domingo, 27 de janeiro de 2019

[Aparecido rasga o verbo] Em meio à pasta de rejeitos, Brumadinho grita por socorro. O mundo inteiro responde a uma só voz, em uníssono.

Aparecido Raimundo de Souza

A TRAGÉDIA DE BRUMADINHO infelizmente continua.  Está aqui para quem quiser ver de perto a que ponto chega à incapacidade e a má administração dos seres humanos que detém as rédeas das grandes companhias que lidam com barragens de rejeitos de mineração. Em Belo Horizonte, o Instituto Médico legal segue recepcionando os corpos que chegam do local onde a catástrofe teve início.



Até agora, trinta e quatro cadáveres deram entrada. Este número deverá aumentar nos dias seguintes. Desde o começo da chegada dos corpos, somente identificaram a médica Marcelle Porto Gangussu [foto], de trinta e cinco anos (na Vale desde 2016), que trabalhava no ambulatório da empresa. Um dia antes de a cidade ser totalmente arrasada, ela apagou as velinhas de seu último aniversário.


Ao lado do Instituto Médico Legal de Belo Horizonte, na Rua Nícias Continentino no bairro da Gameleira, a Polícia Civil montou um posto volante (vinte e quatro horas) para atender e ajudar as pessoas que chegam desesperadas à procura de possíveis parentes amigos e familiares desaparecidos ou mortos. 

A estas criaturas que para ali se dirigem, é pedido que tragam consigo fotos, documentos de identidade, e que declarem possíveis sinais particulares, tais como cor dos olhos, tatuagens, marcas de nascença, ou qualquer característica física ou outra coisa que possa servir para identificar especificamente a quem buscam encontrar.

A Polícia Técnica e Cientifica da Polícia Civil, através do superintendente Thalles Bittencourt de Vasconcelos [foto], foi a de criar um banco de dados em auxílio aos médicos legistas. E, de fato, criou. Os cadáveres estão chegando com forte carga de lama o que torna difícil a identificação imediata, sem falar no desconforto de um possível politraumatismo.     


Em igual fluxo, doações chegam de todo o país. O Brasil inteiro se mobiliza enviando grandes quantidades de água, fardos de arroz, feijão, dezenas de pacotes de biscoitos, sacos com pães, camas, colchões, travesseiros e até cobertores.


Uma equipe de voluntárias com mais de vinte pessoas, entrou em cena e tenta, dentro do possível, distribuir aos desabrigados o mínimo necessário para continuarem firmes na luta. A batalha é desleal. A espera, grandiosa. A comoção, o abalo e o conflito se fazem imensuráveis. O medo, à gente vê estampado em cada rosto, como uma mascara terrível.



Médicos, enfermeiros, assistentes sociais e psicólogos não só do Hospital João XXIII, sediado na Avenida Professor Alfredo Balena, no centro, como outros vindos de diversas unidades de saúde, também se irmanaram e se juntaram numa enorme corrente e prestam ajuda aos familiares.

O governador Romeu Zema decretou estado de calamidade pública, o que, de imediato, foi aceito pelo governo federal.  O presidente Bolsonaro (acompanhado de outras autoridades), chegou a Belo Horizonte, às 9 horas da manhã deste sábado, 26, sendo recepcionado no aeroporto de Confins por Romeu Zema. Em seguida, o chefe da nação sobrevoou, de helicóptero, por uma hora, a localidade de Brumadinho e mais as dezoito comunidades rurais agregadas.



Enquanto isto, o gabinete de crise, em Brasília, se move oferecendo a Minas Gerais ajuda financeira, com a liberação de recursos para serem gastos com o flagelo, sem esbarrar nas licitações e nas burocracias que geralmente são impostas quando entram pedidos volumosos de dinheiros em espécie.

Israel também comprou a briga e ofereceu a Bolsonaro avião com equipamentos e suprimentos em socorro aos mineiros afetados pelo imprevisto. O avião deverá chegar amanhã (domingo), em solo brasileiro. Conversamos com algumas pessoas. O que as deixou marcadas, e com certeza, para sempre, “os barulhos e ruídos ensurdecedores da enorme enxurrada de lama avermelhada descendo ribanceira abaixo e destruindo tudo o que encontrava pela frente, sem dó, nem piedade”.



“Parecia que o mundo estava acabando – confessou seu Belizário, um senhor de meia idade que morava perto da represa e que, como tantos residentes, perdeu tudo – mas, graças ao bom Deus, me safei com vida”. De repente, entre mortos e feridos, o cenário paradisíaco de Brumadinho, suas montanhas acolhedoras, a mata atlântica em abraço eterno se transformou. Da água para o vinho. A paisagem linda e aconchegante virou um inferno.  A pousada, como a “Nova Estância Inn”, por exemplo, com seu cardápio requintado, virou um monte de escombros.



Notícias dão conta de que o seu proprietário, o senhor Mascarenhas, a esposa dele, dona Lurdes, o filho e mais trinta e oito pessoas, entre funcionários e hóspedes, desapareceram. Ao todo, senhoras e senhores, treze milhões de metros cúbicos de rejeitos, se romperam (ninguém sabe explicar os verdadeiros motivos). E atentem para um dado bastante importante: 21 horas e 30 minutos. Até agora, duzentos e cinquenta e quatro desaparecidos e vinte e três feridos...





Resumindo, como um tsunami inesperado, entretanto, passível de uma úlcera há tempos anunciada (poderia, inclusive, ser evitada) devastou em questão de segundos, uma cidade inteira, se embrenhando, após o estrago irreparável, pelo leito do Rio Paraopeba, tornando-o vermelho como se um pedaço do reino do tinhoso tivesse se instalado em suas águas límpidas e calmas. 
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, jornalista. Da tragédia de Brumadinho e de Belo Horizonte, nas Minas Gerais.  26-1-2019


















Fotos de Douglas Magno e Mauro Pimentel, ambos da AFP, Adriano Machado e Washington Alves, da Reuters, Paula Paiva Paulo, do G1, Leo Correa, da AP, Carina Bratt (Fotos particulares), CBMER, e reproduções do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e, igualmente, da TV Globo, afiliada de Minas Gerais e Fernando Moreno, da Futura Press.  

Relacionados:

Colunas anteriores:

11 comentários:

  1. Jim, meu amigo, se me permite, vou atualizar os números. Não estamos mais em Brumadinho, nas Minas Gerais, mas acho que vale a pena a "Família Cão que Fuma", que nos prestigia, ficar por dentro do que está acontecendo. Está acontecendo neste momento uma coletiva com a imprensa e as atualizações são estas: 361 pessoas localizadas,305 ainda desaparecidas,192 pessoas resgatadas e 58 óbitos. Questão de poucos minutos atrás, foi encontrado um ônibus em meio ao atoleiro e há corpos no interior dele. Não se sabe, o número de cadáveres neste coletivo. Possivelmente este numero de mortos aumentará amanhã. Infelizmente. As buscam, por enquanto estão suspensas, em face da noite e da má visibilidade. Amanhã, às 4 horas tudo recomeça novamente. Forte abraço, Jim e boa noite à "Família Cão que Fuma".
    Aparecido Raimundo de Souza
    Lagoa Rodrigo de Freitas, Rio de Janeiro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não por isto, meu amigo. É possível que voltemos para lá. Uma outra barragem pode, veja bem, pode ter o mesmo destino, ou seja, talvez se rompa. Existem corpos soterrados a 7 ou 8 metros de profundidade. Comunidades próximas, como Casa Branca, onde ficamos, se juntarmos todo mundo, passa de 24 mil pessoas. Essas pessoas não sabem o que fazer. Se a sirene tocar, a correria começa. Se existe inferno, meu amigo foi o que vimos lá em Brumadinho. A gente vai se falando.
      Aparecido Raimundo de Souza,
      Lagoa Rodrigo de Freitas, Rio de Janeiro.

      Excluir
  2. Na tragédia de Brumadinho são os nossos bravos militares que estão lá salvando vidas e executando a dura
    tarefa de resgatar corpos. Exército, Marinha, FAB, Força Tarefa Humanitária de Israel, Bombeiros, Políciais Mili-
    tares e bravos voluntários, todos unidos no trabalho, sendo que muitos militares que estavam de folga se apre-
    presentaram e outros e mesmo teoricamente terminado o seu turno, não abandonaram o serviço.
    Diferente do governo da Dilma, que considerou a tragédia de Mariana algo natural e que só se dignou visitar
    a cidade uma semana depois e ninguém foi preso, neste já foram aprisionados os primeiros culpados.
    Idacil Amarilho

    ResponderExcluir
  3. Deve haver muitos movimentos sociais fazendo um ótimo trabalho em Brumadinho. Mas vou dizer o que é mais visível lá: pobre, militar, bombeiros, voluntários individuais, saúde, jornalista (milhões, correndo pra lá e pra cá) padre, pastor, e crente. Muito crente.

    ResponderExcluir
  4. A confusão nas informações , gera teorias conspiratórias, quando as noticias não são ordenadas corretamente.
    Continua a fazer falta um "porta voz" oficial do governo, mesmo após a nomeação de um!
    Senão vejamos;
    O cmte das operações em Brumadinho esta neste momento dando uma entrevista coletiva à imprensa em geral, na qual , diz entre outras coisas;

    “Hoje os militares israelenses estão retornando ao seu país, chamados que foram, não havendo mais a necessidade da permanência dos mesmos no local.
    O coronel diz que faz questão de desmentir qualquer divergência entre os israelenses e os militares brasileiros na questão subordinação.”
    (Precisava desmentir?) (Não há necessidades de tecnologia israelense na localização de corpos, bem no meio das operações?).
    Na entrevista coletiva foi dito que para que não surjam dúvidas sobre relacionamento entre militares israelenses e Brasileiros, que o motivo do retorno de imediato, após decisão de última hora, foi justificado pela mesmos, como necessidade de cumprir o 'Shabat" e suas obrigações religiosas, EM SUA TERRA.
    (Não poderia ser no Brasil?)
    Se somarmos;
    A vinda dos mesmos, já havia sido comentada pelo vice-presidente, informando que não havia insatisfação do alto comando das forças militares com a chamada de militares de outro país. (Precisava informar?
    Havia necessidade técnica da vinda dos mesmos ou foi apenas UM ATO POLITICO, como foi à vinda do primeiro ministro Netanyahu, ao Brasil, pela primeira vez?).
    Na ausência de Bolsonaro (em Davos!) o vice-presidente recebeu o chanceler Palestino no palácio e afirmou à este que a mudança da embaixada Brasileira, não é uma providência que será tomada de imediato e que depende de estudos.
    (Precisava anunciar isto oficialmente, após o Presidente ter se manifestado favorável sobre o assunto?).
    Na entrevista coletiva foi dito que para que não surjam dúvidas sobre relacionamento entre militares israelenses e Brasileiros, que o motivo do retorno de imediato, após decisão de última hora foi justificado pela mesmos como necessidade de cumprir o 'Shabat" e suas obrigações religiosas, EM SUA TERRA.
    (Não poderia ser no Brasil?)
    Brasil precisa urgente, um” porta voz’ , que fale em nome do Brasil e com voz que não de margem a interpretações duvidosas !
    Para começar lá em Brumadinho.
    E apenas para alfinetar , onde anda o filho do homem!Alguém sabe!

    ResponderExcluir
  5. Ah! E uma das declarações do militar mineiro é um suprassumo,
    Aihara também confirmou que houve troca de conhecimento entre os brasileiros e os israelenses. “Eles ficaram altamente impressionados com os trabalhos realizados pelos bombeiros militares de Minas Gerais. Inclusive, muitas técnicas que até então eram desconhecidas dessa tropa de elite, elas foram ensinadas pelos bombeiros militares."

    Puxa vida, ensinamos os militares israelenses técnicas novas em como agir em tragédias publica….ENTÃO TÁ!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coloca nossos excelentes brasileiros lá no desertão de areia.
      fui,,,

      Excluir
    2. O Shayetet 13 é considerada a força mais letal do mundo.

      Excluir
  6. Não há de julgar-se qualquer ajuda humanitária.
    Também não se pode julgar um governo de 30 dias.
    Temos de acabar com esse imediatismo.
    Segundo diversos criminalistas a VALE como empresa não tem culpa nenhuma, mas temos de criminalizar os diretores, isso sim dá condições jurídicas.
    Como podem ver em Mariana o governo anterior não fez nada e não se postula sua culpa.
    Dizer que os Israelenses não fizeram nada, que a tecnologia era dispensável, lembro que 35 corpos de 99 foram encontrados com essa tecnologia.
    Além disso duvido muito que achem mais 50 nos próximos dias.
    Nossas FFAA são obsoletas, são 30 anos de atraso.
    A Venezuela tem mais 200000 kalashnikov em suas FA. Venezuela. Tem um dos maiores e mais bem armados exércitos do continente. Em 2015, o país tinha mais de 123 000 militares em suas fileiras (515 mil se contar com as milícias e a guarda nacional), com um orçamento anual de US$ 4,5 bilhões de dólares.
    Milhares de inocentes morreriam.
    Israel tem países mais poderosos à sua volta, mas tem muito mais tecnologia.
    fui,,,

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, amigo Jim. Falei, agora a pouco, 14.25, por telefone, com o Tenente Coronel Flávio Godinho, coordenador das buscas em Brumadinho. Nono dia hoje. Até agora, 121 mortos, 226 desaparecidos e 94 corpos identificados no IML de Belo Horizonte. 88 médicos legistas se revesam na identificação dos cadáveres que estão chegando. O número ainda será maior e logo mais a noite, por volta de 19 hs, segundo o Tenetne Coronel Flavio, teremos novos números. Ao todo, 250 bombeiros estão na busca, divididos em 13 aeronaves, vasculhando notadamente as áreas consideradas (áreas quentes, onde se concentrava o maior número de funcionários da VALE). Entre elas o refeitório e o prédio da administação. Até este momento, ninguém recebeu nenhuma ajuda financeira. São 140 produtores rurais que perderam suas fazendas e estão sem sustento. Embora as autoridades digam a todo momento que o ressarcimento aos desabrigados será de imediato, até agora todas as pessoas envonvidas no desastre estão a ver LAMA E DESOLAÇÃO.
    Aparecido Raimundo de Souza, de São Paulo.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-