e foi um excelente gestor público em todos os cargos que exerceu ao longo da sua longa vida política. Todavia, no Estado de São Paulo, que Alckmin governou durante muitos anos, Bolsonaro teve 53% dos votos, enquanto Geraldo obteve uns humilhantes 9,53%.

intelligentsia portuguesa, de forma displicente e sobranceira, como quem vai ensinar aos brasileiros o que eles devem fazer, inventa todo o tipo de teorias e não vê o óbvio. Ou melhor, isto é, ou pior, faz de conta que não o vê. Ainda há dois dias, na noite televisiva de um canal qualquer, um fulano que andou, por décadas, a rabiscar nos jornais conseguiu dizer esta coisa absolutamente patética, sem se rir: «os brasileiros vão eleger o Bolsonaro sem sequer lhe conhecerem as ideias, porque ele se está a furtar aos debates com o Haddad». Ora, se há coisa que os brasileiros conhecem bem sãos as “ideias” de Bolsonaro, por sinal muito simples de entender, porque ele as proclama aos sete ventos, há muitas décadas. Outros “inteligentes” afirmam que o povo brasileiro votou sem maturidade, que está a ser enganado, e que não tem discernimento para eleger quem merece. Bom, então chegaremos exatamente ao mesmo resultado do que acusam que Bolsonaro pretende: o povo não está preparado para a democracia, logo, tiremo-la!

Charada (640)

Que língua falam os
habitantes das Ilhas
Desertas do arquipélago
da Madeira?

domingo, 14 de outubro de 2018

O fim da liberdade

José António Rodrigues Carmo

O Comité internacional da Bempensância gramsciana entretém-se, nos últimos tempos, a berrar a sua imensa indignação moral pela deplorável intenção do povo brasileiro. Parece que mais de cinquenta milhões de subhumanos, como já li por aí, na boca de "defensores do povo", se aprestam para votar em um candidato que não agrada à esquerda "esclarecida", nem faz questão disso.

Bolsonaro considera que os comunistas são um irreconciliável inimigo da liberdade. Eu também, by the way.

Bolsonaro é crente e di-lo abertamente.

Bolsonaro parece acreditar em valores que situam o indivíduo acima de engenharia sociais.

Para além de outras coisas parvas que o acusam de ter dito, (e eu ignoro se disse ou não, cada vez acredito mesmo nos flautistas de Hamelin de uma imprensa escandalosamente enviesada) estas opiniões é que são mesmo intoleráveis e é por isso que o homem leva o tratamento completo: fascista, xenófobo, racista, homófobo, supremacista, neoliberal, machista, etc, etc.

Na semana passada era o Kavanaugh, na semana anterior a essa, o Salvini, daqui a duas semanas, haverá outro ogro verde, mau e imaginário a quem apontar o dedo, berrar, chamar nomes e rasgar as vestes de indignação, raiva, desprezo e ódio.

Vai ser o fim do mundo, vem aí a desgraça e o fim da liberdade.

Ora onde a liberdade está mesmo em perigo, não é nos EUA, nem na Hungria, nem na Itália, nem no Brasil, onde a vida democrática segue normal, apesar dos berros das Cassandras.

Onde ela está mortalmente ferida é na Venezuela, na China, em Cuba, na Nicarágua, na Coreia do Norte, etc.

Diocese de Campo Limpo: “Padre agiu à revelia do bispo”

FratresInUnum.com

A Diocese de Campo Limpo divulgou nota pública em que deplora a instrumentalização política-partidária da Missa de Nossa Senhora Aparecida, em que Fernando Haddad (com esposa) e Manuela d’Ávila participaram e receberam sacrilegiamente — dada a defesa obstinada, por ambos, de princípios frontalmente contrários à Lei de Deus — a Santa Comunhão, e depois da qual fizeram um comício na frente da Igreja.

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Segundo a assessoria de comunicação da Diocese, o Padre irlandês Jaime Crowe agiu à revelia do bispo e recebeu uma advertência canônica pelo delito eclesiástico (embora o sacerdote tenha, também, cometido um ilícito eleitoral, pelo qual a diocese e os candidatos poderiam perfeitamente ser autuados e multados, por propaganda política ilegal).

Caberia, de passagem, a reflexão sobre a aptidão para o governo de bispos, que, uma vez confrontados justamente por fiéis, refugiam-se em seus palácios, acostumados com o bajulador corporativismo de seu clero, alegando simplesmente não ter tomado conhecimento do fato — quando este era divulgado amplamente, causando alvoroço, na internet dois dias antes de sua realização.

A nota reafirma a orientação de que os fiéis devem aproximar-se da Comunhão apenas em estado de graça e também salienta que a Igreja não apoia nenhum candidato.

A Diocese, porém, não faz nenhuma menção a um ato público de desagravo à Santíssima Eucaristia. Lembramos aos nossos leitores que o pecado público de sacrilégio atrai as maldições e os castigos divinos sobre todo o povo.

William Waack: o mundo que espera Bolsonaro

O que esperar de bandidos que ameaçam invadir minha residência? PSOL, a linha auxiliar do PT

Mudança da Hora, Portugal e Brasil

Na madrugada de 28 de outubro de 2018 (domingo), a Hora Legal muda do regime de Verão para o regime de Inverno.

Em Portugal continental e na Região Autônoma da Madeira, às 2h00 da manhã atrasamos o relógio de 60 minutos, passando para a 1h00 da manhã.


Na Região Autônoma dos Açores a mudança será feita à 1h00 da madrugada de domingo, dia 28 de outubro, passando para a meia-noite (00h00), do mesmo dia.



Pode consultar mais informação sobre o calendário do período da hora de verão até 2021 e a legislação aplicável na página Mudança da Hora.

Brasil
O horário de verão no Brasil começará no domingo, dia 4 de novembro. À meia-noite, os brasileiros nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Distrito Federal devem adiantar o relógio em uma hora.


Tradicionalmente, a mudança de horário no relógio dos brasileiros começa em outubro, mas esse ano foi adiado para não haver problemas nas eleições

Já nos estados do leste do Amazonas, Roraima e Rondônia devem atrasar o relógio em duas horas em relação ao horário de Brasília. No oeste do Amazonas e no Acre, a diferença é de três horas (atrasados). Tradicionalmente, o horário de verão começa em outubro no País, contudo, por causa das eleições neste ano, ele foi adiado.

Senadora Ana Amélia alerta

Ana Amélia Lemos, 14-10-2018



Relacionados:

QUIZ: Nicarágua

Em 1979, a Frente Sandinista de Libertação Nacional entrou em Manágua, e pôs termo à ditadura, destituindo...

A – Augusto Cesar Sandino
B – Anastasio Somoza
C – Fulgencio Batista
D – Manuel Antonio Noriega

[Pensando alto] O politicamente correto e o portuga da TAP

(Alguém já disse que as boas ideias se perdem pelo radicalismo de seus seguidores)

Pedro Frederico Caldas
              
Civilização supõe educação. Uma geração, educada por geração anterior, desincumbe-se de educar a nova geração que chega. Os pais educam os filhos, ensinam-lhes o bom comportamento pessoal, como higiene, disciplina, autocontrole, e o bom comportamento social, como os bons modos à mesa, respeito aos mais velhos, ceder o assento aos idosos e às gestantes, cortesia para com todos, respeitar a opinião alheia, sem abdicar das próprias, quando apropriado for, discutir opiniões sem exaltação etc. etc. Esse repertório será mais vasto ou melhor observado na direta proporção do nível educacional recebido por quem se desincumbe dessa tarefa pedagógica, de tal modo que uma geração procura sempre entregar uma educação melhor à porvindoura.

Está implícito em todo esse “treinamento” o conceito de respeito a todos, independentemente de credo, raça, se é que raça existe, opinião política, ou costumes sociais, principalmente se tais costumes são decorrentes de outra cultura.

Mas a vida não é plana nem se restringe à monotonia do comportamento correto, com todo mundo certinho, roupa limpa, cabelo alinhado, conversas sussurradas e dissensos sob controle. Há a vida nos estádios de futebol, nas festas familiares, nos eventos sociais, há imprecações no diálogo e, felizmente, há também o riso. As pessoas gostam da irreverência dos humoristas. Eles conseguem ver as coisas por outro ângulo, pegam os aspectos bizarros das pessoas, das situações, da política, das regionalidades, das nacionalidades e assim por diante.

Nas últimas décadas, principalmente a partir dos noventa, surgiu a cultura do chamado politicamente correto. Esse fenômeno começa forte primeiramente nos Estados Unidos, depois se espraia e chega ao Brasil, como sempre de segunda mão, mas de forma muito veemente.

O início desse movimento, pelo menos o seu protótipo mais formalizado, começa pela iniciativa do presidente da universidade de Connecticut, John Casteen, cujo propósito era combater qualquer discriminação contra minorias no campus universitário. Orientações foram passadas aos estudantes negros, hispânicos, ou mulheres, impressas no students´handbook de 1989-1990, estimulando-os a denunciarem comentários depreciativos (derogatory remarks) de que fossem objeto. Esse mesmo John Casteen foi, ao depois, presidente da universidade da Virginia, fundada por ninguém menos do que Thomas Jefferson, isto é, nascida sob o signo da liberdade de expressão. Muitos estudantes e professores foram expulsos da universidade sob a acusação de condutas ou comentários julgados politicamente incorretos (politically incorrect, ou PI).
Home