quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Carta de Natal

Maria Lucia Victor Barbosa

Então, às vésperas deste Natal de 2018, em vez de escrever a Papai Noel, como fazia quando era criança, resolvi redigir algo para Jesus. Nesta carta apresento-lhe minhas perplexidades existenciais:


Senhor, imersa no castigo do calor deste Natal aceito que sou um mistério. Nunca consigo me decifrar inteiramente. Os imprecisos limites de minha liberdade e a escravidão de minhas circunstâncias, jamais irradiam claridade suficiente para serem enxergados com precisão e contornados com pleno êxito. Sinta, pois, Jesus, como sou humana.

Em matéria de sentimentos tenho certezas fulgurantes, mas esbarro em sentimentos alheios e presencio mistérios mais densos que os meus. Na impossibilidade de transpor o abismo dos outros corro sempre o risco de me tornar uma colecionadora de perdas, de me perder nas veredas do inatingível, nas teias da ilusão. Sempre esbarro na liberdade dos que me cercam e que parece mais ampla do que a minha.

Prosseguindo, descubro o quanto caminho sobre terrenos escorregadios, sobre áreas pantanosas. Deste modo, inúmeras vezes padeço da superficialidade do viver onde habitam os pré-julgamentos, os erros sem volta, os sofrimentos inúteis. E nesse aspecto, Mestre, recordo as palavras do seu amigo Paulo: “Não faço o bem que quero, mas o mal que não quero”.

No árduo, franco e humilde exercício de pensar, reflito sobre o sentido de minha existência. Indago até que ponto posso alcançar o objetivo máximo de todo ser humano: a felicidade, compreendida como sensação de bem-estar e plenitude conquistada em determinado momento, mas não consigo respostas convincentes. Mesmo porquê, meus desejos sempre esbarram em vontades alheias e sempre uns levarão vantagens sobre outros, o que faz surgir os derrotados e os vitoriosos. Já perdi várias vezes, Jesus, várias vezes.

Diante dessa realidade, como fica o controle sobre meus propósitos e necessidades? Como poderei me autodeterminar para encontrar os verdadeiros limites de minha liberdade? Talvez, o único jeito de trilhar as superfícies inescrutáveis do destino ou enfrentar as ciladas do acaso, seja tentar construir pontes entre mim e os outros. Talvez, falte ao Natal esse ato de construção, de engenharia humana que ficou perdido em alguma curva do tempo e que precisaria ser resgatado. Não acha, Jesus, que pelo menos nesse ponto eu tenho razão? Feliz aniversário, Senhor.
Título e Texto: Maria Lucia Victor Barbosa, 19-12-2018

Anteriores:

4 comentários:

  1. Acredito que nos dias de hoje JESUS faria tudo diferente.

    ResponderExcluir
  2. Para Maria Lucia Victor Barbosa,
    Como poderei me autodeterminar para encontrar os verdadeiros limites de minha liberdade?

    Caríssima, essa pergunte é fácil responder e não precisas de JESUS.
    Basta respeitar a LIBERDADE do outro, esse é o verdadeiro limite.
    fui...

    ResponderExcluir
  3. jESUS RESOLVEU PRESENTEAR A iNDONÉSIA com um TsunamI ,às vsperas do Natal.

    ohOH! JESUS ...ASSIM FICA DIFÍCIL

    PAIZOTE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é...
      O CRACATOA quando explodiu em 1883 desapareceu junto com parte da ilha, matando cerca de 36000 pessoas, chegou a jogar caravelas e navios 800 km África a dentro, com um tsunami de 40 metros de altura.
      Em seu lugar cresce o filho de CRACATOA que hoje já tem 800 metros e produziu essa pequena erupção. Ele cresce 5 metros por ano, e segundo cientistas quando atingir a altura do pai, ou antes produzirá outra erupção de igual ou maior amplitude, que era de 2000 metros. Nós estaremos livre dela pois faltam 240 anos.
      http://obviousmag.org/archives/2009/08/vulcao_krakatoa.html

      Excluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-