quarta-feira, 16 de setembro de 2020

Médico explica por que não faz sentido fechar escolas por causa da covid-19

Como argumento, Alessandro Loiola afirma que a taxa de mortes por covid em pessoas com menos de 19 anos é 0,0007%

Artur Piva

No Brasil, existem pouco mais de 60 milhões de habitantes com menos de 19 anos. Até 24 de agosto, menos de 500 pessoas nessa faixa etária haviam morrido vítimas da covid-19 no país. “A taxa de mortes por covid em pessoas com até 19 anos de idade é 0,0007%”, observou o médico Alessandro Loiola, em entrevista à rádio Jovem Pan de Maringá, na manhã de 9 setembro. “Simplesmente não faz sentido fechar escola. Não devia nem ter sido fechada, e não sei por que estão perdendo tempo discutindo quando vai abrir.”

Confrontado com o argumento de que essas crianças seriam responsáveis por levar o vírus para casa, Loiola relacionou uma série de profissionais que não permaneceram em confinamento durante a pandemia. “Policiais, médicos, enfermeiros, porteiros, motoristas de ônibus, taxistas, pedreiros, balconistas, lixeiros, jornalistas, funcionários de cartórios, lotéricas, mecânicos, pedreiros, frentistas, atendentes, lojistas, motoboys, seguranças, cozinheiras, técnicos de laboratório, faxineiros, operários, operadores de máquina, montadores de automóvel, farmacêuticos, cinegrafistas, radialistas, salva-vidas, aeromoças, pilotos, comissários de bordo, camelôs, socorristas do Samu e familiares que visitam pacientes internados, nenhum deles tem o risco de levar o vírus para casa”, ironizou. “Só a criança na bendita da escola.” 

Com mais de 400 mil habitantes, Maringá não registrou uma única morte por coronavírus em crianças e adolescentes. Segundo os dados atuais da Secretaria de Saúde do Estado, o mais novo dos 109 pacientes que foram mortos pelo vírus chinês no município tinha 21 anos — e somente dois com menos de 30 anos. 

Manaus

Sessenta dias depois de reabertas as escolas particulares de Manaus, nenhum caso de covid-19 foi registrado nelas. Um estudo coordenado pelo médico Fabio Jung, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mostrou que as crianças são menos suscetíveis à covid-19 e que o novo coronavírus é 4,5 vezes menos agressivo que o agente da gripe (influenza) na faixa etária até 14 anos. Ao detalhar o que vem acontecendo em outros países que já retomaram as aulas, o documento também comprova que a reabertura das escolas não acelera a transmissão do vírus. 

Apesar disso, a maior parte das cidades brasileiras está com as escolas fechadas por causa da pandemia de coronavírus há quase 200 dias. Um triste recorde mundial.


Título e Texto: Artur Piva, revistaOeste, 15-9-2020, 18h55

Um comentário:

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-