domingo, 30 de dezembro de 2018

“O Ronaldo pedia para comprarem 15 telemóveis e distribuía pelo staff"

Notícias Ao Minuto

Foto: Reuters

Kaká deu uma grande entrevistaà SporTV do Brasil, onde abordou vários temas relacionados com a sua carreira. O antigo craque brasileiro, Bola, de Ouro em 2007, falou da sua relação com Cristiano Ronaldo, José Mourinho e dos anos em que esteve no Real Madrid.

Relação com CR7: “Cristiano é um cara fora de série, realmente. No dia a dia, é um cara nota 10, super atencioso com todo mundo. Tem o jeito dele, que todos entendiam, dentro do balneário de atletas nós sabemos como é, essa vaidade, todos brincavam com ele. Mas é um cara dez. Nós íamos fazer pré-temporada em Los Angeles, ele pedia para alguém comprar 15 telemóveis e distribuía para o pessoal que trabalhava no clube. Coisas do dia a dia muito básicas, mas que ele demonstrava muito do ser humano que ele é. [...] Ele sempre me ajudou muito, sempre que podia nas entrevistas estava a ajudar-me, a incentivar-me. Os atletas lá viam o sacrifício que eu estava a fazer para poder jogar. Nunca tive problema com nenhum. Ao longo da minha carreira nunca tive problema com ninguém”.

Relação com José Mourinho: “Sem problema nenhum. Eu fui para Manchester no evento de um patrocinador, fiquei no mesmo hotel que ele e ficamos duas horas a falar. Desentendemo-nos no Real Madrid. Porque eu achava que tinha de jogar e ele achava que não. Mas era um desentendimento muito respeitoso. Em nenhum momento eu me revoltei, "vou embora daqui", nem saí dando declarações em relação ao treinador. "É sua escolha, acho que você poderia ter outra escolha, acho que eu tenho possibilidade de jogar. Agora, você está tomando uma escolha..." Era a escolha dele. Ele não tinha o argumento. E nesse momento a equipa era tão boa que eu também não tinha muito argumento. 'Você não vai jogar porque vai jogar o Ozil". "Está bem mister, tudo bem, eu acho que posso jogar e contribuir de uma forma importante. O Ozil é um grande jogador. eu estou aqui disponível". [...] Mourinho é exatamente aquilo que vemos nas câmaras. Explosivo, mas é extremamente inteligente, muito preparado. Então aquilo que a gente vemos nas entrevistas está tudo preparado, planeado. Ele sabe exatamente o que vai dizer. O problema que eu tive com ele foi de escolhas. Eu acreditava que as escolhas dele naquele momento não eram corretas em relação a mim. Para a equipa funcionou, ganhou o Campeonato espanhol, chegou à meia-final da Champions. Não ganhou a Champions, mas aí também foi por questão de jogo.”

Passagem pelo Real Madrid: “Eu tinha uma convicção que ia dar certo, que era até algo fora do comum. Hoje eu faço esse debate e coloco às vezes em causa quando demoramos muito para tomar uma decisão. O quanto é persistência e o quanto é teimosia. Não sei se eu fui teimoso ou persistente. Eu acho que fui persistente, fui até onde eu podia, até ao meu limite. Então na temporada 2013/2014, com a chegada do Ancelotti, o presidente Florentino [Pérez] quis renovar com jogadores da formação, jogadores novos que tinham chegado, e o Ancelotti foi muito claro comigo: "Olha, o presidente pediu para usarmos esta estratégia este ano" E eu disse-lhe: "Mister, eu preciso jogar porque eu quero jogar o Mundial de 2014". E a melhor opção era eu sair.”
Título e Texto: Notícias Ao Minuto, 30-12-2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-