sábado, 22 de abril de 2017

A absurda leniência da justiça que pode eleger Marine Le Pen

Mais do que os tiros que mataram um policial gay, a lassidão que deixou à solta um terrorista criminoso e reincidente é um elemento de choque na eleição

Vilma Gryzinski

Forte, indignada, emocionada: Marine Le Pen apertou todos os botões certos na reação ao atentado na rua mais famosa da França. Foto: Lionel Bonaventure/AFP
Muitas pessoas que acompanham com certa atenção a política francesa chegaram à mesma conclusão ao ouvir as primeiras notícias sobre o terrorista que atacou policiais na avenida mais famosa da França: Marine Le Pen e François Fillon serão os mais votados no primeiro turno, amanhã.

Os que se informam através do New York Times e do Guardian devem ter concluído que o atentado não teria influência nenhuma e que a pior coisa que aconteceu foi o presidente Donald Trump tuitar especulando sobre seu peso no resultado eleitoral.

Só para lembrar, já que poucos se dão conta de que ele continua sendo presidente: François Hollande declarou recentemente que tinha “vontade de vomitar” ao ouvir certos comentários de Trump. Ele havia dito que “Paris não é mais Paris” por causa do terrorismo. Qualquer um pode concluir por si quem teve mais finesse.

Como têm jornalistas e comentaristas da mais mais alta elite, apesar de prejudicados pelas lentes ideológicas, tanto o Times quanto o Guardian, pilares do progressismo, começaram a emitir sinais de pânico diante de uma potencial ascensão de Marine Le Pen. Só os leitores muito distraídos não percebem.

O FiveThirtyEight, especializado em análise de dados e pesquisas, tentou se proteger: “A eleição francesa está muito apertada para cravar o resultado”. Não quer dizer muita coisa, exceto que o fiasco infligido por Trump ainda dói em quem tem algum senso de honra profissional.

A hipótese de dar Le Pen e Fillon no segundo turno decorre de um raciocínio que pode ser excessivamente simplista. O atentado à véspera da eleição levaria muitos franceses a voltar para Fillon, que era o candidato favorito antes de se implodir pelos empregos fantasmas para mulher e filhos.

MADONNA E KYLIE MINOGUE

Fillon era favorito justamente por seguir uma linha dura em relação a terroristas, locais ou estrangeiros, e à imigração leniente. Com a vantagem de não ter nem a bagagem pesada nem a ideologia conspurcada pelo passado de Marine Le Pen.

Agarrou-se à candidatura que parecia em estado terminal, abandonado até por aliados envergonhados com os vexames sucessivamente expostos sobre os salários pagos aos familiares. Os aliados mais leais também persistiram. Na falta de argumento melhor, começaram a falar nos “algoritmos” favoráveis a Fillon.

Seja por efeito dessas entidades misteriosas ou por algum outro motivo, Fillon ficou firme na faixa dos 20%. Marine Le Pen e Emmanuel Macron estavam na faixa de 22% a 25%. Ou seja, tudo embolado, principalmente por causa do grande número de eleitores indecisos.

O atentado na Champs Elysées pode ter uma razoável influência nesse processo de decisão. O policial assassinado por Karim Cheurfi dentro de seu carro-patrulha era quase um poster do bom mocismo. Perto de completar 38 anos, Xavier Jugelé ia mudar de ramo na carreira, saindo da área de policiamento de trânsito para a da policia judiciária.

Tinha participado das operações de rua na época do atentado contra o Bataclan, em 13 de novembro de 2015. Voltou à casa de shows quando foi reaberta, seis meses depois, num ato “simbólico” de defesa de “nossos valores cívicos” e rejeição ao terrorismo, segundo disse a uma revista.

Era gay, vivia em união estável com o parceiro e adorava cinema. Também gostava de Madonna e de Kylie Minogue. Guardava numa parede de sua casa duas cartas de agradecimentos de pessoas que ajudou a salvar num prédio destruído por uma explosão acidental.

O GRANDE PIOR

Os sindicatos da polícia estão revoltados. Muitos policiais têm sido visados por terroristas como Karim Cheurfi – que, por incrível coincidência, tem origem argelina. Um esclarecimento necessário, pois como ele é sempre descrito como francês e ponto final, alguém poderia imaginar que poderia ter brotado de algum ramo letão, cambojano ou havaiano. No caso mais ignominioso, um casal de policiais foi morto a facadas dentro de casa, na frente do filhinho.

A reclamação dos policiais é a mesma feita no Brasil, em outras circunstâncias: eles prendem, a justiça solta. Karim Cheurfi não era um ficha S – ou vigiado por islamismo radical – , ao contrário do que foi dito aqui inicialmente, mas deveria estar no fundo da cela mais funda que o sistema carcerário francês permite.

Estava solto por leniência revoltante do judiciário, que agora pode beneficiar Le Pen ou Fillon. Mesmo sem ficha S, tinha uma “capivara” espantosa. Desde 2016, haviam chegado informações de que Cheurfi falava em “matar policiais para vingar os muçulmanos mortos na Síria” – por outros muçulmanos, ressalve-se, embora a lógica não seja o forte dessa turma.

Detido em 23 de fevereiro passado por procurar conseguir armas e contatos através de um militante do Estado Islâmico, foi solto no dia seguinte.

O serviço de espionagem, DGSI, abriu uma investigação sobre ele em março por causa desses sinais ativos e evidentes de intenção terrorista. Mas não foi considerado de periculosidade alta.

Cheurfi vinha de um histórico de violência contra policiais que, por si, exigiria maior cumprimento do dever dos encarregados de proteger a sociedade. Como Damastor Dagobé do conto de Guimarães Rosa, era o “grande pior” nesse ramo. Em 2005, foi condenado por três tentativas de homicídio. Dois dos esfaqueados eram irmãos e policiais em treinamento.

JUIZ BONZINHO

Beneficiado por regressão de regime e outros artifícios perfeitamente legais, embora igualmente revoltantes, foi solto em 2013. Um ano depois, voltou a seu ambiente natural, condenado a quatro anos por assalto. Saiu no ano seguinte, em regime de liberdade vigiada que imediatamente tratou de descumprir: não podia deixar o país, mas mesmo assim foi para a Argélia. Um juiz bonzinho aceitou a explicação de que tinha viajado para se casar.

Marine Le Pen teve a melhor reação ao atentado. Num discurso forte, claro e emocionado, propôs, entre outras medidas, a expulsão de todos os estrangeiros com indícios de atividade terrorista. Qual é a parte errada disso, considerando-se que os enquadrados teriam proteção legal e provavelmente uma greve de fome em peso de toda a esquerda francesa, em sinal de apoio? Por que um país tem que abrigar terroristas que declaram intenção de matar o maior número de pessoas que conseguirem?

Ela propôs também a cassação da cidadania francesas dos portadores de dupla nacionalidade que cometerem atos terroristas (proposta idêntica, feita pelo governo Hollande, não decolou). Mesquitas onde o extremismo é propagado incessantemente pelos imãs? Fecha. Os pregadores do ódio? Fora da França.

GUERRA ASSIMÉTRICA

Só um resumo sobre estilo – as propostas políticas e econômicas dos vencedores do primeiro turno serão analisadas posteriormente. Marine muitas vezes parece irônica demais. Não tem nada do “le chic français” , aquele invejável e inimitável estilo de se vestir e se comportar associado às francesas em geral e às parisienses em particular.

Não liga para roupas, usa maquiagem antiquada, tem rugas e barriguinha excessivas para seus 48 anos. Dá a impressão de estar louca para sair de qualquer compromisso público para tomar um vinho e fumar um cigarro – esta, com certeza, uma característica positiva para seu eleitorado.

No seu discurso de sexta-feira, ela acusou sucessivos governos de ingenuidade, impotência e leniência diante de “uma ideologia totalitária bárbara e monstruosa”.

“Esta guerra é assimétrica e monstruosa, é uma guerra na qual toda a população, todo o país são o alvo; é uma guerra que, obviamente, não podemos perder”

Emmanuel Macron declarou depois do atentado: “Esta ameaça, este problema imponderável, isso fará parte das nossas vidas por muitos anos”.

A eleição de amanhã também fará parte da vida dos franceses por muitos anos.
Título e Texto: Vilma Gryzinski, VEJA, 22-4-2017

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-