domingo, 31 de maio de 2015

Peraí! Pode toda esta folga?


Descoberto o “segredo” do salário tão maior dos americanos!

Rodrigo Constantino
Trabalhadores brasileiros, uni-vos contra o sindicalismo!
Foi descoberto o incrível “segredo” do salário tão maior dos trabalhadores americanos em relação aos brasileiros, até então guardado a sete chaves. Tiveram que contratar a Scotland Yard e chamar pessoalmente Sherlock Holmes para solucionar um mistério tão impressionante. A resposta decepcionou todos os “intelectuais” e artistas brasileiros, assim como os “economistas” heterodoxos que sempre defendem mais intervenção estatal e sindicatos fortes.
Não, o salário tão maior não tem ligação alguma com a influência dos sindicatos nos respectivos países. Tampouco há elo com a quantidade de regalias que o governo garante, como décimo-terceiro, décimo-quarto, décimo-oitavo salário, vale-alimentação, vale-transporte, vale-cachaça, férias remuneradas, licença a maternidade, paternidade e amizade, nada disso! Pasmem, mas o grande segredo dos americanos é… serem mais produtivos!
O salário médio é quatro vezes maior do que o nosso? E o trabalhador médio americano produz quatro vezes mais do que o nosso também! Não é espetacular? Vejam:

Quatro trabalhadores brasileiros são necessários para atingir a mesma produtividade de um norte-americano.

A distância, que vem se acentuando e está próxima da do nível dos anos 1950, reflete o baixo nível educacional no Brasil, a falta de qualificação da mão de obra, os gargalos na infraestrutura e os poucos investimentos em inovação e tecnologia no país.

Fatores apontados por empresários e por quem estuda o assunto como os principais entraves para a produtividade crescer no país –e que também ajudam a explicar o desempenho fraco do PIB brasileiro nos últimos anos.

A comparação entre Brasil e EUA considera como indicador a produtividade do trabalho, uma medida de eficiência que significa quanto cada trabalhador contribui para o PIB de seu país.

O dado é do Conference Board, organização americana que reúne cerca de 1.200 empresas públicas e privadas de 60 países e pesquisadores.

Comemoração do Dia do Comissário de Voo no Rio de Janeiro


O Dia do Comissário de Voo tem sido comemorado de diferentes maneiras ao longo dos anos.
Foi assim ontem, sábado, 30 de maio, que reuniu dezenas de aeromoças e aeromoços, no restaurante Antigamente - Centro da Cidade, com o mesmo espírito de satisfação e alegria.


Fotos mostram a alegria do reencontro, a certeza de união, a disposição de ficar unido um ao outro até que um dia alguém se vá.


Will a UFO-themed hotel land in Baker, Calif.? See the fantasy photos:

Mary Forgione
Luis Ramallo is a dreamer — and now he wants you to back his dreams for a UFO Hotel in Baker, Calif.
The owner of Alien Fresh Jerky has launched a Kickstarter campaign to persuade you — lots of yous — to fund his $30-million hotel planned for the eastern California desert town of Baker. (That's also where his jerky business is.) It's a place known mostly for its giant thermometer, a constant reminder of just how scorching the temperatures can be.
You can get in on the ground floor for as little as $1.

The plan

Rendering of the UFO Hotel. (Copyright Alien Fresh Jerky 2013)


This is a full-on sci-fi fantasy space ship. The renderings on the Kickstarter website look like comic book creations of people in portals entering the hotel and laser-like beams of light shooting out from what looks like a multi-deck lobby/spacecraft deck.

Each of the 31 planned rooms will have a theme, such as space travel (featuring an asteroid field) and things such as weapons and transporter rooms. This from the Kickstarter description: "The UFO Hotel walkways allow you to move through the hotel as if you were traversing a spaceship, seeing only vast reaches of space, nearby planets and star systems in all their mystery and wonder."

The money

Rendering of the inside of the UFO Hotel. (Alien Fresh Jerky, copyright 2013)

The Kickstarter campaign seeks $175,000 in total donations, in increments from as little as $1 to $10,000. As of Thursday, the idea had caught the attention of 26 backers and raised $823. There are 50 days to go.

“Iremos bater-nos nestas eleições pelo futuro de Portugal”

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou hoje, em Vila Real, que as eleições legislativas ainda não estão decididas e garantiu que não tem medo de confrontar ideias com a oposição. 
Passos Coelho, que falava na sessão de encerramento do 1.º Congresso Distrital dos Autarcas de Vila Real, salientou que, até às eleições, a coligação terá que “trabalhar muito” e sublinhou que o Governo PSD/CDS-PP se conseguiu “livrar das pragas” dos que não queriam que o país saísse da “espiral recessiva”.

Pergunto-me se aqueles que não acreditaram ou se até acharam que não era mau para as eleições que nós tivéssemos falhado, se hoje não estariam em melhor posição para olhar para as eleições se nos tivessem ajudado em todo este processo”, frisou.

Mas como “escolheram não o fazer, hoje andam a ver se acertam com as sondagens e com os líderes para ver se, agora sim, conseguem dar brio à oposição e apresentarem-se como vencedores antecipados das eleições”, disse Pedro Passos Coelho.

Mas, na verdade, estas eleições que vamos ter lá para finais de setembro ou outubro não estão decididas”, garantiu.

Pedro Passos Coelho afirmou que governou “sempre a olhar para os mais vulneráveis” e frisou que “durante os anos de escassez” o Governo conseguiu preservar a “coesão social”.

Precisamos de nos concentrar nesse diálogo com os portugueses, falando-lhes do futuro bem como no que fizemos, mas dizendo à oposição que não temos medo de confrontar as nossas ideias com as deles”, frisou.

La Venezuela que se va y la que vendrá


Gustavo Coronel
Cada día que pasa la Venezuela de Hugo Chávez, Nicolás Maduro y sus familiares, amigos, cómplices, narcos, cooperantes, embajadores sin honor y parásitos de todo el planeta que le chupan el dinero a la “revolución” se revela como un pozo infecto de corrupción, de narcotráfico, asesinatos, secuestros y expropiaciones, todo lo cual la ha colocado en la primera línea de los regímenes forajidos del planeta. Los depósitos en Andorra, Suiza, Panamá y otros “paraísos fiscales”; el derroche de dinero del que hacen gala los boli chicos y otros contratistas de PDVSA o de algunas otras empresas del estado; las investigaciones internacionales (aquí nadie investiga) que relacionan a altos militares venezolanos y al mismo Diosdado Cabello con el narcotráfico; las amistades mafiosas de los familiares de los miembros de la pandilla, todo ello muestra como el chavismo ha llegado a ser una merienda de corruptos y como muchos miembros de la sociedad venezolana se han incorporado con glotonería a este festín de la podredumbre. Estos han sido años trágicos para Venezuela, años de profunda degradación moral, de cobardías insospechadas, de escasa fibra ciudadana en grandes sectores de la población. Venezuela se encuentra hoy en el grupo de los países más atrasados del planeta y esto es comprobable mediante el examen de los índices internacionales independientes. Una que otra organización como las FAO todavía elogia al régimen, ya que sus representantes en Venezuela han sido incorporados al séquito del dictador. Una que otra universidad, como la de La Plata en Argentina, recibe dinero del régimen para que le adjudique a Maduro un ridículo premio de opinión, tal y como lo hiciera con el muerto.

Una de las señales más fuertes de la desintegración del régimen tiene que ver con el número de cómplices del régimen quienes desertan, buscando impunidad para sus crímenes a câmbio de la delación de peces más gordos. Esta es una actividad odiosa pero que parece ser necesaria para castigar a los grandes capos del crimen y de la droga. Ya son varios y variados los delatores, a quienes también podríamos llamar patriotas cooperantes, similares en su naturaleza – son la misma clase de gente - a los sapos que le dan cuenta a Mario Silva, el sapo rey del régimen y a su asistente, el diminuto y defenestrado Ernesto Villegas.

Podemos não sabe o que queremos... mas nós, cidadãos, já não damos para esse peditório

Kruzes Kanhoto
Vai por aí um inusitado entusiasmo com os resultados eleitorais obtidos pelos movimentos políticos alternativos, constituídos por cidadãos alegadamente fartos dos partidos tradicionais, nas recentes eleições espanholas. Também já assim foi com o Syriza. Mesmo que a chegada ao poder daqueles malucos não tenha trazido nada de novo. Nem, sequer, conseguiu surpreender aqueles – entre os quais me incluo – que sempre acharam que aquilo ia dar, ainda mais, para o torto. 

Admito que possa ser o meu cepticismo a escrever mais alto mas, por mais que me esforce, não consigo lobrigar motivo para tanto entusiasmo. É que nós - em alguma coisa havíamos de ser pioneiros - já passámos por idêntica experiência. Há trinta anos, mais coisa menos coisa, tivemos o PRD. Um partido que teve o alto patrocínio do general Eanes, então Presidente da Republica, com uma retórica muito semelhante à destes “cidadãos” que tantos desejam ver replicados por cá. Deu no que deu. Ou seja, em nada. Daí que o país real, aquele que não anda pelas redes sociais e se está cagando para a intelectualidade bem pensante, não ligue peva a essa malta. Eles que vão fumando umas brocas enquanto discutem entre si se os unicórnios voam ou não. Nisso, reconheço, são bons e estão muito acima do comum dos mortais. 
Título, Imagem e Texto: Kruzes Kanhoto, 30-5-2015

Comove-me tanta generosidade

Kruzes Kanhoto
O Facebook é um lugar de indignação. Toda a gente se indigna por tudo e mais um par de botas. Parece assim uma espécie de doença contagiosa. Ontem foi a vez de um destacado militante socialista, ex-ministro e comentador residente de uma televisão, se manifestar indignado por um quadro famoso, obra de um não menos afamado pintor, ter sido vendido em leilão.


Defendia o senhor que o dono da pintura, em lugar de se ter abotoado com os trezentos e cinquenta mil euros que o novo proprietário lhe pagou, devia ter cedido o quadro a um museu onde pudesse ser apreciado pelo povo. Generoso, o homem. É notável o desprendimento da criatura relativamente aos bens materiais. Nomeadamente em relação aos que não são de sua propriedade. Como quase todos os socialistas, afinal.

Curioso é a quantidade de apoiantes que a causa granjeou em pouco tempo. Bem que podiam passar das palavras aos actos e tratar de, entre todos, fazer uma “vaquinha” para comprar o quadro e ofertá-lo a um qualquer museu. Ou, melhor ainda, sugerir que uma fundação dessas que se fartaram de receber apoios do Estado o compre. Isso sim, é que era uma boa malha! 
Título, Imagem e Texto: Kruzes Kanhoto, 30-5-2015

O almoço do trolha, de Júlio Pomar

Minha Homenagem às AEROMOÇAS/Comissários de Voo


Oscar Bürgel
Ao chegar o DIA da AEROMOÇA/Comissário de Voo – 31 de MAIO, sou tomado por um sentimento de saudades, carinho e nostalgia ao lembrar daquelas amigas/colegas de tantos anos, da base POA, SAO e RIO, e que por muitas vezes atravessamos a noite voando a bordo dos majestosos tapetes voadores da Pioneira.

E caminhadas, passeios e compras pelas longínquas e diferentes cidades que tivemos o privilégio de conhecer.

Aquelas interessantes colegas de trabalho com quem falávamos de: “bate-volta, briefing, checador, apresentação, Nova Iorque da missa, da baixaria de LAX, do wule wule, do shopping bag, do Hooters, do Carmine’s, do Bay Side, copetinho, da regulamentação”, e dezenas de outros assuntos específicos de tripulantes, eram também mulheres que administravam suas casas, sua vida financeira, vida sentimental, sua família, seus dólares, libras, franco, (agora euros) …



Entendiam de culinária, moda francesa, londrina, nova-iorquina, e nordestina.

sábado, 30 de maio de 2015

Arnaldo Faria de Sá – O novo salvador dos aposentados

Almir Papalardo

Arnaldo Faria de Sá
Aleluia!! Parece-nos que finalmente luziu um “arco-íris” no horizonte dos aposentados! Foi aprovado anteontem, pelo Senado Federal, o fim do Fator Previdenciário. Só por muita maldade e vingança por parte da presidente, que sempre demonstrou má vontade política contra os velhos aposentados, poderá rasgar a Carta de Alforria obtida pelos segurados, ou melhor, para os trabalhadores ativos que precisam se aposentar, vetando, o que de bom os senadores fizeram, libertando uma classe tão injustiçada e prejudicada como é a dos trabalhadores que se afastam pelo avanço da idade, do mercado de trabalho, sendo, obrigados a engolirem a seco a aplicação do malfadado Fator Previdenciário. –“Tomem logo uma chibatada que pode ser de até 40% de corte na sua aposentadoria, para irem logo se acostumando a todo reajuste aguentarem sem chiar outros pequenos cortes, porque, na verdade, a sua aposentadoria está fadada a ser reduzida para apenas UM salário mínimo”-. Bate o Martelo, perversamente, babando de satisfação pelos cantos da boca, a carrasca presidente...

Mas se o VETO de fato acontecer o que acarretará maior desgaste político para Dilma que está sentindo atônita o seu prestígio se esvaindo, coisa que jamais sonhava que pudesse acontecer pelo fanatismo de grande parte da sociedade, iludida por ter acreditado no carrossel de mentiras usado pelos atuais petistas, cabe então aos congressistas manterem a mesma determinação demonstrada, sendo certo que a presidente irá amargar mais uma vergonhosa e merecida derrota na Apreciação dos Vetos, idêntica àquela sofrida pelo Brasil contra a Alemanha quando fomos humilhados e achincalhados pelo inacreditável placar de 7 X 1.

Realismo patriota: entre o ufanismo boboca e o complexo de vira-lata

Rodrigo Constantino

O complexo de vira-lata, tão bem diagnosticado por Nelson Rodrigues, é derrotista e irritante, típico daqueles que só sabem criticar o Brasil e achar que não há lugar pior no mundo. Há, e o Brasil tem lá suas qualidades. Mas se esse complexo é irritante por um lado, pior ainda é o ufanismo boboca, típico daqueles que acham que o país é uma maravilha e usam lentes cor de rosa para enxergar nossa realidade totalmente distorcida. É o caso do economista Paulo Nogueira Batista Jr., apontado pelo PT para diretor do FMI. Em sua coluna de hoje no GLOBO, ele diz:

Estou há oito anos nos EUA e não posso dizer que me ambientei aqui — e muito menos que me afastei do Brasil. Esta coluna é uma das maneiras de que me socorro para manter o vínculo com o país.

Os EUA também têm, óbvio, toda a sua superestrutura de hábitos, conceitos e cacoetes. Não me acostumei. O brasileiro superestima o resto do mundo, particularmente os EUA. Temos muito a aprender com outros países, não há dúvida. Mas a recíproca também vale.

[...]
Mas, enfim, eis o que vejo à distância: o Brasil, por alguns dos seus traços, prefigura um futuro melhor, mais interessante, mais imaginativo para todos, inclusive os países mais remotos. Primeiro porque é um país que já nasceu aberto ao resto do mundo. E tem personalidade para absorver, criativamente, influências estrangeiras. Absorver, criativamente, quer dizer digerir, reprocessar e recriar a matéria-prima externa, como já ressaltava Oswald de Andrade. Fizemos isso por toda a nossa vida nacional. Não temos, como outras nações, medo de interagir com o novo, com o estranho, com o inusitado.

Os EUA são referidos como melting pot, um caldeirão de etnias, raças e culturas. Mas o verdadeiro melting pot é o Brasil. A fusão de diferentes nações se dá de maneira muito mais completa entre nós. Até povos mais exclusivistas e puristas, como os japoneses ou judeus, são de alguma maneira assimilados e integrados.

Recentemente, um sociólogo espanhol passou pelo Brasil e causou sensação, declarando que somos um país violento. Ora, a violência não é parte intrínseca da condição humana? O que é o homem senão um animal? Talvez o mais interessante deles, mas animal mesmo assim.

No quesito violência, o brasileiro não se destaca. Ao contrário. Só quem não respira dia a dia o ar que se respira no Brasil pode ignorar que a cordialidade, a afetividade, o carinho são marcas do modo brasileiro de viver.
Estou delirando?

Policiais aguardando para uma conversa amigável com os brasileiros cordiais…

Sim, está. O brasileiro não se destaca no quesito violência? Sério? Não é o que diz a estatística, com quase 70 mil homicídios por ano! Somos um dos países mais violentos do mundo, vivendo uma verdadeira guerra civil velada. Como o economista do FMI ignora esse fato? Talvez esteja longe demais de nossa realidade. Talvez tenha tomado um Prozac antes de escrever o artigo. Mas como negar nossa violência? O “brasileiro cordial” não passa de um mito, ou ao menos de uma exceção.

Travessia

Nelson Teixeira
Podemos fazer nossa travessia pela vida de várias formas…
Felizes e agradecidos pelas dádivas do Criador, ou infelizes porque não somos capazes de ouvir as suas súplicas para que voltemos ao caminho do bem…

Escolhemos nossos caminhos, nos utilizamos de nosso livre arbítrio, e prosseguimos conforme queremos…
Veja como está a sua travessia, se o seu egoísmo e orgulho estão prevalecendo…

Faça uma reflexão do quanto você está parado, diante dos ensinamentos do Criador…
Procure rever suas atitudes e pensamentos e sinta que o caminho a ser seguido é um só, não há vielas nem tampouco curvas…

O caminho nos colocado à frente é sempre reto, e cheio de surpresas para nossa melhora interior…
No decorrer de sua travessia pedras há de encontrar, mas se tiver fé e perseverança haverá de vencê-las todas, sem exceção, por isso paute em sua travessia o seu objetivo maior…

Vencer as provas e não sucumbir a elas…
A força de vontade e o poder da sua fé, farão de você um grande vencedor na linha de chegada. 
Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 30-5-2015

sexta-feira, 29 de maio de 2015

O Melhor Ator de Comédia, depois do "amado mestre". Perfeito. Merecia o Óscar

Ernesto Ribeiro

Rogério Cardoso, nota 10. Eu só assistia aquele programa para captar a vossa mensagem.

Em algum lugar além, você está enrolando magnificamente, como só os gênios fazem.



 Rolando Lero
O Melhor da Escolinha do Professor Raimundo 




Título, Coletânea e Texto: Ernesto Ribeiro, 29-5-2015

Relembre outros momentos:

Lembra-se da última vez que a economia portuguesa cresceu seis trimestres seguidos?

Marta Moitinho Oliveira
É preciso recuar aos meses antes da falência do Lehman Brothers, que aconteceu em Setembro de 2008, para encontrar um período tão longo de crescimento económico.



O número definitivo do PIB referente ao primeiro trimestre de 2015 foi hoje divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Em termos homólogos, a economia aumentou 1,5%, uma aceleração face à taxa de variação homóloga registada no final de 2014 (0,6%) e o crescimento mais alto desde 2010. Em cadeia, o PIB avançou 0,4%, mantendo o mesmo ritmo de crescimento registado na recta final do ano passado.

A procura interna assumiu o papel de motor do crescimento económico no período em análise. Quando se compara a evolução da actividade económica com o trimestre homólogo, a procura interna (consumo e investimento) é aliás a única responsável pelo crescimento de 1,5%. A procura externa líquida apresentou um contributo nulo.

O consumo privado aumentou 2,5% face aos primeiros três meses do ano passado, registando assim o sexto trimestre seguido de crescimento. O consumo de bens duradouros ajuda a explicar este aumento, observando um aumento de 14,4%, “reflectindo principalmente a evolução das despesas com aquisição de veículos automóveis”, diz o INE.

O maior contributo para a taxa de variação em cadeia, de 0,4%, veio também da procura interna, já que a procura externa líquida (exportações menos importações) teve um contributo negativo. 
Título e Texto: Marta Moitinho Oliveira, Diário Económico, 29-5-2015

Os erros da narrativa do PS sobre Segurança Social

João Miranda
Este artigo de Rui Cerdeira Branco tem todas as falácias sobre a actual narrativa do PS sobre a Segurança Social.

1. Cortar pensões a pagamento mina a confiança no sistema de pensões.
Errado. O facto de não se cortarem pensões a pagamento não acrescenta nada à confiança dos mais jovens no sistema. Estes sabem que a fórmula de cálculo já foi alterada e sabem que não terão pensões tão generosas.

Seja como for, a confiança no sistema de pensões é irrelevante, dado que o sistema é obrigatório e imposto por maioria democrática. Num contexto em que os pensionistas tendem a ser o grupo demográfico com mais eleitores, não há como os outros fugirem ao sistema. Por pouco que um jovem confie na Segurança Social, ele não tem escolha.

2. Cortar pensões hoje não garante dinheiro para as pensões futuras
As pensões actuais são pagas com dívida. Cortar as pensões actuais reduz as necessidades de endividamento. Logo, cortar  pensões hoje assegura que os pensionistas do futuro terão mais rendimento disponível.

3. O desemprego e os baixos salários tornam o colapso da Segurança Social é inevitável
Errado. Um sistema de Segurança Social bem desenhado adapta-se ao rendimento da geração que beneficia e é compartimentado em relação aos subsídios de desemprego (os quais por sua vez têm que se adaptar ao rendimento e aos descontos efetuados pelos beneficiários). O que poderá tornar o colapso da Segurança Social inevitável é a insistência em não corrigir os erros do actual modelo.

A truculência bolivariana de Paulo Pimenta contra manifestantes

Luciano Henrique

Renato Oliveira, do movimento Revoltados Online, tentou conversar com a deputada Maria do Rosário (PT). O deputado Paulo Pimenta [foto], também gaúcho e petista, reagiu como um bolivariano típico das hostes de Nicolas Maduro: cerceou o direito deles sequer chegarem perto de Maria do Rosário, agrediu o entrevistador, lançou falsas acusações (“quem está pagando você”, provavelmente projetando, já que petismo tem se tornado sinônimo de propina depois das revelações da Lava Jato) e, como era de se esperar, mandou a Polícia Legislativa se insurgir contra Renato.

Não deixem isso barato! Paulo Pimenta deve ser denunciado imediatamente ao Conselho de Ética da Câmara. Mas não apenas isso: exijam um posicionamento dos deputados não-bolivarianos. E eles são muitos. Na época em que atacaram Jair Bolsonaro sem qualquer motivo, vários deputados bolivarianos manifestaram-se contra ele. Então nós temos o direito moral, além de um dever moral, de exigir posicionamento de deputados contra o Sr. Paulo Pimenta.

Parabéns ao pessoal do Revoltados Online pelo vídeo muito revelador, que vocês verão abaixo. Mas não deixem (e este não é um recado apenas para os Revoltados Online) isso ficar só pela denunciação do vídeo. Paulo Pimenta tem que perder seu mandato por não ter condições de pertencer a qualquer organização humana que atue dentro das regras da democracia.

Tempo Zero

Ivan Ditscheiner

Ao iniciar o que lhe passo vem fortemente o relembrar de quando num rápido momento perguntei... Então tenho que lhe chamar de Senhor? A resposta "viva" chegou ao mesmo tempo da pergunta... Em sua casa todos - inclusive sua netinha - o chamam por você, você gosta disso? Respondi instantaneamente "eu adoro"!! Instantaneamente recebi... Eu também!

Vou usar a maneira coloquial de falar com você. Você está muito ferido neste momento de seu planeta, e intensamente necessitado de carinhosa e afetiva maneira que diminua a separação que vive na dualidade que existe em sua realidade, mas com outros propósitos totalmente inversos, sutilmente usados para o oportunismo voraz e da exploração de sua inocência com motivos óbvios que espero mostrar-lhe.

EU SOU - VOCÊ É. Na confecção de sua linguagem e na separação vigente são usadas letras maiúsculas para Mim, e minúsculas para você. Faz alguma diferença? A letra minúscula acentua uma separação que nunca houve. Lhe é familiar a frase dividir para governar? Deste modo vamos ao tratamento real do que você e eu somos.

Na divisão que fizeram de seu planeta, que são o alongamento de suas divisões familiares, você "nasceu" fisicamente num ponto em que usaram uma maneira de governar que você chama de vinte anos de arbítrio. Em função disso vejo sua dificuldade com o real sentido da palavra arbítrio, neste momento em que estão indo para a prisão os que deveriam arbitrar. Vamos trocar por livre escolha, para que você se sinta mais confortável. Aproveitando vamos trocar a palavra julgamento por observação. Pronto, agora podemos conversar melhor.

O tempo linear criado pela mente humana não existe. É só uma maneira de medir a distância entre um ponto e outro. É você que se desloca, não o tempo. Há "pouco tempo" você não precisava de "mais tempo" para se deslocar entre um lugar e outro, e de "menos tempo" agora para a mesma distância, com o advento de seus aviões? Quem se desloca, o tempo ou você? O homem engessou suas teologias e seus conceitos no que chamam de religião, alguns sistemas de leis civis que na essência oportunista parecem mudar mas não mudam.

Porém, este sistema nunca deixou de vencê-lo pelo medo, diminuindo-o pelo medo, extorquindo-o pelo medo, dominando-o pelo medo. Mas o "tempo" não pode ser engessado porque o Universo está em expansão. E agora como vão criar outro "tempo" para este "tempo que está passando tão rápido"? Nunca houve o "tempo". Tudo sempre é o Agora.

Você é um ser atômico. Sua ciência já mediu comparativamente a distância do núcleo aos elétrons que giram em volta de um único átomo. Mais do que da terra à Lua! Só o seu corpo físico é uma micro-galáxia de pura vida, jóia da engenharia divina! Agora falemos da jóia ainda infinitamente maior. Você em sua origem, esse mesmo você que envolve e anima toda essa galáxia física e tangível, assim como Deus envolve e anima o Universo infinito.

Charada (55)

O Eugênio, taxista, comprou uma pistola
e apostou com os amigos que, naquela
semana, atravessaria, sem problemas uma
estrada florestal infestada de assaltantes.
Na primeira noite, com a pistola em riste,
afugentou três homens vestidos de preto
que tentaram barrar-lhe a passagem e seguiu
viagem. Na segunda noite, afugentou três
homens vestidos de verde que tentaram
fazer-lhe o mesmo e também seguiu viagem.
Porém, na terceira noite, quando apontou a
 pistola a três homens vestidos de azul, não os 
afugentou nem seguiu viagem. Por quê?

Impressionante! E inacreditável como a imprensa lusa se tornou uma mera correia de transmissão esquerdista…

Olha só! Esta tarde li na revista “SÁBADO” uma matéria de duas páginas “SEXO EM TROCA DE VISTOS – O antigo embaixador de Portugal no Senegal foi condenado a quatro anos e meio de prisão por auxílio à emigração ilegal.”

Na matéria, não há nenhuma referência a… quando foi nomeado ou designado por quem…

Fiquei matutando…  muita ‘objetividade’ e ‘imparcialidade’…. hummm...

Aí, quando jantando, assisto ao telejornal da RTP1 (porque o televisor da cozinha não pega os canais da TV a cabo), uma matéria 'jornalística', fatos… sei… estranhei mais ainda… me lembrei das matérias e reportagens sobre um bandido de nome Duarte Lima.

Esse senhor foi deputado pelo PSD e, dizem, matou uma mulher no Brasil, Angra dos Reis… e corrompeu e se corrompeu... Lembro bem da martelação: a cada vez que se mencionava o nome dele era automática a ‘ligação’: ex-deputado do PSD, ex-deputado do PSD, ex-deputado do PSD, ex-deputado do PSD, etc…
Atenção! O citado teria assassinado a mulher  em nome ‘pessoal’, não em nome do PSD…

Aí, dizia, assisti à matéria na RTP1… e me lembrei de Duarte Lima.

Fui pesquisar, no Google,  quem era o embaixador… logo, de caras, aparece:
O embaixador português em Dacar, António Montenegro, foi chefe de gabinete de José Lello, entre 1999 e 2000, quando o actual deputado pelo PS exercia funções de secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Deu para sacar, generoso leitor?

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Onda de violência no Rio faz comércio oferecer escolta a clientes no centro

Hanrrikson de Andrade
Preocupados com a onda de assaltos e esfaqueamentos no Rio de Janeiro, comerciantes do centro da cidade estão oferecendo escolta a grupos de clientes, principalmente mulheres, no percurso entre o estabelecimento e o local de trabalho ou estudo. A iniciativa partiu dos restaurantes localizados na rua Santa Luzia e na avenida Graça Aranha, onde almoçam trabalhadores de empresas como Petrobras, Vale do Rio Doce, Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio), entre outras.
 
Cartaz colado em poste alerta os pedestres para alto índice de assaltos na região do Arquivo Nacional, na praça da República, no centro do Rio
A escolta funciona de maneira informal e gratuita. Uma vez solicitada ao estabelecimento, os seguranças que trabalham para o comércio da região são orientados a acompanhar os clientes no trajeto de volta. "Tem umas duas ou três semanas que a gente faz isso. As pessoas pedem mais no sábado, quando o centro fica deserto", relatou um dos seguranças que atuam na rua Pedro Lessa, nas imediações do prédio do MEC (Ministério da Cultura) e da Ancine (Agência Nacional de Cinema).

Na região central do Rio, assim como na zona sul, há relatos constantes sobre a ação de criminosos armados com facas e outros objetos cortantes. Um dos casos mais recentes ocorreu na última sexta-feira (22), quando a turista chilena Isadora Ribas Carmona, 38, foi ferida no pescoço durante assalto na praça Paris, na Glória. O ladrão fugiu levando o celular da vítima. Ela foi atendida e liberada.

No sábado (23), estudantes do Ibmec (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais), situado na avenida Presidente Wilson, retornaram do almoço na companhia de um segurança do restaurante Benedito. Segundo uma aluna do curso de pós-graduação em Marketing Estratégico, o risco de assaltos faz com que os universitários saiam para almoçar em grupos de mais de dez pessoas. "Não está fácil andar pelo centro. Sentir medo é inevitável", afirmou ela.

A bola estourou...

Valdemar Habitzreuter
Rola... rola... rola, bola, ora bolas!

O fascínio que a bola proporciona aos espectadores num estádio de futebol é apaixonante e significativamente impressionante. Há aí uma verdadeira paixão a ponto de ser causa de lágrimas de alegrias e tristezas; causa de contendas que culminam em feridos e mortos; e outras causas por aí afora...

Ao rolar da bola, um turbilhão de emoções dormentes no íntimo de um espectador é extravasado e transformado em delírio ou frustração. Qual o mistério de um objeto redondo a rolar pelos gramados ter tanto poder de apaixonar milhares de pessoas mundo afora, hipnotizando-as a ponto de ficarem alheias ao mundo real? Seria uma fuga da ‘ingratitude’ que julgam obter da vida? Transcender o mundo cão que os assalta? Mas, por que uma bola e não outra coisa qualquer? Boas perguntas e difícil de responder.

Talvez devêssemos simplesmente responder que tudo o que é redondo rola mais fácil. Até cervejas há com rótulo imaginativo de bola com o apelo de descer redondo garganta abaixo. Assim também na vida, achamos que tudo o que se apresentar redondo é mais agradável, mais fácil de lidar, dá mais alegrias e satisfação.

Mas, há na redondeza da bola e da vida seus perigos e ilusões. Assim como a bola, que o jogador de futebol costumeiramente recebe redonda em seus pés, pode quicar em falso e desviar-se de sua trajetória ideal e o enganar, do mesmo modo, a vida muito redonda também tem o seu fascínio, mas que nos pode trazer ilusões e sofrimentos. É bom ficarmos em alerta a tudo o que é muito redondo para não nos deixar levar por seus apelos emocionais que nos desviam da realidade nua e crua.

Assistimos ontem ao desmascaramento dos dirigentes da FIFA que acreditaram que a bola sempre lhes permaneceria redonda e, assim, poderem prosseguir com suas falcatruas (redondas?)...Mas viram que a bola estourou e acabou com a festa. Agora terão que enfrentar um mundo de emoções quadrado, quem sabe?, uma cela quadrada... 
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 28-5-2015

É a democracia, estúpido! Como a Segurança Social só é sustentável em ditadura

Carlos Guimarães Pinto

Alguns membros do Partido Socialista (por exemplo, o João Galamba aqui) têm afirmado que a Segurança Social deixou de ser sustentável devido à política económica deste governo. Vamos assumir então que isto é verdade. Vamos então fingir que tudo estava bem com a Segurança Social em 2011 quando o governo de Sócrates chegou perto de não ter dinheiro para pagar pensões. Vamos fingir também que a Segurança Social não tem obrigações a rondar os 200MM€, mas apenas 10MM€ em activos (menos de um ano de pensões) para cobrir essas obrigações futuras. Vamos fingir que nada disto é verdade e que, de facto, a segurança social era perfeitamente sustentável até este governo aparecer.

Se o PS acredita verdadeiramente nisto, só tem uma solução: defender a privatização do sistema de pensões. Se o PS acredita que basta uma má governação económica para colocar em causa décadas de descontos, deveria defender um sistema que protege os futuros pensionistas deste risco. Mas não, o PS continua a exigir aos portugueses que todos os meses depositem o correspondente a metade do seu salário líquido num sistema que assumem ser muito vulnerável. Em vez de devolver parte destes descontos para que os trabalhadores portugueses possam poupar para a sua reforma individualmente, comprando imobiliário, acções, depósitos, etc (até o falido GES tem mais activos para pagar as suas obrigações do que a segurança social), o PS quer continuar a obrigar os portugueses a contribuir para um sistema que consideram frágil.

Claro que há uma outra mensagem implícita no discurso do PS: a segurança social só é sustentável com o PS no governo. Ou seja, o problema não é o sistema em pirâmide da segurança social, o problema é a democracia. 
Título e Texto: Carlos Guimarães Pinto, O Insurgente, 28-5-2015

A importância da pergunta. Britânicos vão votar “sim” para ficar na UE

Já é conhecida a formulação da pergunta que será feita no referendo britânico à permanência da UE. Ao contrário da forma como foi colocada a questão no referendo escocês, a pergunta será pela positiva

David Cameron, foto: Facundo Arrizabalaga/EPA

Edgar Caetano
Deve o Reino Unido continuar a ser um membro da União Europeia?“. É esta a pergunta que será feita no referendo que David Cameron, o primeiro-ministro britânico, promete fazer até 2017. A formulação da questão terá agradado aos defensores da permanência na União Europeia (UE), já que a pergunta é feita de uma forma positiva, ao contrário da forma como foi feita a pergunta no referendo escocês.

Aos escoceses foi perguntado “Deve a Escócia ser um país independente?”, pelo que para manter a situação atual os cidadãos tiveram de votar “não“. Aqui, no referendo à permanência do Reino Unido, para que se mantenha a situação atual os britânicos terão de votar “sim“. A formulação foi revelada pelo governo britânico na véspera de David Cameron se lançar numa tournée nas capitais europeias para pressionar os outros líderes europeus a lançar uma reforma profunda das instituições europeias.

A importância da forma como se faz a pergunta foi analisada por alguns especialistas em ciência política citados pela BBC. “É a filosofia do Bob, o Construtor. É o tom Yes, we can (Sim, nós conseguimos) que foi usada por [Barack] Obama. É uma tentativa de ser o lado positivo da campanha”, afirmou Matt Qvortrup, da Universidade de Coventry.

Alex Salmond, uma figura destacada do referendo pela independência escocesa, diz à BBC que “não se brinca com a questão da formulação da pergunta. A pergunta deve ser direta e honesta” e salienta que “estar do lado do sim é importante”. O que não impediu, contudo, que o “não” tivesse vencido no referendo escocês. 
Título e Texto: Edgar Caetano, Observador, 28-5-2015

A grande regressão

Paulo Tunhas
A linguagem é sem dúvida um dos meios mais eficazes para nos fazer sair para fora da realidade e de fingir que ela não existe. A forma como o Syriza o está a fazer é deprimente.

Uma palavra que vem à cabeça quando se olha um pouco à nossa volta é: regressão. Na televisão, na ideologia, em muito discurso político, um pouco por todo o lado, volta-se atrás nas formas e nos conteúdos. Quase até à infância.

Comecemos pela ideologia. Sob a capa da novidade e da juventude, movimentos como o Syriza representam um retorno a formas arcaicas de pensar a sociedade e de lidar com a realidade. Há sem dúvida razões apontáveis para que tais movimentos tenham sucesso. Entre outras, a corrupção das elites políticas e, de uma forma muito significativa, o abalo provocado pelo sentimento de perda de soberania a que a chamada “construção europeia” conduziu muitos cidadãos dos Estados-Membros. Resta que a regressão ideológica que se observa – simétrica, de resto, do utopismo de muitos aspectos da dita “construção” – é deprimente e tendencialmente catastrófica, já que corresponde a uma negação daquilo que Freud chamava “princípio da realidade”.

O princípio de realidade manifesta-se, entre outras coisas, no reconhecimento de uma realidade exterior que não depende de nós; na aceitação de uma mediação entre o desejo e a sua satisfação; na dúvida quanto à justeza da nossa representação das coisas; na ideia de um compromisso entre os nossos desejos e as formas presentes da sociedade; e, finalmente, na ideia de uma imparcialidade que nos permita avaliar o acordo ou o desacordo das nossas representações com a realidade exterior.

Ora, se há coisa que o Syriza nos tem deprimentemente habituado desde a sua eleição, maximamente na figura do inenarrável ministro Varoufakis, é a uma minuciosa e repetida violação do respeito por cada uma destas condições. De nada são responsáveis; de mediações (se se quiser, cedências) para a satisfação do desejo, nem ouvir falar; nenhumas dúvidas quanto à justeza da sua representação do estado das coisas; recusa sistemática de qualquer compromisso com a União Europeia; e, consequentemente, absoluta incapacidade de toda e qualquer forma de imparcialidade na apreciação da relação das suas propostas com a realidade.

Diagnosticaram-me 'ideologia'

Maria João Marques
Para Costa, o seu novo pregão arrepiante – o de ‘estado empreendedor’ – não é ideológico; a ideologia, aparentemente, só contagia pessoas de direita. A esquerda é imune a preconceitos e ideologias.

‘Ideologia’ foi uma doença muito avistada depois de PSD e CDS ganharem as eleições de 2011. Todas as pessoas decentes do país se queixaram, nos primeiros seis meses do governo, que a malvada coligação queria implementar um ‘programa ideológico’. Acabar com as golden shares foi ‘ideológico’, as alterações da legislação laboral tresandaram a’ ideologia’, o corte dos subsídios aos funcionários públicos esteve carregadinho do pecado ‘ideológico’, os cortes na despesa nos vários setores (de resto menores do que os negociados pelo PS no memorando de entendimento) foram o cúmulo da ‘ideologia’.

Com a proximidade das eleições, os diagnósticos de ‘ideologia’ têm explodido outra vez nos lados dos técnicos de saúde política afetos ao PS. Eu nos últimos tempos já fui objeto de vários diagnósticos de ‘ideologia aguda’ no twitter, na sua forma declarada e incurável. Às vezes pondero se não seria melhor (para bem da saúde pública) acoplar uma campainha à minha carteira para avisar quem se cruza comigo desta debilitante condição liberal em que me encontro.

Claro que quem se queixa de ‘ideologia’ tem muita razão. Os partidos – todos – apresentam uma ideologia aos eleitores através das suas propostas políticas nos programas eleitorais; e os eleitores decidem para que combinação ideológica estão mais virados em cada momento eleitoral. Na verdade, os partidos menos ideológicos que por cá temos são PSD (cuja grande ambição da maioria dos seus militantes é ser de esquerda) e CDS (que ainda não se arrumou o socialismo beato).

Nem só os jovens costistas das redes sociais e do comentário político se preocupam com este surto infeccioso. António Costa também parece estar baralhado com o vírus ideológico. Por exemplo, em março, Costa ‘criticou o Governo por ter abdicado de uma abordagem pragmática na resolução dos problemas do país “por puro preconceito ideológico”’ (Expresso, 17/3/2015). Em abril, Cassete Costa afirmou: ‘Este Governo nunca olhou para os problemas de uma forma pragmática, olha sempre para os problemas com preconceito ideológico’ (RR, 12/4/2015).

Lá está, o governo sofre de ‘preconceito ideológico’ e não toma a dose diária recomendada de pragmatismo.

Estaleiros Navais a West Sea

Maria Teixeira Alves

Se outro motivo não houvesse para eu ser de Direita a privatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo servia perfeitamente. Um ano depois da subconcessão dos ENVC a privados, os estaleiros são de uma eficiência há muito não vista. De máquinas quase paradas passaram à reparação de 37 navios e a recuperar antigos e angariar novos clientes. Ao fim de 390 dias nas mãos da West Sea os Estaleiros Navais tornaram-se absolutamente eficientes. No tempo do da tutela do ministério da Defesa não havia encomendas e os trabalhos estavam quase parados. Vivam as privatizações!

P.S. A excepção é a Cimpor, coitada da empresa nas mãos da brasileira Camargo. É preciso cuidado com a soberba dos brasileiros.
Título, Imagem e Texto: Maria Teixeira Alves, Corta-fitas, 28-5-2015

Relacionados:

Manifestantes apresentam pedido de impeachment de Dilma

Presidente da Câmara, Eduardo Cunha, se comprometeu a fazer análise técnica da solicitação do Movimento Brasil Livre (MBL)

Eduardo Cunha (sentado na ponta) com integrantes do MBL e deputados de oposição. Foto: Facebook/Reprodução
Fernando Diniz
Manifestantes do Movimento Brasil Livre (MBL) protocolaram na Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (27), um pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Deputados da oposição disseram que o grupo recebeu a garantia do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de uma análise técnica.

“O presidente deixou claro que vai ter de se debruçar sobre o pedido de impeachment, pedir para a assessoria técnica da Casa, além de pareceres de fora da Casa para se decidir favorável ou contrário”, disse o líder do PSDB, Carlos Sampaio (SP).

Os pedidos de impeachment podem ser apresentados por qualquer cidadão brasileiro. Cabe ao presidente da Câmara decidir se o processo é arquivado ou não.

Afagado por líderes da oposição, o MBL apresentou o pedido, sustentado em pareceres de juristas como Ives Gandra e Modesto Carvalhosa, depois de uma marcha de São Paulo até Brasília. O texto tem 3 mil páginas e recebeu 2 milhões de assinaturas, segundo os organizadores. Um dos fundamentos jurídicos é a “pedalada fiscal” do governo Dilma Rousseff, que consiste no atraso do repasse de dinheiro do Tesouro Nacional aos bancos públicos.

“Eduardo Cunha se comprometeu a analisar tecnicamente e não engavetar automaticamente, como fez com os outros. Agora continuamos com uma pressão no Congresso para que seja colocado em pauta”, disse Kim Kataguiri, um dos líderes do movimento.


Título, Imagem e Texto: Fernando Diniz, Terra, 27-5-2015

Saiba mais:

A inquebrantável "fezada" dos Crescimentistas... não há emenda possível...

Tavares Moreira

1.       Na edição do Diário Económico da última 2ª Feira,  um dos mais prestigiados teóricos do Crescimentismo, apesar de ainda jovem, criticava a actual maioria governamental por não ter sabido lidar com o sistema previdencial da Segurança Social, apelidando-a, mesmo, de “coveira” desse sistema…

2.       … avançando, como alternativa, uma solução verdadeiramente revolucionária que, pelo seu elevado nível de elaboração me irei limitar a transcrever nas suas passagens mais fundamentais. Leiam, pois, com a maior atenção, é o futuro do País que está em causa…

3.       Ao contrário da dupla Passos-Portas, o PS não propõe qq tipo de experimentalismo, muito menos um experimentalismo irresponsável. O PS propõe algo muito simples: rejeitar qq corte em pensões em pagamento (sine die, supõe-se…), mobilizar todos os recursos públicos para a criação de emprego e para a criação de emprego estável e de qualidade e diversificar as fontes de financiamento do sistema”…

4.       “…Ou seja, ao contrário dos PP’s e PSD’s, o PS propõe-se investir nos factores que determinam a sustentabilidade presente e futura do sistema de pensões. É por isso que APOSTA na dinamização da economia e do emprego, no combate ao trabalho precário e na valorização dos salários e em novas fontes de financiamento do sistema de pensões”…

5.       Aqui temos, pois, a fórmula mágica para resolver a crise da Segurança Social: fazer crescer a economia, aumentar e valorizar o emprego e os salários, em suma, como refere o articulista “investir nos factores que determinam a sustentabilidade presente e futura do sistema de pensões”…

6.       E nós que não nos tínhamos ainda apercebido da simplicidade desta solução e andamos para aí preocupados com a sustentabilidade futura deste sistema previdencial… que desatenção a nossa, que falta de visão e de capacidade para descortinar as grandes soluções!

7.       Não têm mesmo emenda, estes simpáticos Crescimentistas… valha-nos Santa Engrácia!

Título e Texto: Tavares Moreira, “4R – Quarta República”, 27-5-2015