quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Charada (1 140)

Numa loja
de animais,
um papagaio
grande custa
o dobro de um
pequeno.
Celeste comprou 5 papagaios
grandes e 3 pequenos.
Se ela tivesse comprado 3
grandes e 5 pequenos, teria
gastado 20 € a menos.
Então, 
quanto custa cada papagaio?

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Vendas de supermercados sobem 4,3% em outubro

Bruno Bocchini

As vendas do setor supermercadista aumentaram 4,3% no mês de outubro em comparação a setembro. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o resultado de outubro atingiu elevação de 5,78%.

Foto: Agência Brasil
No acumulado de 2019, de janeiro a outubro, em comparação ao mesmo período de 2018, as vendas do setor apresentaram alta de 3,48%. Os dados divulgados hoje (4) são da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

“O consumo das famílias, que seguiu lento desde o início do ano, devido às incertezas políticas e econômicas, ganhou um ritmo melhor de crescimento a partir do segundo semestre, principalmente pelo aumento do crédito à pessoa física, impulsionado pela liberação dos saques do FGTS e do PIS/Pasep, além da queda de juros e a recuperação gradual do mercado de trabalho”, destacou o presidente da Abras, João Sanzovo Neto.

Segundo a entidade, o resultado do acumulado até outubro indica que as vendas de 2019 poderão fechar o ano superando a projeção inicial de 3%. “Estamos otimistas em relação ao encerramento do ano, que ainda se somará aos resultados da Black Friday e das compras de natal e réveillon. Espero estar errado em relação à nossa projeção inicial, e que os supermercados vendam ainda mais”, ressaltou Sanzovo.
Título e Texto: Bruno Bocchini; Edição: Maria ClaudiaAgência Brasil, 4-12-2019, 16h58

Prisão em segunda instância: projeto de lei e PEC não são excludentes, diz Moro

Anderson Vieira

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, defendeu nesta quarta-feira (4) a viabilidade da prisão de réus logo após a condenação em segunda instância. Para isso, segundo ele, tanto o Projeto de Lei (PLS) 166/2018, que está no Senado, quanto a proposta de emenda à Constituição que está na Câmara (PEC 199/2019) têm condições de serem aprovados, acabando com a discussão jurídica em torno do tema. Em audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) nesta quarta, o ex-magistrado disse que não tem preferência e apoia ambas as iniciativas. 

— Acredito que os dois caminhos são válidos e possíveis. Não vejo as duas iniciativas como mutuamente excludentes. Não vejo também problema em se votar a PEC e o projeto de lei concomitantemente. Do ponto de vista de segurança, vejo a questão com urgência [...]  A decisão cabe ao Congresso. Se tem maioria para aprovar a medida, não vejo sentido para postergação. Na perspectiva da Justiça e segurança pública, quanto antes, melhor — afirmou.

O ministro Sergio Moro e a presidente da CCJ, Simone Tebet. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
O ministro lembrou ainda a situação de outros países, como França e Estados Unidos, considerados berços da defesa dos direitos humanos, que respeitam o princípio da presunção de inocência e nem por isso deixam de aplicar a pena. 

— Via de regra, nos Estados Unidos e França, a execução se dá já após a primeira instância. Não se exige o trânsito do último dos últimos recursos. Ou seja, a prisão é compatível com os padrões civilizatórios — afirmou.

Ainda conforme Moro, é necessário o processo judicial com garantia de direito de defesa, mas que precisa também ter a garantia dos direitos da vítima e da sociedade. 

Ele disse que respeita o entendimento do STF, “que é instituição fundamental para nossa democracia e Estado de direito, mas o julgamento apertado sinaliza que a questão não está de todo sedimentada naquela Corte”.

— O próprio presidente Dias Toffoli sinalizou que a questão precisaria ser decidida pelo Congresso Nacional — lembrou.

Em entrevista exclusiva para o JR, presidente Bolsonaro faz balanço do 1º ano de governo




Jornal da Record, 2-12-2019

Bolsonaro fala sobre Trump e a Taxa do Aço, Dólar, Coleta de Assinaturas do Aliança, Moro e mais!

Vasco depende de combinação de resultados para ir à Libertadores

Cruzmaltino tem de vencer últimos duelos e torcer contra três times

Mauricio Costa

O Vasco só entra em campo amanhã (5), mas o torcedor que ainda acredita em uma vaga na Copa Libertadores 2020 vai ficar atento às partidas de hoje (4). Praticamente garantido na Sul-Americana, o Cruzmaltino tem chances mínimas de conseguir disputar a maior competição do continente. O time de Vanderlei Luxemburgo consegue chegar se vencer os dois últimos jogos, se o Corinthians perder seus dois últimos confrontos, e se o Fortaleza e Goiás sofrerem uma derrota ou terminarem a competição com dois empates.

O Corinthians enfrenta o Ceará, no Castelão, às 19h30 nesta quarta (4). Também hoje (4), às 21h30, o Fortaleza pega o Fluminense, no Maracanã. O Goiás só entra em campo amanhã (5) contra o Palmeiras, no Brinco de Ouro, em Campinas (SP).

É muito difícil o caminho do Vasco para a Libertadores, e o próprio elenco reconhece isso. Logo após a derrota para o São Paulo, o lateral-direito Yago Pikachu já sabia que a vaga tinha ficado distante.

“Ficou muito difícil, até porque os adversários venceram e a distância ficou maior. A gente tem que continuar trabalhando para fazer nosso melhor e ver o que vai acontecer, mas a gente sabe que essa vaga para a Libertadores ficou um pouco distante. Temos que fazer nosso papel contra o Cruzeiro dentro de casa”.

O Vasco jogou contra o Cruzeiro, ganhou, e ainda tem chances de ir à Liberadores. Como Pikachu disse, é pensar em cada partida. O próximo compromisso será amanhã (5) com o Bahia, na Fonte Nova, às 19h15. É um adversário direto, já que o esquadrão de aço tem 48 pontos, um a mais que o Gigante da Colina.

Produção industrial cresce quase 1% em outubro

É a terceira taxa positiva consecutiva de resultados do setor

Ana Cristina Campos

A produção da indústria brasileira teve um crescimento de 0,8% em outubro frente a setembro. Essa foi a terceira taxa positiva seguida, acumulando alta de 2,4% no período de três meses. Os dados da Pesquisa Industrial Mensal foram divulgados hoje (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Foto: Arquivo/Agência Brasil

Na comparação com outubro de 2018, a indústria avançou 1%. Apesar desses resultados, o setor industrial ainda acumula queda de 1,1% em 2019 e de 1,3% no acumulado nos últimos 12 meses.

Na alta de 0,8% da indústria na passagem de setembro para outubro de 2019, três das quatro grandes categorias econômicas e 14 dos 26 ramos pesquisados mostraram crescimento na produção.

Entre as categorias econômicas, bens de consumo duráveis (1,3%) e bens de consumo semi e não-duráveis (1,0%) tiveram as altas mais elevadas em outubro. Ambos apontaram o segundo mês seguido de crescimento e acumularam, nesse período, expansão de 4,1% e 1,7%, respectivamente.

O segmento de bens intermediários (0,3%) também mostrou avanço e manteve o comportamento positivo de agosto (1,6%) e setembro (0,2%). O setor de bens de capital (-0,3%) teve a única taxa negativa em outubro de 2019, após recuar em setembro (-0,4%).

Entre as atividades pesquisadas, as influências positivas mais importantes foram registradas por produtos alimentícios (3,4%) e produtos farmoquímicos e farmacêuticos (11,2%). Produtos alimentícios reverteram a queda verificada no mês anterior (-0,3%). Farmoquímicos e farmacêuticos eliminaram a redução de 9,1% acumulada nos meses de agosto e setembro.

[Foco no fosso] Diferença de três

Haroldo P. Barboza

Ao longo do ano, em qualquer parte do território brasileiro, quando um caminhão tomba na estrada por um acidente previsto (com as estradas que temos, devem ser uns dez por dia), os primeiros curiosos que chegam ao local não se preocupam com o estado do motorista nem avaliam algum risco de explosão do tanque de combustível. A primeira ação é correr para o compartimento de carga e tentar apanhar o maior número possível de pacotes agora desarrumados no compartimento acima. Desde latas diversas, até caixas de eletrônicos ou similares. Os que não conseguem capturar algum pacote é que tentam trazer ajuda ao ser humano preso (até desacordado) na boleia.

Tal comportamento coletivo desumano foi plantado no meio da sociedade a partir do império, com a ganância da realeza que de tudo se apropriava enquanto o povo lascado (e açoitado) corria atrás dos restos para sobreviver.

Com o advento da república, implantação da “liberdade democrática” e montagem dos tribunais de justiça para “defender os oprimidos”, alguns sonhadores imaginaram que nossa pátria passaria a figurar como nação de destaque no cenário mundial. Ledo engano.

A “proclamação” foi apenas uma encenação para oficializar as apropriações (de bens e do suor alheio) que os “senhores dos engenhos” realizavam de forma desproporcional. Afinal, as “leis” foram redigidas pelos herdeiros dos fazendeiros e industriais que moviam a economia do país. Ou alguém acha que a “libertação” (apenas retiradas dos ferros) dos escravos nasceu do bondoso coração da elite?

E assim, passamos décadas sendo embromados pelos três poderes (que souberam manter o circo para distrair o “gado”) sem oportunidade de adquirirem estudos para equalizar a distribuição de renda. O crescimento da nação ficou para segundo plano.

E chegamos ao século XXI com nossos problemas agravados, cercados pela miséria que evolui com alta velocidade dentro de um cenário corrompido pelas quadrilhas (partidos – e ainda querem um novo) que fingem serem antagônicas para que os “eleitários” acreditem que existe solução em curto prazo (tipo 25 anos).

Pregam os geradores de manchetes (de todas as mídias): o povo pode mudar isto através do voto, renovando seus “representantes”.

[Atualidade em xeque] Aerus para todos

José Manuel

Hoje, 3 de dezembro, é um dia feliz para os aposentados do AERUS, mas, infelizmente, nada bom para o imenso grupo dos ainda chamados "ativos". Não era isso que queríamos, mas sabemos que não está tão longe assim.

Hoje também, em que pesem os valores indiscutíveis da AAPT, do SNA e do Dr. Castagna Maia, é dia de agradecer a dois excepcionais homens, que são a razão desta comemoração.

Um, o presidente da APRUS, Thomaz Raposo, que mesmo passando por momentos de indescritível pesar em sua família, reuniu forças para conseguir, numa jogada de mestre, reverter uma situação de falência total de valores perpetrado contra os velhinhos do AERUS, que nada mais fizeram a vida toda do que trabalhar pelo engrandecimento do Brasil.

Hoje temos certeza de que esse movimento torpe, que acima de tudo infringiu a justiça, partiu de uma conjunção entre uma caneta "Bic", um "Posto Ipiranga" e um "terrivelmente evangélico". Isso para nós foi traição a um imenso grupo da sociedade, os funcionários da VARIG, que em sua grande maioria votou nesta atual equipe.

Essa traição e leviandade custou nos primeiros quinze dias de outubro a vida de cinco colegas. Isso não se faz com pessoas idosas.

Sabemos também que não fossem esses dois seres humanos extraordinários teríamos sido jogados na bacia das almas, como o que infelizmente ocorreu com os nossos colegas da VASP em seu triste AEROS, jogado como trapo velho numa perícia descabida e sem fim.

Sim, não tenham dúvida de que esse teria sido o nosso fim, e estivemos a milímetros de uma falência múltipla e com o passaporte carimbado para a miséria!

Em outras épocas, teria acontecido isso sem a menor sombra de dúvidas pois a alegação é sempre a mesma, ou seja, a de que o Estado está falido. Não procede e não temos ou tivemos culpa, pois os salários altíssimos do Judiciário e do Legislativo não corroboram essa afirmação, não vista em nenhuma República moderna e rica, o que, com certeza, não é o nosso caso com imensos problemas sociais.

Rodrigo Maia: brasileiro do ano (?!)

No portal da Câmara de Deputados deparei com este título:

Ao receber título de Brasileiro do Ano, Rodrigo Maia defende Parlamento e reformas
Maia disse que seu papel é tentar recuperar o prestígio do Parlamento e criar um ambiente propício para a aprovação de propostas importantes para o Brasil”

Fui ler a matéria:

“A afirmação foi feita durante o discurso de recebimento do título de ‘Brasileiro do Ano’, concedido pelas revistas Istoé e Istoé Dinheiro. Maia recebeu o título das mãos de Caco Alzugaray, presidente executivo da Editora Três, que edita as revistas.


Para as publicações, a atuação de Maia foi fundamental para a aprovação da reforma da Previdência no Congresso Nacional. Segundo elas, o presidente da Câmara ‘tomou as rédeas do processo’ e conseguiu formar uma ‘maioria esmagadora para a aprovação do projeto’.”

Ah, entendi! O prêmio foi concedido pela IstoÉ, sei... 

que disse que “Maia foi fundamental para a aprovação da reforma da Previdência”, sei... 

e disse mais, fechando com chave de ouro, que Maia ‘tomou as rédeas do processo’ e conseguiu formar uma ‘maioria esmagadora para a aprovação do projeto’, sei... 

Ah, se não fosse o Rodrigo Maia o Brasil não teria jeito! Ainda bem que temos o Rodrigo Maia para nos conduzir!!

Flamengo ultrapassado por Vasco em número de sócios

A Bola


Na boca de todo o mundo está o nome do Flamengo, muitas linhas correram com a tinta que ficou gravada na memória dos adeptos que viram golos e recordes serem batidos pela formação orientada pelo treinador português, o cérebro por detrás da mudança, Jorge Jesus.

O Flamengo empolgou com a vitória da Libertadores e a conquista do Brasileirão, ainda assim, um dos rivais do emblema do Rio de Janeiro, o Vasco da Gama, clube com ligações a Portugal, destronou o mengão da liderança do maior número de associados.

Segundo avança o Globo Esporte, o presidente do cruz-maltino, Alexandre Campello, destacou a campanha lançada há oito dias, que conta com 50% de desconto no preço da adesão, a promoção é válida nos primeiros seis meses, com o preço a regressar ao normal após esse período, e permitiu ao Vasco da Gama passar de 33 mil para 141.037 mil sócios. O Flamengo contará com 139.718 sócios.

Os dados são atualizados em tempo real e podem ser consultados nos sites:  Nação Rubro Negra oficial e no sócio gigante (Vasco).
Título, Imagem e Texto: A Bola, 3-12-2019

Até este momento:
Flamengo: 140 049
Vasco da Gama: 148 375

Portugal: um país politicamente GRETAdo

Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, o adjetivo gretado significa “aquele que está provido de greta(s), de rachaduras”. Ora, é como está Portugal hoje e nos últimos tempos: um país cheio de gretas, e enchido pela Greta. Pela “gretamania”. Pelo delírio mediático, devidamente amparado e acentuado pelos políticos sempre ávidos de seguir as modas do facilitismo, em torno da Greta.

João Lemos Esteves

Nós julgávamos que o cúmulo do ridículo neste país tomado de assalto pela extrema-esquerda e pelo PS que perdeu a coragem democrática de outros tempos e se rendeu aos interesses especiais – que é o atual, infelizmente, liderado por António Costa  - já tinha sido atingido há muito: no entanto, eis que hoje assistimos a um novo episódio que, dificilmente (trata-se de uma previsão, não de uma promessa ou certeza inabalável: afinal de contas, com esta esquerda – e alguma direita que lhe faz todos os fretes, à espera que o poder lhe caia no regaço – nunca se sabe…o ridículo é o seu modo de ser e estar…) será ultrapassado: a loucura pela chegada de Greta a Lisboa.



As televisões dedicaram horas e horas, desde muito cedo, à cobertura da chegada, acompanhando minuto a minuto, desde o percurso da menina no mar até à desembarcagem em Lisboa. Atribuíram à menina Greta um estatuto superior a um Chefe de Estado ou a um alto representante diplomático: parecia que estava a chegar a Lisboa o Papa, senão mesmo o Profeta ou o próprio Deus, tal o aparato mediático…

Ora, perante uma comunicação social que hoje vai voltar a pedir ao Presidente Marcelo que promova ajuda financeira pública aos média (ou seja: que os pobres dos contribuintes sejam obrigados, na prática, a comprar jornais, mesmo contra a sua vontade), os órgãos de comunicação social portugueses não pouparam recursos, humanos ou financeiros, para executarem megas operações de acompanhamento da menina Greta. Ver o declínio intelectual, político e até moral de um país desta forma dói. É triste. Muito triste. 


Houve até uma estação televisiva que anunciou a chegada de Greta, a “cientista ambiental”. A cientista ambiental! Está, pois, inaugurada a nova comunidade científica: os cientistas do Chocapic… Basta comer uns cereais ao pequeno-almoço, ter feito uns anos de escolaridade obrigatória, assistir a dois ou três episódios do “Ecoman” (ou equivalente) e…voilá! – é-se admitido na verdadeira comunidade científica que pode mudar o mundo!

Engraçado notar que há poucas semanas, um jornal português publicou um artigo de um jovem, que se assumia sem medo de direita, estudante do ensino secundário – ora, a máquina mediática esquerdista mobilizou-se toda para vilipendiar, sem qualquer pejo moral ou ético, esse jovem. Como é possível um jornal português, que quer ser credível, publicar um artigo de um jovem, menor de dezoito anos? Que crime! Que indecência!

Charada (1 139)


Indique uma importante
veia do corpo humano
cujo nome é um anagrama
de um animal que, 
na Índia, é sagrado?

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Blogger com problemas...

Não dá para postar imagens... 😠
Uma meia dúzia de bons artigos ficaram na fila. Entre eles, a excelente entrevista do professor Gabriel Mithá Ribeiro, o artigo de João Lemos Esteves "Portugal GRETAdo", a coluna de José Manuel... 😥

Sem fronteiras: a verdade da mentira

Cristina Miranda

Mais dois ataques com facas, um em Londres outro em Haia, vieram-nos lembrar que o terrorismo vive silenciosamente no meio de nós e somos alvos muito fáceis ao contrário do que nos querem fazer crer.  Estes assassinos não precisam de armas compradas em lojas. Com facas e explosivos de fabrico artesanal matam e fazem-se explodir apenas por motivações ideológicas. E nós, nem com medidas de segurança sofisticadas estamos a salvo. Essa é a triste realidade.

Sou do tempo em que na Europa, quando se falava de terrorismo, ou era a ETA ou o IRA cujo alvo eram membros dos governos ou juízes. Ataques com facas e homens suicidas no meio de multidões de civis só mesmo no médio oriente. Como é que importamos isto?

A resposta podemos encontrá-la num magnífico documentário – Borderless –  da jornalista canadiana Lauren Southern. Infiltrada durante 4 meses, entrevistou traficantes, migrantes e responsáveis por estas passagens para a Europa. Um trabalho jornalístico de alto risco, mas muito revelador do tráfico humano, um negócio milionário.


A crise das migrações deu-se em 2010 com a Primavera árabe e o fim dos ditadores que trouxe uma onda de deslocados para a Turquia, Líbano, e Jordânia com muitas incompatibilidades culturais pelo meio. Em Ayvalik na Turquia a jornalista falou com locais que revelaram que “esta rota abriu em 2013 para a Grécia e que desde então as mulheres da região já não podiam ir para os campos sozinhas; que por ali passam  milhares de seres humanos por dia; que os traficantes agem como uma máfia e estão armados com AK47; a população vive com medo. O preço da passagem para Lesbos e outros destinos são 1000, 2000, 3000, 4000 dólares. Não são refugiados porque esses não têm meios económicos, nem são pobres nem crianças. E também não é trabalho humanitário”. Outra travessia deste “negócio” dá-se por Marrocos para Espanha. Os passaportes e documentação são propositadamente destruídos para que não sejam deportados.

Em Lesbos são colocados num campo para 3000 pessoas, mas que já excedeu os 11000 “refugiados”.  Nele há assassínios, violações, estupros. É um lugar perigoso onde matam enquanto dormem porque está cheio de grupos étnicos diferentes que não se toleram. Os migrantes não se sentem seguros e muitos dizem-se arrependidos.

Alguns denunciam à jornalista subornos pedidos por médicos gregos do Governo para conseguirem a legalização – “os Papeis” – que é um pedido médico atestando que aquela pessoa tem um problema grave de saúde e tem de ser transferida urgentemente para Atenas ficando assim automaticamente “legal”. Denunciam ainda que o ISIS está no meio deles disfarçados de refugiados. Dizem que há no campo 2000 ou mais de ISIS que fugiram do Iraque e Síria porque foram derrubados nos seus países e atacam com facas ateus, cristãos, judeus, jazidis e curdos no acampamento. Chegam a pedir câmeras de vigilância às autoridades para os protegerem, mas ninguém se importa com isso.

OCDE: manter resultado no Pisa com mais inclusão nas escolas é vitória

Brasil teve avanços, mas mantém cenário de estagnação desde 2009

Mariana Tokarnia

A inclusão de mais estudantes nas escolas brasileiras pode ter influenciado na nota do país no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), diz a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), responsável pela avaliação. De acordo com Camila Lima de Moraes, especialista em Educação da OCDE, manter o desempenho nesse cenário de expansão de oportunidades educacionais é uma vitória para o país.

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
“Quando [o Brasil] inclui, em 2003, estudantes que já teriam saído e que agora estão na escola, eles tendem a ter desempenho pior e a diminuir a média [do país no Pisa]. Um cenário em que o país consegue manter o mesmo nível é uma vitória em si mesma”, afirma Camila.

O Pisa, que é aplicado de três em três anos, é referência mundial. No ano passado, foi aplicado a 600 mil estudantes de 15 anos de 79 países e regiões. No Brasil, cerca de 10,7 mil estudantes de 638 escolas fizeram as provas, que medem as competências em leitura, matemática e ciências. Além disso, a critério dos países participantes, as provas podem medir ainda o desempenho em competência financeira e resolução colaborativa de problemas.

Os resultados do ano passado, divulgados nesta terça-feira (3), mostram que o Brasil avançou alguns pontos em relação a 2015, mas que mantém um cenário de estagnação do desempenho desde 2009.

Para Camila, que na manhã de hoje, participou de webinário com jornalistas, a análise do resultado precisa levar em consideração a inclusão e a permanência de estudantes nos sistemas de ensino. Conforme os dados do Pisa, a partir de 2000, o Brasil incluiu mais estudantes nas escolas. Entre 2003 e 2012, o país garantiu a permanência de mais de 500 mil estudantes de 15 anos nos sistemas de ensino.

"Podemos assumir que os que estavam na escola estavam indo melhor e os que não estavam [indo bem], não estavam na escola", diz Camila, ressalta a especialista em educação. "[E isso] pode mascarar eventuais melhoras", acrescenta Camila. 

PIB cresce 0,6% no terceiro trimestre, revela IBGE

Na comparação com 3º trimestre de 2018, expansão é de 1,2%

Cristina Índio do Brasil

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, cresceu 0,6% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior.

O resultado foi divulgado hoje (3), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BGE). Na comparação com o terceiro trimestre de 2018, o PIB teve crescimento de 1,2%.


No acumulado em quatro trimestres terminados no terceiro trimestre de 2019, o crescimento é de 1,0%, na comparação com mesmo período anterior.

No acumulado do ano até setembro, o PIB cresceu o mesmo percentual em relação a igual período de 2018.

Em valores correntes, o PIB atingiu R$ 1,842 trilhão no terceiro trimestre de 2019. Do total, R$ 1,582 trilhão se refere ao Valor Adicionado e R$ 259,7 bilhões aos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios.

A agropecuária apresentou a maior alta e registrou 1,3%. Na sequência, ficou a indústria, que subiu 0,8%. Nos serviços, a elevação ficou em 0,4%, todos os percentuais na comparação com o trimestre anterior.

De acordo com o IBGE, o crescimento da indústria foi provocado pela expansão de 12% no setor extrativo, com destaque para o bom desempenho da extração de petróleo, e de 1,3% na construção.

No entanto, a atividade de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos caiu 0,9%. Queda também na indústria de transformação: (1%).

Nos serviços, as grandes contribuições ficaram por conta dos resultados positivos das atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,2%), do comércio (1,1%), da informação e comunicação (1,1%), das atividades imobiliárias (0,3%) e das outras atividades de serviços (0,1%).

Já as atividades de transporte, armazenagem e correio registraram recuo (-0,1%), como também na administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-0,6%).

A cor do dinheiro: comentário diário (3 de dezembro de 2019)



A Cor Do Dinheiro, 3-12-2019

Relacionados:

[Aparecido rasga o verbo] O fabuloso e precisante efeito dominó

Aparecido Raimundo de Souza

O BRASILEIRO É BURRO POR NATUREZA. Ou por natureza é burro. Como a ordem dos cantores não altera a apresentação dos atores… Quando mencionamos “BRASILEIRO”, generalizamos, logo de cara, na fuça, para não perdurarem dúvidas a depois. Portanto, o brasileiro, de fato, sem tirar, nem pôr, é burro desde o instante da sua concepção, ainda na barriga da mãe. Ora, se traz consigo essa fama, desde quando (ainda não) nasceu, subentende-se que a burrice germinou com ele e se desenvolveu à medida em que os anos passaram. Alguns brasileiros, verdade seja dita, nessa mediocridade da separação do joio do trigo, se salvaram.

Acordaram para a realidade. Nesse deixar de dormir, abandonaram a ideia de ser burros de carga. Em lado oposto, outros mais tapados que a vagaba da justiça, ultrapassaram além das expectativas. Aliás, superam todas as probabilidades. Trocaram a burrice pela jumentice. Dito de forma que não pareça muito indigesta.  Passaram a agir e a pensar como jumentos. Há os que nasceram burros, ou lezados, depois viraram cavalos. Da mesma forma, os equídeos cavalgadurados e broncos terminando, evidentemente, revestidos nas peles cafungosas dos onagros.

O passar dos anos, através dos “anus”, ajudou deveras nessa transmutação, tanto física como moral, o que nos levou a ponderar de modo definitivo que os brasileiros tomaram, para si, as asnosidades dos tolos e cabeçudos. Perguntarão os senhores que nos leem: por que o brasileiro tem, ou carrega consigo, essa peculiaridade de passar em tão pouco tempo, da disposição de burro para a função asnática e vice-versa? Em pesquisa realizada recentemente pelo doutor Claustrofibócio Mindrofuntio do Carmo Pueirinha, professor da cadeira de “Coisas Esquisitas e Outros Achados” da Universidade de Massachusetts, em Boston, dito mestre concluiu que “o brasileiro já traz, no sangue, por consanguinidade,   a miopia galopante e desordenada dos beócios e estólidos, mal  incurável de uma espécie degenerativa de doença contagiosa que ataca diretamente o cérebro do indivíduo”. 

Pasmem, amados! O retardamento da miopia contagiante fere mortalmente as criaturas desde os tempos em que os homens viviam em cavernas e comiam capim com cenoura raladinha. O doutor Claustrofibócio Pueirinha voou mais longe e descobriu, igualmente, que após terem se cansado desse alimento (o capim e a cenoura), os homens passaram a comer merda. Não a enlatada. A merda pura mesmo. De tanto mandarem para as tripas essa bostaria, viraram jumentos. De jumentos a medíocres asnos, ou asnos medíocres, uns poucos tirinhos de revolveres à moda Lula Fula da Silva bastou para resolver o quadro.

Daí, senhoras e senhores (apenas como ilustração), o apelido acrescentado ao seu nome, “Mula” não tardou a calhar e se fazer evidente. Pois bem. Nesse furdunço algazarreado, o brasileiro burro, perdão amados, o brasileiro asno, destituído completamente das suas elucubrações mentais, acorrentado aos colhões do PT, emparedado pelas falcatruas das empreiteiras do amigo do amigo do meu pai (desculpem, do pai dele), o brasileiro, coitado, sem ter para onde correr, virou garotinho de recado. Pau mandado. Sujeito sem iniciativa. Sem noção ou desnocado. De modo idêntico, portanto, a mesmíssima coisa, fazendo somente aquilo que mandavam, obedecendo cegamente, sem contestar, sem pestanejar.

Charada (1 138)

Não sou ímpar.
Sou maior que 90.
Não sou mais que 100.
E se me subtraírem de 100
Ficam sem nada.
Que número sou?

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Sergio Moro debate na CCJ prisão após condenação em segunda instância

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) confirmou para esta quarta-feira (4), às 10h, a audiência pública com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para debater o projeto que estabelece a prisão de condenados após decisão em segunda instância (PLS 166/2018).

Ministro da Justiça, que já esteve na CCJ em junho, participa de audiência com outros juristas. Foto: Pedro França/Agência Senado
Em reunião entre líderes da Câmara dos Deputados e do Senado na semana passada, ficou definido que o Congresso dará prioridade à PEC 199/2019, que está na Câmara, mas o debate sobre o tema prosseguirá no Senado.

Pelo Twitter, o ministro confirmou a vinda ao Senado e ressaltou que apoia ambas as propostas.
“Estarei quarta no Senado defendendo a execução da condenação em segunda instância. Por emenda constitucional da Câmara, por emenda do Senado ou por PL de uma Casa ou outra. Necessidade clara e urgente”, escreveu.

Além de Moro, são esperadas as presenças do jurista Ives Gandra da Silva Martins, do defensor público-geral do Rio de Janeiro Rodrigo Baptista Pacheco e do presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz. Também foram convidados para a audiência o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Herman Benjamin e o chefe da Assessoria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Vladmir de Freitas.

A audiência foi requerida pelo senador Humberto Costa (PT-PE).  
Título e Texto: Agência Senado, 2-12-2019, 11h29

Relacionados:

Iconic photo shows Iowa farmer completely ignore Joe Biden in local cafe: 'Who?'

'This is Republican country'

Chris Enloe

A photo of an Iowa farmer sitting in a local cafe went viral Saturday because it showed the man completely ignore Joe Biden, the former vice president and 2020 Democratic presidential frontrunner.



When Korecki asked the man, who told the reporter that he is a Missouri Valley farmer, if he ignored Biden because he does not like the former vice president, the man replied, "Who?"

Korecki then informed the man that he, in fact, ignored former President Barack Obama's vice president.

"Are you serious?" the man told the reporter. "Ohhhhh. I'm not an Obama fan. This is Republican country."
Chris Enloe, The Blaze, December 1, 2019

A história do Livre explicada às criancinhas (que votaram naquilo)

Sexta-feira não houve novidades sobre o menino Rui, a menina Joacine e o almocreve, o que não augura nada de bom, pelo menos no que toca ao divertimento do povo

Alberto Gonçalves

Era uma vez o Rui, um menino inteligente que repetia na internet as coisas inteligentes que o professor doutor Louçã dizia na televisão. De tanto repetir coisas inteligentes, o menino Rui ganhou um concurso do tipo “Quem Quer Ser Milionário?” ou “Preço Certo” e foi para Bruxelas, que é um lugar distante onde pessoas inteligentes como o menino Rui decidem coisas para melhorar as vidas de todos nós. Além de inteligente, o menino Rui é generoso, e deu um bocadinho do salário para ajudar outros meninos a serem tão inteligentes quanto ele. Por azar, um dia o menino Rui zangou-se com o professor doutor Louçã e deixou de ser sócio da associação a que ambos pertenciam. Porém, o menino Rui não quis desapontar os outros meninos e manteve o emprego e o salário.

Quando o emprego acabou, o menino Rui ficou aborrecido e inventou uma associação só dele para continuar a espalhar dinheiro e ser útil à humanidade. Desgraçadamente, os azares sucederam-se, e o menino Rui perdeu todos os concursos seguintes, e as respectivas estadias em Bruxelas, Lisboa ou até nos arredores de Torre de Moncorvo. Após vários concursos perdidos, a associação do menino Rui, que é o menino Rui, lembrou-se de mandar aos concursos uma criatura que não fosse o menino Rui. Escolheram a menina Joacine, que é da Guiné e que, sempre que começa a falar, desata a fazer barulhos esquisitos, às vezes iguaizinhos aos de um helicóptero, às vezes parecidos com um modem de 1995. O primeiro resultado é que nunca ninguém ouviu o que ela quer dizer. O segundo resultado é que a estratégia funcionou em cheio, e a menina Joacine ganhou um concurso para ficar na Assembleia da República, que é um lugar onde pessoas inteligentes como o menino Rui decidem coisas para melhorar as vidas de todos nós. Não sei se a menina Joacine é inteligente porque não sei se imitar helicópteros é sinal de inteligência.

De qualquer maneira, burra é que a menina Joacine não é: logo no primeiro dia de trabalho, conseguiu um almocreve para lhe carregar a bolsa. Toda a gente se riu do saiote que o almocreve vestia, mas os senhores educados informaram o povo de que o saiote é moderno. Quando o meu vizinho Armando saiu à rua em pelota e de galochas, não houve quem explicasse à ambulância do INEM que o Armando estava apenas a seguir as tendências da moda. Por causa disso, o infeliz vive no Magalhães Lemos vai para seis meses.

Um só mês bastou para estragar a harmonia entre o menino Rui e a menina Joacine, e entre o almocreve da menina Joacine e a Terra em peso. A princípio, tudo corria bem. O menino Rui festejou aos gritos a vitória da menina Joacine, que arranjou uma hérnia de muito se baixar para abraçá-lo. A menina Joacine passeava jovialmente pelo parlamento, a denunciar o racismo do país que a elegeu deputada. E o almocreve visitava o programa da Cristina – ou do Goucha, um desses que o meu vizinho Armando via antes do internamento e continua a ver depois. De repente, a catástrofe.

Hate: Oklahoma cop given Starbucks cup with word ‘PIG’ on label while on-duty on Thanksgiving

GOPUSA Staff


This coffee was served bitter.

An Oklahoma police officer was given a Starbucks cup with the word “PIG” printed on the label while on-duty Thanksgiving, according to a social media post from the police chief, sparking outrage as many called the move “disrespectful.”


Kiefer Police Chief Johnny O’Mara wrote that one of his officers went to a Starbucks location in Oklahoma to get coffee for dispatchers who were working the holiday and was surprised to find the word printed on the labels of the cups.

“This is what he gets for being nice,” O’Mara wrote in a social media post with a picture of one of the labels. “What irks me is the absolute and total disrespect for a police officer who, instead of being home with family and enjoying a meal and a football game, is patrolling his little town.”

“This cup of coffee for a ‘pig’ is just another little flag. It’s another tiny symptom and a nearly indiscernible shout from a contemptuous, roaring and riotous segment of a misanthropic society that vilifies those who stand for what’s right and glorifies the very people who would usher in the destruction of the social fabric. It’s another tiny pinprick into the heart of men and women who are asking themselves more often: ‘Why am I doing this?'” O’Mara wrote.



O’Mara added that when he called the store, employees said “they’d be happy to ‘replace the coffee with a correct label.'”
Home