terça-feira, 11 de dezembro de 2018

[A coluna do Almir] Aposentado do INSS: tua insígnia é o desprezo

Almir Papalardo

O que representa o aposentado brasileiro na nossa Constituição? Nada! Nada vezes nada!! A categoria dos aposentados é, sem dúvida, a mais descartada e prejudicada da sociedade!! Foi o aposentado um digno ex-trabalhador que outrora muito contribuiu para a soberania do Brasil.

É agora, o cidadão mais esquecido, o mais injustiçado, o mais humilhado, o único usado como “bode expiatório”, quando há necessidade de corrigirem-se por má administração os desequilíbrios financeiros.

É considerado nas trapalhadas causadas pela má gestão como o “patinho feio” entre os trabalhadores! É muito conveniente usá-lo como “válvula de escape” nas estripulias causadas pela incompetência administrativa, e no uso incorreto e perdulário do erário público! Escoam-se, irresponsavelmente, os nossos suados recursos financeiros pelos ralos da gastança inútil.  E, pela necessidade de recuperá-los, avance-se, imediatamente, nos cofres da Previdência penalizando os indefesos aposentados...

A desdita dos aposentados começa logo ao requerer a sua aposentadoria quando sofre as influências maléficas do maldito Fator Previdenciário, que com apetite insaciável, abocanha logo um grande percentual do que deveria por direitos e merecimento receber.

E não para por aí! Há dezoito anos o aposentado que conseguiu uma aposentadoria com proventos acima do salário mínimo, não por favores pessoais e sim por direitos adquiridos através das suas maiores contribuições mensais ao INSS, vê perplexo e indefeso seus benefícios serem ano após ano degradados, pela arapuca colocada no seu caminho rumo à velhice, com a insensata e imoral política de atualizar as aposentadorias do RGPS com dois índices de correção diferentes.

Destruição total das aposentadorias! Quem se aposentou com dez, nove, oito salários mínimos, hoje está recebendo apenas quatro, três e meio e três SM respectivamente, todos se aproximando celeremente ao nível do piso pago pela Previdência.

Meu pobre Brasil, onde absurdamente existem invencionices extravagantes de fazer inveja ao próprio “Professor Pardal”, célebre personagem inventor das histórias em quadrinhos, que com suas invenções estapafúrdias, está sendo superado facilmente por este sistema pouco inteligente e muito desumano aplicado para espezinhar velhos que se aposentam...

Fala-se agora numa necessária e urgente Reforma da Previdência! Muito bem! Mas, adivinhem quem vai “Pagar o Pato”? Mais uma vez serão atingidos somente os aposentados que ganham benefícios acima do salário mínimo. Os aposentados do setor público, serão como sempre, intocáveis e sem riscos de entrar numa cota de sacrifícios, ou seja: aposentados do setor público estão sempre no tempo das VACAS GORDAS; já o aposentado do RGPS, está, obrigatoriamente, no tempo das VACAS MAGRAS...

Não obstante, além dos privilégios existentes entre aposentados públicos e privados, o segurado da iniciativa privada ainda tem que suportar a diferenciação criada dentro do seu próprio regime, o RGPS, onde funciona a correção da aposentadoria com dois percentuais diferenciados! Um percentual bem maior de correção para aposentados que recebem o salário mínimo, e outro índice de aumento bem inferior para a correção de um terço dos aposentados que ganham acima do piso pago pela Previdência. É aplicado assim, escancaradamente, um nojento preconceito e uma discriminação assassina, dentro de um mesmo regime(?!).  
Título e Texto: Almir Papalardo, 9-12-2018

Anteriores:

6 comentários:

  1. Pois é... jamais assisti a tantos vagabundos enquanto trabalhei. Não dava tempo de percebe-los! Somente enxerguei de perto a realidade dos vagabundos de carteirinha ao me aposentar. Pude então presencia-los. Muitos tão perto, e incontáveis tão longe. Incontáveis!

    ResponderExcluir
  2. Verdade que também são incontáveis os filhos e filhas que se tornaram eternos adolescentes. Hoje não saem da casa dos pais antes dos 32 anos. Muitos cursando a terceira faculdade. Outros morando no exterior com a mesada do papai e da mamãe. Não existe matemática que feche com a logística da vagabundagem.

    ResponderExcluir
  3. É isso mesmo.O trabalho virou pecado. Bem vindos ao século XXI !

    ResponderExcluir
  4. Escadas rolantes. Elevadores. Internet. Veículos. Ah! e uma rede pra eu descansar! Trabalho? O que é isso aí? Alguém me explique por favor!

    ResponderExcluir
  5. Muita gente no mundo. Só isso.

    ResponderExcluir
  6. A informatização roubou emprego e trabalho em absolutamente todas as áreas. Ninguém toca neste assunto quando a pauta é o desemprego. O que fazer com tanta gente substituída pelo computador, se o computador não arrecada pelo que trabalha?

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-