quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Charada (1 031)

Natália tinha 50 €.
Certo dia, foi às compras,
emprestou 10 € à irmã
e pagou 15 € por um livro,
10 € por um lenço,
6 € por um caderno
e 4 € por uma caneta.
Quanto dinheiro
gastou Natália?

terça-feira, 17 de setembro de 2019

[Pernoitar, comer e beber fora] Bôla de Lamego

Descrição: Bôla feita com farinha de trigo, fermento de padeiro, água, manteiga, banha de porco ou azeite, recheada com carnes, bacalhau ou sardinha. A bôla pesa cerca de 850 g.



Variantes: carne, bacalhau, sardinhas, presunto (cozido ou fumado), queijo etc.

História: No decorrer das pesquisas tendentes a situar a Bôla de Lamego na região, entrevistou-se a Sr.ª Dª Maria Baguinho (mais conhecida como Dª Marquinhas) que é a fiel depositária das receitas do antigo Convento de Lamego.

Esta senhora disse que desde princípios do século XIX que a Bôla de Lamego é reconhecida pela sua tipicidade, mantendo-se a sua produção até aos nossos dias.

Atualmente, também já se fabricam em pastelarias, embora o fabrico tradicional se mantenha mais em estabelecimentos que outrora foram tabernas e em casas particulares.


Pois bem, ao final da tarde, ainda com o sol alto, fomos tomar dois finos Super Bock, geladinhos. Enquanto bebíamo-los, reparei que duas pessoas foram buscar a bôla, previamente encomendada. Inferi que deviam ser de boa qualidade. Portanto, encomendei uma para o dia seguinte. Escolhemos o recheio de carne em vinha d’alhos.



Well, na próxima vez escolherei outro recheio, provavelmente de bacon, toucinho, cebola...
A carne estava dura aqui, nervosa ali, escondida acolá...

Salvou o vinho do Douro, da Casa Bastos, que me acompanhou todo serelepe.



Anteriores:

Bolsonaro concede entrevista exclusiva ao Jornal da Record antes de deixar hospital

Depois de nove dias internado por conta de uma cirurgia para a correção de uma hérnia, o presidente Jair Bolsonaro recebeu alta nesta segunda-feira (16).

Antes de deixar o hospital, em São Paulo, ele concedeu uma entrevista exclusiva ao repórter Thiago Nolasco.


Entre outros assuntos, Bolsonaro confirmou que estará na Assembleia Geral da ONU, comentou a situação do preço do petróleo no mundo e ainda falou sobre uma postagem do filho Carlos Bolsonaro sobre democracia.

Bolsonaro ainda descartou a volta da CPMF e disse como está sua relação com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.


Título, Texto e Vídeo: Jornal da Record, 17-9-2019

Relacionados:

Bolsonaro diz que sancionará projeto que amplia posse de arma no campo

Presidente retoma as atividades nesta terça-feira

Pedro Rafael Vilela

O presidente Jair Bolsonaro chegou na tarde desta segunda-feira (16) ao Palácio do Alvorada, residência oficial, após ter recebido alta, mais cedo, do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde se submeteu a uma cirurgia no abdômen no dia 8 de setembro. O avião presidencial pousou na Base Aérea de Brasília por volta das 17h, e o comboio oficial chegou à residência oficial 30 minutos depois.

Aguardado por alguns apoiadores, o presidente desceu do carro na entrada principal do Alvorada e conversou rapidamente com jornalistas presentes. Ele disse que retoma os trabalhos amanhã (17) e que vai sancionar o Projeto de Lei 3.715/19, que amplia a posse de arma em propriedades rurais. A medida foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 21 de agosto e aguarda sanção presidencial.

Foto: Adriano Machado/Reuters

Perguntado se vetaria algum item do projeto, o presidente acrescentou que não leu ainda o texto aprovado, mas que vai garantir o direito à posse de arma. "Eu não vi o projeto, vou ver amanhã. Mas eu não vou tolher mais ninguém de bem de ter a sua posse ou porte de arma de fogo."

Segundo o projeto aprovado pelo Legislativo, fica autorizada a posse de arma em toda a extensão de uma propriedade rural. A medida garante ao dono de uma fazenda, por exemplo, o direito de andar com uma arma de fogo em qualquer parte de sua propriedade. Atualmente, a posse só é permitida na sede.

Perguntado se vetaria algum item do projeto, o presidente acrescentou que não leu ainda o texto aprovado, mas que vai garantir o direito à posse de arma. "Eu não vi o projeto, vou ver amanhã. Mas eu não vou tolher mais ninguém de bem de ter a sua posse ou porte de arma de fogo."

Eduardo Braga entrega relatório sobre indicação de Augusto Aras à PGR

Agência Senado

O senador Eduardo Braga (MDB-AM) [foto] entregou nesta segunda-feira (16) relatório sobre a escolha de Augusto Aras para procurador-geral da República. Para o relator, Aras cumpriu todas as exigências técnicas e legais necessárias à indicação ao cargo. Entre elas, o compromisso apresentado ao Colégio de Líderes e declarado em carta entregue ao senador de devolver a carteira de advogado à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além de se retirar da Sociedade Aras Advogados Associados, caso seja aprovado no Senado.

Foto: Marcos Oliveira/ Agência Senado
A análise do relatório é o primeiro item da pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na próxima quarta-feira (18). A presidente do colegiado, Simone Tebet (MDB-MS), deverá conceder vista coletiva aos senadores para que conheçam melhor o teor do relatório. A sabatina de Augusto Aras deverá ocorrer no próximo dia 25, pela manhã. Se for aprovada, a expectativa é que a matéria passe a tramitar em regime de urgência podendo ser submetida a Plenário na tarde do mesmo dia.

Favorável
Eduardo Braga ressaltou que o fato de o nome de Aras não estar na lista tríplice composta a partir de votos dos membros do Ministério Público Federal não é um impedimento e adiantou que votará a favor do indicado e que acredita que serão muitos os votos favoráveis no Senado.
— Obviamente que, todos sabem, essa é uma votação secreta. E cada senador terá absoluta liberdade para manifestar seu voto. Mas o espírito que eu ouço dos diversos senadores, tanto daqueles que apoiam o governo, daqueles que são independentes, daqueles que são da oposição, muitos deles têm manifestado uma posição favorável à aprovação do nome do doutor Augusto Aras — disse.

Independência
Em relação à Operação Lava Jato, que o senador considerou “um bem muito precioso da sociedade brasileira”, a expectativa de Braga é de que “seja respeitado o Estado Democrático de Direito”. Ele também defendeu a posição de independência do indicado e a autonomia da PGR.

[Para que servem as borboletas?] Somos capazes de nos guiar moralmente pelo livre arbítrio?

Valdemar Habitzreuter

Somos realmente donos de nossa vontade de poder escolher livremente entre o sim e não? Há controvérsias...

Sabemos que a Natureza rege-se por leis deterministas; isto é, não há propriamente uma liberdade da Natureza que possa causar efeitos segundo escolha voluntária. Não existe uma vontade da Natureza. Tudo acontece necessariamente.

A lei da causalidade é o que impera na Natureza. Os efeitos são causados com estrita regularidade e necessidade…

Pois bem, o que somos nós na Natureza? Por acaso não fazemos parte da Natureza? Nossa vontade realmente existe com a qual podemos fazer escolhas livremente? Não seria uma prepotência do ser humano colocar-se diferenciado dentro da Natureza?

Na verdade, somos racionais e essa racionalidade é uma faceta da Natureza que deve ser exercida no conhecimento das causas que determinam nossos comportamentos.

Não há, propriamente, vontade com a qual podemos nos guiar por escolhas. Portanto, o livre arbítrio é um subterfúgio que não tem sentido. Na realidade somos regidos pela lei causal igual à que rege a Natureza.

Assim, nossas paixões - que nada mais são que afecções que nos marcam e determinam nossos comportamentos - fazem parte de nossa natureza e impossíveis de serem erradicadas através de um ato de vontade própria.

O procedimento a ser seguido deve ser outro: deve ser racional; isto é investigar a causa que nos afeta. Descoberta a causa saberemos nos orientar moralmente. Assim, se uma paixão for uma força que diminui nossa capacidade de nos comportar moralmente, é necessário contrapor uma outra capaz de poder, se não anular, ao menos enfraquecê-la.

De degrau em degrau a razão se aperfeiçoa na busca das causas da dependência de paixões negativas que nos prejudicam e nos elevamos ao conhecimento intuitivo que nos envolve em união mística com a Natureza ou Deus. Esse é o fim a alcançar: a vida feliz...
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 17-9-2019

Colunas anteriores:

Democracia e factoide


No último dia 12, a procuradora Raquel Dodge, que deixa esta semana a chefia do Ministério Público Federal, proferiu um significativo discurso de despedida. Significativo porque foi em plena Suprema Corte do país, diante dos ministros do Supremo. Mais significativo ainda porque deixou no ar a impressão de que a democracia está em perigo.

Depois do usual cumprimento “a todos e todas”, ela disse: “Faço um alerta para que fiquem atentos a todos os sinais de pressão sobre a democracia liberal, uma vez que no Brasil e no mundo surgem vozes contrárias...”. Fica-se esperando a identificação dessas vozes contrárias, porque está no papel da Procuradoria identificar quem se insurgir contra as leis e as instituições que são os instrumentos da democracia. Mencionar democracia liberal leva a pensar na ideologia do Ministro da Economia, Paulo Guedes.

Talvez a procuradora, na despedida, quisesse comemorar o Dia Internacional da Democracia, festejado pela ONU no último domingo. Talvez quisesse dar uma cutucada no Supremo, de onde partiu censura a “Crusoé” e ao site “O Antagonista”. Talvez tenha querido se referir à tuitada do vereador Carlos Bolsonaro, que se queixou da demora a que são submetidas reformas na vigência do sistema democrático. Talvez tenha sugerido que devemos ficar sempre atentos a tentativas de impor por aqui regimes semelhantes ao de Cuba e da Venezuela. Talvez esteja se queixando das imperfeições da democracia, que permite que o poder Legislativo possa tentar barrar investigações do Ministério Público. Talvez, talvez, talvez...

[Aparecido rasga o verbo] De lembranças e... Esquecimentos

Aparecido Raimundo de Souza

SEU JUVENAL DE NOVENTA, e dona Catarina, de oitenta e oito, resolveram procurar um médico porque ambos andavam extremamente esquecidos. Nas mínimas coisas a serem lembradas, dentro de casa, dava um branco e pronto. A cada dia, esse incômodo do não atinar com o que procuravam, parecia aumentar e criar formas mais acentuadas e assustadoras.

Chegaram ao ponto de não conhecerem os filhos e netos, quando apareciam para almoçar ou jantar, nos finais de semana, sem contar que seu Juvenal guardava as dentaduras no congelador e dona Catarina metia o gato de uma das netas para dormir no forno de micro-ondas e para se achar, dia seguinte, uma loucura só.

Diante disso, marcaram com um especialista indicado por dona Judite, uma vizinha também idosa (quase na casa dos cem. Dona Judite matara o cachorro e escondera o corpo do infeliz dentro do carro do filho e comunicou a toda a vizinhança que seu papagaio loro sumira da casinha que ficava na porta da cozinha sem deixar pistas) e, no dia aprazado, foram ter com o clínico no endereço que a idosa escrevera num pedacinho de papel de pão e a secretária do cidadão confirmara por telefone.

Depois de papear com o casal por quase três horas ininterruptas, o geriatra explicou:
- Meus amados, não se preocupem. Isso é comum depois de certa idade. Sugiro que ponham imediatamente em evidência essa ideia simples que passarei aos dois. Além do que, como perceberão a coisa em si nada mais é que uma medida barata e, sobretudo, o mais importante, vocês vão se adaptar num abrir e piscar de olhos.  Tenho indicado aos meus pacientes (entre eles dona Judite) com os mesmos sintomas de vocês e folgo em dizer, tem dado certo. Minha mãe, por exemplo, nossa, que loucura! Chegou ao ponto de esquecer quem era o homem deitado ao lado dela, à noite, na cama. E esse homem não outro senão meu pai. Como podem ver... Coisas da idade...

Fez uma pausa breve e continuou solícito e amável como sempre:
- Vejam como é prático. Procurem anotar tudo num caderninho para não correrem o risco de deixarem de lado, ao acaso, as coisas mais triviais que necessitam fazer no dia a dia. Tipo. Hoje, às oito horas, levantar, ir ao banheiro, fazer pipi, tomar banho, escovar os dentes, fazer as necessidades fisiológicas, tomar café, lavar a louça do dejejum.  Ligar o rádio e ouvir o programa Clube do Rei, com músicas só do Roberto Carlos. Às onze horas, telefonar para meu filho, ou filha, e falar com eles sobre tal assunto... E assim por diante... Viram? Como eu disse uma ideia corriqueira barata e eficaz.

Seu Juvenal e dona Catarina voltaram para casa alegres e satisfeitos.  Passaram, a partir de então, seguir à risca o conselho do esculápio.  Anotar tudo o que carecia ser feito. Três semanas depois, quase onze da noite, estão os dois, de mãos dadas, assistindo a um programa de televisão, quando, a certa altura, seu Juvenal se levanta e dona Catarina indaga curiosa:
- Aonde você vai, meu velho?
- Agora deu para me controlar? Era só o que me faltava... Engraçadinha! Já que não deixa de ser bisbilhoteira, apesar da idade, vou ser gentil. Pretendo ir até a cozinha, como sempre faço todas as noites e tomar meu costumeiro copo de café com leite. Você sabe que adoro um cafezinho com leite antes de me recolher aos nossos aposentos reais.

Charada (1 030)

Qual dos seguintes
valores destoa
logicamente
deste grupo?







5 €, 10 €, 20 €,
30 €, 50 €, 100 €.

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

[Viagens & Destinos] Santuário de Nossa Senhora dos Remédios

Foto: JP

O Santuário de Nossa Senhora dos Remédios localiza-se na freguesia da Sé, cidade e concelho de Lamego, distrito de Viseu, em Portugal.

No topo do monte de Santo Estêvão, o santuário é atualmente parte integrante do panorama da cidade à qual está unido por um escadório cenográfico.

Foto: JP

Desde 1984, o Santuário de Nossa Senhora dos Remédios, incluindo a escadaria e parque, está classificado como Imóvel de Interesse Público.

História
A devoção popular no local remonta a uma capela, sob a invocação de Santo Estevão, erguida em 1361.

No século XVI, ameaçando ruína, foi demolida (1568), iniciando-se a construção de um novo templo, por iniciativa do bispo de Lamego. Na nova ermida foi depositada uma imagem da Virgem com o Menino.



Com o passar do tempo, a devoção a Santo Estevão diminuiu, substituída pela devoção à Virgem. A devoção dos que a ela recorriam em busca de alívio para as doenças deu origem, por sua vez, à devoção a Nossa Senhora dos Remédios.

O atual santuário foi principiado em 1750, e concluído apenas em 1905.

'Folha do Brasil' estreia telejornal diário



Folha do Brasil, 16-9-2019

União paga R$ 633,71 milhões em dívidas atrasadas de estados em agosto

Luciano Nascimento

O Tesouro Nacional pagou, em agosto, R$ 633,71 milhões em dívidas atrasadas de estados. Desse total, a maior parte é relativa a atrasos de pagamento de dívidas do estado de Goiás, no montante de R$ 233,94 milhões. Os dados estão no Relatório de Garantias Honradas pela União em Operações de Crédito, divulgado hoje (16) pela Secretaria do Tesouro Nacional.

As inadimplências pagas pelos atrasos do estado de Minas Gerais foram de R$ 198, 69 milhões e as do Rio de Janeiro, de R$ 190,79 milhões. No caso do Rio Grande do Norte, foram pagos R$ 10,29 milhões em garantia às dívidas.

As garantias são executadas pelo governo federal quando um estado ou município fica inadimplente em alguma operação de crédito. Nesse caso, o Tesouro cobre o calote, mas retém repasses da União para o ente devedor até quitar a diferença, cobrando multa e juros.

No acumulado de janeiro a agosto deste ano, o Tesouro honrou R$ 5,25 bilhões em dívidas garantidas dos entes. “O valor já supera os R$ 4,82 bilhões honrados em todo o ano passado, o que significa que o total honrado em 2019 será o maior da série histórica, iniciada em 2016”, informou o Tesouro.

As garantias honradas pelo Tesouro são descontadas dos repasses da União aos entes federados – como receitas dos fundos de participação e Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), dentre outros. Sobre as obrigações em atraso incidem juros, mora e outros custos operacionais referentes ao período entre o vencimento da dívida e a efetiva honra dos valores pela União.

Senadores convocam para a manifestação no dia 25 de setembro, em Brasília


[Atualidade em xeque] Brazil, paradise forever

José Manuel

Tinha tudo para ser, não é? Não vale a pena repetir aqui os chavões da pátria amada, pois todo mundo conhece. Mas também temos o lado obscuro da pátria madrasta, aquele que não nos deixa usufruir os benefícios da amada. Mas, só para o cidadão comum, bem entendido, porque para as castas mais elevadas do funcionalismo público, o paraíso está presente 24 horas ao dia.

Também já conhecemos praticamente tudo desse “paraíso" e como os cidadãos não tomam e não querem tomar atitudes contra isso, preferindo fazer manifestações “woodstok" em acalorados domingos, que jamais irão levar a algum resultado, também não precisamos aqui reproduzi-los, pois seria enxugar gelo ou pura perda de tempo.

Com o caso ocorrido no mês de agosto envolvendo AERUS/AGU/TUTELA, uma prática usual desse funcionalismo privilegiado vem à tona com a força e covardia do usual sem responsabilização dos eternos infringentes. É como se isso não existisse para os Deuses autárquicos, se sentindo à vontade para cometer os mais variados delitos. Mas existe! Só que o povo de "Woodstock ", não está nem aí.

Sem relembrar "Chamados de crimes funcionais, os delitos em questão são aqueles praticados por funcionários públicos, no exercício de sua função. Encontram-se previstos nos artigos 312 a 326 do Código Penal. Seu procedimento encontra-se entre os artigos 513 e 518 do Código de Processo Penal, em seu Capítulo II. "

Sem relembrar passados mais que conhecidos em que funcionários públicos graduados cometeram fraudes ou erros intencionais com prejuízos financeiros de enorme monta ao Estado, como foi o caso da compra da refinaria de Pasadena, só para ficar com este emblemático e recente caso, que causou um prejuízo à Petrobras, consequentemente ao Estado Brasileiro de US$ 1 bilhão de dólares, sem que ninguém tenha sido condenado a ressarcir os cofres públicos, vamos caminhado para mais um crime contra o Estado pelos outrora e atuais Deuses intocáveis do funcionalismo público no caso atual do AERUS.

Como todos os fundos de pensão arrasados pela União em seus mandos e desmandos, a VARIG teve ganho de causa em 2014, junto ao STF na ação chamada "Defasagem tarifária" e estipulada uma indenização por volta de três bilhões à época, com parte dessa verba destinada ao AERUS. Desde 2014 que os funcionários Varig/Transbrasil vêm pedindo à União um acordo que seria melhor tanto para eles assim como para o governo.

[Pensando alto] Duas cortes supremas e o caruru dos ministros

Pedro Frederico Caldas

O diabo pode citar as escrituras quando isso lhe convém.
Shakespeare

Quero refletir um pouco sobre duas cortes supremas. A Suprema Corte dos Estados Unidos e o seu correlato Supremo Tribunal Federal do Brasil.
               
Como os Estados Unidos criaram o sistema presidencial, à proporção que as colônias europeias nas Américas iam-se tornando independentes assumiam esse sistema. Não quero me estender no curso de uma história que todos nós estudamos nos bancos escolares.
               
Quero só timbrar que, passados quase oitenta anos da independência, foi proclamada a república brasileira, assentada numa constituição basicamente moldada por Ruy Barbosa, admirador do presidencialismo e do constitucionalismo americanos.
               
Criamos uma suprema corte à imagem da existente na já então mais de centenária e bem-sucedida república dos Estados Unidos. Acredito que as comparações, trazidas para o presente, ficam por aí.
               
Como conheço bem a nossa corte suprema, sua atual composição e costumes dos seus membros, venho de há muito procurando saber como vivem os membros da Suprema Corte americana.
               
Parece uma corte de fantasmas. Perpasso páginas da imprensa, leio artigos e sinto muita dificuldade em saber o que estão fazendo os seus membros, aqui chamados de justices.
               
São levados à suprema corte americana algo em torno de cinco a oito mil processos por ano. Vários desses processos são selecionados para que os advogados patronos das causas façam sustentação oral para demonstrar a importância e a repercussão do julgamento da causa pela corte.  O fato é que somente uns oitenta processos são selecionados para julgamento, e, além disso, as petições devem ser objetivas e não exceder, em tese, as 29 laudas.
               
Ora, se comparamos esses cerca de oitenta processos julgados pela Suprema Corte com as dezenas de milhares que são julgados por nosso Supremo Tribunal Federal, haveremos de concluir que os membros da Corte Suprema americana têm tempo à vontade para sair por aí flanando. E realmente têm.
               
Mas como é difícil você conseguir saber o dia a dia desses justices. Parece que são fantasmas. Mas minha curiosidade era e é grande para saber o que fazem esses senhores juízes. Sei que não ganham muito. Recebem por ano em torno de US$244,000.00. Alguns são ricos. Vários são professores de direito. O fato é que os seus ganhos são insignificantes ante o que aufeririam se estivessem em grandes organizações advocatícias. Às vezes ganham muito na edição de livros que escrevem.

Protetores de bandidos

Viver com amor

Nelson Teixeira

Tudo na Vida segue as Leis universais.

O sol nasce, se recolhe e volta a renascer, para brilhar novamente a cada amanhecer. Assim é a Vida, que de mãos dadas com o Tempo segue em frente sem esperar ninguém.

Daqueles que recebem as bênçãos de recomeçar e viver um novo dia, ela só espera que o melhor seja feito com alegria, sem esmorecer ou lamentar.

Sorria sempre mesmo que por dentro esteja chorando e, principalmente, faça da vida a escola de que tanto necessita para evoluir, tirando dela toda força, coragem e perseverança que necessita.

Assim como a natureza, renove-se, acredite, reconstrua e recomece, sempre com fé e esperança entregue-se à vida com amor.
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 16-09-2019

Charada (1 029)

Subtraindo
12 ao triplo
da idade da Camila,
obtemos 21.
Então, qual é
a idade
da Camila?

[Viagens & Destinos] Sintra/Porto por 5,29€!

Viagens diárias, até noturnas, da zona de Lisboa ao norte. Em autocarros premium com wi-fi, ar condicionado e DVD.

Patricia Naves

A partir do dia 27 de setembro, há um novo serviço de autocarro expresso que liga Cascais a Porto em menos de quatro horas — e por 5,29€.


A transportadora Scotturb lança uma nova carreira do seu serviço RoyalExpress que une as vilas de Cascais e de Sintra ao norte, sem mais paragens, diariamente e por preços irresistíveis.

Em comunicado à NiT, a empresa sediada em Cascais lembra que transporta atualmente de 250 mil pessoas por mês, sobretudo neste concelho e em Sintra e Oeiras, lançando agora o novo serviço regular. 

Este inclui oito circulações diárias, incluindo noturnas, com partidas do centro de Cascais, Sintra e Porto aliadas a diversas ligações e conexões em cada cidade.

A viagem de lazer ou corporativa acontece em autocarros premium, com acesso a wi-fi, DVD, casa de banho e ar condicionado. A consulta de horários, informações e reservas pode ser feita online.

domingo, 15 de setembro de 2019

[Discos pedidos] Roberto Leal (* 27-11-1951 † 15-9-2019)



Ministro Sérgio Moro visita o presidente Bolsonaro

FC Porto: sustão em Portimão

O Futebol Clube do Porto tomou um sustão em Portimão.

Jogando contra o Portimonense chegou ao intervalo vencendo por duas bolas. A primeira, de grande penalidade, aos 25’, por Alex Telles;
A segunda, por Zé Luís, aos 45’.

Aí, no segundo tempo, em três minutos tomou duas. De Dener, aos 74’ e Koki Anzai, aos 78’.

Cacildis! O Porto vai perder 3 pontos!? Tchau campeonato!

Aí, no último minuto dos acréscimos (90 + 8’), em sequência de escanteio marcado por Jesús Corona, Iván Marcano [foto] salvou muita gente do infarto!

Foto: André Vidigal/Kapta +
O Famalicão segue na frente, com 13 pontos. O Benfica e o Porto, com 12 pontos, estão na segunda posição. 

Majid Oukacha: « L’islam est une religion violente, misogyne et liberticide »

Entretien avec un "ex-musulman"

Daoud Boughezala

A 33 ans, le blogueur Majid Oukacha se définit comme un ex-musulman. Né en France, il consacre une grande partie de son temps à la critique des textes sacrés islamiques sur Youtube. Entretien.

Majid Oukacha

Daoud Boughezala. Pourquoi vous définissez-vous comme un « ex-musulman » ? 
Majid Oukacha. « Ex-musulman » n’est qu’une facette parmi tant d’autres de ma personnalité. Je me définis avant tout, de façon constructive, par ce que je suis et ce que je fais, plus que par ce que j’ai cessé d’être ou ce que j’aspirerais à devenir. Je me sens davantage un humain, un Français, un écrivain, un blogueur et un militant qui défend à la mesure de ses moyens les libertés individuelles qui lui sont chères, qu’un « ex-croyant ». Cependant, la spécificité identitaire pour laquelle je suis le plus connu dans la sphère publique est indéniablement le rôle intellectuel et politique de ma parole d’ex-musulman qui critique les fondements scripturaires de l’islam.

J’ai été musulman durant les 18 premières années de ma vie de la même façon que l’écrasante majorité des musulmans adultes du monde le sont encore aujourd’hui : par endoctrinement, depuis l’enfance. Un endoctrinement, éducatif par certains aspects et sectaire par d’autres, qui lie les musulmans à un Dieu big-brotherien qui les observe en permanence, qui espionne même leurs pensées les plus intimes, et qui menace surtout quiconque se détournerait de l’islam d’un enfer éternel après une résurrection post-mortem. Est-on vraiment libre de choisir sa foi ou d’y demeurer dans de telles conditions, face à un tel chantage apocalyptique, permanent et irrévocable ? J’accepte tout à fait l’étiquette d’« ex-musulman » comme un raccourci capable de me définir dans l’agora politico-médiatique contemporaine. Ironiquement, cette expression souligne d’ailleurs, par le refus volontaire de la soumission à la parole coranique déifiée, ma capacité à choisir librement, loin du fatalisme, et à penser par moi-même.

Comment avez-vous abjuré votre foi ?
J’ai cessé de croire en l’islam après une période de doutes intensifs, qui se sont étalés sur plusieurs mois consécutifs à l’aube de l’âge adulte. C’est néanmoins en réalité toute une enfance de questionnements croissants et cumulatifs vis-à-vis des lois et des dogmes islamiques qui m’a accompagné dans ma démarche d’apostasie. La plupart des ex-musulmans se justifient du fait qu’ils ont quitté l’islam en se basant sur des constats manichéens et moralistes que je peux tout à fait partager. L’islam est une religion violente, misogyne et liberticide, et de nombreux versets de ce Coran incréé censé citer Allah lui-même de la première à la dernière phrase sont là pour en attester. Ce qui m’a le plus fait douter de la divinité du Coran est le fait que les préceptes et les lois juridiques formulés par son auteur sont des paroles incohérentes, imprécises et difficilement applicables. Cela est assez aberrant pour un Dieu qui se qualifie de nombreuses fois dans le Coran de Juste, d’Omniscient, d’Omnipotent et, excusez du peu, de Parfait !



Je vais vous donner un exemple de mon point de vue critique tout à fait particulier sur ce Coran dont le caractère sacré n’engage en réalité que ceux qui y croient (pour paraphraser l’adage sur les promesses en politique !). Au verset 38 de la sourate 5 du Coran, Allah demande aux musulmans de couper la main du voleur et de la voleuse, tandis qu’au second verset de la sourate 24 de ce même Coran, Allah exige que celles et ceux qui font l’amour en dehors du mariage reçoivent 100 coups de fouet. Plus que la barbarie de ces châtiments corporels, ce qui me saute d’abord aux yeux ici c’est la suffisance et l’imprécision qui encadrent ces sanctions pénales dans le Coran. Allah ne précise à aucun moment dans le Coran quelle main du voleur il faudrait couper, ni le montant minimum du larcin à partir duquel il faudrait couper la main du voleur, ni l’âge minimum à partir duquel on peut imputer à une personne le crime du vol. De fait, qu’est-ce qui pourrait empêcher un islamiste désirant appliquer le Coran de se sentir la légitimité de couper la main d’un orphelin de 12 ans qui a volé une pomme parce qu’il était affamé ? Et Allah ne précise pas non plus les matériaux autorisés ou interdits dans le fouet qui flagellera celles et ceux qui font l’amour en dehors du mariage, ni la distance minimale ou maximale entre le fouettard et la personne fouettée, ni les parties du corps à fouetter ou à ne pas fouetter chez cette dernière. Il serait donc tout à fait possible de vider de son sang le corps d’une personne coupable de fornication si on mettait ce fouet de la justice coranique entre les mains d’un champion olympique du lancer de javelot…
Home