quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Vera Magalhães destrói a imprensa Fake News

A jornalista Vera Magalhães deu uma traulitada em toda a imprensa Fake News. Ela comentou sobre o caso de uma foto que foi estampada na maioria dos grandes sites e jornais de circulação nacional.



Na imagem, um homem aparecia “escondido” dentro da casa de Aécio Neves. A mídia reportou como se o tucano estivesse acuado em sua residência, só que na realidade se tratava de um assessor. Mesmo sabendo disso, a imprensa usou a foto e reportou como se fosse o próprio Aécio.


Título e Texto: JornaLivre, 18-10-2017

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

[O cão tabagista conversou com...] Dirnei Guedes: “Eu era um brasileiro puro sangue, que jogava papel nas ruas”

Nome completo: Dirnei André Guedes

Nome de guerra: André Guedes

Onde nasceu: 
Rio de Janeiro, Brasil


Onde estudou: Escola Normal Carmela Dutra e Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Que faculdade?
Meteorologia, mas só fui até o segundo período. A Universidade era em horário integral e eu precisava trabalhar.

Quando começou a trabalhar?
Comecei a trabalhar em 1968 como Professor Primário (ensino fundamental). Tive outras profissões.

Foi no Rio que deu aulas?
Sim, foi no Rio de Janeiro que dei aulas.

Por quanto tempo deu aulas?
Por mais ou menos oito anos.

Que outras profissões? Podemos saber?
Sim. Deixei o magistério e fiz concurso para Controlador de Tráfego Aéreo. Fui trabalhar no Controle de Aproximação (APP Brasília) no CINDACTA. Fiquei lá por, mais ou menos, três anos, quando ingressei na VARIG no setor de ‘Manuais de voo’.

Qual era exatamente a função do setor ‘Manuais de Voo’?
‘Manuais de voo’ cuidava da parte operacional dirigida aos pilotos das aeronaves. Eram manuais com rotas, planos de voo, descrição cartográfica dos aeroportos de todo o mundo que os pilotos consultavam sempre durante os voos. Alertava sobre obras nas pistas de taxiamento e restrições em rota, etc...

A minha parte era o NOTAM (Notice To Airmen). Eu fazia as traduções de mensagens internacionais de rádio sobre essas advertências e atualizava para os voos que partiam do Galeão. Não tínhamos e-mails nessa época.
Era um setor muito procurado por outras companhias aéreas que operavam no Galeão.

Por que era procurado?
Porque a Varig sempre foi muito respeitada por sua competência nesse setor.

O que lhe faz dizer que a “Varig sempre foi muito respeitada por sua competência nesse setor.”?
Porque trabalhei nele algum tempo e pude constatar a seriedade de como esses Manuais tinham de chegar perfeitos e atualizados às mãos dos pilotos. Eram cartas de navegação com procedimentos de pouso e decolagem de todos os aeroportos onde a Varig operava. Um mínimo erro num desses manuais e poderia comprometer um voo. Os Comandantes confiavam nesse trabalho. Esses manuais eram consultados pela Cabine de Comando a todo instante. Hoje, não sei como deve ser feito isso. Talvez não se necessite mais de um setor assim. Os Computadores fazem tudo.

A Varig era respeitada em todos os setores.

Uma empresa séria e competente em tudo que fazia. Era mais procurada para informações (suas lojas) no exterior, que os próprios Consulados do Brasil. Todo o setor de terra da Varig era muito profissional, as outras empresas sabiam disso e confiavam nos trabalhos produzidos pela empresa no Brasil. Excelência nos serviços.


Ficou no setor de Manuais até quando?
Fiquei no setor de Manuais de voo, uns dois anos, mais ou menos, até ingressar no voo como Comissário de bordo.

O que o levou a se transferir para o voo?
Na verdade, sempre fui apaixonado por aviões e velocidade. Me criei num subúrbio do Rio chamado Marechal Hermes. Nesse lugar existe até hoje a Base Aérea do Campo dos Afonsos, de forma que cresci vendo os aviões da Aeronáutica fazendo acrobacias na pista. Passava horas olhando tudo aquilo.

Cliente desfere pauladas com pregos na cabeça do Advogado: eis a Sentença dada por discordar do andamento processual

Fatima Burégio


Pauladas na cabeça, com pregos encravados nas pontas, favorecendo maior dano e apressando a possível morte do advogado.

Posso imaginar o diálogo interno do agressor quando desferia golpes no profissional:
- Você precisa morrer!
- Quem mandou não pagar 300 pilas que me deve!
- Morra, infeliz!

Este relato não é um devaneio da articulista que assina esta matéria, mas um caso chocante ocorrido domingo no Sertão de Pernambuco, na pacata cidade de Serra Talhada.

Um advogado atuante na cidade, com 56 anos de idade, foi severa e covardemente agredido com golpes de pauladas certeiras na cabeça, e, como se não bastasse, o instrumento utilizado ainda estava cravado de pregos em suas pontas.

O crime chocou o Estado.

A pergunta que não quer calar:
- O que levaria o agressor a desferir brutalmente várias pauladas no crânio do Dr. Domingos Sávio de Lima, advogado probo, diligente e bem visto na região?

A resposta:
- Segundo relato do agressor, o advogado estava lhe devendo trezentos reais.

Brasil: a direita conservadora tende a ir para o segundo turno na eleição presidencial de 2018

Cesar Maia

1. A presença permanente do deputado Jair Bolsonaro em segundo lugar nas pesquisas pré-eleitorais realizadas por todos os institutos de pesquisa, não deve ser vista de forma personalista em função da imagem e posicionamentos do deputado. É provável que se as pesquisas incluíssem o nome de um General - destacado nas redes e na imprensa por suas declarações conservadoras -, haveria uma troca com Bolsonaro, que perderia alguns pontos nas intenções de voto.


2. Pesquisa recente do Instituto Paulo Guimarães, perguntando se os eleitores preferiam um presidente civil ou militar, 33% responderam que preferiam um Presidente Militar. Em outra pergunta, se para o Brasil seria melhor a Democracia ou um Regime Autoritário, 21,6% responderam que preferiam um Regime Autoritário. O Instituto Datafolha, em pesquisa de outubro, mostra que a direita + centro-direita somam 40% da preferência dos eleitores. E ao elencar opiniões sobre temas, 29% são a favor do cidadão possuir uma arma legalizada, 46% a favor da pena de morte, 83% a favor da proibição de drogas e 26% de desencorajar homossexualismo.

3. O instituto Pew de pesquisas, dos Estados Unidos, em pesquisa recente, em 38 países, perguntou sobre apoio ou simpatia por governos militares ou não democráticos. Folha de S. Paulo, 17/10: “Segundo a pesquisa, 23% dos entrevistados no Brasil dizem não gostar da democracia representativa e apoiam ao menos uma das três formas de governo: tecnocrático, militar ou com um ‘líder forte’. Nos 38 países, a média é de 13%, com 23% que dizem descartar formas de governo "não democráticas".

4. Quando a pergunta é feita especificamente sobre um governo militar, 38% dizem que a opção seria boa no Brasil, contra 55% que se opõem. Em todos os países, a média é de 24% de apoio a esse tipo de governo”.

Comunicação político-eleitoral. Sucesso com um novo discurso: invertido!

Cesar Maia

1. A atual e poderosa governadora de Tóquio, Yuriko Koike [foto], a mais popular política do Japão, introduziu em sua comunicação popular, em seus discursos e publicidade, um discurso invertido.


2. Não assume compromissos expansivos - como é o tradicional, o normal - do tipo construirei tantas estradas, tantas escolas, tantos hospitais, ou abrirei tantas vagas nas creches ou nas escolas ou nas universidades, ou coisas no estilo.

3. Ela faz um discurso afirmando seus compromissos que poderíamos chamar, talvez, de sustentabilidade.

4. Sua comunicação faz um enorme sucesso e aponta apoio amplo para seu grupo nas eleições do próximo dia 22 em que ela, mesmo não sendo candidata, pode provocar uma pressão sobre o parlamento para elevá-la a primeiro-ministro.

5. Suas opiniões sobre economia ela chama de yurikonomics, usando seu próprio nome.

6. Seus compromissos gerais ou seus pontos ou prioridades, num futuro governo, para as eleições do dia 22, Yuriko Koike lançou dizendo o que paradoxalmente - não quer e fará. OS 12 ZEROS onde mostra sua "enorme habilidade no manejo de imagens e símbolos", como afirmam os analistas, conformam seu programa.

[Atualidade em xeque] A conversa, o túnel e a praia

José Manuel

- Você conhece, claro, a música; mas e a letra?
- Olha, pra te dizer a verdade, eu me enrolo sempre um pouco...
- Pra te deixar mais tranquilo, tem muitos políticos graúdos milionários e ricos jogadores de futebol, que não sabem nem a primeira estrofe. 
- Preste atenção!

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante
E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos
Brilhou no céu da Pátria nesse instante

Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte
Em teu seio, ó Liberdade
Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó Pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce
Se em teu formoso céu, risonho e límpido
A imagem do Cruzeiro resplandece

Gigante pela própria natureza
És belo, és forte, impávido colosso
E o teu futuro espelha essa grandeza

Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil
Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria amada
Brasil!

Deitado eternamente em berço esplêndido
Ao som do mar e à luz do céu profundo
Fulguras, ó Brasil, florão da América
Iluminado ao sol do Novo Mundo!

Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores
"Nossos bosques têm mais vida"
"Nossa vida" no teu seio "mais amores"

Ó Pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado
E diga o verde-louro desta flâmula
- Paz no futuro e glória no passado

Mas, se ergues da justiça a clava forte
Verás que um filho teu não foge à luta
Nem teme, quem te adora, a própria morte

Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil
Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria amada
Brasil!

- Nossa, a letra é arrebatadora, de um nacionalismo e devoção ao país impressionantes. Confesso que nunca prestei muita atenção nos detalhes.
- Pois deveria. Agora ouça a musicalidade deste Hino.

Nóbrega, 500 anos depois

Paulo Roberto Campos

Em São Vicente (SP), o Pe. Manuel da Nóbrega, abençoando as tropas que, sob o comando de Estácio de Sá, partiam para expulsar os invasores franceses do Rio de Janeiro. A seus pés, ajoelhado, vemos o Pe. Anchieta. Pintura de Benedito Calixto, Palácio São Joaquim (RJ).
O Padre Manuel da Nóbrega, qualificado a muito justo título de “Primeiro Apóstolo do Brasil”, nasceu em 18 de outubro de 1517 — exatamente há cinco séculos — em Sanfins do Douro, Província de Trás-os-Montes (Portugal), e faleceu no Rio de Janeiro em 18 de outubro de 1570, dia em que completava 53 anos.

O Brasil, em seu processo civilizatório, muito deve ao monumental esforço do Padre Nóbrega, que juntamente com o Padre Anchieta e outros heroicos missionários catequizaram, civilizaram e salvaram nossos indígenas, libertando-os de seus costumes tribais que incluíam práticas de bruxaria, canibalismo etc.

Hoje, entretanto, uma nova corrente de missionários indigenistas procura relegar e silenciar a memória desses gigantes da fé, e até mesmo desprezar sua fantástica epopeia.

Ao mesmo tempo, desejosos de deitar por terra o nosso passado glorioso, esses neomissionários esquerdistas agitam o País com arengas favoráveis ao primitivismo dos indígenas, promovendo, por exemplo, a demarcação de suas terras para que nelas vivam como num zoológico, distantes e sem o bafejo da civilização, inflamando-os contra os brancos, provocando uma fratricida luta de raças e de classes.

Em memória do V centenário do nascimento do grande Padre Manuel da Nóbrega, segue uma análise de Plinio Corrêa de Oliveira, extraída de sua obra Tribalismo Indígena, ideal comuno-missionário para o Brasil no século XXI, publicada em 1977.

“Quomodo obscuratum est aurum! Como chegou a tornar-se escuro o ouro! — exclama o profeta Jeremias (Lm. 4, 1).

Desde Nóbrega e Anchieta, a luminosa atuação dos missionários em nosso País consistiu em evangelizar, educar, civilizar nossos irmãos silvícolas.

Culpar Danilo Gentili pela demissão do repórter petista é mau caratismo. Diego Bargas é responsável pelo que faz…

Jonielson Malta


Anselmo Souza escreve, no Facebook:

Culpar Danilo Gentilli pela demissão do repórter é mau caratismo. O repórter pode fazer a matéria como quiser e o entrevistado tem o direito de falar sobre isso. Acabou o tempo em que os jornais não eram cobrados pelo que escrevem.

O que realmente incomoda os preocupados com a “intolerância” é o fato de verem suas mentiras confrontadas. Danilo Gentilli não “pediu a cabeça” do jornalista (como Lula fez com Sinara Policarpo). O que ele fez foi contestar e desmentir o repórter, além de postar a entrevista NA ÍNTEGRA para que você possa tirar suas conclusões, algo que o repórter devia ter feito.

Com as redes sociais, a imprensa é questionada como nunca fora antes e reage a isso produzindo notícias falsas e perdendo cada vez mais a confiança do público. Talvez seja hora de quem sabe, a imprensa entender que seu papel é mostrar o que o povo pensa e não tentar impor suas crenças. Só assim, um jornalista vai ter a decência não tentar enquadrar recortes da realidade em uma narrativa própria e assumir a própria responsabilidade frente a consequência de seus atos.

Essa outra mensagem encontrada no Facebook – e não tenho o nome do autor aqui – também vale a pena ser lida:

Vou resumir a treta entre Danilo Gentili e o repórter demitido da Folha:

Charada (428)

Qual é o
número
que vem antes do
número
que vem antes
do dobro de 
27?

Desapego

Nelson Teixeira

A liberdade é possível somente através do desapego.
Somente quando desapega do que é velho você se coloca disponível e aberto para receber o novo.

O apego envelhece porque te mantém preso ao velho.

Ele gera a ilusão de que a vida não tem graça porque você já conhece tudo.
O apego gera a ilusão da certeza e o desapego permite a experiência da aventura da incerteza. 
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 18-10-2017

QUIZ: Pintor holandês

Que pintor holandês, tendo primeiro trabalhado como missionário entre mineiros pobres, viajou para o Sul da França para captar nas suas pinturas uma nova luz, antes de se afundar na loucura?


A  – Karel Appel
B  – Kees van Dongen
C  – Willem de Kooning 
D  – Vincent Van Gogh

[Aparecido rasga o verbo] O Muro dos ventos uivantes

Aparecido Raimundo de Souza

A ALEMANHA DO ESCRITOR e romancista Thomas Mann, autor de “Os Buddenbrook” e “A Morte em Veneza”; de Michael Schumacher, automobilista, sete vezes campeão mundial; de Robert Koch, médico e patologista; de Sophie Scholl, membro da Rosa Branca, movimento da resistência alemã antinazista, comemorou recentemente vinte e oito anos da queda do BERLINER MAUER, ou MURO DE BERLIM, com a maior festa já realizada desde a noite do dia 9 de novembro de 1989, quando o governo comunista da República Democrática Alemã (RDA) liberou a passagem nas fronteiras entre o leste e o oeste do país, colocando fim definitivo na enorme barreira física que circundava toda a Berlin Ocidental (capitalista) da Oriental (socialista). Além de cindir a metrópole ao meio, simbolizou a divisão do mundo em dois blocos: República Federal da Alemanha (RFA) encabeçada pelos Estados Unidos e a República Democrática Alemã (RDA), sob a bandeira perversa das garras soviéticas.  
 
Construção do Muro, 1961
Embora o dia 9 de novembro (este ano caído numa quinta-feira) não seja feriado nacional no país, inúmeros eventos na capital promoveram a mesma união vista nos anos anteriores, oportunidade em que os berlinenses demoliram o emparedado de concreto (iniciado na madrugada de 13 de agosto de 1961, cinquenta e seis janeiros passados), igualmente o símbolo máximo da Guerra Fria (1946-1989), pedaço por pedaço.

O ponto ápice das comemorações aconteceu à noite, a partir das 19 horas, quando as autoridades esperavam uma multidão de quinhentas mil pessoas (turistas de mais de sessenta nações) se aglutinando na Praça de Paris, em frente ao Portal de Brandemburgo [imagem abaixo], símbolo da antiga divisão da cidade. No local onde ficava a chamada “Terra do Nada”, o terreno baldio que separava Berlim, várias bandas como Rammstein, Nena, Tangerine Dream e dezenas de outros artistas locais, como Andreas Bourani, Mark Forstes, Judit Holofernes incluindo roqueiros, fanqueiros e até alguns grupos folclóricos se apresentaram sobre o imenso palco montado. As “duas Berlim”, generosamente se espargiram num imenso mar de luzes. Realmente, um divertimento bonito, do qual tivemos o prazer de participar com toda a equipe da redação.


Lá estavam, entre tantos talentos, Elena Rostropovich, 69 anos, pianista e Olga Rostropovich, 61, violoncelista, filhas do notável e inconfundível Mstislav Rostropovich (falecido em 27 de abril de 2007, aos 80 anos). Ambas executaram obras de Bach e Villa-Lobos, acompanhadas por mais de cento e sessenta e cinco músicos de toda a Europa. Igualmente a Orquestra Filarmônica de Berlim, sob a batuta de Simon Rattle, deu um show à parte relembrando obras de Beethoven e Schütz. No final do evento, holofotes acesos simultaneamente no norte e no sul delinearam com focos elétricos toda a extensão dos cem quilômetros onde se ergueu a notória e, ao mesmo tempo, funesta e catastrófica construção.  

Realize Produções Fotográficas, São Paulo

Realize Produções Fotográficas, São Paulo
No vestíbulo de Brandemburgo centenas e centenas de peças de artifício pirotécnico, iluminaram com esplendor magnânimo, o folguedo adormecido dos alemães. Sem falar na imponente Fernsehturm, carinhosamente apelidada de “A Bola”, edificada no centro da Alexanderplatz, a mais importante Praça de Berlin. Com seus trezentos e sessenta e oito metros de altura, a estrutura mais alta de toda a cidade, indubitavelmente sobressaiu com elegância e garbo, se transfigurando nas cores incomparáveis do arco-íris, encantando, sobremaneira, a todos que desviavam os olhos ou circundavam a sua excelsitude e esplendor.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Alguém ajude o Costa

Gabriel Silva

Suponho que o atual primeiro-ministro tenha amigos políticos e conselheiros. Alguém rapidamente lhe deite e mão e o ajude, sob pena de ele continuar de cabeça perdida a dizer e fazer asneiras que não apenas o envergonham, como comprometem seriamente o país.

Alguém que lhe diga que anunciar que na quarta-feira irá reunir com a associação de vítimas do incêndio de Pedrógão para discutir a reforma da floresta e o sistema de prevenção de incêndios deixa os cidadãos de boca aberta de espanto;

Alguém lhe diga que repetir muitas vezes num discurso ao povo a expressão «relatório de comissão independente» e «reforma da floresta» perante o número de 41 mortos, assusta bastante…;

Alguém lhe diga que afirmar aos portugueses perante a tragédia de 100 mortos em dois dias de incêndios de que «estas coisas se irão certamente repetir» é completamente de loucos;

Foto: Paulo Pimenta

Alguém lhe diga que um dia terá de assumir a sua responsabilidade na negociação e contratação do SIRESP, sistema que é hoje objeto de chacota nacional, apesar de custar milhões aos contribuintes;

Regra da natureza

Nelson Teixeira

Os rios não bebem sua própria água.
As árvores não comem seus próprios frutos.
O sol não brilha para si próprio.
As flores não espalham suas fragrâncias para si mesmas.
Viver para os outros é uma regra da natureza.
A vida é boa quando se está feliz, mas a vida é muito melhor quando os outros estão felizes. 
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 17-10-2017

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Comercial da Garoto proibidão! Meninos não disfarçam o desejo por meninas e... mulherões

Após assistirem ao vídeo, deletem por favor. Se descobrirem, você pode ir preso. Trata- se de um vídeo antigo que trata meninos como meninos.
Rô Figueiredo


Relacionados:

Mundial 2018: Portugal vai defrontar Arábia Saudita e EUA em dois particulares

A seleção portuguesa vai jogar dois encontros particulares, a 10 e 14 de novembro, com Arábia Saudita e Estados Unidos. A data dos jogos coincide com a do play off para o Mundial 2018.

A seleção portuguesa vai defrontar a Arábia Saudita e os Estados Unidos, a 10 e 14 de novembro, em dois encontros particulares de preparação para o Mundial2018, anunciou esta segunda-feira a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

O encontro entre a seleção campeã europeia e a Arábia Saudita vai disputar-se a 10 de novembro no Estádio Municipal de Leiria, enquanto a recepção aos Estados Unidos está marcada para 14, no Estádio Algarve, ambos com início às 19:45.

As datas dos dois encontros coincidem com as dos ‘play-off’ de apuramento para o Mundial2018, competição na qual Portugal e Arábia Saudita já garantiram presença.

No único encontro oficial disputado com a seleção da Arábia Saudita, de preparação para o Mundial2006, Portugal venceu por 3-0.

Frente aos Estados Unidos, que não marcarão presença no Mundial2018, Portugal soma duas vitórias, dois empates e duas derrotas.
Título e Texto: Agência Lusa, Observador, 16-10-2017

Relacionados:

Como o eleitor vota. 2018 não será diferente. Os binômios políticos

Cesar Maia

1. Existem dois vetores políticos que atraem os votos dos eleitores. E as alternativas dos eleitores entre eles formam uma combinação de quatro hipóteses.

2. Esses vetores políticos são: Conservadores e Liberais. Conservadores na Economia ou intervencionistas. Liberais na Economia, com um intervencionismo mínimo. Conservadores nos Valores, que se poderia resumir como Valores Cristãos. Liberais nos Valores em relação à vida (aborto), em relação à família, e em relação ao comportamento.

3. Pesquisas nos últimos anos procuram entender as tendências políticas não mais na clássica disjuntiva direita/esquerda, ou mesmo nas alternativas partidárias. Para isso, fazem perguntas sobre economia, estado, comportamento, família, sexo, etc., aos eleitores.

4. E, em seguida, agrupam os eleitores nas quatro hipóteses citadas.
1) Liberais na economia, Liberais nos valores;
2) Liberais na economia, conservadores nos valores;
3) Conservadores na economia, liberais nos valores;
4) Conservadores na economia, conservadores nos valores.

5. A Direita tanto pode afirmar-se liberal como conservadora na economia. Mas sempre se afirma como conservadora nos valores. A Esquerda será sempre conservadora na economia e liberal nos valores. Raramente se encontra uma representação política liberal na economia e liberal nos valores. Esta última hipótese é de baixa atratividade eleitoral, pois confunde os eleitores.

6. Quanto mais claras as opções políticas nestas hipóteses e alternativas, mais fácil o eleitor identificará sua representação. Usando as pesquisas recentes e a movimentação dos pré-candidatos, se vê que Lula é claramente conservador na economia e liberal nos valores.

Bolsonaro, sempre conservador nos valores, recentemente fez uma opção por ser liberal na economia em sua viagem aos Estados Unidos. Com isso, sua candidatura passa a ter uma imagem mais nítida.


7. O PSDB, seja com Alckmin como com Dória, afirma-se conservador nos valores. Na economia, com ambos, afirma-se liberal, embora de forma mais nítida com Dória.

Marina, enquanto personagem, flutua na economia entre afirmações liberais e conservadoras e, da mesma forma, em relação aos valores. Isso já ficou claro em 2014 e fica muito mais claro hoje. Dessa forma, será difícil aglutinar maiorias.

A matéria da Record que enterrou a campanha de ódio da Rede Globo contra o povo

mrk

Abaixo você pode assistir, na íntegra, a matéria do “Domingo Espetacular” deste domingo.

A matéria transformou a elite artística da Rede Globo em pó.

A reportagem mostra especialistas comentando o absurdo que é expor crianças à pornografia.

Assista:


Título e Texto: mrk, Ceticismo Político, 16-10-2017

Relacionados:

Sócrates & Companhia Ilimitada

Alberto Gonçalves

Em tempos, faltava pouco para que o fervor dos devotos por Sócrates suscitasse imolações pelo fogo. Hoje assobiam para o lado e preferem que o indivíduo se imole sozinho. Nem a lepra assustava assim.

Na quinta-feira à noite, a senhora dona Constança Cunha e Sá explicou na TVI o principal motivo pelo qual a acusação de José Sócrates não vale a atenção de pessoas ilustres: não trouxe, cito, “surpresas”. Pelos vistos, trinta e um crimes não bastaram à referida jornalista, que aparentemente gostaria que o antigo primeiro-ministro fosse acusado de coisas inusitadas como o abuso de pinguins ou o roubo de tubos de escape. Na verdade, a senhora Dona Constança Cunha e Sá gostaria que José Sócrates não fosse acusado de todo.

Tratou-se de um raro e bonito momento de solidariedade para com o menino que sonhava com ventoinhas e apartamentos em Paris. Em tempos, faltava pouco para que o fervor dos devotos por José Sócrates suscitasse imolações pelo fogo. Hoje, os devotos assobiam para o lado e, à cautela, preferem que o indivíduo se imole sozinho. Nem a lepra assustava assim. Uma rápida consulta às capelinhas virtuais da seita apenas encontra silêncio e distrações. Enquanto os “media”, com discrição e fastio, davam as novas da “Operação Marquês”, no blogue do peru emproado que enfiou o “engenheiro” na Sorbonne discorria-se em volta de “Che” Guevara: em outubro de 2017, até a associação a um psicopata parece comprometer menos do que a intimidade com o “autor” de “A Confiança no Mundo”. E este é um mero exemplo. Por regra, e à semelhança dos milhões movimentados nas negociatas, os amigos de José Sócrates sumiram sem rasto nem vergonha.

O facto é tanto mais notável quanto os amigos de José Sócrates eram imensos. Alguns, fiéis à força, continuam a fazer-lhe companhia nas quatro mil páginas do processo. A maioria passeia-se sorridente. Sorridente e amnésica. Se o pacote de acusados constitui uma amostra razoável da oligarquia que regularmente enxovalha o país, convém notar que, por definição, as amostras deixam o resto de fora.

Sócrates só pode ser julgado pela história?

Rui Ramos

Tivemos um primeiro-ministro cujas despesas pessoais eram pagas secretamente por um dos empresários com mais contratos com o Estado. Quando é que os políticos nos vão dizer o que pensam disto?

Perante a acusação contra José Sócrates e Ricardo Salgado, a nossa oligarquia fecha-se em copas: temos de esperar pelo fim do julgamento. Na quarta-feira, alguém fez contas: o julgamento nunca começaria antes de 2019, não acabaria antes de 2025 e, com os recursos, o caso só transitaria em julgado aí por 2030. Não sei se será assim, mas há precedentes para tais vagares.

Ora, se aplicarmos a regra, muito querida da oligarquia, de que não podemos pedir a um político uma palavra ou uma linha sobre o assunto enquanto o caso estiver a ser tratado “no lugar próprio”, isto significaria que o regime, confrontado com o maior escândalo da sua história, poderia fingir que nada aconteceu até pelo menos 2030. Como será o mundo daqui a treze anos?

Vamos entender-nos: a coberto do processo judicial e da invocação perversa e imprópria de princípios constitucionais como a separação de poderes e de figuras jurídicas como a presunção de inocência, há quem espere reduzir a mais grave indignidade deste regime a uma questão de interesse meramente histórico.

Temos mesmo de esperar pela sentença? Não, por três razões. Primeiro, porque o princípio da separação, que salvaguarda a autonomia de cada poder do Estado, e a presunção de inocência, que garante os direitos do cidadão perante o Estado, não existem para condicionar a liberdade de expressão e impedir o debate público, fundado na opinião legitimamente formada pelos cidadãos a partir da informação disponível.

Segundo, porque aquilo que já foi admitido por José Sócrates em público é mais do que suficiente para uma crise de regime: Portugal teve um primeiro-ministro cujas despesas pessoais eram secretamente pagas pelo administrador de uma das empresas que mais contratos obteve do Estado durante o seu governo. No mundo, tem havido grandes escândalos por muito menos.

Artistas milionários só andam de carro de blindado no Rio, mas muitos apoiam desarmamento e bandidagem

mrk

Uma matéria recente do Extra mostra que no Rio de Janeiro cada vez mais os artistas milionários andam de carros blindados. De acordo com Elana Viana, diretora da Blindaquo, que está há 11 anos no mercado, está faltando frota para atender tantos pedidos.

“Durante o Rock in Rio, por exemplo, ficamos sem veículo para locação tamanha demanda”, conta ela.

Entre os clientes de blindagem para carros estão Simone e Simaria, Carolina Dieckmann, a ex-BBB Adriana Sant’Anna, Preta Gil, Pablo Vittar, o jogador Leo Moura e o humorista Ceará.


“De cada dez cotações, duas são para blindados contra fuzil”, conta Elana, que já está pensando em formar uma frota com esse tipo de proteção: “Só carros muito potentes podem ter uma blindagem dessa, que pesa muito um carro normal”.

O mais curioso é que é exatamente essa elite artística que adora fazer campanha pelo desarmamento, mesmo andando com seguranças armados.

O general, a procuradora Natasha e a burla

Maka Angola

Os augúrios pós-eleitorais de que haverá uma alteração no estado de coisas com a mudança presidencial e a subida ao pódio de João Lourenço têm estado a cair por terra. Um setor onde é evidente que nada mudou é o da justiça.

A família do general António Francisco de Andrade constitui o melhor exemplo da continuidade estagnada dos abusos de poder e da justiça que apenas serve para garantir a impunidade dos mais poderosos e o castigo dos mais fracos.

Como prova, a 12 de setembro passado, o Quarto Cartório Notarial de Luanda celebrou a escritura pública de transmissão de direito de superfície de um terreno de 3874 metros quadrados na Ilha de Luanda, a favor da procuradora da República Natasha Sulaia e Santos Andrade Santos [foto]. A magistrada funciona na 10ª Secção dos Crimes Comuns – Violência Doméstica (Tribunal Provincial de Luanda).


Esse terreno, onde foram construídos 48 apartamentos de luxo, foi adquirido ao Estado por um valor equivalente a 400 mil dólares, em 2013, e vendido à procuradora Natasha Santos pela soma equivalente a 2700 dólares (10 milhões de kwanzas). Como se operou um tal milagre?

Na realidade, o direito de superfície do terreno pertence a uma empresa de direito angolano: Illico – Comércio e Prestação de Serviços Limitada. Aqui, de forma ilícita, o pai da procuradora, general António Francisco de Andrade, fez-se gerente, a 26 de outubro de 2016.

A Illico é uma empresa detida a 100 por cento, em última instância, pela sociedade offshore Angola Development Ventures Holding Ltd (ADV), que, por sua vez, é detida pela Africa Growth Corporation, sedeada nos Estados Unidos da América e registada na Comissão de Valores Mobiliários (Securities and Exchange Commission).

QUIZ: Provença

Um certo pintor da Provença iniciou-se nos pressupostos estéticos e conceptuais do Impressionismo e posteriormente ultrapassou-os para antecipar a geometria do Cubismo. De quem se trata?
 
Monte Sainte-Victoire, 1895
A  – Paul Signac
B  – Paul Cézanne
C  – Gustave Moureau 
D  – Pierre Puvis de Chavannes
Home