sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Sai da UTI, Brasil!

O avanço do processo de geração de riquezas depende da reformulação do Estado em modo de emergência. O socorro agora são as reformas

Guilherme Fiuza

Paulo Guedes disse que o Brasil vai surpreender o mundo. Isso foi no auge da pandemia. Agora o ministro da Economia diz que os sinais confirmam a tendência de recuperação nacional em V — ou seja: após a queda acentuada decorrente das paralisações, uma retomada econômica acelerada. Nesse cenário, o PIB cairia em torno de 5% (ou menos) — o que de fato seria surpreendente em relação à maioria das projeções iniciais, quando foi reconhecida a calamidade.


É ver para crer, nesse quadro tumultuado que derruba projeções a cada esquina e ninguém consegue saber onde é o pico da incerteza. O certo é que o risco Brasil fechou agosto no menor nível em seis meses — ou seja, retornou ao patamar de antes da pandemia, que por sua vez era o menor desde a ruína petista.

A arrumação da casa nos últimos três anos tinha resgatado o país da maior recessão da sua história — combinação de incúria e assalto — e ninguém diria que a recessão voltaria tão rapidamente, como acaba de ser constatado com a divulgação do PIB do segundo trimestre. Deve ter sido por pura identificação que Lula disse que “felizmente a natureza criou esse monstro chamado coronavírus”. De certa forma, o ex-presidiário fez o seu sucessor. Ainda vão brigar entre si para ver quem destruiu mais.

Os demagogos que radicalizaram as medidas de asfixia social agora fingem que o auxílio emergencial pode ser eternizado

Para quem é de construir, o nome do jogo agora é fugir da depressão — um flagelo que legaria vários anos de penúria até a recuperação dos indicadores pré-pandemia. Aí, sim, a covid deixaria Lula no chinelo. E uma segunda década perdida em tão pouco tempo muda os rumos de uma nação — para muito pior. O que o ministro Paulo Guedes está dizendo é que as chances dos brasileiros de escapar desse destino trágico são boas. Mas tudo depende dos próximos passos que o país (não só o governo) vai se dispor a dar.

Apesar do tombo pandêmico, a economia manteve os “sinais vitais” — como diz o ministro. Mas isso se deveu principalmente ao socorro governamental. O programa de transferência de recursos públicos para pessoas e empresas — entre auxílio emergencial, créditos especiais, adiamento de vencimentos e outras medidas — foi bem operado. A explosão do desemprego em decorrência dos bloqueios sanitários foi reduzida por regimes trabalhistas especiais para evitar demissões.

Muitas vidas certamente foram salvas pelo socorro estatal. Não foi um milagre. Foi a criação de uma dívida de quase R$ 1 trilhão. Como decolar em V com um papagaio desses nas costas?

Só existe um caminho: gerar riqueza num ritmo sem precedentes. Os demagogos que radicalizaram as medidas de trancamento e asfixia social agora fingem que o auxílio emergencial pode ser eternizado. Nenhuma surpresa. Sempre foram parasitas — e, como todo parasita, burros: atacam o hospedeiro para poder sugá-lo. Talvez por isso vivam repetindo que a pandemia veio para ficar. Suas chances de futuro se resumem a um surto que nunca acabe.

No Congresso, eliminou-se o componente refratário: a predisposição à sabotagem

O Estado fez a sua parte quanto à transfusão de sangue para a sociedade. Agora o futuro dela depende de sangue privado. E o caminho para uma performance excepcional no processo de geração de riquezas depende da reformulação do Estado em modo de emergência. O socorro agora são as reformas.

Para escapar de ser engolido pelo rombo da pandemia, o Brasil precisa completar a tríade da reestruturação do Estado — que se iniciou com a reforma da Previdência e se completará com a administrativa e a tributária. Há um excelente sinal no horizonte: 2019 foi um ano de grande conflagração política, e ainda assim Executivo e Legislativo se entenderam na hora de dar o grande passo; agora, por incrível que pareça — e com toda a instabilidade trazida pelo vírus do oportunismo —, o ambiente entre os dois poderes está menos inflamado.

Especialmente da parte de Jair Bolsonaro e de Rodrigo Maia vem se desenhando um pacto. Já foi afirmado quanto ao teto de gastos e quanto à reforma tributária. Isso não pressupõe ausência de conflitos e negociação fácil. Apenas retira o componente refratário — isto é, a predisposição à sabotagem. Basta isso.

Até no STF já surgiu, da parte do ministro Marco Aurélio Mello, a voz contra o jogo de armadilhas. Ou a Suprema Corte corrige seu rumo, ou ficará falando sozinha. A História reconhecerá — e recompensará — todos os que apostarem na união para salvar os brasileiros.

Título e Texto: Guilherme Fiuza, revista Oeste, 4-9-2020, 8h56

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-