quarta-feira, 15 de março de 2017

Num país livre, até os idiotas desrespeitosos são protegidos pela liberdade de expressão

Rodrigo Constantino

A Primeira Emenda Constitucional dos Estados Unidos é bem clara em garantir a liberdade de expressão do povo. E esse valor sempre esteve bem enraizado na sociedade americana, até que a esquerda “politicamente correta” começasse a falar em “safe spaces”, ou seja, os “lugares seguros” para que “minorias” não se sintam “ofendidas” com “microagressões”. É tudo bem patético, claro, e tem ameaçado esse importante pilar do liberalismo no país.

Mas ainda se trata de um amplo direito respeitado. Especialmente se for a liberdade de expressão de alguém da “minoria”, e para atacar a ordem estabelecida. Foi exatamente o que aconteceu nesse mercado em Harlem. Um negro extremamente abusado e desrespeitoso, usando um boné com a bandeira de Cuba, começou a ofender gratuitamente dois policiais no estabelecimento. Reparem na reação dos policiais, em como mantiveram a calma e toleraram o imbecil:


O “anarquista” ridiculariza os policiais por supostamente receberem um salário sem produzir nada (segurança, que tal?), ao contrário dele, que “produz” muita coisa útil à sociedade (como esses vídeos toscos). E faz essa crítica ridícula usando um boné com Che Guevara, com a bandeira do regime comunista cubano, com um estado totalitário!

Ou seja, trata-se de um completo energúmeno, mimadinho, deformado pela sociedade moderna que confunde liberdade com libertinagem. O sujeito merecia umas boas palmadas da mamãe, que não soube educá-lo direito. Mas mesmo um idiota desses tem sua liberdade preservada, garantida pelo governo americano.

E o pior é ver depois a vitimização que as “minorias” fazem o tempo todo, inclusive tentando pintar a polícia toda como racista. Quem foi racista ali foi o rapaz abusado, que falou em “white shit” em determinado momento. A polícia apenas ficou observando a estupidez do delinquente, e chamou reforço com toda razão, atenta a qualquer ato que cruzasse a linha da lei.

Enquanto ficasse só nas ofensas gratuitas, tudo bem. Pergunto: que país “terrível” é esse em que um sujeito desrespeitoso desses pode falar tanta bobagem e ridicularizar um policial e seu trabalho e ainda ter sua liberdade protegida pelo mesmo policial? Não é para qualquer nação…

PS: A esquerda “tolerante” chama esse desrespeito de “liberdade de expressão”, mas acha legítimo usar a violência para impedir a palestra de um conservador numa universidade. Os valores esquerdistas são completamente invertidos!
Título e Texto: Rodrigo Constantino, 15-3-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-