quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Perda dos aposentados do INSS em relação ao salário mínimo chega a 87,28%, desde o Plano Real

EXTRA


Com o reajuste de 3,43% a ser concedido a 11,7 milhões de aposentados e pensionistas do INSS que ganham acima do salário mínimo — o aumento será pago em fevereiro, sobre os vencimentos de janeiro —, a defasagem desses benefícios mais altos em relação ao aumento do piso nacional chegará a 87,28%. Esse é percentual acumulado de perda do poder de compra dos segurados que recebem mais do que o piso, no período de 1994 a 2019, ou seja, desde o início do Plano Real.

O cálculo foi feito pela Confederação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos (Cobap). E esse percentual de perda cresce de tempos em tempos porque, em geral, os segurados do INSS que ganham mais acabam tendo reajustes menores do que os que recebem apenas o mínimo.

O aumento de 3,43% deste ano refere-se ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado de janeiro a dezembro de 2018. O indicador é medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No caso dos aposentados que ganham acima do piso nacional, o aumento anual considera a necessidade de reposição da inflação. É o que determina a lei. Nada impede, porém, que o governo decida dar um aumento maior (ganho real).

Para o reajuste do salário mínimo — e consequentemente dos outros 23,3 milhões de segurados do INSS que ganham apenas o piso —, o governo federal considera outra fórmula de cálculo: a alta do custo de vida no ano anterior (no caso, o INPC de 2018) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas do país) de dois anos antes (2017).

Este ano, porém, o governo anunciou o reajuste do mínimo antes de o INPC de 2018 ser fechado. Com isso, foi aplicada uma projeção de inflação mais o crescimento do PIB em 2017 (de 1%), além de uma diferença de R$ 1,75, que deixou de ser aplicada no ano passado. Dessa forma, o aumento do piso nacional ficou em 4,61%.

Essa divergência de percentuais agravou ainda a perda do poder de compra dos benefícios maiores.

Exceção

Em 2018, aposentadorias e pensões acima do salário mínimo foram reajustadas em 2,07%, enquanto o piso nacional teve aumento de 1,95%. Porém, esse comportamento não é comum. Historicamente, o salário mínimo tem reajustes anuais maiores do que o índice concedido a aposentados e pensionistas que ganham acima do piso nacional, atualmente em R$ 998.

E esse percentual de perda cresce de tempos em tempos porque, em geral, os segurados do INSS que ganham mais acabam tendo reajustes menores do que os que recebem apenas o mínimo
De 2003 a 2010, as aposentadorias acima do mínimo tiveram perdas de mais de 44%
Em 2012, enquanto o mínimo teve reajuste de 14,13%, as aposentadorias acima do piso tiveram aumento de apenas 6%
Em 2018, aposentadorias e pensões acima do salário mínimo foram reajustadas em 2,07%, enquanto o salário mínimo teve aumento de 1,81%. Porém, esse comportamento não é comum
Título, Imagens e Texto: Jornal EXTRA, Rio de Janeiro, 15-1-2019, 17h34

Relacionados:
Aposentado do INSS: tua insígnia é o desprezo

2 comentários:

  1. Concordo que as aposentadorias brasileiras estão baixíssimas e defasadas, principalmente em comparação aos 200 Milhões de Dólares recebidos por Raul Schmidt em propinas na operação Lava-Jato e agora encontra-se num apartamento milionário em Lisboa, comendo bacalhau e pastéis de nata. Cuidado aí pra não topar com ele passeando alegremente no Largo do Rato. Se ocorrer, avisem que o Brasil e o povo brasileiro o aguardam!

    ResponderExcluir
  2. Uma verdadeira bomba atômica o Artigo publicado pelo jornal EXTRA do Rio de Janeiro, em 15 do corrente! A reportagem publica planilhas elaboradas pela COBAP, um verdadeiro Raio X da satânica e desumana perseguição dos nossos últimos quatro presidentes, quando vimos, gestões direcionadas somente contra os direitos dos indefesos aposentados! Ao contrário do que preceitua a nossa Constituição/88 e o Estatuto do Idoso/2003, que determinavam a manutenção do poder aquisitivo do aposentado, estes desgovernos, Fernando Henrique, Lula, Dilma e Temer, com sede vampirística no já debilitado sangue dos aposentados do RGPS, defasou-os, chegando ao inacreditável percentual de 87,28% de covardes surrupios realizados contra cidadãos com idade avançada! Temos que fazer uma ressalva entretanto para o presidente Michel Temer, que mesmo tendo um período mais curto de governo, concedeu aos aposentados lesados, em 2017 e 2018, percentuais acima ao do salário minimo, mostrando que quando se quer, não é necessário prejudicar aposentados. Parabéns ao EXTRA e a COBAP por divulgarem holocaustos como este, que desabona e desqualifica a soberania e a justiça social do nosso apequenado Brasil...
    Almir Papalardo.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-