sábado, 17 de março de 2018

[Versos de través] Amigo de fé

Haroldo Barboza

4º lugar no 1º C. N. P. Boleversos – março de 1999

Quando a Vida me deu a rasteira
Talvez por minha própria falha
Ninguém me prestou um auxílio
Nem moveu uma única palha.

Perdi o emprego, perdi a família
Tentaram levar minha dignidade
Já não tenho mais residência
Durmo em praças da cidade.

Certamente sou um andarilho
Seguindo o rumo da perdição
Apesar de ser maltrapilho
Nunca fui chamado de ladrão.

Os que se chamam de humanos
E viram as costas para mim
Esquecem que a Vida é curta
E estaremos bem juntos no fim.

Apesar de tantos problemas
Que já não me fazem chorar
Ainda consigo juntar forças
E por todos aqueles rezar.

Dentro desta vida sofrida
Finalmente achei a verdade
Nestas horas de desespero
Encontrei a real amizade.

Nos dias em que a solidão
Me quedou num tombo forte
Julguei já estar derrotado
Cheguei a convocar a Morte.

Mas a força de seu olhar
De pé no asfalto, calado
Me deu a enorme certeza:
Ter um amigo ao meu lado.

Unimos os nossos destinos
Apreciando o Sol e a Lua
Sem rumo, sem casa, com amor
Nos sentimos os donos da rua.

Empurrando nosso carrinho
Trepidando ferros e latas
De dia procuramos comida
Foto: AD
à noite deitamos as patas.

Chegando ao fundo do poço
A ganância não existe mais
Todos se unem fervorosos
Buscando um pouco de paz.

Com meu companheiro divido
O pouco resto que ainda resta
Porque em nossa vida atual
Até jiló é motivo de festa.

Quando o desespero retornar
Não vou gritar por socorro
Pois agora conto com você
Meu grande amigo cachorro.

Título e Texto: Haroldo P. Barboza, Rio de Janeiro – 1999

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-