quinta-feira, 9 de julho de 2020

BC exige nome e CPF de quem sacar mais de R$ 2 mil a partir deste mês

Regra foi criada em janeiro, mas só passou a valer em julho e também afeta pessoas consideradas expostas politicamente, que agora vão até parentes de segundo grau de políticos

Roberta Ramos

Desde 1º de julho, quem precisar sacar mais de R$ 2 mil terá de deixar nome e CPF registrados no banco, segundo circular do Banco Central [foto].

Foto: Leonardo Sá/Agência Senado
Para retiradas ou depósitos em dinheiro vivo acima de R$ 50 mil, as regras são ainda mais rígidas: além de nome e CPF, é preciso dizer a origem dos recursos, em caso de depósitos, ou a finalidade dele, em caso de saques.

Foi o que ocorreu com uma fonte ouvida por Oeste, que precisou retirar dinheiro para uma viagem e foi questionado pela caixa do banco qual era a finalidade do saque.

“’Qual a origem do dinheiro?’. Fiquei perplexo e respondi ‘da minha conta corrente’. ‘Não serve’, disse ela, ‘aqui há sugestões do Banco Central’, mostrando uma lista. ‘Serve prestação de serviços?’. Topei. ‘E aonde vai gastar?’. Senti-me na Coreia do Norte!’, relatou.”

Caso o cliente se recuse a prestar as informações, terá a recusa anotada e o BC utilizará “procedimentos de monitoramento, seleção e análise” dos bancos, para a detecção de casos suspeitos.

Os bancos são obrigados a manter o registro de todas as operações realizadas no país.

Novas regras para políticos

Nas novas regras, que foram criadas em janeiro após consulta pública, apesar de só entrarem em vigor agora, o BC também expandiu o rol de pessoas consideradas expostas politicamente (PEPs).

Latam Brasil entra em recuperação judicial

Setor aéreo está sendo muito afetado pela pandemia do coronavírus; outras filiais do Grupo Latam já haviam entrado com pedido de recuperação judicial em maio

Gabriel Oneto

Nesta quinta-feira, a Latam Brasil entrou com um pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos. A companhia aérea é a maior do Brasil.

Foto: Ken Fielding/Flickr
Como já informado por Oeste, o Grupo Latam e as afiliadas no Chile, no Peru, na Colômbia, no Equador e nos Estados Unidos já haviam pedido recuperação judicial no dia 26 de maio. A filial do grupo na Argentina teve as suas operações finalizadas.

Na época, informa o jornal O Estado de S. Paulo, o grupo Latam afirmou que a filial brasileira eventualmente não ia fazer parte deste processo. O grupo espera um pacote de ajuda do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Por meio de nota, a Latam Brasil informou que ainda está em negociações com o BNDES e que a recuperação judicial pode levar a empresa a ter prioridade para receber essa ajuda.

“Tomamos esta decisão neste momento para que a empresa possa ter acesso a novas fontes de financiamento. Estamos seguros de que estamos nos movendo de forma responsável e adequada, pois temos o desafio de transformar a empresa para que ela se adapte à nova realidade pós-pandemia e garanta a sua sustentabilidade no longo prazo”, afirmou, em nota, o presidente da empresa no Brasil, Jerome Cadier.

Grupo Latam

O Grupo Latam é a maior companhia aérea da América Latina. A empresa surgiu em 2012 por meio da fusão da companhia chilena Lan com a brasileira Tam.

A empresa, assim como grande parte do setor aéreo, foi muito atingida por causa das consequências econômicas causadas pela pandemia do coronavírus.

Antes da crise, a Latam Brasil contava com uma frota de 162 aviões e voava para 109 destinos.
Título e Texto: Gabriel Oneto, revista Oeste, 9-7-2020, 9h50

Relacionados:

Fundador da Ricardo Eletro presta depoimento ao Ministério Público

Filha de empresário é liberada pela Justiça

 Alex Rodrigues

O fundador da rede de varejo Ricardo Eletro está depondo no Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG), no âmbito do inquérito que apura a suspeita de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro que resultou na deflagração, ontem (8), da Operação Direto Com O Dono.

Nunes, que está preso em caráter temporário desde a manhã de ontem, em Belo Horizonte, é investigado como o principal beneficiário de um esquema criminoso que, segundo promotores e delegados, desviou cerca de R$ 400 milhões dos cofres públicos.

Ricardo Nunes, em foto publicada no instagram @ricardonuneseletro, no dia 22 de junho. Foto: Reprodução/Redes sociais
Sua filha Laura Nunes, que chegou a ser detida com autorização judicial no início da manhã desta quarta-feira, foi liberada ontem mesmo, após prestar depoimento à Polícia Civil. O mandado de prisão expedido pela Vara de Inquéritos de Contagem (MG) e cumprido foi, posteriormente, revogado pela 3ª Vara Criminal de Contagem.

O mesmo juiz revogou também o mandado de prisão do superintendente da Ricardo Eletro, Pedro Daniel Magalhães, depois que a defesa de Magalhães garantiu que ele se apresentaria voluntariamente para depor. O mandado de prisão do executivo não havia sido cumprido porque Magalhães não foi encontrado. A expectativa é que ele preste depoimento ainda hoje.

Segundo os promotores e o delegado que cuidam do caso, por cerca de pelo menos dez anos, a Ricardo Eletro fraudou os cofres mineiros, deixando de repassar ao governo estadual o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que cobrava de seus clientes.

“A empresa cobrava o ICMS dos consumidores – o que é comprovado pelas notas fiscais [devidamente emitidas] -, mas não repassava esses valores ao estado. Ao longo de dez anos ela se portou dessa forma”, disse, ontem, o promotor de Justiça Fábio Reis de Nazareth, ao explicar a jornalistas, por videoconferência, detalhes da investigação. “Ela [empresa] tinha como política empresarial a sonegação fiscal”, acrescentou o promotor, afirmando que os valores sonegados eram então usados para pagar por despesas de Nunes e outros investigados, ou diluído por empresas patrimoniais criadas em nomes de laranjas, incluindo parentes do fundador da rede de varejo.

Mostly Peaceful Protests

Foto: Evan Vucci/AP
Posted by Assistant Village Idiot on 9th July 2020 (All posts by Assistant Village Idiot)

For the record, Nazi Germany was mostly peaceful, as was the Soviet Union. Even when our Civil War was raging, and 600,000 of us died, most of the country was peaceful. Even those who were in service and/or near the fronts had long periods where there were no cannons firing at the moment. Lots of nervous waiting. Combat deployment itself can be mostly peaceful – though admittedly in the sense of “no active shooting” rather than any sense of restfulness. Much of medieval warfare was sieges, or moving from one place to another, or setting up camp. Mostly peaceful. Yet the small amounts of “not peaceful” mattered greatly then, and matter greatly now.

The excuse of “mostly peaceful protests” is rather empty. If decent people should have refused to show up at Charlottesville because they knew there was a fair chance someone would turn violent, and to attend would give them cover and legitimacy, then how do we justify showing up in Seattle? Maybe we can.  But then we have to extend that in both directions.  We feel very, very different about protests we agree with, don’t we? It just feels different, and we just know it’s right.

One Response to “Mostly Peaceful Protests”

Andrew X Says:

Somewhat related, but worth noting, is the memory of press reporting on “violence taking place at Trump rallies” in 2016.

And it a sense, they were somewhat correct, if largely inflated, but things were occurring there that one might well be considered reportable. ‘Cause, you know, they were basically Nazi rallies, etc etc.

Gabinete do ódio está a todo vapor – e não é no Planalto

Alexandre Garcia

Coquetel salvador

Nesta quarta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro tomou a quarta dose de hidroxicloroquina. Ele começou a tomar o medicamento logo que teve os primeiros sintomas da doença.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
O presidente me confirmou que também está tomando a azitromicina, com recomendação do médico que o está assistindo. Eu perguntei se ele tinha tomado a ivermectina, como eu, para se prevenir, Bolsonaro disse que não.

Ele não se preveniu, e acabou infectado com o vírus já que viaja bastante e sempre está em locais com muita aglomeração de pessoas. Mas o presidente disse que está muito bem, sem febre e sem dores.

É mais ou menos esse o quadro que relatam os médicos, com os quais eu conversei, quando a hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina são aplicados logo no início da doença em pessoas saudáveis.


Por que tanto ódio?

O gabinete do ódio estava a toda velocidade na imprensa escrita e na internet, tem gente desejando a morte do presidente. O ódio expressado por essas pessoas é tamanho que chega a ser ridículo e risível.

Pensamentos

Nelson Teixeira

O pensamento é força poderosa e criativa.

Devemos ter cuidado com esse poder que todos nós temos.

O pensamento pode nos levar a uma vida de alegria, saúde, paz e prosperidade, quando pensamos positivamente.

Porém, o contrário também acontece, quando temos pensamentos pessimistas e negativos.

Atraímos para nós aquilo que pensamos. Ao pensarmos criamos acontecimentos e situações, boas ou ruins.

Como está a sua vida? A resposta mostrará o que tem pensado!

Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 9-7-2020

quarta-feira, 8 de julho de 2020

Justiça do Distrito Federal suspende abertura do comércio (PQP!! Para quê eleições no Brasil??)

Não, não foi a Justiça, foi um juiz!!

Magistrado deu 24 horas para governo apresentar estudos técnicos

Agência Brasil

A Justiça (?) do Distrito Federal suspendeu hoje (8) o decreto distrital que autorizou a reabertura de atividades comerciais na capital, como salões de beleza, centros estéticos, academias, bares e restaurantes, além de escolas públicas e privadas. Os setores estão impedidos de funcionar desde março em função da pandemia da covid-19.

A decisão liminar foi proferida pelo juiz Daniel Carnacchioni, da 2ª Vara de Fazenda Pública, e motivada por uma ação popular. Na ação, é alegado que o decreto editado pelo governador Ibaneis Rocha “atenta contra a saúde” por restringir as medidas de isolamento social sem “qualquer embasamento técnico ou científico”.

O magistrado deu 24 horas para que o governo do DF apresente estudos técnicos para justificar a liberação das atividades. 

“A urgência é evidente, uma vez que a flexibilização do isolamento e distanciamento social poderá, sem base científica e técnica, potencializar o números de casos, o que provocará colapso no sistema de saúde, público e privado, que já se encontra no limite máximo de sua capacidade de ocupação, em relação aos leitos destinados para pacientes com a covid-19", argumentou o juiz.

O governo do DF pode recorrer da decisão na segunda instância da Justiça.

Título e Texto: Agência Brasil; Edição: Fernando FragaAgência Brasil, 8-7-2020, 17h20

[Viagens & Destinos] Arcos de Valdevez – onde Portugal se fez


Anteriores:

Uma das principais páginas de apoio a Bolsonaro é banida do twitter

Leonardo Barros, mais conhecido nas redes como Leonardo Bolsonéas publicou no Instagram a notícia de que seu twitter pessoal (@leobolsoneas) e sua página (@bolsoneas) haviam sido banidas da rede social.


Segundo Leonardo, o twitter não informou o motivo da punição, o que pode levar a crer se tratar de censura a mais um apoiador do presidente Jair Bolsonaro. As duas contas somavam mais de 300 mil apoiadores de Bolsonaro. Mais um triste dia na democracia brasileira!

A DEMOCRACIA ACABOU?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Meus dois perfis no Twitter (Página e Perfil Pessoal) acabaram de ser banidos de uma única vez.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Nunca tive nenhuma única publicação removida na plataforma, todos os meus dados estavam cadastrados, como e-mail, celular etc.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Quem me segue, sabe que meu perfil não propaga nenhum tipo de discurso de ódio, pelo contrário. São quase 4 anos e mais de 300 mil seguidores perdidos injustamente. E o pior é que não tenho a quem recorrer.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Já fiz a apelação dos dois perfis, agora é contar com a boa vontade dos moderadores do site. Sinceramente? Não estou com muita esperança. A única coisa que peço é a ajuda de vocês para espalhar essa imagem e esse texto. Fiquem com Deus”, publicou Leonardo.


Título, Imagens e Texto: Jogo Político, 7-7-2020, 17h42

Metade dos bares e restaurantes do Rio deve demitir após pandemia

Reabertura dos estabelecimentos foi permitida no último dia 2

Akemi Nitahara

Com perda de mais de 70% do faturamento nos últimos 100 dias, devido ao fechamento ou restrições impostas pela pandemia de covid-19, cerca de 50% dos bares e restaurantes do Rio de Janeiro dizem não ter recursos para pagar os salários de julho e devem fazer demissões em seus quadros de funcionários.

É o que mostra uma pesquisa divulgada hoje (8) pelo Sindicato de Bares e Restaurantes do Rio de Janeiro (SindRio). A reabertura dos estabelecimentos, com restrições de horário e lotação, foi permitida no último dia 2.

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Segundo o levantamento, 56,7% dos empresários disseram ter perdido mais de 75% da receita nos últimos meses e 24,2% dos entrevistados tiveram redução entre 50% e 75%. Do total que respondeu à pesquisa, 61,9% já fizeram demissões, sendo que 14,9% dos estabelecimentos desligaram mais de 15 empregados.

Sobre a necessidade de medidas emergenciais para ajudar o setor nesse momento de retomada dos negócios, 53,4% dos empresários responderam que é fundamental ter acesso ao crédito emergencial, enquanto 74,2% dos que buscaram novas linhas de crédito tiveram a proposta recusada. Apenas 17% conseguiram financiamento.

Freixo e Mandetta fazem uso político da doença de Bolsonaro


Título e Vídeo: Os Pingos nos Is, 8-7-2020

Relacionados:

terça-feira, 7 de julho de 2020

Conferência “Um século de escombros: pensar o futuro com os valores morais da direita”


Relacionados:

Presidente Bolsonaro anuncia que teve resultado positivo em teste para covid-19

Jornalista não pode ser preso num país que se diz democrático (+ entrevista de Oswaldo Eustáquio)

Alexandre Garcia

Foto: Antônio More
A prisão temporária do jornalista e blogueiro Oswaldo Eustáquio se esgotou. Depois de ter prorrogado o tempo de prisão dele, o ministro do STF Alexandre de Moraes determinou que Eustáquio não pode acessar as redes sociais por enquanto. Em outras palavras, ele não pode exercer a sua profissão. Nunca se viu isso.

O ex-presidente da Costa Rica, Óscar Arias, dizia que a diferença entre um país democrático e um não democrático é que o democrático não prende jornalistas. A prisão de Eustáquio foi política e pela opinião dele.

Impedir o exercício da profissão de jornalista simplesmente rasga o artigo 220 da Constituição. Aliás, a Constituição está sendo rasgada a todo momento no inquérito das fake news, ou do "fim do mundo" como nomeou o ministro Marco Aurélio. Estão tirando o direito à opinião, à liberdade de expressão, ao sigilo da fonte e à privacidade.

Mas o que me horroriza é o silêncio das entidades supostamente representantes do jornalismo. É um silêncio sepulcral, eles estão se enterrando. São pesos diferentes para casos diferentes. Quando o The Intercept publicou conteúdo de hackers que invadiram contas privadas de autoridades, as liberdades foram garantidas. Mas a liberdade de Eustáquio não foi, ele só criticou o STF.

Título e Texto: Alexandre Garcia, Gazeta do Povo, 5-7-2020, 21h13



Relacionados:

[Varig/Aerus] Desembargador decide pela inclusão de TODOS os participantes no recebimento do complemento de aposentadoria

PROCESSO: 1033052-38.2019.4.01.0000  PROCESSO REFERÊNCIA: 0010295-77.2004.4.01.3400
CLASSE: RECLAMAÇÃO (12375)

RECLAMANTE: ASSOCIACAO DOS PARTICIP E BENEFICIARIOS DO AERUS APRUS
Advogado do(a) RECLAMANTE: OTAVIO BEZERRA NEVES - RJ059709

RECLAMADO: UNIÃO FEDERAL, INSTITUTO AERUS DE SEGURIDADE SOCIAL EM LIQUIDACAO EXTRAJUDICIAL
Advogados do(a) RECLAMADO: SERGIO CASSANO JUNIOR - RJ88533-A, LUIS CARLOS ROCHA JUNIOR - SP167132
DECISÃO

Associação dos Participantes e Beneficiários do Aerus (Aprus) apresenta petição (fls. 550-561), por meio da qual afirma que algumas pessoas que teriam direito ao recebimento dos benefícios garantidos por meio da decisão judicial discutida nestes autos estariam sendo excluídas, por meio de sofismas utilizados pela União e pelo gestor do fundo.

Aduz que a decisão liminar não fez diferenciação quanto aos grupos de participantes, ou seja, se aposentados até abril de 2006 (data da liquidação extrajudicial) ou se posteriormente. Argumenta que, com a concessão da medida liminar, estaria restabelecida a condição de funcionamento do plano, razão pela qual, a solução de continuidade não mais subsistiria, daí porque, "todos os participantes que daquela data em diante tenham atingido as condições de recebimento de seus benefícios tem que ser contemplados" (fl. 558).

Afirma que "em nenhum lugar nos autos da ação civil pública é feita essa indevida diferenciação levada a cabo pelo liquidante entre aqueles participantes já aposentados em abril de 2006 e os que se aposentaram desde então" (fl. 560), razão pela qual estaria, por mais este motivo, o descumprimento do comando judicial inicialmente deferido.

Pede, ao final a concessão de tutela de urgência para que o Aerus e a União, ao elaborarem os cálculos mensais dos aportes a serem feitos pela União, incluam todos os participantes, sem distinção, inclusive e em especial aqueles que tenham se aposentado desde abril de 2006 e venham a se aposentar de agora em diante, pagando-se a cada um deles mensalmente os valores do complemento de aposentadoria calculado sobre o total que deveria ter sido das contribuições que deveriam ser vertidas e não o foram até a data de cada aposentadoria.

Intimado para se manifestar (fl. 562), o Instituto Aerus de Seguridade Social, em liquidação extrajudicial, aduziu, em resumo, que "muitos participantes que não eram aposentados antes da decretação da liquidação dos planos patrocinados pela Transbrasil e Varig e que não foram contemplados pelos efeitos da tutela antecipada, atualmente, se o regulamento ainda estivesse em vigor, seriam elegíveis ao recebimento de aposentadoria; e muitos aposentados que recebiam benefício de aposentadoria que faleceram após a data da decretação da liquidação extrajudicial do Reclamado gerariam automaticamente o benefício de pensão por morte aos seus beneficiários, também, se o regulamento ainda estivesse em vigor" (fl. 572), razão pela qual entende que o comando judicial estaria sendo devidamente cumprido, dada a limitação de sua obrigação a abril de 2006.

PF faz operação contra fraudes na Previdência Social

Benefícios eram concedidos por uma organização criminosa composta de médicos e advogados. Segundo a Justiça, R$ 13 milhões foram desviados

Cristyan Costa

A Polícia Federal (PF) cumpre, na manhã desta terça-feira, 23 mandados de busca e apreensão em endereços de São Paulo e Minas Gerais contra fraudes na previdência e na saúde.

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
No âmbito da Operação Revide, os agentes investigam supostas fraudes em auxílios concedidos por incapacidade temporária e aposentadorias por incapacidade permanente.

Em síntese, os benefícios eram concedidos por uma organização criminosa composta de médicos, advogados e funcionários públicos. Além disso, segundo a PF, R$ 13 milhões foram desviados da previdência.

Título e Texto: Cristyan Costa, revista Oeste, 7-7-2020, 8h

‘Tentativa de interferir em políticas públicas’, diz Salles sobre ação de procuradores

Ministro do Meio Ambiente divulga nota repudiando acusação feita por procuradores do Ministério Público Federal

Anderson Scardoelli

Alvo de ação por improbidade administrativa movida por 12 procuradores do Ministério Público Federal (MPF), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles [foto], se posicionou. Em nota divulgada na noite desta segunda-feira, 6, ele se defende da acusação de improbidade administrativa. De acordo com ele, a acusação tem cunho “político-ideológico”.

Foto: José Cruz/Agência Brasil
Salles afirma que os integrantes do MPF tentam, assim, interferir nos trabalhos realizados pelo Poder Executivo federal. Nesse sentido, o ministro pontua que já mostrou sua inocência em outras ações. Por fim, ele afirma que os procuradores apresentaram um “apanhado de diversos processos”.

A nota de Ricardo Salles

A ação de um grupo de procuradores traz posições com evidente viés político-ideológico em clara tentativa de interferir em políticas públicas do Governo Federal. As alegações são um apanhado de diversos outros processos já apreciados e negados pelo Poder Judiciário, uma vez que seus argumentos são improcedentes.

Título e Texto: Anderson Scardoelli, revista Oeste, 6-7-2020, 21h50

Avianca Brasil pede falência

Empresa, que estava em recuperação judicial desde 2018, tem dívidas que totalizam mais de R$ 2,7 bilhões e está sem operar desde maio do ano passado

Roberta Ramos

A Avianca Brasil, que estava em recuperação judicial desde dezembro de 2018, entrou com pedido de falência. Com dívidas que totalizam mais de R$ 2,7 bilhões, a companhia aérea estava sem operar desde maio do ano passado.

Foto: Laurrent Errera/Wikimedia Commons
No pedido protocolado na última sexta-feira, a empresa afirma que seu plano de recuperação foi prejudicado por decisões da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Isso porque a agência reguladora redistribuiu entre as empresas aéreas os horários de pousos e decolagens nos aeroportos que eram operados pela empresa.

De acordo com regra da Anac, quando uma companhia deixa de usar determinado horário, ele deve ser repassado a outra empresa segundo alguns critérios.

A Avianca, porém, havia vendido seus slots (horários) para a Latam e para a Gol, em um leilão no qual levantou US$ 147 milhões.

Sem o aval da Anac, a operação não foi concluída.

Na procuração, a Avianca Brasil destaca ainda que a decisão da agência reguladora de redistribuir os slots antes usados pela aérea não está sendo colocada em prática agora, quando o setor está praticamente paralisado por causa da pandemia da covid-19.

Governador de Santa Catarina toma cloroquina para se recuperar da covid-19

Carlos Moisés (PSL) foi diagnosticado com a doença provocada pelo novo Coronavírus

Anderson Scardoelli

Diagnosticado com a covid-19 na última semana, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL) [foto] está fazendo uso do remédio defendido há meses pelo presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o senador Esperidião Amin (PP-SC), o colega está recebendo tratamento à base de cloroquina.


Segundo Amin, que concedeu entrevista à CNN Brasil, a confirmação de que o governador está tomando cloroquina foi feita a partir de pergunta de Bolsonaro. No sábado, 4, o presidente foi a Santa Catarina e sobrevoou cidades atingidas pelo “ciclone bomba”. O mandatário do país e o governador chegaram a se reunir — e daí veio o questionamento que fez os presentes ao encontro rirem, avisou o senador.

Luta contra a covid-19

Na última semana, Carlos Moisés explicou a razão de não ir às cidades atingidas pelo ciclone. Em vídeo divulgado nas redes sociais, o governador confirmou que estava lutando contra a covid-19. Ele afirmou que sentiu alguns sintomas e que, consequentemente, testou positivo para a doença provocado pelo novo coronavírus.


Título e Texto: Anderson Scardoelli, revista Oeste, 6-7-2020, 17h55

Presidente Bolsonaro sanciona MP que criou programa de manutenção do emprego

Medida prevê suspensão de contratos e redução de jornada e salários

Pedro Rafael Vilela


O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta segunda-feira (6) a Medida Provisória (MP) 936, que instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda. Editada pelo próprio presidente no início de abril, a MP tramitou no Congresso Nacional e foi aprovada pelos parlamentares no mês passado, com algumas alterações.
O dispositivo permite, durante o estado calamidade pública devido à pandemia do novo coronavírus, a suspensão do contrato de trabalho por até 60 dias e a redução de salários e da jornada de trabalho pelo período de até 90 dias. No caso de redução, o governo paga um benefício emergencial ao trabalhador, para repor parte da redução salarial e, ao mesmo tempo, reduzir as despesas das empresas em um período em que elas estão com atividades suspensas ou reduzidas.

Ser feliz

Nelson Teixeira

Desperte para o novo dia sempre pensando que você merece e tem tudo para ser feliz…

Deseje aproveitar bem todos os seus momentos, usufruindo o milagre de estar vivo.

A vida é tão curta, tão rápida!

Não passe por ela apenas existindo, sem perceber as infinitas bênçãos que recebe a cada nascer do sol.

É preciso viver e não há segredo, basta renascer e retribuir a ela com gratidão, distribuindo paz, amor, sorrisos e alegria.

Encontre em tudo e em todos, motivos para os torná-los mais felizes e mais alegres.

A alegria e a motivação são as alavancas para a felicidade.

Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 7-7-2020

[Aparecido rasga o verbo] Talho veneno

Aparecido Raimundo de Souza

DESLIGUEI CORRENDO  A TELEVISÃO, joguei o controle no sofá  e saí da sala, meio que às carreiras. Entrei no banheiro. Nele, um odor indigesto, mas preciso, regido orquestralmente por contornos quadrados, ocupava a habitação. O espelho, colocado sobre o lavatório, devido à pequenez do espaço, cumpria um trabalho inquisitivo, delimitado pela película desgastada do reduzido retângulo antigo. Com tédio comecei a me despir. Primeiro arranquei os sapatos, depois a calça jeans. Em seguida a camisa, e, por fim, a cueca. O surdo rumor que as roupas instalavam no minúsculo cômodo, delimitou o lugar. A um lado, o vaso sanitário emergia sisudo, enfático e silencioso, quieto como uma beluga estéril e indefesa, sufocada pela estreiteza de sua tundra artificial.

Finalmente, me inclinei sobre o cetáceo, na espera dos surdos sons que inaugurariam o fluxo do meu começo de dia. Depois disso, o chuveiro frio. Uma vez sob ele,  fechei os olhos. O cubículo se ampliou no tempo em que o vapor do meu corpo se propagava, só que um pouco escuro e quase carente de oxigênio, reticulado em um de seus extremos pelas sonoras estilhas aquáticas que, por momentos, pareciam inundar o piso. Como de costume, minha cabeleira, precedida por um leve calafrio, se rendeu ante o peso da água, formando um instantâneo casco que cercou minhas orelhas e me arrastou a uma nova dimensão sonora.

A essa hora do dia me era difícil saber com exatidão como ou mediante o que aquele cômodo parecia iluminado e sedoso. Possivelmente uma luz diurna, inicial ou, talvez, se tratasse da velha lâmpada fixada a uma das paredes laterais, cujos filamentos simulavam um pequeno inseto de âmbar ou palha. Ou será que aquela claridade, apenas suficiente, se constituía graças à multiplicidade de pequeninos reflexos provenientes das partículas  de água que se depositavam matemática e delicadamente sobre as paredes para aveludá-las? Não posso precisar a origem da luz, mas sei perfeitamente que o espaço se reduzia sob a claridade fragmentada e nebulosa.

O ar possuía um forte cheiro de urina, parecendo se materializar nas nervuras dos mosaicos quase irreverentes em seu perfeito alinhamento. Não me lembro se, em algum momento de minha vida, encontrei na cotidiana tarefa do arranjo pessoal certo prazer, porém, faz tempo que a sua indiferença me ajuda a decidir rapidamente o tom e a suavidade de minhas roupas. Renunciei sem me dar conta de todo tipo de detalhes, pois nem sequer me permito botões ligeiramente grandes ou de cores inusitadas. Habito familiares urdimentos que se encarregam de definir meu contorno e apenas outorgam mínimas variações avermelhadas ou cinzentas.

segunda-feira, 6 de julho de 2020

Governo assinou plano para pessoas com deficiência

Medida deve garantir saúde e condições para mais de 45 milhões

Agência Brasil

O governo federal lançou hoje (6) o Plano de Contingência para Pessoas com Deficiência - projeto que visa mitigar o impacto socioeconômico das medidas adotadas durante a pandemia de covid-19 na vida de pessoas com necessidades especiais. O projeto beneficiará 45 milhões de brasileiros que possuem algum tipo de deficiência.

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
A iniciativa conta com o apoio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Ministério da Saúde, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, Ministério das Comunicações, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ministério da Economia, Ministério da Defesa e Casa Civil.

O evento aconteceu no Palácio do Planalto, onde o decreto que cria o plano foi assinado. Confira:


Título e Texto: Agência Brasil; Edição: Pedro Ivo de OliveiraAgência Brasil, 6-7-2020, 17h16
Home