quinta-feira, 28 de junho de 2018

Portugal está nos oitavos

Se a seleção continuar a jogar assim, o Ministério da Saúde pode aproveitar a boleia para fazer um rastreio informal à saúde cardíaca dos portugueses. Que é como quem diz: no final do torneio, quem estiver em pé está; quem não estiver, estivesse

João Pereira Coutinho

Foram três jogos difíceis? Não. Foram três sessões de sadomasoquismo que transformam As Cinquenta Sombras de Grey em literatura infantil.


Nada contra. Existem vantagens nesta estranha forma de vida. Se a seleção continuar a jogar assim, o Ministério da Saúde pode aproveitar a boleia para fazer um rastreio informal à saúde cardíaca dos portugueses. Que é como quem diz: no final do torneio, quem estiver em pé está; quem não estiver, estivesse.

De resto, mantenho o que disse: temos pela primeira vez na história desportiva uma seleção de futebol que é a imagem de uma cultura. Tudo é sofrido, angustiado, expectante – e nem sequer falta o D. Sebastião de serviço para levantar a bruma em que andamos perdidos.
Título e Texto: João Pereira Coutinho, SÁBADO, nº 739, de 28 de junho a 4 de julho de 2018

Um comentário:

  1. João Mário afirmou: "O Uruguai chutou três vezes, marcou dois gols". Ora, pois, tivesse a seleção portuguesa metade da pontaria da seleção uruguaia...

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-