quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Macroscópio – Uma história americana. De acção de graças


José Manuel Fernandes
Hoje vamos desanuviar. Porque é dia de acção de graças – não em Portugal, até porque para isso não há grandes razões, mas do outro lado do Atlântico. “Thanksgiving”, festa de família por excelência que se comemora hoje, porque hoje é a quarta quinta-feira do mês de Novembro, é tradição que remonta ao século XVII. Ou talvez não.

Uma das coisas curiosas quando se consulta a imprensa americana nesta época do ano é que ela está cheia de artigos a explicarem este hábito de as famílias se reunirem para partilharem um peru. O que mostra que o Thanksgiving Day parece necessitar de ser explicado, algo que nunca imaginaríamos ser necessário para, por exemplo, explicar o porquê do nosso Natal. Mas é assim naquela nação de imigrantes, e por isso mesmo decidi fazer hoje um intervalo nos temas mais sérios que costumam ocupar o Macrsocópio para reunir um conjunto variado de textos históricos, linguísticos, comportamentais e até gastronómicos. Alguns bem divertidos. Vamos a isso.

Comecemos por tentar perceber porque razão só os americanos, e em menor grau os canadianos, comemoram este feriado com aparentes conotações religiosas. Isto é, porque têm ele um dia de acção de graças e nós não? Por uma razão simples: essa é uma tradição que remonta ao tempo dos primeiros peregrinos, os que cruzaram o Atlântico em busca de uma vida nova há quase 400 anos. Essa história é-nos contada, por exemplo, neste belo ensaio do Wall Street Journal: “Pilgrims and the Roots of the American Thanksgiving”. O historiador Malcom Gaskill, depois de recordar as condições em que a imigração inglesa foi criando as suas novas comunidades, que se estendiam do Maine, a Norte, à Virgínia, mais a Sul, procura mostrar o que liga os pioneiros de então aos americanos de hoje:

Here we might return to Plymouth in 1621 and to the true story of the first Thanksgiving, which is richer and more edifying than the familiar holiday version. When the Pilgrim William Bradford said, “They began now to gather in the small harvest they had…being all well recovered in health and strength and had all things in good plenty,” he was bearing witness to the fact that, in their first crucial year, they had barely survived. The Pilgrims were not typical settlers in the new land, but they still exemplify the extraordinary imagination and belief, fortitude and courage, shown by colonists across early America—qualities shared today by all manner of Americans, regardless of their ancestry.

UNESCO elege 'cante alentejano' como Património Imaterial da Humanidade

A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura acaba de declarar o cante alentejano como Património Imaterial da Humanidade. Exatamente três anos depois do fado.

Os Camponeses de Pias e o Grupo da Casa do Povo de Serpa, no Mosteiro dos Jerónimos, em setembro deste ano. Foto: Gonçalo Villaverde/Global Imagens








O cante alentejano já é da Humanidade. A decisão foi tomada esta quinta-feira de manhã, em Paris, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO)

A candidatura do cante alentejano a Património Cultural Imaterial da Humanidade deu formalmente entrada a 28 de março de 2013 no comité internacional da UNESCO. Há três semanas foi considerada “exemplar” pelo comité de avaliação e as expectativas eram altas.
()
Sara Otto Coelho, Observador, 27-11-2014

Tristes verdades

Eduardo Locht
As bolsas brasileiras sobem com a possível nomeação de ministros da fazenda e planejamento. Parecem garotos bobos seduzidos por um picolé de curta duração.

Colunistas da esquerda irresponsável e poética, travestidos de conciliadores, também aplaudem a virada do governo para a democracia republicana, que não passa de uma pedida de tempo para retornar à sua origem revolucionária.

O Congresso Nacional, liderado por populistas de ocasião, tentam safar o Executivo por obrigações, não cumpridas, na Lei de Responsabilidade Fiscal e, portanto, configurando um crime passível de punição.

Os PTralhas radicais que nunca entendem nada, vão questionar a PresidentA que tentará orientá-los, reservadamente, do seu pedido de tempo face a derrota do partido nas eleições com perdas de 20% do seu efetivo.

Em resumo, a “esculhambação geral” continua, todavia o PTrolão continua sendo apurado e certamente trará surpresas que envolverão a politicanagem deslavada no Brasil. 
Título e Texto: Eduardo Locht, 27-11-2014

Pagamento só em maio

Os contentinhos do regime

Pinho Cardão
"Acha que os recentes acontecimentos, vistos gold e prisão de um ex-Primeiro-Ministro, colocam o regime em crise?

É a pergunta que, desde há uns dias, os jornalistas fazem, às centenas, em todos os telejornais, com ar de grande solenidade, grave e preocupado, a convidados especialmente escolhidos, esperando a resposta definitiva. Tão definitiva que, aliás, só dura até ao telejornal seguinte!...

Com ar não menos solene e grave, conspícuo e conhecedor, o entrevistado começa por repetir a pergunta, descreve os factos na génese da questão, tece sobre eles sábias e vastíssimas considerações gerais, pergunta-se o que é crise e regime, enreda-se na profundidade da análise e acaba por se esquecer da resposta. Esquecimento a que o jornalista não liga qualquer importância, ele não está lá para isso, o que é preciso é passar tempo.

Passar tempo e passar de imediato ao segundo especialista, com o mesmo com ar de grande solenidade, grave e preocupado: e acha que estes acontecimentos podem significar o fim do regime

No fundo, conversa entre comparsas, contentinhos do regime que não os dispensa. 
Título e Texto: Pinho Cardão, “4R– Quarta República”, 27-11-2014

Pressão política para a libertação do preso especial Sócrates

La Catedral, prisão de Pablo Escobar, em 1991, Colômbia

António Balbino Caldeira

Em 28-6-2007, quando fui constituído arguido no processo aberto por queixa do «primeiro-ministro enquanto tal e cidadão» José Sócrates por causa do que eu havia escrito sobre o seu rocambolesco percurso académico, fui prevenido duplamente pela Dra. Cândida Almeida, no 6.º andar do DCIAP, de que estava obrigado ao dever de silêncio relativamente ao processo e aos factos em inquérito (conto essa história no meu livro «O dossiê Sócrates», de 2009). Cumpri esse dever, apesar das mentiras que eram propaladas do lado do primeiro-ministro, nomeadamente sobre os motivos invocados na queixa - que eram o MBA (sem grau) e a existência de um centro governamental de comando e controlo dos média (e nada sobre o facto de não ser, nem nunca ter sido, engenheiro, o facto de ter obtido o curso na Universidade Independente da forma como o obteve, e de não possuir a pós-graduação em engenharia sanitária que dizia ter). E quando passou a presidência portuguesa da União Europeia, e foi arquivado o inquérito-crime, e o primeiro-ministro não recorreu do despacho de arquivamento, nem deduziu acusação particular, pude finalmente dar a conhecer a verdade.

Todavia, o preso n.º 44 detido preventivamente na ala feminina do Estabelecimento Prisional de Évora, José Sócrates, indiciado, segundo aSIC, de 26-11-2014, pelo juiz de instrução Carlos Alexandre de sete tipos de crime - corrupção ativa por titular de cargo político (previsto e punido pela Lei 34/87), de corrupção ativa, de corrupção passiva para acto ilícito, corrupção passiva para acto lícito; de branqueamento de capitais, de fraude fiscal, e de fraude fiscal qualificada (previstos e punidos pelo Código Penal) -, julgando-se acima da lei, ditou por telefone ao seu advogado João Araújo, um «comunicado» (!) na noite de ontem, 26-11-2014, que este enviou para o Público e para a TSF.

Em minha opinião, o «comunicado» do preso preventivo Sócrates está mal redigido. Vou tentar corrigi-lo:

1.   Diz que as «fugas» de informação sobre o processo «são crime». Não é juiz para dizer o que é crime ou não, e já não manda. Mas ainda sonha que sim. Devia dizer quais fugas são crime: os tweets que a mulher do seu atual advogado João Araújo, Alda Telles, havia publicado, em 25-11-2014, e depois retirado com informações acerca do interrogatório do juiz Carlos Alexandre ao cliente do seu marido, ou a divulgação pelo seu atual advogado de alegada parte do mandado de detenção?

2. Invoca a «legítima defesa» para incumprir a lei que lhe determina que, como arguido e ainda mais preso preventivo, esteja calado sobre o processo. 

3. Diz que a sua detenção para interrogatório é um «abuso» (!?...). Mas devia explicar o «espétaculo» de ir para Paris para depois voltar, os alegados check-in não concretizados e a alegada troca de companhia de avaição à última hora.

4. Diz que «as imputações que me são dirigidas são absurdas, injustas e infundamentadas». Não se chamam imputações mas «indícios». E, já que está a incumprir que o faça franca e não como neste comunicado. E em vez de usar o adjetivo frouxo de «infundamentadas», deve dizer que são uma completa e absoluta mentira: que é falsa a referência dos 20/25 milhões de euros no banco; que é falsa a transferência da conta do seu testa de ferro para chegarem à Octapharma de 12 mil euros mensais que depois me entregam a título de salário; que é falsa a manobra de venda a si próprio de imóveis de sua mãe; que é falsa a utilização sistemática de dinheiro vivo para fazer pagamentos; que é falsa a entrega frequente de mala de dinheiro vivo (12 mil euros mensais?) pelo seu motorista; que é falsa a movimentação de dinheiro para pagar o apartamento de 250 metros em Paris; que é falsa a utilização do RERT para benzer o dinheiro alegadamente depositado na Suíça - e já agora que é falso que tenha comprado 30 mil exemplares do seu livro que o levaram a aparecer no top de vendas...

Happy...


Istambul

Istambul, 26-11-2014, foto: Nicolas Loi

A apalpação é recíproca


Bom dia!



Sócrates, la chute d’un «opportuniste sans idéologie»


François Musseau
L’ex-leader socialiste est incarcéré depuis mardi dans une prison qu’il avait inaugurée lorsqu’il était Premier ministre du Portugal.

«L’incomparable José Sócrates», ironise l’éditorialiste du quotidien Publico José Miguel Tavares. «The Special One», s’amusent plusieurs commentateurs, appliquant à celui qui dirigea le Portugal entre 2005 et 2011 le surnom d’ordinaire attribué au sulfureux entraîneur de foot José Mourinho. Après avoir été longtemps prudents, voire trop respectueux avec Sócrates, Sol ou Correio Da Manha exceptés, les médias portugais se livrent désormais au grand déballage contre celui qui a créé la sensation, lorsqu’il fut interpellé à l’aéroport de Lisbonne, vendredi.

Motif de cette détention inédite : «fraude fiscale» et surtout «corruption» et «blanchiment de capitaux». Le montant des sommes qu’aurait détournées Socrates n’est pas connu, mais la presse nationale parle de dizaines de millions. Depuis environ un an, la brigade financière portugaise, la DCIAP s’était étonnée de son train de vie à Paris, où il réside : un appartement de 2,8 millions d’euros, la fréquentation de restaurants de luxe… Des écoutes téléphoniques auraient fait le reste. 

«Un degré supplémentaire d’immoralité dans la vie publique»
L’ancien leader socialiste, qui en mai 2011 avait démissionné alors que son pays était au bord de la faillite financière, a été placé mardi en prison préventive à Evora, dans un de ces établissements modèles qu’il avait lui-même inauguré alors qu’il était le fringuant Premier ministre ! Chaque jour, déjà écœurés par une série de scandales en cours (tous liés à la «décennie heureuse» de l’argent facile, 1995-2005), les Portugais découvrent le détail des forts soupçons qui pèsent sur José Sócrates – et ce, même si le secret de l’instruction a été déclaré par les magistrats.

Agente da CIA em Cuba...


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Vá pra a cadeia!

Roda de capoeira recebe título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade

Foto: Adenilson Nunes/Secom
Dança, luta, símbolo de resistência e uma das manifestações culturais mais conhecidas no Brasil, a roda de capoeira recebeu hoje (26) o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Após votação durante a 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Imaterial, em Paris, a roda de capoeira ganhou oficialmente o título. Na Foto: Associação Cultural Mística Iúna de Capoeira. 
Título e Texto: Fotos Públicas, 26-11-2014

Garota que roubou carro durante test-drive volta a ser presa no Paraná

Apucarana, PR, Brasil - Fabiana Sporh Godk, de 28 anos é bacharel em direito, e agora se envolveu em outro furto: um par de óculos de grau no valor de R$ 736,00. Ela foi presa em São João do Ivaí, no norte do Paraná, na terça-feira (25). A jovem já tem uma condenação por porte ilegal de arma. Conforme a polícia, Fabiana estava em uma padaria com o filho de seis meses quando foi encontrada por policiais civis de Apucarana, também na região norte.

Foto: Polícia Civil/PR

Título e Texto: Fotos Públicas, 26-11-2014

Taxas de juro da dívida portuguesa em mínimos "históricos"...

Tavares Moreira

1. Ontem e hoje é notícia (quase ignorada) o facto de as taxas de juro da dívida pública portuguesa terem atingido níveis muito baixos: concretamente, no caso da dívida a 10 anos, a taxa de juro implícita na respectiva cotação (yield) situa-se hoje em 2,906%, o mais baixo de sempre.

2.  Numa altura em que a atenção da vida política nacional se encontra voltada para e dominada por factos extremamente negativos, que denunciam a enorme vulnerabilidade do processo de selecção de elites políticas e administrativas, é consolador receber notícias como esta, mostrando que nem tudo vai mal neste confuso País…

3. É certo que por detrás desta evolução muito favorável das taxas de juro da dívida se encontram factores não nacionais – a expectativa de uma mais pesada intervenção do BCE nos mercados, nomeadamente de dívida pública, à imagem do que tem acontecido com outros bancos centrais (FED e Banco do Japão, por exemplo); a “furiosa” procura por activos que proporcionem um rendimento mais elevado, por parte de grandes investidores internacionais…

4.  … mas isso não deverá constituir motivo de desvalorização desta boa notícia que, como já aqui referi, está contribuindo para um desempenho das contas externas melhor do que o previsto, através de uma significativa redução do défice dos rendimentos…

5. Basta notar que, sendo certo que tanto as dívidas da Irlanda, em 1º lugar (yield equivalente já abaixo de 1,5%) como também da Espanha (yield em 1,9%) e da Itália (yield em 2,2%) vêm beneficiando igualmente desta tendência, já a yield da dívida da Grécia permanece em patamares muito elevados (acima de 8%), claramente em resultado de factores nacionais que impedem que esse País beneficie desta mesma tendência de descida dos juros.

6.  O que significa, pois, no nosso caso, que factores nacionais também pesam nesta evolução, designadamente o esforço que, contra ventos e marés, foi feito no sentido de dar cumprimento aos objectivos consignados no Programa de Ajustamento Económico e Financeiro…

7. Há só um dado menos positivo nesta evolução, que consiste no apagamento das teses reestruturacionistas… todavia,  os distintos autores dessas teses já terão perdido a esperança a partir do momento em que as altas chefias do (ex?) Crescimentismo ordenaram, “sine die”, a sua recolha ao congelador…

Título e Texto: Tavares Moreira, “4R – Quarta República”, 26-11-2014

Get out!

“Well, I guess I’ll shake your hand, but I only have one thing to say to you: You need to get out of Ukraine
Stephen Harper, Canadian Prime Minister, greeting Russian President Vladimir Putin at the G-20 summit in Brisbane, Australia.
Via TIME

Primeiro-ministro Passos Coelho é entrevistado amanhã na RTP

O primeiro-ministro vai ser entrevistado amanhã na estação pública de televisão. A entrevista estava marcada há um mês. Depois da detenção de Sócrates, o diretor de informação da RTP reconhece ao semanário Expresso que teve “sorte no timing”.



São muitos os portugueses que gostariam de saber o que tem, efetivamente, Passos Coelho a dizer sobre a primeira detenção feita em Portugal de um primeiro-ministro. São também muitos os jornalistas que gostariam de ‘arrancar’ algumas palavras sobre o tema da boca do chefe do Executivo.

Pois bem, amanhã, 27 de novembro, o pivot da RTP, João Adelino Faria, terá a oportunidade de questionar Passos Coelho sobre o tema que mais marca a atualidade. Este estará na televisão pública para ser entrevistado.

Ao semanário Expresso, o diretor de informação da estação, José Manuel Portugal, disse que a entrevista estava marcada há um mês, a propósito da aprovação do Orçamento do Estado para 2015, mas confessou que teve “sorte no timing”.

A entrevista será emitida pelas 20h45 e terá 50 minutos de duração. 

Guião do comentário televisivo para não deixar cair Costa e o “PêeeeéSssseeeeee“…

Murphy V.
Embora na imprensa a cobertura do caso Sócrates esteja a ser isenta, i.e., vemos referidos os aspetos que suportam a detenção do ex-pm, assim como, os receios de algum justicialismo e o eventual perigo para os direitos dos cidadãos perante o sistema de justiça, na televisão, espaço onde se fabricam os presidentes e se forjam os vencedores de eleições, os comentadores do costume (Adão e Silva, Marques Lopes, Clara Ferreira Alves, M. S. Tavares, etc.) têm feito um trabalho digno de registo…

Ontem ao ver os telejornais e a fazer zapping pelos canais noticiosos, assisti a uma tremenda preocupação como a "justiça", com o imenso poder dos juízes e nadasobre o que se vai sabendo das práticas de Sócrates…

Repetidamente, vêm-se e ouvem-se, comentadores e opinadores falarem cada vez mais das preocupações com o “fim do estado de direito”, com amediatização do processo (como se essa responsabilidade não fosse exclusiva dos meios de comunicação para quem trabalham) e nada dizendo sobre o que já se sabe dos alegados crimes de Sócrates.

Assim, ao fim de 48 horas da prisão preventiva do “querido líder”, entre aconsternação e algum choque pelo sucedido, já é possível descortinar o fio condutor e as traves mestras - ou ideias a implantar - no comentário político para os tempos que se avizinham. Elenquemos algumas dessas ideias, recordando outros casos de forma a avaliar o critério agora seguido por tão distinguidos comentadores:

1ª ideia a implantar:

“É indecente falar do que, alegadamente, Sócrates andou a fazer pois está em segredo de justiça. Estão a condená-lo na praça pública e isto é uma negação de justiça!”

Caro cidadão, uma coisa é falarmos nos telejornais do roteiro de Duarte Lima em terras do Brasil por onde - alegadamente - “foi despachar” um assunto com uma sua cliente e várias reportagens nos deram  conta dos pormenores do carro alugado por Lima, da lavagem dos tapetes para eliminar vestígios do crime, etc.. Assim como, no caso de Isaltino, até era divertido falar do seu sobrinho taxista que – alegadamente – tinha em seu nome centenas de milhares de euros na Suiça.

Lembra-se de ver na televisão tantos pruridos com o “segredo de justiça”, nestes casos?

Rembrandt

A Ronda Noturna, Rijksmuseum, Amsterdam. Foto: Vitor Grando, 26-11-2014