terça-feira, 13 de outubro de 2015

O universo desencantado


Jonathas Filho

A vida é restritiva, e por uma série de razões que a própria razão desconhece não permite que alguns sonhos se tornem realidade porque um dia... o nosso tempo acaba.

Hoje (8 de setembro) pela manhã, observei uma postagem que um amigo fez numa rede social, de um vídeo que mostra a “dança” da Terra e de Venus, ao longo de um período de oito anos. A imagem geométrica depois de formada é muito graciosa e é muito interessante vê-la sendo criada desde o início, nesse rodopiar espacial. Para ver essa maravilha, acesse aqui.

Milhares de giros desses dois planetas durante esse tempo são harmônicos e organizados e, de certa forma, nos mostra como o Universo é inteligente.

Há quase dez anos, além da tão conhecida morosidade judicial, as ações que tramitam nos tribunais, para que seja feita justiça aos Aposentados do Aerus, continuam  “dançando” ao sabor de recursos, embargos, pedidos de vistas e outros dispositivos legais que eu, apesar de leigo, considero que não são justos. E as imagens que se formam são sombrias, desanimadoras. 
          
Voltando à luz, as figuras geométricas que aparecem no universo dos participantes deste fundo de pensão são bastante conhecidas.  São imagens das cruzes dos enterros de participantes cristãos ou da estrela formada por dois triângulos sobrepostos vistas nos túmulos dos colegas judeus.

Eles não puderam esperar para ver nos caleidoscópios de suas vidas, outras imagens com combinações variadas e agradáveis, num efeito visual que tinham o direito de ver e sentir.

Também não viram a cor do dinheiro que pagaram nem sentiram o intenso prazer de saber das sentenças serem cumpridas no Universo das Leis, como deveria ser.

Mas, o Universo é vasto, infinitamente imenso e ainda está em expansão.

Porém, no universo dos participantes do Aerus, principalmente quando me refiro aos aposentados, ocorre exatamente o contrário, pois parou de se expandir em 2006 e entrou em contração, decrescendo, definhando e restringindo as nossas existências, sendo coerente dizer  que isto abreviou a vida de muitos dos nossos colegas.

Ontem, para desencanto desse universo, repetiu-se um fenômeno no Congresso Nacional e vários “pralamentares” - prá lamentar mesmo - se eclipsaram daquele Fórum e rimando, não houve Quórum para que fossem votados certos Vetos e, em seguida, o Projeto de Lei que nos habilitaria a receber nossos proventos que foram “pro” vento desde Abril passado. E nessa ventania, estamos nós... esperando a tempestade passar.

Cumpre-se lembrar que nesse tempo, alguns desses corpos “celestes” mudaram de rumo no espaço, para orbitar numa “estrela” que pode se tornar um buraco negro. Estão sendo atraídos e correm o perigo de serem “sugados” pela força gravitacional desse corpo maior, se mantidas as intenções de ocupar um lugar de destaque em outras galáxias e num lapso...  podem sumir.

No espaço sideral, o tempo não existe, mas aqui na Terra o conceito de tempo e espaço nos obriga a saber que o tempo é uma espécie de lugar por onde se anda. Mesmo parados, estamos nos movendo nessa dimensão chamada tempo. Na Física, o tempo pode passar mais rápido para uns e mais lento para outros.

Se você estiver andando, as horas vão ser mais vagarosas para você do que para alguém que esteja sentado no sofá preguiçosamente, olhando a banda passar.
                                                                       
Nesse sentido, o tempo deixa de ser um valor universal e passa a ser relativo ao ponto de vista de cada um

Neste nosso universo desencantado do Aerus, com tudo isso que nos tem afligido e que quase nos retira  a paciência e a esperança por um tempo melhor; isto tudo nos remete à indignação, frustração e profunda  revolta. Repito o que um grande amigo intelectual, escreveu em certa oportunidade:              
                                           
 “Milhares não acreditam, tampouco se levantam e talvez só reajam quando for tarde demais”.
O nosso tempo, um dia acaba e cada dia somos menos.

Portanto, não podemos nem devemos nos perder nesse tipo de depressão; continuemos nessa caminhada, gritando por justiça e que o Universo conspire a nosso favor.
Viva a vida! 
Título e Texto: Jonathas Filho, 8-10-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-