segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Assim se vê a hipocrisia do PCP

Como é que se responde à injustiça? É com factos. Com argumentos. Com documentos. Não com esta gritaria desvairada, onde tanta chinfrineira parece ter um único objetivo: evitar dar explicações.

João Miguel Tavares


O PCP acha que é um partido muito diferente dos outros, mas assim que é confrontado com uma notícia eticamente embaraçosa, reage com os mesmos argumentos – e com o mesmo destrambelhamento – de Sócrates, Vara e companhia. Só pode ser “calúnia”. “Mentira”. “Manipulação”. “Difamação”. “Uma abjeta peça de anticomunismo”, reveladora da “mercenarização” do jornalismo e do “atrevimento inqualificável” da TVI, que adotou como “critérios editoriais” (estou a citar o maravilhoso comunicado do PCP) o “insulto gratuito” e a “reabilitação de Salazar e do regime fascista”.

Santa Maria Mãe de Deus. O que é que fez a TVI, afinal? Pediu a Manuel Luís Goucha e a Mário Machado para espancarem a múmia de Lenine? Não. Atreveu-se apenas a investigar uma curiosa contratação ocorrida no município de Loures, onde quem manda é o comunista Bernardino Soares. Um senhor, genro de Jerónimo de Sousa, cuja experiência profissional se resumia a empregos num talho, num supermercado e numa florista, celebrou vários contratos de ajuste direto com a Câmara de Loures, totalizando mais de 150 mil euros.

Só em outubro de 2018, segundo a TVI, o senhor (ou melhor: a empresa unipessoal do senhor) terá faturado 11 mil euros para mudar oito lâmpadas e dois casquilhos (os contratos com a autarquia têm o objetivo de assegurar a limpeza de vidros dos espaços de publicidade institucional, mudar cartazes e substituir lâmpadas). Em novembro, revelou ainda a TVI, o seu volume de trabalho aumentou, e os mesmos 11 mil euros foram faturados em troca da mudança de dez lâmpadas e a substituição de 160 cartazes publicitários.

Quando questionado sobre esta inusitada situação, Jerónimo de Sousa ficou verde, e balbuciou qualquer coisa sobre a família não dever ser utilizada como arma de arremesso. E Bernardino Soares justificou os avultados montantes despendidos com uma frase que terá feito Karl Marx dar duas voltas no caixão e Álvaro Cunhal soluçar a partir do além: “São os preços do mercado.” Após este surto neoliberal de Bernardino, apareceu então o referido comunicado do PCP em linguagem leninista-delirante, sugerindo por duas vezes que há uma ligação clara entre a reportagem e a ida de Mário Machado ao programa de Goucha, na medida em que a estação de Queluz está empenhadíssima no branqueamento do fascismo.

A insidiosa invocação da relação entre uma empresa e as relações familiares do secretário-geral do PCP só pode ser vista como uma gratuita provocação”, diz o comunicado. A bem dizer, também pode ser vista como uma simples notícia. Em quantos países do mundo seria esta história digna de ser publicada? Em todos, exceto, vá lá, a URSS e a Coreia do Norte. Pode a TVI ter-se enganado e estar a ser extremamente injusta para com Jerónimo de Sousa? Pode, com certeza. Mas então a forma certa de responder a esse tremendo erro é explicando em pormenor aquilo que realmente aconteceu.

Será que o genro de Jerónimo tem imensa experiência a trocar cartazes e a limpar vidros? Será que não foram dois casquilhos, mas dois mil? Será que estamos perante um competentíssimo prestador de serviços que descobriu a sua oportunidade nos classificados da autarquia? Tudo é possível. Às tantas, invocar a sua proximidade com Jerónimo de Sousa é realmente injusto. Mas, mais uma vez, como é que se responde à injustiça? É com factos. Com argumentos. Com documentos. Não com esta gritaria desvairada, onde tanta chinfrineira parece ter um único objetivo: evitar dar explicações.
Título e Texto: João Miguel Tavares, Público, 20-1-2019

Relacionados:

Um comentário:

  1. Não é anticomunismo é sim uma discussão muito capitalista entre os sócios dessa rentabílissima empresa chamada Geringonça
    por helenafmatos

    Se bem percebo o genro do Jerónimo fazer contratos com a câmara de Loures é um horror, já o marido da ministra da Justiça ser contratado pela ministra do mar para liderar a renegociação da concessão do terminal de Sines é uma coisa que não indigna ninguém.
    Não tenho qualquer dúvida que o nepotismo rima com comunismo mas aquilo a que estamos a assistir nas indignações indignadinhas do PS e do BE em torno da contratação do genro de Jerónimo de Sousa é tão só as manobras do BE a tentar correr com o PCP e o PS a ver se os amaina.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-