sexta-feira, 2 de outubro de 2015

#Passos bem, #Costa mal

António Costa
Passos tirou o país da bancarrota, Costa mostrou que não sabe sequer o que quer fazer dele.
Acabou. O que está feito, está feito, o que não foi feito, já não será feito hoje, último dia de campanha para umas eleições legislativas em que Passos Coelho fez quase tudo bem e António Costa fez quase tudo mal. As sondagens, todas, uma a seguir à outra, dão a vitória à coligação, veremos o que dirão os eleitores no domingo, mas o que se sabe hoje não pode surpreender ninguém, Passos tirou o país da bancarrota, Costa mostrou que não sabe sequer o que quer fazer dele.

O país não mudou tanto como o Governo nos quer fazer crer, a economia não mudou tanto como deveria ter mudado, o Estado mudou mesmo muito pouco, mas a psicologia dos portugueses, essa, mudou muito. Quantas vezes se escreveu que os portugueses deveriam aprender a lição do passado? Na verdade, aprenderam, António Costa é que não foi às aulas, olhou para Passos Coelho como olhou para António José Seguro. Com a sobranceria de um predestinado, a quem deveríamos agradecer salvar-nos do Governo que tínhamos. Passos chegou a padecer do mesmo mal, a saída de Vítor Gaspar, neste sentido, foi útil também para isso. Uma coisa é um partido, outra coisa é o país.

O Governo - Passos Coelho e Paulo Portas - tiveram a sorte dos vencedores, sim. Mas a sorte dá muito trabalho. Tiveram a arte de forçar uma saída limpa do programa de ajustamento, coisa que Costa desvalorizou, e este foi o primeiro erro capital. Tiveram a sorte de ‘apanhar' um impasse económico na Europa que obrigou o BCE a fazer o que os líderes políticos não fizeram, tiveram a sorte - de bandeja - do caos grego. Criou-se o caldo necessário para um discurso simples, eficaz, claro, ainda por cima suportado numa recuperação económica tão limitada como indesmentível. Sim, é evidente que a ‘troika' saiu de Portugal, mas o ajustamento ainda não acabou. É evidente para todos, menos para Costa, que vendeu uma estratégia cor-de-rosa, de promessas, até contraditória com as críticas que fez ao estado do país. Se está assim tão mal, como é que é possível tanta abastança? Se o consumo está a disparar e a poupança a cair, é mesmo necessário ir mais longe, incentivar ainda mais o consumo? Se a economia continua na mesma, queremos mesmo mais empregos na construção e restauração? A coligação não sonha, nem nos faz sonhar, mas os portugueses, hoje, não querem sonhar, querem apenas sair do pesadelo. E não se esqueceram de quem nos levou até lá. Querem previsibilidade. São pragmáticos, eventualmente cínicos? Sim, e nesta fase do país, ainda bem. Por mais que nos vendam sonhos. Porque os sonhos não pagam dívidas.

As sondagens dão a vitória à coligação sem maioria absoluta. Aceitemos este cenário como o mais (do que) provável. O que pode sair daqui? Quem garante mais estabilidade e coerência governativa, a coligação em situação de maioria relativa ou uma coligação de Esquerda com o PS, CDU e BE em maioria absoluta? Alguém tem mesmo dúvidas na resposta? Sim, neste quadro, o óptimo é inimigo do bom e por isso, venha o governo minoritário. Que tem de durar pelo menos até ao próximo orçamento. Vai ser uma gestão difícil, Passos e Portas vão ter de fazer o que nunca fizeram, vão ter de negociar, mas isto é a Democracia.

O problema não é a legitimidade de uma coligação de Esquerda, tem tanta como a de direita. O problema é a sua consistência, e essa não tem nenhuma. Nem na política interna, nem sobretudo na política externa e especialmente europeia. Contra-natura.
Além disso, há outro pormenor: No dia 5, depois de não ter sido capaz de dar uma vitória ao PS, nem sequer por ‘poucochinho', António Costa só tem uma porta, a da saída, a demissão, sem honra, depois de Seguro, nem glória, depois de Passos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-