quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

[Daqui e Dali] Para não se cair em heresias

Humberto Pinho da Silva

Na missa solene de abertura do Conclave, que elegeu o Papa Francisco, Joseph Ratzinger [foto], na homília, disse: “Ter uma fé, segundo o Credo da Igreja, é hoje, com frequência, etiquetado como fundamentalismo. O relativismo, ou seja o deixar levar-se daqui para ali, por qualquer vento de doutrina, parece como a única atitude dos tempos modernos.”


Atualmente, seguir os ensinamentos de Jesus, reunidos no Novo Testamento, é, para muita boa gente: excentricidade.

Na nossa época, muitos cristãos humanizaram Deus e criaram doutrina a seu gosto.

Certo sacerdote (não católico,) com quem convivi durante anos, disse-me que há passagens e até Epístolas, que melhor era esquecê-las (!), porque não se enquadram no contexto bíblico, ou são antiquadas!!

Concordo que há conselhos – não de Deus, mas dos homens – que podem e devem ser interpretados como modas ou costumes, que nada têm de doutrinário. Por exemplo, o uso de cobrir a cabeça durante o culto; mas o Decálogo e as sentenças de Cristo, são imutáveis.

Se as alterarmos ou as adaptarmos ao nosso modo de ver, continuamos a ser religiosos, mas não cristãos.

Uma coisa é ser religioso, outra, é ser cristão, e seguir – sem duvidar, os ensinamentos de Jesus e de Seu Pai.

Há quem frequente o templo – uns, por convívio; outros, por ser bom ou parecer bem, – acredite, mas adapta, os Mandamentos, de harmonia com sua conduta.

Alterar as indicações que Cristo ensinou em Israel, e registradas pelos Apóstolos, é cair em heresia.

Essa tentação, esse desejo, verifica-se desde o primórdio do cristianismo, dando origem a seitas.

Infelizmente, a maioria das Igrejas – Católica e Evangélicas, – são escrupulosas em seguir o Decálogo e a doutrina ensinada por Jesus.

Certo é que existem divergências, mas no essencial, encontram-se de acordo.

Recomenda-se, aos fiéis confrontar o ensino da sua Confissão com a Bíblia. Mas, a Bíblia, se não é católica, seja editada pelas Sociedades Bíblicas, para não se correr o risco de traduções ou pontuações, que alterem o pensamento de quem A escreveu, inspirado por Deus.

Não basta ser religioso; quase todos os homens são; é preciso aceitar Cristo. Aceitar Cristo, não é só rezar a Deus Pai, mas seguir – o melhor possível – a doutrina do Homem de Nazaré.

Digo o melhor possível, porque todos somos imperfeitos. Tentemos, pelo menos, não ser “duplos”: crentes no templo, agnósticos na vida. Porque, o crente, tanto o é no templo, como na vida familiar, na empresa, na política e no desporto…; é-o em todos os atos e atitudes.
Nunca esqueça: Quem nos salva é Cristo, não a Igreja.
Título e Texto: Humberto Pinho da Silva

Anteriores:

Um comentário:

  1. Prezado Senhor Humberto
    Daremos então as Boas Vindas ao BLOG do JIM PEREIRA.
    Esta LUZ é sempre bem vinda...
    Virei fã dos seus textos.
    Obrigada.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-