quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Marco Aurélio Mello enfrentará pedido de impeachment nesta quinta-feira

Os deputados eleitos Bia Kicis (PRP-DF) e Filipe Barros (PSL-PR) entrarão com pedido de impeachment contra o ministro Marco Aurélio Mello nesta quinta-feira, 20 de dezembro

Flavio Morgenstern

Os deputados eleitos Bia Kicis (PRP-DF) e Filipe Barros (PSL-PR) irão protocolar nesta quinta-feira (20) um pedido de impeachment do ministro Marco Aurélio Mello [foto] no Senado. Os deputados observam que o ministro do STF pode ter agido de maneira “articulada” com o PT para tentar tirar Lula da cadeia.


Os elementos para o impeachment de Marco Aurélio Mello são bastante significativos. O ministro respondeu a um pedido do PCdoB, partido que pretende instaurar um totalitarismo maoísta no Brasil e foi vice do PT em mais de uma eleição. O habeas corpus que a defesa deveria preparar após ter notícia de um pedido do PCdoB, supostamente distante da defesa, já estava pronto quarenta e oito minutos depois da decisão do ministro, o que levanta a leve suspeita de que a peça já estava pronta antes, e a defesa já sabia do resultado da decisão do ministro com antecipação.

Por fim, a obviedade: a questão, que já é óbvia por si (está na Constituição), já foi discutida três vezes pelo plenário do STF. Se o STF já decidiu, confirmou e reconfirmou, por que Marco Aurélio Mello, monocraticamente, deveria decidir sobre o preso que mais determina a segurança do restante do país?

Por fim, deve-se ainda atentar que a decisão de estro único do ministro foi feita a toque de caixa, na véspera do recesso judiciário – ou seja, se passasse, supostamente não haveria tempo para alguma resposta e Lula estaria nas ruas por pelo menos alguns dias antes de novas reuniões do Judiciário.

Os deputados eleitos Bia Kicis e Filipe Barros mostram que a nova leva conservadora entrando no Congresso não estará para brincadeira. E o impeachment de um ministro do STF, previsto na Constituição, mas nunca antes tentado, pode começar a mostrar ao Supremo que ele não é um poder acima dos outros e que pode legislar e decidir sem nenhuma consequência pelo que faz.
(com informações do Renova Mídia)
Título, Imagem e Texto: Flavio Morgenstern, Senso Incomum, 19-12-2018

Relacionados:

6 comentários:

  1. Transfere pra Curitiba!

    ResponderExcluir
  2. Gosta mesmo é de cafuné em bandido.

    ResponderExcluir
  3. Porque chamam Tiririca de palhaço?

    ResponderExcluir
  4. Lula virou carta de baralho dentro do STF.
    A última cartada de 2019 antes do recesso foi para receberem de volta o auxilio moradia.
    Pura imundice!!!

    ResponderExcluir
  5. A ORCRIM, já mostrada e provada em varias Decisões Judiciais, dos Partidos como o PT, tem muitos “compadres” em todos os Órgãos. É preciso acabar com isto.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-