terça-feira, 3 de novembro de 2015

Os despachantes do Cristo: entendam por que o Rio é o que é

Rodrigo Constantino
Se um pai que ama seu filho soubesse que ele anda com problemas com drogas, como deveria agir? Tapar o sol com a peneira e fingir que o problema não existe? Jogar a dura realidade para baixo do tapete e viver num conto de fadas, numa ilusão? Parece absurdo, certo? Mas tem gente que acha que não devemos criticar tanto nossa cidade ou nosso país, pois isso seria “complexo de vira-latas”.

Com camisa de “condutor de visitante”, vendedor negocia ingresso fora da bilheteria com turista: bilhete chega a custar R$ 100, enquanto valor oficial é de R$ 35. Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo

Discordo: complexo de vira-latas é não poder conviver com as críticas e precisar dourar a pílula, para fingir que nossa cidade é “apenas diferente”, e não uma porcaria. Falar mal dos Estados Unidos e defender o Rio, por exemplo, isso é complexo de inferioridade. Se a verdade é feia, ela precisa ser dita. Afinal, somente assim teremos chance de mudá-la. Quem aceita o lixo como se fosse diamante vai mesmo viver sempre na merda.

Digo isso pois costumo pegar bastante no pé da minha “cidade maravilhosa”. Já fazia isso muito antes de ir morar fora, o que completou seis meses ontem. As qualidades do Rio, segundo muita gente, nunca me apeteceram tanto, enquanto os seus defeitos me eram insuportáveis. A “malandragem” toda, por exemplo, o fato de ser a capital nacional da esquerda caviar, de votar tão mal em socialistas assumidos, o jeitinho típico do carioca, tudo isso me fazia (e faz) um mal terrível.

Diante de todos esses problemas infindáveis, o típico carioca prefere extravasar com samba, futebol e praia, e achar que as coisas vão simplesmente melhorar um dia, por algum milagre qualquer. Voltando à analogia do pai do drogado, é como se ele alimentasse uma esperança vã de que um belo dia, do nada, o viciado fosse resolver se tornar um trabalhador sério e ser responsável na vida. Não costuma funcionar.

Hoje mesmo publiquei um texto sobre os taxistas “malandros” que gerou esse tipo de reação provinciana. Eu não deveria criticar tanto o Rio, a “malandragem” carioca, pois todos os lugares têm problemas. Mesmo? Claro que perfeição não existe, mas vamos lidar assim com tantos problemas absurdos? Vamos achar normal, banalizar o inferno em que o Rio se transformou?

Pois bem: leio agora outra notícia que já não espanta nenhum carioca, e eis o maior problema. “Malandros” viraram despachantes do Cristo, cobrando um esquema de furar fila dos gringos “otários”:

Desde que a prefeitura tentou organizar o ingresso de turistas no Cristo Redentor, em 2013, com a venda de bilhetes pela internet e a implantação de transporte oficial por vans que vão até o alto do Corcovado, um grupo arrumou um jeitinho de lucrar com a mudança. Identificando-se como “condutores de visitantes”, usando crachás e vestindo uniformes para enganar os desavisados, eles vendem desde lugar na fila da bilheteria do trenzinho até serviço paralelo de transporte, que, garantem, levaria até o monumento (o que é permitido apenas às vans regulamentadas). Pelas facilidades, o turista desembolsa de R$ 20 a R$ 100 — ou seja, até 185% a mais que o preço regular mais baixo cobrado, que é R$ 35.

Os integrantes do grupo abordam visitantes em diferentes pontos, como as proximidades da estação do trenzinho do Corcovado, no Cosme Velho, e o Largo do Machado, um dos pontos de onde partem as vans oficiais. Às vezes, tentam interceptar motoristas ao longo da própria Rua Cosme Velho. A abordagem, que chega a ser agressiva, assustou o advogado Nilton de Oliveira Canto, morador de Teresópolis que, no último sábado, visitou o Cristo com a mulher.

— São vários. Eles corriam na nossa direção, batiam no vidro do carro, perguntavam se a gente precisava de um guia para facilitar a entrada para ver o monumento. Eles diziam que, sozinhos, nós levaríamos uma média de três horas na fila. Achei muito estranha essa facilidade. É preciso ser muito burro para não entender que ali tem coisa errada — afirmou Nilton, que denunciou a ação ilegal pelo WhatsApp do GLOBO (99999-9110).

Nessa notícia que parece insignificante, algo sem tanta importância perto do que enfrenta o país hoje, está o retrato da cidade, e o motivo pelo qual o Rio não consegue avançar. É “malandro” demais para “otário” de menos. O jeitinho é nossa marca registrada. Julgamos otários aqueles que esperam em filas de forma civilizada, que respeitam as regras.

A sequência de notícias sobre o Rio continua: Homens armados fazem arrastão em Botafogo. Três pessoas morrem baleadas após ataque no Centro. Isso em um único dia de jornal. E o pior: os cariocas passaram a achar tudo muito normal, pois é parte do seu cotidiano mesmo. “Infelizmente, isso é normal. Esse foi apenas mais um. Há dois anos, diariamente somos testemunhas de brigas, pessoas esfaqueadas. Não ando mais pela região depois da oito da noite. Todo dia isso aqui é um filme de terror”, reclamou um morador.

Fato: o “filme de terror” passou a ser encarado com naturalidade pelo carioca. E se você aponta para o absurdo disso morando no exterior, como fez o diretor Zé Padilha recentemente de Los Angeles, ou como faço eu mesmo de Weston, então é porque sofremos de “complexo vira-latas”, e perdemos o direito de criticar porque saímos da cidade. Atacam o mensageiro, não a realidade triste que ele traz!

O Rio tem inúmeros problemas, e não são problemas comuns de cidades grandes, como alegam os provincianos anestesiados. São problemas surreais, típicos de um local fracassado dominado pela bandidagem. E um dos maiores problemas, na raiz de tantos outros, é justamente essa mentalidade obtusa e provinciana que poupa a “cidade maravilhosa” das duras e merecidas críticas, só porque o carioca é “malandro” demais para isso. Não reconhecer com realismo os infindáveis problemas específicos do Rio é um dos maiores problemas do Rio.
Título e Texto: Rodrigo Constantino, 2-11-2015

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-