sexta-feira, 6 de outubro de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Pra dentro, todo gole ajuda, desde que viaje de maneira correta

Aparecido Raimundo de Souza

Eu pra baixo vou redonda e subo, pra cima, inadequadamente quadrado”.
Do livro ‘É MENTIRA, TERTA?  Estórias e Causos’ de Chico Anísio, 144 páginas, Editora José Olympio, 1974.

UM SLOGAN ANTIGO DE uma bebida conhecidíssima e ainda em moda, como as suas demais concorrentes, ou aspirantes, informa peremptoriamente que se trata de “uma cerveja que desce redondo”. Os senhores, com toda certeza, se recordam perfeitamente da marca que trazemos à baila.

Pois bem. Não poucos estudiosos se debruçam demoradamente sobre esta frase, a ponto de fazerem calos nos cotovelos, para concluir que “Redondo” está aqui posto como advérbio e que, portanto, não há concordância ou harmonia conciliatória com cerveja usque os adjetivos serem palavras normalmente invariáveis e tenazmente obstinadas e imutáveis.

Os casos de posturas reflexivas com advérbios são raros, mas existem, como a seguir enumeraremos.  “Ela estava toda nua”. Toda, embora advérbio, e com o sentido de totalmente, se flexiona no feminino; ou seja, se compara a “toda nua” com “toda poderosa”, em que o todo não varia.

Embora a conclusão dos estudiosos que admitem a não concordância de “Redondo” na frase de propaganda da cerveja seja defensável, é melhor refletirmos um pouco ou mais acuradamente sobre a distinção básica entre adjetivo e advérbio, a partir das definições clássicas dessas duas famílias de palavras.

O adjetivo é a bola, perdão, a palavra da vez, ou a que aquilata ou caracteriza um substantivo ou pronome. O advérbio é o testemunho que, sempre invariável, discerni ou determina um adjetivo, um verbo ou outro advérbio. Por terem funções qualificadoras, se confundem às vezes, e, não raro, um adjetivo se emprega, ou se aplica em lugar de um advérbio, naturalmente sem a devida flexão.

A partir das asserções acima, contudo, é possível explicarmos porque não são consideradas erradas as frases abaixo:
1) A chuva caia barulhenta (isto é, barulhentamente).
2) Ela namorava escondido (ou escondidamente, às vistas dos curiosos e abelhudos).
3) Ela desceu apressado as escadas (ou de outra forma, apressadamente, quase a estabacar-se feito uma debilóide).
4) Maria fuma desesperado (ou desesperadamente Maria fuma, como se o mundo fosse acabar na cauda da última tragada).
5) Ela aguarda ansioso o resultado do exame (ou ansiosamente).
6) Ela reagiu brabo ‘e não bravo’ à provocação (de outra maneira, brabamente).

Devemos abrir aqui um sinal tipográfico delimitador. ‘Brabo’ vem de valentão, grosseiro, nervoso. ‘Bravo’, por sua vez, está ligado a corajoso, valente, destemido, indomável. A maioria das pessoas fala. ‘Meu cão é bravo’.

Para um cão ser ‘bravo’, ele precisaria, por exemplo, ter servido numa das três forças armadas, ou, por outra, ganhado medalhas por galhardia ou heroísmo. Como os cachorros farejadores de drogas da Polícia Federal, ou caso mais recente, típico de um bicho literalmente bravo.

O simpático ‘Iron’, que ajuda com brilhantismo incontestável a major (o major) Jeiza (Paolla Oliveira) a correr atrás dos bandidos, como a Bibi, o Quiquito, o Rubinho e o Sabiá, entre outros, no folhetim fusbélico de Glória Perez, em ‘A Força do querer’. Fusbélico, aqui, no lastimoso e plangitivo entender de (porco – porcaria esterco – lixo ou imundo, de imundície). 

Soubemos por fontes exclusivas, que esse brabo cachorro bravo, o ‘Iron’, após o término da trama das oito da noite, se aposentará na patente de capitão. Sinal tipográfico delimitador fechado.

Voltando ao tema do texto, é também possível, pelas demarcações enumeradas, explicarmos porque são literalmente corretas as seguintes orações:
1) Ela anda rápido (isto é, rapidamente).
2) Eles batem forte (ou fortemente).
3) Ela discursou bonito (em resumo, de maneira bonita).

Meus caríssimos amigos e amigas aqui ocorre o seguinte: o adjetivo, quando usado em função adverbial, se associa ao verbo, como os três últimos preceitos: se dizemos que Maria fala bonito, o bonito não se agrega ao sujeito Maria, mas ao modo de falar, porquanto uma pessoa feia pode falar de um jeito bonito.

Uma criatura não precisa ser forte para bater com força. Portanto, em “Eles batem forte”, a ação é que é exercida fortemente.

Observem que as restrições aqui apontadas dizem respeito ao uso do adjetivo em função adverbial, e não ao uso do mesmo em si, como se percebe pelos exemplos precedidos de asteriscos: essas frases são conhecidas como agramaticais. O que venha a ser isso?  Simples!

Quando a apresentação do adjetivo em função adverbial aparece em frases perfeitamente aceitáveis, notadamente quando se substitui o adjetivo ‘adverbializado pelo adverbio’, ou pela locução verbal (que parece entre parêntese no final de cada suposição carreada).

Entre mortos e feridos, pisados e enlutados, tornemos mais claro este ponto. Observemos com atenção as reuniões dos conjuntos abaixo alinhados:
1) Ela anda rápido (*)
2) Ela anda esfomeado (**)
Na primeira frase (*) “Ela anda rápido” podemos bater na tecla e pugnar que “Rápido” e não “Rápida”, a referência à ação é óbvia. Subentende-se, pois, aqui, de cara, de pleno, a ação de andar é que é rápida.

No segundo exemplo (**) “Ela anda esfomeado” seria tolice pensarmos que o ato de andar é que é esfomeado, ou mal alimentado. Por isso a concordância tem de ser feita no feminino. “Ela anda esfomeada”.

No mesmo amplexo do abraço concedido aos que nos leem, quando vemos uma bola rolar no campo, devemos dizer que “Ela corre redonda”, pois a referência abonativa é a bola e a bola não é o ato de correr desembestadamente. Em resumo, senhoras e senhores, “A cerveja da propaganda desce redonda” e não “Redondo”.

Com todo respeito que reservamos às opiniões esféricas, (desculpem, redondas) que descem redondos, todavia, por guetos subjetivamente adversos, deduzimos que, desde que desçam ou que aterrissem que seja para baixo. Jamais para cima. Ponto pacífico. Entenderam? Nadinha de nada?! Nós, caros amados, menos ainda. 
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza. De Brasília, Distrito Federal. 6-10-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-