sexta-feira, 16 de outubro de 2015

A borracha e os incompetentes e ladrões

João Bosco Leal

Desde seu descobrimento, o Brasil passou por diversos ciclos, como o do pau-brasil, do açúcar, do café, do algodão, do cacau e o da borracha, cujo leite, extraído de uma árvore, proporcionou muitas descobertas e aumentou muito as possibilidades de sua utilização pelos seres humanos.

Só depois de todo esse processo de aprendizagem e do surgimento da possibilidade de lucros com sua colheita é que surgiram as pequenas trilhas nas matas virgens utilizadas pelos seringueiros em busca de árvores que já produzissem, como as ainda existentes no Acre e não Amazonas.

Da utilização dessas trilhas surgiram diversas outras aprendizagens, como a de que o homem, quando caminhando por uma delas encontrava uma pequena nascente ou mesmo um leito d'água. Os que nelas paravam para saciar sua sede aprenderam que jamais poderiam, nessa ocasião, aproveitar sua parada para também urinar próximo daquela nascente, pois nossa urina contém sal e logo o local estaria sendo pisoteado por animais selvagens que ali viriam em busca desse sal e, com seu pisoteio, acabariam com a nascente, impedindo assim, que o próximo que ali passasse pudesse daquela água beber.

Mas aprendizados que só são extraídos pela convivência direta com a natureza, como este, levaram décadas, séculos para serem do conhecimento humano e, ainda assim, somente daqueles que com esses locais convivem e, até hoje, novas utilizações para a borracha extraída daquela seringueira são descobertas, seja utilizando-a pura ou misturada a outros produtos.

Por isso, pela utilização cada vez maior desse produto e diante das dificuldades e riscos da colheita na natureza - com árvores distantes umas das outras e a consequente baixa produção e lucratividade -, os homens passaram a plantar as seringueiras em áreas contínuas, como uma lavoura de grãos, buscando uma maior produção para o fornecimento a grandes indústrias de pneus e outros produtos.

O que ocorreu com a borracha é o que ocorre com todas as descobertas realizadas pelos seres humanos. Assim que descobrem uma utilização para aquele novo produto ou objeto, buscam um modo de expandir sua produção para que todos possam utilizá-lo e, assim, possa ser comercialmente explorado.

A exploração comercial de qualquer produto gera empregos, impostos e divisas para o país. Com seu salário aquele que obteve emprego fará novas aquisições, gerando novos empregos e mais impostos. A arrecadação de impostos possibilita ao governo criar escolas, hospitais, melhorando a saúde e o nível educacional e cultural da população que, mais preparada, terá mais ideias, criará mais comércio e indústrias, gerando ainda mais empregos, produção e impostos que, em excesso, poderá ser exportada e seus rendimentos possibilitarão a importação do que o país necessita por não produzir, ou por produzir em quantidade insuficiente.

Com a arrecadação, o governo precisa construir toda a infraestrutura necessária para continuar crescendo, como a maior geração de energia que permita aumentar ainda mais a produção e a criação de novos empregos, além de uma maior e melhor malha viária, que possibilite o transporte desse excedente de produção até os portos e aeroportos, para que seja exportado. 

O raciocínio que trás do ciclo da borracha até o comércio exterior de um país, passando pela saúde e educação de seu povo, além da infraestrutura necessária para que este país continue crescendo me parece simples, mas pelo visto não é o que pensam os PeTistas, os Marxistas e Socialistas que tomaram o controle geral do país nos últimos treze anos, pois cada vez mais estamos piorando em todos estes setores.

Ou os brasileiros tiram do poder os incompetentes que estão saqueando e destruindo tudo o que já havia sido construído, ou em um período muito curto passaremos da oitava economia mundial, para um país de terceiro mundo. 
Título, Imagem e Texto: João Bosco Leal, jornalista, escritor e empresário, 16-10-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-